História Hogwarts: 1995 Lendo Harry Potter e a Ordem da Fênix - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Aventura, Fantasia, Futuro, Harry Potter, Lendo, Magia, Tempo, Viagem No Tempo
Visualizações 275
Palavras 9.295
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Escolar, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!! Eu realmente sinto muito, esse capítulo ficou pronto já faz algum tempo, mas não consegui postar de jeito nenhum, graças à Internet ruim.
Luna Lovegood lê "Luna Lovegood".

Capítulo 15 - Luna Lovegood


Fanfic / Fanfiction Hogwarts: 1995 Lendo Harry Potter e a Ordem da Fênix - Capítulo 15 - Luna Lovegood

– Capítulo X – Luna Lovegood.

Luna arregalou os olhos; quase não creditou, mas era verdade: seu nome era o título do capítulo. Foi por isso que Dumbledore queria que ela lesse.

A maioria não acreditou quando ela disse o nome do capítulo.

- Mas qual é o nome do capítulo? – perguntou alguém de outra mesa.

- Esse é o nome do capítulo – disse Luna com simplicidade. – “Luna Lovegood”.

- Ela está inventando...

- É verdade – disse Dumbledore, para a surpresa dos demais.

- Esse é o nome do capítulo – confirmou Alvo, e Rose e Scorpius concordaram com a cabeça.

Harry arregalou os olhos, confuso; conhecera Luna Lovegood brevemente no caminho até Hogwarts, mas não sabia quase nada sobre ela. Olhou para Alvo e os amigos, mas nenhum deles lhe diria nada.

Ainda surpresa, Luna começou a ler:

Harry teve uma noite inquieta. Seus pais entravam e saíam dos seus sonhos, sempre calados; a Sra. Weasley soluçava sobre o cadáver de Monstro, observada por Rony e Hermione, que estavam usando coroas, e mais uma vez Harry se viu descendo por um corredor que terminava em uma porta fechada.

Harry desejou que ninguém estivesse olhando para ele com estranhamento, nem com risinhos.

Mas outros se entreolharam, questionando-se o que seria o tal corredor.

Acordou bruscamente com a cicatriz formigando e encontrou Rony já vestido e falando com ele.

—... é melhor se apressar, mamãe está furiosa, diz que vamos perder o trem...

Havia grande confusão e barulho na casa. Pelo que ouviu enquanto se vestia rapidamente, Harry conseguiu entender que Fred e Jorge tinham enfeitiçado seus malões para voar escada abaixo, a fim de economizar o trabalho de carregá-los, e, em consequência, eles haviam colidido diretamente com Gina e feito a irmã rolar dois lances de escada até o corredor; a Sra. Black e a Sra. Weasley estavam ambas berrando a plenos pulmões.

—... PODERIAM TÊ-LA MACHUCADO SERIAMENTE, SEUS IDIOTAS...

- Eu tinha razão de reclamar, não tinha? – afirmou Molly a quem quisesse ouvir.

Mas Gina sacudiu a cabeça.

- Nem foi tão ruim assim, eu só levei um susto...

- Mas podia ter se machucado e muito, caindo dali. Se seus irmãos tivessem o mínimo de cuidado...
- Mamãe, queremos escutar – pediu Gina, constrangida.

— MESTIÇOS IMUNDOS, EMPORCALHANDO A CASA DOS MEUS PAIS...

Sirius Black suspirou, imaginando quanto mais teria de suportar aquela casa.

Talvez não muito mais, agora que seguiriam Harry para Hogwarts, e ele provavelmente não voltaria mais para o largo Grimmauld.
Nem eu voltarei, lembrou-se; a ideia o animou, e ele espiou Alvo e Rose e o garoto Scorpius com gratidão.

Hermione entrou correndo no quarto com o rosto afogueado, na hora em que Harry estava calçando os tênis. Edwiges se equilibrava no ombro da garota, que carregava Bichento a se debater em seus braços.

— Mamãe e papai acabaram de mandar Edwiges de volta — a coruja saiu esvoaçando docemente e foi se empoleirar no teto de sua gaiola. — Você já está pronto?

— Quase. A Gina está bem? — perguntou Harry, pondo os óculos no rosto.

— A Sra. Weasley já cuidou dela — disse Hermione. — Mas agora Olho-Tonto está protestando que não podemos sair até Estúrgio chegar, ou ficará faltando uma pessoa na guarda.

Olho-Tonto e os outros membros da Ordem se entreolharam, preocupados; Estúrgio ainda estava em Azkaban, e precisavam tirá-lo de lá o quanto antes.  

— Guarda? — perguntou Harry. — Temos de ir a King’s Cross com uma guarda?

— Você tem de ir a King’s Cross com uma guarda — corrigiu-o Hermione.

Harry franziu o cenho; não gostara da ideia de ser vigiado de perto.

— Por quê? — perguntou Harry, irritado. — Pensei que Voldemort estivesse agindo nas sombras ou será que você está me dizendo que ele vai pular de dentro de um latão de lixo e tentar me matar?

— Eu não sei, foi o que Olho-Tonto disse — respondeu Hermione desatenta, olhando para o relógio — mas se não sairmos logo decididamente vamos perder o trem...

— SERÁ QUE VOCÊS PODEM DESCER AQUI, AGORA, POR FAVOR! — berrou a Sra. Weasley, e Hermione deu um salto como se tivesse se escaldado, e saiu correndo do quarto.

Harry agarrou Edwiges, enfiou-a sem cerimônia na gaiola e saiu atrás da amiga, arrastando seu malão.

O retrato da Sra. Black uivava de fúria, mas ninguém se preocupava em fechar as cortinas sobre seu retrato para fazê-la calar; todo aquele estardalhaço no corredor com certeza iria tornar a despertá-la.

— Harry, você vem comigo e com Tonks — gritou a Sra. Weasley, tentando abafar os repetidos guinchos de “SANGUES RUINS! RALÉ! CRIATURAS DA IMUNDÍCIE!” — Deixe o malão e a coruja, Alastor vai cuidar da bagagem... ah, pelo amor de Deus, Sirius, Dumbledore disse não!

Um cachorrão peludo aparecera ao lado de Harry quando ele tentava escalar os vários malões que atravancavam o hall e chegar à Sra. Weasley.

- Ah!

- Então, ele é aquele cachorro!

- Que cachorro?!

- O que estava junto com o Potter lá na estação.

Alguns se surpreenderam, outros criticaram.

- Não foi uma ideia muito boa, não é? – comentou Reiko. – Quer dizer, os aliados de Você-Sabe-Quem sabem que ele pode se transformar em cachorro, então ele estava se expondo...

- Mas os Comensais da Morte não podem agir na frente de testemunhas – lembrou Astoria.

- Mas podem avisar o Ministério da Magia – lembrou Derek. – Lembram que há uns dias, apareceu uma notícia no Profeta, de que Sirius Black estava na Plataforma?

Astoria arregalou os olhos.

- Você acha que algum Comensal da Morte percebeu? – ela estalou os dedos. – Claro! Lúcio Malfoy! – sussurrou, quase inaudível. – Ele em ligações com o Ministério, deve ter sido ele.

- Ou alguém ligado a ele que estava na plataforma – sussurrou Derek, os olhos virando-se de relance para Draco Malfoy. 

Draco riu com desdém; lembrava-se do cachorro que aparecera com Harry Potter. Bastara uma mensagem para que o pai soubesse que Sirius Black estivera no trem com Potter.

Infelizmente, não fora o suficiente; agora, Black estava inocentado, graças à ação daqueles supostos viajantes do tempo, e ele nem podia contar ao pai o que descobrira.

— Ah, francamente... — respondeu a Sra. Weasley, desesperada. — Bom, mas seja por sua conta e risco!

Sirius bufou; estivera preso naquela casa por meses, precisava de uma chance de sair com Harry.

Tinha vontade de esbravejar isso naquele momento, mas permaneceu quieto.

