História Hug me. (one shoot Vhope) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jhope, Jung Hoseok, Kim Taehyung, Ships, Vhope
Visualizações 64
Palavras 2.344
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi, babies!
Espero que gostem...

*Sugestão, leiam escutando:

https://youtu.be/RRfRvaD0qko

Capítulo 1 - Hug me.


Fanfic / Fanfiction Hug me. (one shoot Vhope) - Capítulo 1 - Hug me.


Mais uma noite que passo em claro no meu quarto, não consigo fechar os olhos. 

É terrível o silêncio dessa casa sem o som da risada de Hobi.

Eu amo lembrar o modo como nos conhecemos, na minha cafeteria aqui em Daegu.


*flashback on*

Todos os dias há quase um ano, exatamente às três e meia da tarde em ponto, um rapaz vem aqui na cafeteria.

Eu sei até o café favorito dele: café com leite com chantily por cima.

As vezes ele nem chega a pedir, eu simplesmente chego na sua mesa com o café e ganho um sorriso encantador como resposta. Eu queria muito ter coragem de sentar e conversar com ele, mas tenho medo que ele não goste do meu jeito.

Olho pro relógio e vejo que são 3:35 pm, e no momento que levanto os olhos, o rapaz está parado do outro lado do balcão com um sorriso, me olhando.

Ele estava lindo naquele dia. Vestia uma calça e uma blusa colada, por cima ele tinha um casaco de couro, completamente vestido de preto. Quando percebi que estava o secando, desviei o olhar e peguei um lenço qualquer que estava ali perto.

- Hoje você demorou cinco minutos a mais que o normal... - eu disse sorrindo de cabeça baixa, fingindo que limpava algo no balcão. Acho que nunca tinha dito uma palavra fora aquelas quando levava o pedido a sua mesa, ou os cumprimentos por educação.

- Então quer dizer que você marca o horário que eu chego? - ele disse e eu senti minhas bochechas esquentarem

- Todos os dias, há um ano, você vem aqui. É impossível não notar...- rebati e escutei uma risada do mesmo.

- Todos os dias, há um ano, eu venho aqui esperando que você me note...- ele disse e eu me engasguei com a minha própria saliva, o que me fez começar a tossir loucamente. Ele passou pro lado do balcão que eu estava e deu tapinhas nas minhas costas, até eu conseguir respirar de novo, ainda sem o encarar. Olhava fixamente pros meus pés, porque eu sabia que se olhasse pra ele, minhas bochechas iriam ficar mais vermelhas que um tomate. - Me desculpe. Eu...te assustei?

- Não, não. - disse ainda sem o olhar. - vai querer o mesmo de sempre? - ouvi um suspiro vindo de sua parte, e o olhei. Ele tinha uma expressão triste, como se fosse um cachorrinho que acabou de cair do carro de mudança. Saiu de trás do balcão e sentou-se na mesma mesa de sempre, ao lado da janela, sem me responder.

Preparei o mesmo café de sempre pra ele, e mais um café, totalmente preto. Segui até a mesa em que ele estava e coloquei a bandeja em cima.

- Eu só quero um...- ele disse, me olhando confuso, afinal só ele e eu estávamos na cafeteria.

- E eu também só quero um. -sentei-me na cadeira a sua frente, ganhando um sorriso tímido do mesmo e percebendo suas bochechas corarem um pouco. Estendi minha mão em sua direção - Me chamo Kim Taehyung.

- Me chamo Jung HoSeok. - ele disse, apertando minha mão em seguida.

Olhamos pras nossas mãos e começamos a sorrir de forma escandalosa sem motivo aparente algum.

- Eu...me desculpe...não costumo ser tão formal assim. -ele disse e eu sorri ainda mais alto, e ele me acompanhou -seu sorriso parece um quadradinho. É muito fofo. -senti minhas bochechas esquentarem e coloquei a xícara na boca, para disfarçar.

