História I want see you to smile - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bangtan, Bts, Drama!au, Jeongukiez, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Menção Vhope, Minkook, Romance, Sunmin
Visualizações 27
Palavras 2.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá bbs!!! Venho com o segundo cap da fic e espero que vocês gostam da continuação e espero não decepcioná-lxs. Embora eu realmente tenha gostado dele 💞 rs perdoem o Jungkook, ele é não tão atrapalhado sempre HSUSUSHSU uma hora tenho a capa e o banner bunitim u.u (a irmã do kook melhr pessoa)

= Os erros irei corrigir depois =

Boa leituraaaaa
💭

Capítulo 3 - Capítulo 2



– Jungkook-ah! Por que não foi deixar o meu remédio antes de entrar na aula!? 

Sumin abriu a porta de madeira maciça já gritando com o seu irmão, logo fechando a mesma. A mão livre novamente voltou a sua barriga mais abaixo do umbigo e fez uma leve careta, só estava morrendo de cólica e iria tomar o remédio que pediu para Jungkook comprar. O último citado estava sentado em um tapete branco no meio da sala, com seus cotovelo em cima sa mesinha de vidro mexendo no seu celular, enquanto os livros e cadernos fora esquecidos ali mesmo abertos e sua mochila entreaberta ao seu lado no chão. 

– Jungkook?

– Ah, oi, desculpa noona, eu não comprei o seu remédio. – sugou o ar em negação. Ainda conectado no celular, deu continuidade em poucas palavras enquanto a mulher jogava sua bolsa de lado preta no sofá e seu corpo junto. – Eu comprarei amanhã. 

– E por que não deu pra comprar hoje? – resmungou em meio a dores e levantando a blusa, deixando sua barriga lisa amostra e alisando-a. 

– Eu esqueci o papel aqui e nem lembrei o nome. 

– Mereço...

Agora a garota iria ter que esperar até o outro dia para se livrar daquela dor insuportável em seu ventre e uma hora daquela não se tinha alguma farmácia aberto por perto. Ficaram em silêncio por uns minutos, ate que Sunmin virou sua cabeça para o lado, deixando o cabelo meio bagunçado sendo pressionado contra o coro do sofá marrom, olhou que seu irmão estava entretido no celular e sequer deu um beijo em sua bochecha em cumprimento já que era o que sempre acontecia quando ela chegava do seu trabalho a tarde, quase anoitecendo. 

– Aconteceu alguma coisa? – perguntou como quem não queria algo.

– Estou interessado em alguém. 

Assim, do nada, a resposta não foi bem o que a garota esperava, não que estar interessado em alguém é motivo pra ter acontecido algo, contudo o Jeon a respondeu desse jeito. 

– É alguém da faculdade?

– Não.  

– Você conhece?

– Não. 

Certo, agora Sunmin estranhou muito a situação e ficou mais curiosa. Jeon sempre teve alguns relacionamentos antes e sempre não davam muito certos, mas sempre fora com pessoas próximas pessoas no qual ele já conhecia seja da escola, amigos e afins, mas nunca desconhecidos. A dona do cabelo preto e sedosos levantou e sentou no pano ao lado do outro. 

– Como ela é?

– É ele, noona...

Sunmin não teve nenhum tipo de "Oh meu Deus, meu irmão gosta de garotos", não mesmo. A morena sabia de algumas paqueras que seu irmão mais novo tivera antes e a maioria eram garotos, entretanto Jungkook nunca disse isso em voz alta para si. Sentia explosões de sentimentos bons traçalhando seu interior, o garoto estava realmente contando tudo e sendo fiel à sua promessa que fizeram quando decidiram morar juntos. Sunmin riu de lado, achando tudo aquilo fofo. Quem disse que ter uma irmã é mais legal do que um irmão? O Jeon mais novo estranhou o silêncio pairando perante a morena e a olhou rapidamente, voltando a olhar para o aparelho. – O-que que foi?

– Nada. – riu fofa. – Mas então, como ele é? Quem é o desconhecido sortudo que meu irmãozinho está afim?

– Aish, para... – a empurrou de lado, ouvindo a malícia no final da frase. – Ah, sei lá. – deu de ombros. 

– Sei lá, Jungkook? Como assim uma pessoa é "sei lá?''. Bom saber quais são os seus tipos. – Gargalhou e o moreno riu sem mostrar os dentes e revirando os olhos. 