Ela abriu com violência a porta de entrada e saiu para o dia palidamente iluminado de setembro. Harry e o cachorro a acompanharam. A porta bateu às costas deles, e os guinchos da Sra. Black cessaram instantaneamente.

Alvo e Rose se entreolharam, com expressões tristes, que não passaram despercebidas pelos demais.

— Cadê a Tonks? — perguntou Harry, olhando a toda volta, enquanto descia os degraus de pedra do número doze, que sumiram no instante em que eles pisaram a calçada.

— Está nos esperando ali adiante — respondeu a Sra. Weasley secamente, evitando olhar o cachorro preto que se sacudia ao lado de Harry.

Sirius crispou os lábios, irritado.

Ao lado, Tonks o observou de longe.

- Por que Molly está tratando Sirius desse jeito? Ela age como se ele fosse culpado de alguma coisa...

- Talvez devêssemos conversar com ela – disse Remo. – Com os dois, quando isso terminar...

Uma velha cumprimentou-os na esquina. Tinha cabelos grisalhos muito crespos e usava um chapéu roxo em feitio de torta de porco.

— Aí, beleza, Harry! — cumprimentou Tonks, com uma piscadela. — É melhor a gente se apressar, não acha, Molly? — acrescentou, verificando a hora.

Tonks sorriu; ouvia pessoas comentarem com interesse sua Metamorfomagia.

- Não sabia que ela podia se transformar numa pessoa totalmente diferente.

- Será que ela consegue se passar por outra pessoa?

Tonks deu um risinho.

- Eu já tentei – admitiu ela. – Tentei uma vez me passar por um professor; mas descobri que se transformar em outra pessoa é muito mais difícil do que inventar uma pessoa da minha cabeça.

— Eu sei, eu sei — gemeu a Sra. Weasley, apertando o passo — mas Olho-Tonto queria esperar por Estúrgio... se ao menos Arthur tivesse nos arranjado carros do Ministério outra vez... mas Fudge ultimamente não o deixa pedir emprestado nem um tinteiro vazio... como é que os trouxas conseguem viajar sem magia...

- Não é muito difícil – comentou Hermione. – Só que as viagens demoram mais tempo, e eles precisam se programar antes do horário...

Os colegas olharam descrentes para Hermione; pelo visto, todos achavam que viajar sem magia seria muito difícil.

Mas o cachorrão preto deu um latido alegre e correu animado ao redor deles, assustando os pombos e caçando o próprio rabo. Harry não pôde deixar de rir. Sirius ficara preso em casa por muito tempo. A Sra. Weasley contraiu os lábios de um jeito quase igual ao de tia Petúnia.

Levaram vinte minutos para chegar a King’s Cross a pé, e nada mais excitante aconteceu durante esse tempo, exceto Sirius ter espantado uns gatos para divertir Harry.

- E você diz que viajar sem magia não é tão difícil – disse Parvati a Hermione.

- Vinte minutos não é tanto tempo – rebateu Hermione. – E depois, trouxas têm carros para fazer esses percursos.

Uma vez na estação, eles pararam displicentemente ao lado da barreira entre as plataformas nove e dez até não haver ninguém à vista, depois, um a um, atravessaram para a plataforma nove e três quartos, onde o Expresso de Hogwarts aguardava, arrotando fumaça escura sobre a plataforma apinhada de alunos que iam embarcar e suas famílias. Harry aspirou aqueles cheiros familiares e sentiu seu ânimo fortalecer... ia realmente regressar...

- Pelo menos, ninguém nos impediu dessa vez – comentou Rony.

Harry riu.

- Dobby deve andar muito ocupado aqui em Hogwarts.

Alvo e Rose se entreolharam, contraindo os lábios um para o outro.

— Espero que os outros cheguem a tempo — comentou a Sra. Weasley, ansiosa, olhando para o arco de ferro trabalhado que abarcava a plataforma e por onde chegariam os novos passageiros.

— Belo cão, Harry! — disse um rapaz alto com cachos rastafári.

— Obrigado, Lino — disse Harry sorrindo, enquanto Sirius sacudia a cauda freneticamente.

Lino Jordan olhou de Harry para Sirius, e depois para Fred e Jorge.

- Vocês...

- Não podíamos contar, né? – disse Fred, com divertimento.

— Ah, que bom! — exclamou a Sra. Weasley, parecendo aliviada. — Aí vem Alastor com a bagagem, vejam...

Com um boné de carregador cobrindo os olhos díspares, Moody passou mancando pelo arco, atrás de um carrinho carregado com as malas dos garotos.

— Tudo bem — murmurou ele para a Sra. Weasley e Tonks — acho que ninguém nos seguiu...

- Sempre o mesmo Olho-Tonto – comentou Remo, risonho.

- Você parece mais bem-humorado ultimamente – comentou Tonks.

- Temos o que comemorar por enquanto, não é? – disse Remo. – Sirius está inocentado, o ministro cogitou um acordo com a Ordem da Fênix, e temos uma chance muito maior de vencer essa guerra.

Um lampejo apareceu nos olhos de Remo Lupin, que fez Tonks sentir um surto de afeição pelo amigo, que ela não conseguiu explicar.

Segundos depois, o Sr. Weasley surgiu na plataforma com Rony e Hermione. Tinham praticamente descarregado o carrinho de bagagem quando Fred, Jorge e Gina apareceram com Lupin.

— Nenhum problema? — rosnou Moody.

— Nada — respondeu Lupin.

— Ainda assim, vou dar parte de Estúrgio a Dumbledore — disse Moody — é a segunda vez em uma semana que ele não aparece. Está ficando tão irresponsável quanto Mundungo.

Olho-Tonto piscou pelo olho normal, sentindo uma pontada de remorso; sabia que Estúrgio fora pego em alguma armadilha, ele não seria flagrado de forma tão tola.

- Ele foi enfeitiçado – murmurou Olho-Tonto a Dumbledore. – Provavelmente por Malfoy, e por isso tentou entrar no Departamento do Mistérios. 

- Imaginei isso – suspirou Dumbledore, pesaroso. – Mas por ora, Estúrgio não pode ser liberto de Azkaban.

- Eu sei – disse Olho-Tonto com amargura. – Mesmo que convencêssemos Fudge, levantaria muitas suspeitas... só espero que o velho Estúrgio aguente firme enquanto permanecer lá...

- Aposto que ele vai – disse Sirius. – Ele é inocente, e isso é uma coisa que nem mesmo aqueles Dementadores podem tirar dele.

— Bom, cuidem-se bem — desejou Lupin, apertando a mão de todos. Despediu-se de Harry por último e lhe deu uma palmada no ombro. — Você também, Harry. Tenha cuidado.

— É, cabeça baixa e olhos alertas — disse Moody, apertando a mão do garoto também. — E não se esqueçam, todos vocês: cuidado com o que escrevem. Se tiverem dúvida sobre alguma coisa, não a mencionem em carta.

— Foi ótimo conhecer vocês — disse Tonks, abraçando Hermione e Gina. — Logo nos reveremos, espero.

Soou um primeiro apito; os alunos, ainda na plataforma, correram para o trem.

— Depressa, depressa — disse a Sra. Weasley, distraída, abraçando-os a esmo, e segurando Harry duas vezes. — Escrevam... se comportem... se esqueceram alguma coisa nós mandaremos... agora subam no trem, depressa...

Por um breve momento, o enorme cão negro ergueu-se nas patas traseiras e apoiou as dianteiras nos ombros de Harry, mas a Sra. Weasley empurrou o garoto em direção à porta do trem.

— Pelo amor de Deus, Sirius, comporte-se mais como um cachorro! — sibilou ela.

Sirius bufou; cachorros pulam em cima dos donos, era perfeitamente normal.

— Até mais! — gritou Harry pela janela aberta, quando o trem começou a andar, enquanto Rony, Hermione e Gina acenavam ao seu lado.