- O seu parece um coraçaozinho...- eu disse baixinho, olhando pra minha xícara, e em seguida senti um liquido gelado tocar o meu nariz, só então percebi que ele tinha me melado com o chantily que estava sobre o seu café.

O olhei com uma sobrancelha arqueada em desafio e peguei o chantily de meu nariz e passei na sua bochecha.

Ele pegou novamente o chantily na xícara e melou o meu queixo, o que me fez sorrir.

Tirei o chantily do meu queixo e sem pensar passei o dedo sobre a sua boca, melando o local.

Nós paramos de sorrir e nos encaramos por alguns segundos, ambos melados de chantily.

Ele pegou o guardanapo sobre a mesa e limpou o meu rosto, mesmo eu dizendo que não precisava.

- Agora é a sua vez de me limpar. - ele disse com um pequeno sorriso nos lábios, inclinando-se sobre a mesa e aproximando os lábios dos meus, deixando um selar, e voltando ao seu lugar.

- Ainda não limpou...- eu disse e me inclinei sobre a mesa como ele tinha feito, agora o dando um beijo calmo, sendo correspondido imediatamente.

Foi o melhor beijo da minha vida. Depois de meses tentando criar coragem, saber que ele sentia o mesmo por mim foi como ter mil fogos de artificio explodindo ao mesmo tempo no meu coração.

*flashback off*


Sorri com a lembrança a abracei o travesseiro, sentindo meus olhos marejarem e um nó se formar na minha garganta.

"Você tem um sorriso tão lindo, meu amor. Alguém te fazer chorar deveria ser considerado um maldito pecado. Sorria pra mim, sim?"

Lembrei da voz de Hobi dizendo aquilo e quase pude senti-lo comigo. Fechei os olhos com um pequeno sorriso nos lábios e deixei as lágrimas escorrerem pelas minhas bochechas, indo de encontro com o colchão.

Dormi e sonhei com o dia que ele me pediu em namoro, no mesmo lugar em que demos o nosso primeiro beijo, na cafeteria.


*dream/flashback on*

Acordei cedo e percebi um bilhete no lugar em que deveria estar o Hope

"Tive que ir trabalhar. Mais tarde passo na cafeteria! Até mais, TaeTae."

Sorri. Mesmo tendo celular e podendo deixar um recado lá, prefere escrever. Ele é tão fofo.


*quebra de tempo*


Quando deu três e meia vi o moreno entrando na cafeteria, como sempre, e sorri pra ele.

- Eu acho que...não podemos mais ficar nesse tipo de relação que estamos. - Hope disse assim que entrou na cafeteria, e eu o encarei incrédulo.

- Que palhaçada é essa, HoSeok? - eu disse saindo de trás do balcão com a mão na cintura, e percebi que ele escondia algo atrás do seu corpo. - o que você...ta escondendo aí? - eu disse tentando olhar atras do seu corpo, mas ele ajoelhou-se e eu senti um nervosismo tomar conta do meu corpo.

- Nós não podemos continuar nesse relacionamento...porque eu quero dar um passo a mais com você. - tirou um buquê de margaridas de trás do seu corpo, e uma caixinha cor verde-esperança estavam no meio das flores, que eu peguei junto com o buquê, sentindo meu coração bater mais que tambor no carnaval. Abri a caixinha e vi um anel dourado lá dentro. Ele era bem fininho e tinha uma pedrinha no centro, foi a coisa mais linda e delicada que já vi na minha vida.

- Quer namorar comigo, TaeTae? - ele disse e eu me ajoelhei a sua frente, sentindo meu rosto esquentar e as lágrimas começarem a rolar pelo meu rosto. 

- Sim, meu amor. - eu disse o abracei. Ele olhou nos meus olhos e segurou o meu rosto, dando um dos sorrisos mais lindos que já vi na minha vida.