– Para, noona. – riu tímido. Largou o celular e, como iria ficar envergonhado lhe contando as coisas, passou a olhar para a televisão desligada a sua reta. – Como posso te dizer? Ele é muito paciente, sabe? A pessoa mais tranquila que eu vi por alguns minutos, a sua voz era tão diferente e gostosa de ouvir, acho que até cantando ou gritando ainda seja linda. O cabelo brilhoso e, ah, ele é loiro, é, ele é. – Sunmin achava que pessoas com cabelo dourado eram as pessoas mais perfeitas e o garoto passou a achar também; era muito novo e tudo era novidade. – Eu não consegui encontrar algo em seus olhos, mas eram lindos, pequenos e bem puxadinhos, uma graça. – falava rindo abobado e sua irmã só o observava, admirando tudo. Jungkook notou seu estado e coçou a nuca. – Err... Só isso, não reparei em seu corpo com aquele jaleco branco. 

– Hm, e queria reparar no que, heim, Jungkook-ah? – o mais novo riu assoprado e se perguntando por que teve uma irmã logo pervertida. – Mas eu não entendi uma coisa. Jaleco branco?

– Ele trabalha na farmácia...

– Mais que safado! – ditou indignada e deu um tapa fraco no ombro do irmão, esse que tentava segurar o riso pressionando os lábios já se arrependendo por ter dito esse detalhe. 

– Aish!

– Mas ele me parece ser interessante segundo seus detalhes. – Jeon assentiu calado. – Bom, já que você vai amanhã lá para comprar o remédio que te pedi, aproveitar e pede o número dele. 

– O-o que? Claro que não! – proferiu indignado, oras, de onde iria tirar coragem para pedir o número do outro na cara de pau? Ainda mais por ter causado aquela bagunça com os produtos antes de ir embora, pensava que o loiro uma hora daquela o odiava eternamente após isso. – Você é louca, Sunmin, está confirmado. 

– As loucas são as melhores. – deu de ombros e se levantou pegando sua bolsa. – Pensa bem no que tô dizendo. – piscou para o moreno e saiu em direção ao seu quarto. 

Nunca que Jeon Jungkook iria pedir o número do outro. Com o término da conversa o moreno só sentiu frio na barriga e ansiando para não ir exatamente naquela farmácia, afinal não era a única do mundo... Mas a mais perto entre sua casa e sua faculdade. 

O Jeon mais novo ficou pensando durante a noite toda no que sua irmã tinha pedido, mas ele não queria ser apressado ou algo do tipo assustador, aliás ele era ainda um universitário e o outro já com vida própria e com experiências, por mais que não sabia seu nome, sua idade, se namorava ou era casado, além de mal terem se falado direito; mas o necessário para certas coisas, como o interesse de Jungkook. Estava decidido, ele iria perguntar se o gerente da farmácia era solteiro, caso ele não seja comprometido, o mais novo iria pedir seu número. Se a coragem lhe der boas vindas. 

Estava saindo do seu banho, com uma toalha na cintura e outra secando o cabelo molhado indo para seu quarto para descansar e dormir quando ouviu a frase mais argh para si no planeta terra, mesmo ainda sendo cedo. 

 A louça é sua, Kook!


.

.

{...}


Acordar cinco horas da manhã já era um hábito totalmente adaptado para Jimin, abria os olhos poucos minutos antes do seu celular despertadar, por cerca de cinco e quinze já estava quase todo arrumado para ir trabalhar, tendo apenas o tênis casual para finalizar os trajes. Tomou seu café em silêncio, seus pais não levantam cedo, os mais velhos acordava tarde – por cerca das nove da manhã. – mas lembrando: eles estavam viajando. Certo que fazer uma viajem é uma boa escolha de comemoração dos trinta anos de casados, mas os Parks tinham mesmo que viajar por dois meses? Jimin de primeira achou um absurdo, claro, mas seus pais estavam animados e concordou após pensar no caso, dizendo que eles estavam certos e que era para aproveitar bastante. 

O Park morava uns vinte minutos até a farmácia indo de carro, como o trânsito as seis da manhã sempre era tranquilo, cerca de quinze minutos já estacionava seu automóvel no estacionamento ao lado e ia abrir o comércio de drogaria junto com um funcionário do turno da manhã. 

– Bom dia, Jimin. – disse educado o rapaz sorridente quando adentrou o local e viu Jimin do outro lado do balcão mexendo no caixa, seu nome Jisoo, um rapaz jovem que trabalha em estágio alí. 

– Bom dia, garoto. – sorriu simpático, olhando de cautela para o outro.  