As silhuetas de Tonks, Lupin, Moody e do Sr. e da Sra. Weasley foram encolhendo rapidamente, mas o cachorro preto continuou saltando ao lado da janela, abanando o rabo; gente na plataforma agora pouco visível ria de ver o cão correndo atrás do trem, então contornaram uma curva, e Sirius desapareceu.

— Ele não devia ter vindo com a gente — comentou Hermione, manifestando preocupação na voz.

— Ah, anime-se — disse Rony — ele não vê a luz do dia há meses, coitado.

— Bom — disse Fred, batendo palmas — não podemos ficar aqui conversando o dia inteiro, temos negócios a discutir com o Lino. Vemos vocês mais tarde.

E ele e Jorge desapareceram pelo corredor à direita.

- Aposto que foram combinar as primeiras brincadeiras do ano – comentou Gina, rindo com Rony.

O trem continuou a ganhar velocidade, fazendo os garotos que continuavam em pé balançarem, e transformando as casas em imagens fugidias.

— Então, vamos arranjar uma cabine? — convidou Harry.

Rony e Hermione se entreolharam.

— Hum — falou Rony.

— Nós... bem... Rony e eu temos de ir para o carro dos monitores — disse Hermione, sem jeito.

Harry e os amigos se entreolharam; não estavam gostando de ter esses momentos expostos.

Rony não estava olhando para Harry; parecia vivamente interessado nas unhas da mão esquerda.

— Ah — respondeu Harry. — Certo. Ótimo.

— Acho que não temos de ficar lá a viagem inteira — acrescentou Hermione depressa. — Nossas cartas dizem que vamos receber instruções dos monitores-chefes e depois patrulhar os corredores de tempos em tempos.

- Não é tão fácil assim – disse Rony, com uma careta. – Aquele pessoal do primeiro ano não para de fazer bagunça.

- Você não era muito diferente – lembrou-lhe Hermione.

- Eu não ficava agindo o tempo todo como aqueles ali – retorquiu Rony.

- Na verdade, nenhuma criança age igual – disse Rose. – No nosso primeiro ano, também tínhamos muitos colegas inquietos.

- E outros que não gostavam muito de chamar atenção – lembrou-se Scorpius, com um sorriso triste.

— Ótimo — repetiu Harry. — Bom, eu... eu talvez veja vocês mais tarde, então.

— É, com certeza — disse Rony, lançando um olhar esquivo e ansioso ao amigo. — É chato ter de ir para lá, eu preferia... mas temos de ir... quero dizer, não estou me divertindo, não sou o Percy — concluindo em tom de desafio.

— Sei que você não é — disse Harry, rindo.

Mas quando Hermione e Rony arrastaram os malões, Bichento e Píchi, engaiolada, em direção à frente do trem, Harry teve uma estranha sensação de perda. Nunca viajara no Expresso de Hogwarts sem Rony.

— Anda — disse-lhe Gina — se formos logo, poderemos guardar lugares para eles.

— Certo — concordou Harry, pegando a gaiola de Edwiges com uma das mãos e a alça do seu malão com a outra. 

Eles avançaram com dificuldade pelo corredor, espiando pelas vidraças das cabines e descobrindo que já estavam ocupadas. Harry não pôde deixar de notar que muitos garotos o olharam com grande interesse e que vários cutucaram os vizinhos e apontaram para ele.

Harry suspirou com raiva; por quanto tempo teria de aguentar os outros agindo assim?

Talvez não muito tempo; a maioria dos alunos que antes estavam confusos sobre o que acreditar pareciam agora convencidos de que Harry Potter dizia a verdade, e Voldemort realmente retornara.

Embora isso fosse muito mais inquietante do que acreditar que Harry Potter era louco.

Depois de registrar esse comportamento em cinco carros consecutivos, ele lembrou que, durante o verão inteiro, o Profeta Diário andara informando aos seus leitores que ele era um mentiroso exibicionista. Perguntou-se, desolado, se as pessoas que agora o olhavam e cochichavam teriam acreditado naquelas histórias.

No último carro, eles encontraram Neville Longbottom, o garoto do quinto ano, colega de Harry na Grifinória, o rosto redondo brilhando com o esforço de arrastar o malão e segurar, com apenas uma das mãos, o seu sapo Trevo, que se debatia.

- Eu não posso mais perdê-lo – comentou ele, envergonhado. – Da última vez, ele quase caiu do trem.

— Oi, Harry — ofegou. — Oi Gina... está tudo cheio... não consegui encontrar um lugar!

— Do que é que você está falando? — respondeu Gina, que se espremera para passar por Neville e espiar a cabine atrás dele. — Tem lugar nesse aí, só tem a Di-lua/Luna Lovegood...

Luna, então, fez uma pausa, surpresa; iria aparecer.

Será que seria importante, de alguma maneira? Será que teria algum papel no futuro?

Mas isso não foi o pensamento que a excitou mais; se ela teria um papel no futuro, talvez os colegas se tornassem seus amigos, enfim. 

- Por que ela fica encarando o livro? – indagou Lisa Turpin. – Luna, ei, Luna, você vai ler ou não?

Pestanejando, Luna saiu dos pensamentos e voltou a ler:

Neville murmurou alguma coisa sobre não querer incomodar ninguém.

— Não seja bobo — disse Gina dando risadas. — Ela é legal.

Luna parou de ler mais uma vez; não sabia que Gina Weasley a considerava “legal”.

- Você vai ler ou não? – perguntou Terry Boot.

Luna voltou a ler, ainda surpresa.

Gina abriu a porta e puxou seu malão para dentro. Harry e Neville a seguiram.

— Oi, Luna — cumprimentou ela — tudo bem se a gente ocupar esses lugares?

A garota ao lado da janela ergueu os olhos. Tinha cabelos louros, sujos e mal cortados, até a cintura, sobrancelhas muito claras e olhos saltados, que lhe davam um ar de permanente surpresa. Harry entendeu na hora por que Neville preferira procurar outra cabine. A garota emanava uma aura de nítida birutice. Talvez fosse porque guardara a varinha atrás da orelha esquerda, por medida de segurança, ou porque tivesse decidido usar um colar de rolhas de cerveja amanteigada, ou ainda porque estivesse lendo a revista de cabeça para baixo. Seus olhos estudaram Neville e se fixaram em Harry.

Os alunos olhavam com estranhamento; parecia ser a pessoa mais estranha de que já haviam ouvido falar.

- Di-lua Lovegood.

- Totalmente no mundo da Lua!

Harry abafou um riso, lembrando-se da sensação que tivera quando Luna Lovegood pusera os olhos muito abertos sobre ele.

Ela fez que sim com a cabeça.

— Obrigada — disse Gina, sorrindo para ela.

Harry e Neville guardaram os três malões e a gaiola de Edwiges no bagageiro e se sentaram. Luna observou-os por cima da revista invertida, que se chamava O Pasquim.

Aparentemente, ela não piscava com tanta frequência quanto as pessoas normais. Não parava mais de olhar para Harry, que se acomodara no assento defronte, e agora desejava não ter feito aquilo.

Alvo, Rose e Scorpius observavam Harry, tentando não sorrir.

- Ela... – murmurou Gina.

- Sabe que não podemos falar nada – disse Rose, brevemente, embora seu esforço para não sorrir a traísse.

— Boas férias, Luna? — perguntou Gina.

— Boas — disse Luna sonhadora, sem tirar os olhos de Harry. — É, foram bem divertidas, sabe. Você é Harry Potter — acrescentou.

— Eu sei que sou — respondeu Harry.

Neville riu. Luna voltou então seus olhos claros para ele.

Neville engoliu em seco. Envergonhado; preferia ser ignorado do que ser encarado daquela maneira.
— Eu não sei quem você é.

— Não sou ninguém — respondeu Neville, apressado.