- Você tem um sorriso tão lindo, meu amor. Alguém te fazer chorar deveria ser considerado um maldito pecado. Sorria pra mim, sim? - ele disse e meu coração se aqueceu no mesmo instante, e lhe lancei um sorriso sincero, enquanto ele limpava as lagrimas do meus rosto.

As pessoas presentes no local assistiam a cena com leves sorrisos nos lábios, algumas até estavam emocionadas com a cena.

No fim de tudo, quando Hobi colocou o anel nas minhas mãos e nós levantamos, as pessoas nos desejavam felicidades e davam sorrisos tímidos.

*dream/flashback off*


Acordei ainda de madrugada, aquele sonho me despertou e eu chorava incontrolavelmente, com o rosto entre os joelhos.

Lembrei do dia em que tudo começou a dar errado. 

Nós já estavamos completamente envolvidos há um ano, planejando nos casar.


*flashback on*

Hobi começou a passar mal durante a madrugada e eu acordei com os som dele vomitando em algum lugar da casa. Levantei apressado e corri a sua procura, o encontrando debruçado sobre a pia do banheiro. Cheguei por trás e alisei suas costas, sem olhar para o vômito.

- Amor, sai daqui. - Hobi disse e eu me mantinha virado de costas pra ele, para não ver o vômito, mas sorri quando ouvi sua voz.

- Está tudo bem, amor. Eu estou aqui pra te ajudar em tudo. - eu disse e escutei um soluço baixo vindo do mesmo, o que me fez virar bruscamente em sua direção, que agora chorava agarrado a mim.

Olhei em direção a pia e vi que ali tinha uma pequena poça de sangue. Senti meu coração apertar e meus olhos encherem de lágrimas.

O puxei para fora do banheiro e nós sentamos sobre a minha cama.

- Meu amor...o que está acontecendo? - eu disse, tentando manter a calma, enquanto alisava os cabelos do moreno a minha frente.

- Me desculpe...- soluçou, tentando controlar o choro -aconteceram umas coisas estranhas, taetae, e eu fui ao médico. - senti meu coração bater lentamente, tão lentamente que parecia estar em camera extremamente lenta. - eu...eu estou com câncer. Estou com leucemia, taetae...eu comecei a quimioterapia em segredo...eu...-soluçou - não queria te preocupar.

Quando o ouvi dizer aquilo, não fui capaz de evitar as lágrimas. Me agarrei a Hobi e choramos juntos sentados na cama.

- Nós vamos sair dessa, meu amor. Eu prometo que não vou sair do seu lado. - eu disse com a voz embargada, e ele me encarou.

- TaeTae...você é o meu porto seguro...você...é o único motivo pra eu continuar insistindo na minha sobrevivência. Mas se eu morrer...- eu tentei o impedir, mas ele continuou falando - eu quero que você continue sem mim, meu amor. Você é lindo...-passou as mãos pelo meu rosto - jovem...e eu quero, não importa onde eu esteja, te ver feliz aqui embaixo. Me promete que vai continuar depois que eu me for?

Eu não consegui responder, àquela altura eu já chorava novamente. Eu nunca conseguiria viver sem Hobi.

Depois daquela noite, passaram-se semanas, meses, e a quimioterapia não parecia ter efeito. Hope piorava a cada dia, o que fez com que acabasse por ser internado, e o hospital virar a minha moradia. Durante os seus últimos meses de vida Hobi nunca se mostou abalado, sempre sorria ao meu lado e dizia coisas reconfortantes. Fazia até piadas quando raspou o cabelo, e eu sorri de todas, que agora me doem mais que mil facadas no coração.

Num dia em que Hobi me convenceu a ir a cafeteria e o deixar lá, eu recebi uma ligação do hospital no momento em que cheguei ao local.

- Senhor Taehyung? - ouvi a voz e logo percebi ser o médico.

- Sim, por favor, diga logo o que aconteceu. - eu disse e minha voz estava completamentr embargada pelas lágrimas que já se formavam nos meus olhos.