O garoto fora se trocar enquanto o Park colocava tudo em ordem no caixa e ajustando o sistema para o início da venda daquele novo dia, para quando o outro retornasse dasse posse ao cargo, Jimin tinha que sair por alguns instantes para receber os pacotes das sacolas com o layout da farmácia no correio próximo dali, então tratou de ser rápido e ágil, não queria demorar ou deixar Jisoo sozinho por muito tempo. Jisoo voltou com um sorriso de sempre com seu jaleco branco e ficando atrás do balcão, Jimin disse que logo voltaria e não iria demorar e o mais novo apenas assentiu em concordância. O Kim deveria chegar a qualquer momento então não era para se preocupar, ainda ia dar sete horas, haviam acabado de abrir o estabelecimento. 

Jimin deu um passo e a porta automática abriu e logo fechou quando este saiu, o dia estava um tanto frio, mas o céu já estava claro e os raios do sol jazia em todo lugar, deixando uma queimação irritante nas maçãs do rosto do loiro. Colocou as mãos no bolso do sobretudo claro como seus cabelos e sentiu que em um deles estava seu óculos preto de grau, usava só quando era necessário, não iria ler algo no momento mas o colocou, pois ele ficava escuro com os raios do sol e não prejudicava muito sua vista. Seguiu reto, só mais quatro quarterões e chegava no correio. No meio do caminho já se via alguns mercados grandes se abrindo, o trânsito já animado e algumas buzinas irritantes se ouvia, além de movimentação dos moradores e trabalhadores, até mesmo estudante e universitários. Universitários. Jungkook com sua normalidade em "andar às pressas" estava presente naquela rua e mal sentiu, na correria, quando esbarrou fortemente em um braço e deixou cair sua mochila e uma caixa média no chão. 

O Park já iria perguntar se ele estava em uma maratona de corrida para correr daquela jeito tão rápido o trombando, mas logo se agachou quando olhou para trás e viu as coisas no chão e um garoto moreno, de blusa de frio cinza e jeans, pegando sem jeito as coisas. Jimin o ajudou, sem sequer saber quem era o ser e dono daquela bolsa muito engraçada do Iron Man preta e alguns mangás saindo de dentro dela, os quais ele não conhecia. Mas um leve susto e surpresa sentiu em sua epiderme quando viu quem era, "o garoto de ontem", pensou o Park. O loiro tinha até esquecido do outro, não cogitava o pensamento em revê-lo novamente, a não ser que ele decidisse ir na farmácia novamente a qualquer hora.

– Obrigado... – Jungkook disse acanhado, pegando sua mochila, agora totalmente fechada, das mãos da pessoa que ele achava que ia ver só alguns quarterões, o olhou de cima a baixo e ele era tão diferente de quando está fora do seu trabalho sem aquele seu jaleco branco enorme que o cobria quase por inteiro. Usava um sobretudo xadrez amarelo com preto e um pouco de branco, a calça jean azul um pouco rasgada – lê-se desfiada. –, uma blusa marrom por baixo do pano amarelo até o pescoço o protegendo do frio, o clima gelado deixando suas bochechas vermelhinhas. Ele 'tava realmente encantador, parecia brilhar mais que o sol e agora ele estava o encarando, tendo um Jeon coçando a nuca logo em seguida. 

– Você é sempre assim?

– An?

– Atrapalhado desse jeito?

– A-ah. – Jungkook riu aliviado, mas ainda nervoso. – Não, nem sempre, só ontem e hoje e, Ah! – falou a última expressão como se tivesse achado algo. – Você é o gerente da farmácia dali, né?

– Aham. – certo, o universitário, todo desajeitado, que o loiro agora sabe que gosta do homem de ferro e lê mangá, o reconheceu não era essa intenção, certo, hora de ir embora, sem blá blá blá. – Bom, eu vou- tentou proferir enquanto deu meio passo, que fora interrompido sua direção e fala pelo garoto que fez sinal com a mão para não andar. 

– Tem como você passar seu número? – É meus caros e caras, novamente sem mais nem menos o nosso querido protagonista perguntou o que sua irmã lhe mandou. Jungkook não sabia onde enfiava a cara, estava agitado por dentro por ter tido coragem e pedido o número do gerente. Jimin o deixou mais nervoso pois ele não fez nenhuma expressão para o garoto lhe julgar, não estava sendo fácil. 

– Eu sou comprometido. 

E saiu, deixando um Jungkook com a boca entreaberta, martirizado, como se tivesse agarrado uma bomba e sem acreditar no que houve. 

Por que eu não perguntei se ele era comprometido primeiro??




Notas Finais


Quero dizer q não sei sobre mangás mas tô envolvendo aí vsusbauabaus aaaaaaa obrigada por quem está lendo 💨💞💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...