— Não, não é não — disse Gina com rispidez. — Neville Longbottom, Luna Lovegood. Luna está no mesmo ano que eu, mas é da Corvinal.

- É claro que é – disse Pansy Parkinson às amigas. – Onde mais uma garota tão sem noção da realidade ficaria?

- Na Grifinória, talvez? – acrescentou Daphne.

Quase todas as amigas riram, menos Tracey Davis, que vinha ignorando o que as colegas diziam desde que a leitura recomeçara.

— O espírito sem limites é o maior tesouro do homem — disse Luna entoando o ditado.

E erguendo a revista o suficiente para esconder o rosto, ela se calou. Harry e Neville se entreolharam com as sobrancelhas erguidas. Gina reprimiu uma risadinha.

O trem avançou barulhento, levando-os em velocidade para o campo aberto. O dia estava estranho, meio instável; em um momento o carro se inundava de sol e no seguinte passavam sob agourentas nuvens escuras.

— Adivinhem o que ganhei de aniversário? — perguntou Neville.

— Mais um Lembrol? — perguntou Harry, lembrando-se do dispositivo em forma de bola de gude que a avó de Neville lhe mandara na tentativa de melhorar sua incrível falta de memória.

— Não — respondeu o garoto. — Até que um Lembrol viria a calhar, perdi o antigo há séculos... não, olhe só isso...

Luna parou de ler, mais uma vez, e riu.

- O que será que ela está fazendo agora? – perguntou-se Lisa Turpin, com rispidez.

- Ei, Di-lua! – chamou um garoto mais velho. – Pode voltar a ler?

Terminando de rir, Luna voltou a ler:

Ele enfiou na mochila a mão livre – a outra segurava Trevo firmemente – e, depois de procurar um pouco, tirou um vaso contendo algo parecido com um pequeno cacto cinzento, exceto que era recoberto de pústulas, em vez de espinhos.

— Mimbulus mimbletonia — disse orgulhoso.

Luna riu de novo.

Harry olhou para a coisa. Pulsava levemente, o que lhe dava a aparência sinistra de um órgão interno avariado.

- Não é muito bonita – admitiu Neville, meio constrangido. – Mas é uma planta muito útil.

Draco Malfoy revirou os olhos.

- Só alguém como Longbottom para achar interesse numa planta idiota.

Mas Draco não sabia que seu professor favorito, Snape, no momento demonstrava ligeiro interesse pelo assunto; Mimbulus mimbletonia era um ingrediente muito raro para inúmeras poções; faria bem em conseguir que fosse multiplicada, em vez de exportá-la da Assíria.

Talvez Neville Longbottom não fosse de todo sem utilidade para ele.

— É uma escrofulária realmente rara — comentou Neville radiante. — Nem sei se na estufa de Hogwarts tem uma. Mal posso esperar para mostrar à Profª Sprout. Meu tio-avô Algie conseguiu-a para mim na Assíria. Vou ver se consigo multiplicá-la.

Harry sabia que o assunto favorito de Neville era Herbologia, mas, por mais que se esforçasse, não conseguia imaginar o que o garoto poderia querer com aquela plantinha nanica. 

— Ela... hum... ela faz alguma coisa? — perguntou.

— Muita coisa! — respondeu Neville, orgulhoso. — Tem um fantástico mecanismo de defesa. Tome, segure o Trevo aqui para mim...

Ele largou o sapo no colo de Harry e tirou uma pena da mochila. Os olhos saltados de Luna Lovegood tornaram a aparecer por cima da borda da revista invertida, para espiar o que Neville estava fazendo.

- Por que ela se interessa por essa planta idiota? – murmurou Romilda Vane para uma colega.

- Melhor não perder tempo tentando entender como a Di-lua pensa – disse outra colega de Romilda.

O garoto segurou a escrofulária próxima dos olhos, a língua entre os dentes, escolheu um ponto e espetou com força a planta.

A planta espirrou líquido de todas as pústulas; jatos verde-escuros, malcheirosos, espessos. Eles bateram no teto, nas janelas, e salpicaram a revista de Luna Lovegood; Gina, que erguera os braços para proteger o rosto bem em tempo, ficou parecendo que usava um chapéu verde pegajoso, mas Harry, cujas mãos tinham estado ocupadas com Trevo para impedir que o sapo fugisse, recebeu o jato em cheio no rosto. Cheirava a estrume rançoso.

Harry sentiu uma pontada de vergonha, ao ouvir as risadas que ecoaram de todos os cantos das mesas das Casas.

A turma de Draco gargalhou como nunca.

- Que utilidade a planta do Longbottom – debochou Draco. – Todos vão querer uma coisa que espirra gosma fedorenta nos outros, por que não?

Ignorando os comentários de Malfoy, que de tão altos chegavam até a mesa da Grifinória, Neville lançou um olhar de remorso a Harry e Gina, como se tentasse pedir desculpas outra vez.

Mas Luna voltou a rir sem constrangimento; achava que o episódio da planta fora muito engraçado.

Neville, cujo rosto e tronco também estavam encharcados, sacudiu a cabeça para limpar o excesso dos olhos.

— D-desculpem — disse gaguejando. — Eu não tinha experimentado isso antes... não pensei que seria tão... mas não se preocupem, esta escrofulária não é venenosa — acrescentou ele, nervoso, enquanto Harry cuspia um bocado de seiva no chão.

Neste exato momento, a porta da cabine se abriu.

— Ah... olá, Harry — disse uma voz agitada. — Hum... cheguei em má hora?

Harry limpou as lentes dos óculos com a mão livre. Uma garota bonita, de cabelos negros e brilhantes, estava parada à porta sorrindo para ele: Cho Chang, apanhadora do time de Quadribol de Corvinal.

Cho Chang pestanejou, envergonhada; Harry Potter a descrevera como bonita.

- Você ouviu isso? – disse à amiga, Marietta. – Ele acha que eu sou...

Mas um pensamento triste passou por sua cabeça, e então, ela se curvou com as mãos no rosto, enquanto passava um braço por entre seus ombros.

— Ah... oi — disse Harry, desconcertado.

— Hum... — respondeu Cho. — Bem... pensei em dar um alô... então tchau.

Corando um pouco, a garota fechou a porta e foi embora.

- Eu duvido que ela quisesse só dizer um alô – disse Rony, sorrindo para o amigo.

Harry sorriu sem graça, sem perceber que Alvo e Rose se entreolhavam com constrangimento.

Harry se largou no banco e gemeu. Gostaria que Cho o encontrasse sentado com um grupo muito legal, se acabando de rir de uma piada que tivessem acabado de contar; e não ali, com Neville e Luna Lovegood, segurando um sapo e pingando escrofulária. 

— Tudo bem — disse Gina, procurando consolar o garoto. — Olhe, podemos nos livrar de tudo isso facilmente.

E puxando a varinha ordenou: Limpar!

A seiva da escrofulária desapareceu.

- Não foi uma coisa tão ruim assim – disse Gina a Harry.

— Desculpe — tornou a dizer Neville, com uma vozinha tímida.

Rony e Hermione só apareceram depois de uma hora, altura em que o carrinho de comida já passara. Harry, Gina e Neville já haviam comido as tortinhas de abóbora e se entretinham em trocar os cartões dos sapos de chocolate, quando a porta da cabine se abriu e os dois entraram acompanhados por Bichento e Píchi, que soltava pios agudos em sua gaiola.

— Estou morto de fome — disse Rony, guardando Píchi ao lado de Edwiges, passando a mão num sapo de chocolate de Harry e se atirando no lugar a seu lado.

- Que novidade – debochou Jorge.

- Pegou a gente de surpresa dessa vez, maninho – debochou Fred.

Abriu, então, a embalagem, arrancou a cabeça do sapo com uma dentada e se recostou, com os olhos fechados, como se tivesse tido uma manhã exaustiva. 

— Bom, tem dois monitores do quinto ano de cada casa — disse Hermione, parecendo completamente desapontada quando se sentou. — Um garoto e uma garota.