- Venha até o hospital, agora. Acho que...- não o deixei terminar a frase, corri para o meu carro e fui o mais rápido possível para o hospital.

Chegando lá, dei de cara com hobi mais pálido que o normal, cercado de médicos. Ele me lançou um pequeno sorriso, o qual me recordo até hoje.

- TaeTae...- disse num sussuro quando sentei na cama ao seu lado, e os médicos deixaram o local. - chegou a minha hora...- a voz dele saía baixa e as lágrimas caiam grossas pelo meu rosto. - obrigado...pelos melhores dias da minha vida. - ele agora alisava a minha mão - eu nunca vou esquecer disso...- apontou pro anel em meu dedo - disso...- tocou os meus lábios. - e disso...- pousou a mão em meu coração e eu me inclinei, o beijando.

O nosso beijo tinha um gosto salgado como no dia em que ele me pediu em namoro. 

Mas agora o beijo doía, me torturava de todas as formas. Ele durou alguns segundos, e terminamos com um leve sorriso da parte dele.

- Me abrace, TaeTae. - e eu o abracei, fechando os olhos com a maior força possível e torcendo pra tudo ser um pesadelo, sussurrando inúmeras vezes que o amava.

Senti seus dedos afrouxarem levemente os meus, e eu já sabia o que tinha acontecido, mas não queria me levantar dali. 

Fiquei agarrado ao corpo desacordado do meu namorado, chorando incontrolavelmente, até que os médicos voltaram pra sala e me tiraram de cima dele, colocando um lençol branco por cima de seu corpo.

- NÃO! - gritei - Volta pra mim, HoSeok! - me debati com os médicos segurando meus braços, me impedindo de ir junto ao corpo dele - HOPE! - gritei e me joguei ao chão. 

Eu não tinha mais forças.

*flashback off*


Já fazia um mês que Hobi havia ido, e um mês que eu não saia mais de casa. 

Olhei pra escrivaninha ao lado da minha cama e sentei-me lá, deixando uma "carta" para quem viesse aqui primeiro depois do que eu iria fazer nessa madrugada.

"Seoreoun mameul moti gyeo 

Jammotdeuldeon eodun bameul ddo gyeon digo 

Naejeol manggwan sanggwan eopsi 

Musimhagedo achim eunnal kkaeune

Sangcheoneun saenggakboda sseurigo 

Apeumeun saenggakbod gipeoga 

Neol wonmanghadeon sumanheun bami naegenjiokgata

Nae gyeote isseojwo naege meomulleojwo 

Ne soneul jabeun nal nohchi jimarajwo 

Ireohke niga hangeoreum meoreojimyeon 

Naega hangeoreum deo gamyeon dwe janha..."

(Eu não consigo vencer o meu coração triste 

Novamente eu estou suportando as escuras noites de insônia 

Sem considerar o meu desespero 

A manhã indiferentemente me acorda

A ferida arde mais do que esperado 

A dor vai mais fundo do que esperado 

As inúmeras noites ressentindo você, são como o inferno para mim

Por favor, fique ao meu lado, por favor, fique comigo 

Por favor, não me deixe ir, eu que estou segurando a sua mão 

Se você der mais um passo para longe assim 

Eu posso simplesmente dar mais um passo e é o bastante...)


Deixei em cima da escrivaninha, junto com uma foto minha com hobi, do dia que ele me pediu em namoro. (foto da capa do capítulo)

Assim feito, fui em direção a minha grande janela de vidro, que ficava no décimo andar do meu prédio e dava vista do bairro calmo nessa madrugada.

Abri a mesma e senti a brisa fria da madrugada tocar a minha pele e subi na cadeira que estava a frente da janela.

Fechei os olhos e dei mais um passo.

Foi o bastante.


Notas Finais


Me desculpem pela bad meus amoressss...
E desculpem qualquer erro de digitação também...
Espero que tenham gostado, hihi.

Kisses da unnie e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...