- Achei que ser monitor fosse mais exclusivo – comentou Hermione.

— E adivinhem quem é o monitor da Sonserina? — disse Rony, mantendo os olhos fechados.

— Malfoy — respondeu Harry na mesma hora, certo de que seus piores receios teriam se confirmado.

Harry sorriu amarelo; era óbvio que Malfoy seria escolhido por Snape como monitor.

Viu Scorpius trocar um olhar constrangido com Al e Rose.

— Claro — disse Rony amargurado, enfiando o resto do sapo na boca e apanhando mais um.

— E aquela completa vaca Pansy Parkinson — disse Hermione com ferocidade. — Como foi que chegou à monitora, sendo mais obtusa que um trasgo lesado...

Daphne, Millicent e Tracey congelaram, ao ver a expressão que Pansy Parkinson tinha.

- Como é que é? – sibilou ela, o rosto contorcido de fúria. – Você vai ver quem parece um trasgo lesado, quando eu tiver acabado com ela...

- Vá com calma, Pansy – disse Daphne. – É de Hermione Granger que você quer atacar, pode não ser uma boa...

- Quê?! – gritou ela. – Você acha que eu tenho medo do que uma Sangue-Ruim idiota pode fazer?

Nem Daphne nem as outras responderam.

— Quem são os da Lufa-Lufa? — perguntou Harry.

— Ernesto Macmillan e Hannah Abbott — respondeu Rony com a voz empastada.

— E Antônio Goldstein e Padma Patil da Corvinal — continuou Hermione.

Rony sentiu as orelhas queimarem.

— Você foi ao Baile de Inverno com Padma Patil — disse uma voz imprecisa.

Todos se viraram para Luna Lovegood, que olhava sem piscar para Rony, por cima de O Pasquim. Ele engoliu o sapo de uma vez.

- Por que ela tinha que falar disso? – murmurou Rony, emburrado.

— É, eu sei que fui — disse ele, parecendo ligeiramente surpreso.

— Ela não gostou muito — informou-lhe Luna. — Acha que você não a tratou bem, porque não quis dançar com ela. Acho que eu não teria me importado — acrescentou pensativa. — Não gosto muito de dançar.

Padma cruzou os braços, sentindo-se frustrada; detestava se lembrar do Baile de Inverno.

- Eu podia ter ido com você, sabe – disse Antônio Goldstein.

- Eu sei – disse Padma, com a voz triste. – Mas a Parvati insistiu que tinha conseguido um garoto para ir comigo, e isso foi muito antes de você vir me convidar...

Padma apoiou a cabeça nos cotovelos, triste. Teria se divertido muito mais se tivesse ido com Antônio.            

Luna tornou a se esconder atrás de O Pasquim. Rony ficou olhando para a capa da revista de boca aberta por alguns segundos, depois procurou Gina com o olhar para obter uma explicação, mas a irmã havia enterrado os nós dos dedos na boca para sufocar um acesso de riso. Rony sacudiu a cabeça, confuso, depois olhou para o relógio.

- Ela é bastante direta, não é? – comentou Tonks com Remo.

- Mas por que será que o título do capítulo é o nome dessa menina? – indagou Remo, curioso.

- Acho que logo, vamos descobrir.

— Temos de patrulhar os corredores a intervalos — disse a Harry e Neville — e podemos castigar os alunos que não estiverem se comportando. Mal posso esperar para apanhar Crabbe e Goyle fazendo alguma coisa...

— Você não pode abusar da sua posição, Rony! — ralhou Hermione.

- Como se Malfoy não fosse abusar da dele – bufou Dino Thomas, lembrando-se de quando Draco Malfoy tentara lhe dar uma detenção.

— Certo, porque o Malfoy não vai abusar nem um pouquinho da dele — respondeu Rony com sarcasmo.

— Então você vai se rebaixar ao nível dele?

— Não, só vou garantir que apanho os amigos dele antes que ele apanhe os meus.

- É justo – disse Simas, acenando com a cabeça.

Dino, Neville, Parvati e Lilá concordaram.

— Pelo amor de Deus, Rony...

— Vou fazer Goyle escrever cem vezes a mesma frase, ele vai morrer, odeia escrever — disse Rony alegremente. E baixando a voz para imitar os grunhidos de Goyle, contraiu o rosto fingindo dolorosa concentração e escreveu no ar. — “Eu... não... devo... ter... cara... de... bunda... de macaco.”

Todos riram; nem os alunos mais quietos na mesa da Sonserina seguraram o riso; mas Goyle estalava os dedos, furioso e ofendido.

- Quando eu puser as mãos no Weasley pobretão – sibilou ele.

- Guarde para mim, também – disse Crabbe.

- Não, ele é meu – acrescentou Goyle, sombriamente.

À mesa da Grifinória, Rony fazia uma reverência a cada uma das outras mesas.

Todos riram, mas ninguém riu mais do que Luna Lovegood. Soltou um grito de alegria que fez Edwiges acordar e bater as asas, e Bichento pular para o alto do bagageiro, sibilando. Luna riu tanto que a revista escapou-lhe das mãos, escorregou pelas pernas e foi parar no chão.

Luna apenas riu mais uma vez.

Quase todos os colegas ao seu redor sacudiram as cabeças em reprovação.

— Essa foi boa!

Seus olhos marejados de lágrimas fixavam Rony, enquanto tentava recuperar o fôlego. Completamente aparvalhado, ele olhava para os amigos, que agora riam da expressão em seu rosto e do riso absurdamente prolongado de Luna, se balançando para a frente e para trás, comprimindo os lados do corpo.

- Será que ela está querendo fazer o Weasley de bobo? – indagou uma das colegas de Luna.

- Duvido que esteja – disse outra colega da Corvinal. – Aposto que está só sendo maluca como sempre.

— Você está tentando me fazer de bobo? — perguntou Rony enrugando a testa.

— Bunda... de macaco! — ela engasgava, segurando as costelas.

Todos apreciavam Luna rir, exceto Harry, que, batendo os olhos na revista ainda no chão, reparou em alguma coisa que o fez abaixar-se rapidamente para apanhá-la.

De cabeça para baixo, fora difícil dizer qual era a foto da capa, mas Harry agora percebia que era uma charge malfeita de Cornélio Fudge, apenas reconhecível por causa do chapéu-coco verde-limão. Uma das mãos do ministro apertava uma bolsa de ouro; a outra esganava um duende. A legenda da charge perguntava: Até onde irá Fudge para se apoderar de Gringotes?

Os alunos e professores se entreolharam, curiosos; depois do que haviam descoberto sobre o ministro...

- Que será isso? – indagou Astoria.

- Aposto que não é nada – afirmou Reiko.

- Por quê? – perguntou Derek.

- Essa revista que a garota Lovegood está lendo deve ser o Pasquim – informou Reiko. – A revista mais mentirosa da Grã-Bretanha – explicou, rindo.

Dolores Umbridge não considerou aquilo engraçado.

- Difamação – sibilou ela. – Calúnia... como esse editor se atreve a difamar o Ministro da Magia dessa maneira...

Abaixo, uma chamada para os outros títulos da revista:

— Posso dar uma olhada? — perguntou ele ansioso a Luna.

A garota concordou com a cabeça, ainda de olhos em Rony, ofegante de tanto rir.

Harry abriu a revista e correu os olhos pelo índice. Até aquele momento esquecera-se completamente da revista que Kingsley entregara ao Sr. Weasley para Sirius, mas devia ser essa mesma edição de O Pasquim.

Umbridge sorriu, animada.

- Então, é o tal do Pasquim – murmurou ela, risonha. – Eu devia saber que é uma dessas revistas de quinta eu ninguém levará a sério, jamais! – concluiu, aliviada.

Ignorando Umbridge, Luna voltou a ler:

Ele localizou a página e voltou sua atenção para o artigo, excitado.

Era também ilustrado por uma charge bem ruinzinha; de fato, Harry nem teria percebido que representava Sirius, se não houvesse legenda. O padrinho estava em pé no alto de uma pilha de ossos humanos, empunhando a varinha.

Sirius arregalou os olhos, sem entender, então aprumou-se para ouvir, com interesse.

O título do artigo era:                                     

 

SIRIUS – NEGRO COMO O PINTAM?

 

Famoso assassino em massa ou inocente sensação musical?

 

O queixo de Sirius caiu.

Ele olhou para os demais, mas todos pareciam tão surpresos quanto ele, exceto Kingsley, que estava rindo.

Harry precisou ler a primeira linha várias vezes para se convencer de que entendera corretamente. Desde quando Sirius era uma sensação musical?


Durante catorze anos acreditou-se que Sirius Black fosse culpado do assassinato em massa de doze trouxas inocentes e um bruxo. Sua audaciosa fuga de Azkaban há dois anos desencadeou a maior caçada humana que o Ministério da Magia já conduziu. Nenhum de nós jamais questionou que ele merece ser recapturado e devolvido aos dementadores. MAS SERÁ QUE ELE MERECE?

 

Sirius arqueou as aobrancelhas, com interesse. Teria alguém descoberto algum detalhe de sua história?...

 

Recentemente vieram a público novas e surpreendentes provas de que Black pode não ter cometido os crimes pelos quais foi mandado para Azkaban. De fato, diz Dóris Purkiss, da via Acântia, 18, Little Norton, Black talvez nem tenha presenciado a matança. “O que as pessoas não percebem é que Sirius Black é um nome falso”, diz a Sra. Purkiss. “O homem que elas pensam ser Sirius Black é na realidade Toquinho Boardman, vocalista do popular conjunto Os Duendeíros, e que se retirou da vida pública depois de ser atingido na orelha, por um nabo, em um concerto, em Little Norton Church Hall, há quase quinze anos. Reconheci-o no instante em que vi sua foto no jornal. Ora, Toquinho não poderia ter cometido aqueles crimes, porque no dia em questão estava, por acaso, saboreando um jantar romântico à luz de velas em minha companhia, como fã escrevi ao ministro da Magia e estou aguardando que muito breve concedam perdão total a Toquinho, ou melhor, Sirius.”

 

Atônito, Sirius olhou para os amigos, e quando viu, estava gargalhando. 

Aquela devia ser uma revista de piadas, no máximo.

Harry terminou de ler e ficou olhando a página, incrédulo. Talvez fosse uma piada, pensou, talvez a revista publicasse invencionices com frequência. Ele folheou as páginas anteriores e encontrou a notícia sobre Fudge.

 

Cornélio Fudge, ministro da Magia, há cinco anos quando foi eleito negou que tivesse planos para assumir a administração do banco dos bruxos, o Gringotes. Ele sempre insistiu em afirmar que quer apenas cooperar pacificamente com os guardiões do nosso ouro. MAS SERÁ QUE QUER MESMO?

 

Fontes ligadas ao ministro revelaram recentemente que a mais cara ambição de Fudge é assumir o controle da reserva de ouro dos duendes e que não hesitará em usar a força se for preciso.

 

“E não seria a primeira vez, tampouco”, declarou um funcionário bem informado. “Cornélio Fudge, o Mata-Duendes é como seus amigos o chamam. Se os leitores pudessem ouvi-lo quando ele pensa que não há ninguém por perto, ah, não para de falar nos duendes que matou; mandou afogar, mandou atirar do alto de edifícios, mandou envenenar, mandou cozinhar para rechear tortas...”

 

Umbridge contorcia o rosto de raiva, diante daquela difamação sem sentido; o ministro não nutria nenhum amor pelas criaturas repulsivas que os duendes eram, mas as mentiras que aquela revista baixa fora capaz de imprimir...

A maioria dos alunos, porém, estava rindo, sem levar nada daquilo a sério.

Harry não quis continuar a ler. Fudge podia ter muitos defeitos, mas o garoto achava extremamente difícil imaginá-lo dando ordens para assar duendes para rechear tortas. Ele folheou o resto da revista. Parando aqui e ali, leu uma acusação de que os Tornados de Tutshill estavam vencendo o campeonato da Liga de Quadribol, combinando chantagem, envenenamento de vassouras e tortura;  

- Se Olívio estivesse aqui, estaria zingando quem inventou essa – comentou Angelina Johnson.

- Aposto que ele iria querer esganar o editor do Pasquim pessoalmente – riu-se Fred.

uma entrevista com um bruxo que dizia ter voado até a lua em uma Cleansweep 6 e trazido um saco de sapos lunares para provar o seu feito;

- Não podem existir sapos na Lua – disse um garoto da Corvinal. – Os bruxos nunca estiveram no espaço? Não existe ar lá.

- Existem histórias de bruxos que voaram até o espaço – disse Lisa Turpin. – Mas a maioria dos bruxos nunca se interessou por isso.

- Mas até os trouxas já estiveram no espaço! – afirmou o garoto.

Todos à sua volta se surpreenderam.

- Como assim, trouxas estiveram no espaço? – perguntou Roger Davis. – Você não disse eu não tem ar por lá? Se eles não podem usar magia para...

- Trouxas inventaram as espaçonaves – disse outro garoto. – Meu pai contava como eles testemunharam a chegada de trouxas americanos à Lua em 1969...

- 1969?!

- 1969?!

- É – confirmou o garoto da Corvinal. – Mas oito anos antes, um trouxa esteve no espaço pela primeira vez...

Draco viu os amigos à volta boquiabertos. Bufando, ele estalou os dedos.

- Nada disso deve ser verdade – afirmou ele. – Não viram a família do Potter?

Os trouxas não são capazes disso.

Mas Tracey Davis não acreditou.

e um artigo sobre runas antigas que ao menos explicava o motivo de Luna estar lendo O Pasquim de cabeça para baixo. Segundo a revista, se a pessoa observasse as runas de cabeça para baixo elas revelariam um feitiço para transformar as orelhas de um inimigo em cunquates. De fato, comparada com os demais artigos de O Pasquim, a insinuação de que Sirius pudesse realmente ser o vocalista dos Duendeiros parecia até bastante sensata.

Sirius riu, sem constrangimento; agora que estava praticamente livre, tudo parecia engraçado.

— Alguma coisa que preste aí? — perguntou Rony, quando Harry fechou a revista.

— Claro que não — respondeu Hermione criticamente, antes que Harry pudesse responder. — O Pasquim só tem bobagens, todo o mundo sabe disso.

— Desculpe — disse Luna; sua voz perdeu momentaneamente a vagueza. — Meu pai é o editor.

— Eu... ah — disse Hermione, visivelmente constrangida. — Bem... tem coisas interessantes... quero dizer, é bem...

- Acho que não foi muito convincente, Hermione – disse Parvati a Hermione, com divertimento.

Hermione apenas levantou os ombros, displicente.

— Pode me devolver, obrigada — disse Luna com frieza, e, curvando-se para frente, puxou-a das mãos de Harry.

Folheando rapidamente até a página cinquenta e sete, tornou a segurá-la de cabeça para baixo, decidida, e desapareceu por trás da revista, no momento em que a porta da cabine se abriu pela terceira vez.

Harry olhou; já esperava por isso, o que não tornou mais agradável a visão de Draco Malfoy ladeado por seus dois comparsas Crabbe e Goyle.

Draco se virou na direção em que Luna Lovegood estava, com interesse.

— Que é? — disse agressivamente, antes que Malfoy pudesse abrir a boca.

— Modos, Potter, ou terei de lhe dar uma detenção — entoou Malfoy, cujos cabelos lisos e louros e o queixo pontudo eram exatamente iguais aos do pai. — Como está vendo, ao contrário de você, fui promovido a monitor, o que quer dizer que, ao contrário de você, tenho o poder de distribuir castigos.

— É — disse Harry — mas, ao contrário de mim, você é um babaca, por isso se manda e deixa a gente em paz.

Os alunos da Grifinória gritaram em apoio a Harry, e logo, outros das outras Casas estavam fazendo coro.

Rony, Hermione, Gina e Neville riram. Malfoy crispou o lábio.

— Vem cá, Potter, como é que você se sente perdendo a liderança para o Weasley?

— Cala a boca, Malfoy — mandou Hermione rispidamente.

Harry tentou não olhar para Rony, mas acabou olhando por um momento e vendo que ele tinha as orelhas vermelhas, sinal de que fora visivelmente atingido.

— Parece que toquei num ponto sensível — disse ele, sorrindo com afetação. — Bom, trate de se cuidar, Potter, porque vou estar na sua cola como um cão de caça, caso você saia da linha.

Todos começaram a confabular, no momento em que ouviram cão de caça; teria Draco sabido que o cão na estação era Sirius Black.

Sirius em pessoa pestanejou, surpreso; será que aquele garoto o teria reconhecido? Será que ele saberia que ele era um Animago?

— Fora daqui! — disse Hermione, ficando de pé.

Abafando o riso, Malfoy lançou um último olhar malicioso a Harry e saiu da cabine com os dois amigos pesadões em sua esteira. Hermione bateu a porta da cabine e virou-se para Harry, que percebeu imediatamente que a amiga, como ele, registrara o que Malfoy dissera e ficara igualmente abatida.

— Joga mais um sapo para nós — disse Rony, que pelo jeito nada percebera.

Draco riu pelo nariz.

- Claro que Weasley é muito burro para perceber – debochou em voz alta. – A Grifinória é de dar pena.

Rony não ouviu Draco, mas sentiu-se muito idiota por não ter percebido.

Harry não podia falar com franqueza na frente de Neville e Luna. Trocou mais um olhar nervoso com Hermione, depois ficou olhando para fora da janela.

Achara engraçada a ideia de Sirius tê-lo acompanhado à estação, mas de repente achou-a irresponsável, se não positivamente perigosa... Hermione estava certa... Sirius não devia ter vindo. E se o Sr. Malfoy tivesse reparado no cão preto e comentasse com Draco? E se tivesse deduzido que os Weasley, Lupin, Tonks e Moody sabiam onde Sirius estava escondido? Ou será que o fato de Malfoy ter usado a palavra “cão” fora coincidência?

Draco riu alto; lembrava-se bem de quando vira aquele cão negro ao lado de Harry Potter. O pai falara de Sirius Black, foragido e capaz de transformar em um cão negro, e Draco não tardara a enviar uma coruja ao pai, informando o que vira.

O tempo permaneceu indefinido à medida que rumavam sempre para o norte. A chuva salpicou as janelas de má vontade, depois o sol fez uma pálida aparição e logo as nuvens o encobriram. Quando anoiteceu e as luzes foram acesas nos carros, Luna enrolou O Pasquim, guardou-o cuidadosamente na mochila e passou a encarar, um a um, os colegas de cabine.

Harry estava sentado com a testa encostada na janela do trem, tentando captar um vislumbre distante de Hogwarts, mas era uma noite sem luar e a janela riscada de chuva estava suja.

— É melhor nos trocarmos — disse Hermione.

Ela e Rony prenderam no peito os distintivos de monitor. Harry viu Rony apreciando a própria imagem na janela escura.

- Aproveitando seu último momento de sucesso, Weasley? – debochou Draco.

Mas Rony não ouviu. De repente, sentiu-se bobo sendo descrito daquele jeito, admirando-se no espelho; estava parecendo o Percy.

Finalmente o trem começou a reduzir a velocidade e eles ouviram a zoeira que sempre havia quando os alunos corriam a preparar a bagagem e os animais de estimação para o desembarque. Como Rony e Hermione deviam supervisionar a movimentação, eles desapareceram da cabine, deixando para Harry e os outros cuidarem de Bichento e Píchi.

— Eu levo essa coruja, se você quiser — disse Luna a Harry, estendendo a mão para Píchi, enquanto Neville guardava Trevo cuidadosamente no bolso interno das vestes.

- Luna Di-lua Lovegood, sempre querendo chamar atenção – cantarolou à mesa da Corvinal, fazendo os colegas darem risadinhas.

Luna não lhes deu atenção, e continuou a ler:

— Ah... hum... obrigado — disse o garoto, entregando-lhe a gaiola e erguendo Edwiges com mais firmeza nos braços.

Harry trocou um olhar constrangido com Rony e Hermione; não esperara gentileza daquela menina que considerara tão fora do comum.

O grupo saiu lentamente da cabine, sentindo o primeiro impacto do ar noturno em seus rostos ao engrossarem a confusão de alunos no corredor. Aos poucos, foram se deslocando para as portas. Harry sentiu o cheiro dos pinheiros que ladeavam a trilha até o lago. Desceu para a plataforma e olhou ao redor, procurando ouvir a chamada familiar de “alunos do primeiro ano aqui... primeiro ano...”

Harry trocou olhares com os amigos mais uma vez, mas agora de preocupação; onde estaria Hagrid?

Mas a chamada não veio. Em vez disso, uma voz bem diferente, uma voz feminina enérgica gritava: “Alunos do primeiro ano façam fila aqui, por favor! Todos os alunos de primeiro ano para cá!”

Uma lanterna veio balançando em direção a Harry, e, à sua luz o garoto viu o queixo proeminente e o severo corte dos cabelos da Profª Grubbly-Plank, a bruxa que assumira o Trato das Criaturas Mágicas no lugar de Hagrid, por uns tempos, no ano anterior.

— Onde está Hagrid? — perguntou ele em voz alta.

— Não sei — disse Gina — mas é melhor a gente sair do caminho, estamos bloqueando a porta.

— Ah, é...

Harry e Gina se separaram enquanto caminhavam pela plataforma para se afastar da estação. Empurrado pela aglomeração de alunos, Harry procurou divisar, no escuro, um relance de Hagrid; ele tinha de estar ali, contara com isso – rever Hagrid era uma das coisas que mais desejara. Mas não havia sinal do amigo.

Ele não pode ter ido embora, disse Harry a si mesmo enquanto avançava lentamente pelo estreito portal da saída, para se juntar aos outros na rua. Vai ver apanhou uma gripe ou outra coisa qualquer...

Ele procurou Rony ou Hermione com os olhos, querendo saber o que pensavam da reaparição da Profª Grubbly-Plank, mas nenhum dos dois estava por perto. Então ele se deixou impelir para a estrada escura e lavada de chuva, à saída da Estação de Hogsmeade.

Se encontravam aguardando mais ou menos cem carruagens, sem cavalos, que sempre levavam os alunos mais adiantados até o castelo. Harry deu uma olhada rápida, afastou-se um pouco para vigiar a chegada dos amigos, então deu uma segunda olhada.

Rony, Hermione e Neville de repente se viraram para Harry, que sentiu um aperto no estômago.

Ainda não entendera por que vira aqueles cavalos esqueléticos puxando as carruagens, e ninguém mais vira; só a menina Luna Lovegood.  

Olhou para Alvo, que sorriu de volta, mas Harry não entendeu se queria dizer que isso seria explicado em seguida.

As carruagens não eram mais sem cavalos. Havia animais parados entre os varais dos carros. Se precisasse designá-los por algum nome, ele supunha que os teria chamado de cavalos, embora possuíssem alguma coisa reptiliana também. Eram completamente descarnados, com os couros negros colados ao esqueleto, no qual cada osso era visível. As cabeças semelhavam a de dragões, e os olhos, sem pupilas, eram brancos e fixos. Da junção das espáduas saíam asas – imensas e negras, coriáceas, que pareciam pertencer a morcegos gigantes. Imóveis e quietos na escuridão, os bichos eram estranhos e sinistros.

Harry desviou o olhar, mas se visse os alunos, notaria que todos cochichavam uns para os outro, alguns se perguntando do que ele estaria falando.

Hermione pensou consigo mesma; aquela descrição não lhe era estranha.

Teria visto em um livro de Trato das Criaturas Mágicas, talvez; ou em Animais Fantásticos e Onde Habitam.

Harry não conseguia entender por que as carruagens seriam puxadas por esses cavalos horrorosos quando eram perfeitamente capazes de se mover sozinhas.

Dumbledore sorriu com tristeza, desejando que pudesse explicar a Harry sobre os testrálios.

- Criaturas muito misteriosas – murmurou em voz alta, com vagueza, a ninguém em especial. – Poucos são os que podem vê-lo, e ainda menos os que desejariam que pudessem.

Harry encarou o diretor, confuso; não entendera, mas Hermione começou a entender.

— Cadê o Píchi? — indagou a voz de Rony logo atrás de Harry.

— A Luna vem trazendo ele aí — disse Harry, virando-se depressa, ansioso para consultar o amigo sobre Hagrid. — Onde é que você acha que...

—... o Hagrid está? Não sei — disse Rony, parecendo preocupado. — Tomara que esteja bem...

A uma pequena distância, Draco Malfoy seguido por um pequeno grupo de comparsas, inclusive Crabbe, Goyle e Pansy Parkinson, afastava do caminho alguns alunos de segundo ano, de ar tímido, para poderem apanhar uma carruagem. Segundos depois, Hermione emergiu ofegante da multidão.

Algumas vozes ecoaram no Salão, condenando a atitude de Draco e dos outros, que as ignoraram.

Scorpius Malfoy mantinha a cabeça abaixada, no meio de Alvo e Rose. Conseguira falar com Snape, mas confrontar seu pai seria algo ainda mais difícil.

— Malfoy estava agindo de maneira absolutamente revoltante com um garoto de primeiro ano lá atrás. Juro que vou dar parte dele; ele só está usando o distintivo há três minutos e já está abusando mais do que nunca das pessoas... onde está o Bichento?

— Está com a Gina — disse Harry. — Olhe ela ali...

Gina acabara de surgir do ajuntamento, segurando um Bichento que esperneava.

- Hermione, seu gato não gosta de mim – resmungou Gina, passando a mão nos braços, onde Bichento lhe arranhara naquele dia.

— Obrigada — disse Hermione, substituindo Gina na tarefa. — Vamos logo, vamos pegar uma carruagem juntos, antes que lotem todas...

— Ainda não apanhei Píchi! — disse Rony, mas Hermione já ia se adiantando em direção à carruagem desocupada mais próxima.

Harry ficou para trás com Rony.

— Que é que você acha que são essas coisas? — perguntou Harry, indicando com a cabeça os horrendos cavalos, enquanto os outros alunos passavam por eles em bando.

— Que coisas?

— Esses cavalos...

Harry não aguentou; virou-se para Alvo, que antes mesmo de ele abrir a boca disse:

- Logo, você vai entender.

Luna apareceu segurando a gaiola de Píchi nos braços; a corujinha pipilava excitada, como de costume.

— Pronto, aqui está — disse ela. — É uma corujinha bem simpática, não?

— Hum... é... ela é legal — disse Rony com maus modos. — Bem, vamos então, vamos entrar... que é que você estava dizendo, Harry?

— Eu estava perguntando que bichos horríveis são esses que parecem cavalos? — e continuou andando com Rony e Luna para a carruagem em que Hermione e Gina já estavam sentadas.

— Que bichos que parecem cavalos?

— Esses bichos que estão puxando as carruagens! — disse Harry impaciente.

Nenhum deles entendia; desde o segundo ano, eram trazidos a Hogwarts pelas carruagens, que vinham sozinhas. Por que Harry estaria vendo uma criatura tão estranha puxá-los agora.

- Poucos são os que veem, ainda menos os que desejariam que pudessem – repetiu Rony o que Dumbledore dissera.

Hermione então começou a entender.

Afinal, eles estavam a menos de um metro do mais próximo; e o bicho os observava com aqueles olhos brancos e fixos. Rony, no entanto, se virou para Harry com um ar perplexo.

— Do que é que você está falando?

— Estou falando daquilo... olhe!

Harry agarrou Rony pelo braço e girou seu corpo de modo a obrigá-lo a ficar cara a cara com o cavalo alado. Rony olhou direto para o cavalo durante um segundo, depois tornou a olhar para Harry.

— Para o que é que eu devo olhar

— Para... ali, entre os varais! Atrelados à carruagem! Bem ali na frente...

Mas, como Rony continuava a parecer confuso, ocorreu a Harry um estranho pensamento.

— Você... você não está vendo nada?

— Vendo o quê?

— Você não está vendo a coisa que está puxando a carruagem?

Rony agora começou a se assustar seriamente.

— Você está bem, Harry?

— Eu... é...

Draco riu pelo nariz.

- Potter pirado vendo cavalos que não existem.

Mas uma voz estragou sua troça:

- Draco Malfoy, o menino que pensa ser o único a saber dos testrálios – cantarolou Astoria, fazendo s outros rirem. Ela conhecia os testrálios desde antes do primeiro ano, quando Daphne contara sobre eles, depois de ouvir de outra amiga.

Draco não respondeu à provocação. Em vez disso, olhou para Daphne, com raiva.

- Devia controlar a sua irmã – resmungou. – Ela parece não saber quando ficar de boca calada.

Daphne comprimiu os lábios, envergonhada.

Harry sentiu-se completamente desnorteado. O cavalo estava ali, diante dele, um sólido reluzente à luz que vinha da janela da estação às costas deles, o vapor saía de suas narinas no ar frio da noite. No entanto, a não ser que Rony estivesse fingindo – e se estivesse seria uma brincadeira muito sem graça – ele não estava vendo nada.

— Vamos entrar, então? — convidou Rony hesitante, olhando para Harry como se estivesse preocupado com o amigo.

— É — disse Harry. — É, entre...

- Claro – murmurou Hermione.

— Está tudo bem — disse uma voz sonhadora ao lado de Harry, quando Rony desapareceu no interior escuro da carruagem. — Você não está ficando maluco nem nada. Eu também vejo.

Os colegas se viraram para Luna Lovegood, mas desta vez com mais interesse.

- Ela?!

- Ela vê?!

- Será que ela está mentindo?

- E se ela só estiver vendo coisas?

— Vê? — exclamou desesperado, virando-se para Luna.

Ele via os cavalos de asas de morcegos refletidos nos grandes olhos prateados da garota.

— Ah, vejo. Sempre os vi, desde o meu primeiro dia de escola. Eles sempre puxaram as carruagens. Não se preocupe. Você é tão normal quanto eu.

Sorrindo suavemente, ela entrou no interior mofado da carruagem. Harry a acompanhou, mas nem tão tranquilo assim.

E fechando o livro, Luna estendeu-o, sorridente. Ainda não entendia por que estivera tão presente naquele capítulo, mas começava a imaginar.

Dumbledore recolheu o livro com um aceno de varinha, estudando-o com interesse antes abrir no capítulo seguinte, e pigarrear:

- Bem – disse, com simplicidade. – Quem será o próximo?

Não foi fácil escolher o seguinte, pois todos estavam ansiosos para ter o livro em mãos.

Ao fim, decidiram que um garoto da Sonserina chamado John Williams seria o próximo a ler.

Mais um aluno da Sonserina – resmungou Rony, desapontado. – Bem que um de nós podia ler dessa vez; assim, o livro poderia voltar para cá.

- Rony... – murmurou Hermione, indicando Alvo com os olhos, com irritação.

- Certo, certo, é melhor ele começar logo.

John Williams ficou contemplando por alguns instantes o exemplar de Ordem da Fênix, antes de começar a ler:

– Capítulo XI – A nova canção do Chapéu Seletor   


Notas Finais


Até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...