História I Was lost, Then I met You! (Malec) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas de Bane, As Peças Infernais, Os 13 Porquês (13 Reasons Why), Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alex Standall, Alexander "Alec" Lightwood, Aline Penhallow, Asmodeus, Bryce Walker, Camille Belcourt, Catarina Loss, Céline Herondale, Church, Clary Fairchild (Clary Fray), Elaine Lewis, Henry Branwell, Hodge Starkweather, Imasu Morales, Imogen Herondale, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), James "Jem" Carstairs, Jessica Davis, Jocelyn Fairchild, Jonathan Christopher Morgenstern, Jordan Kyle, Julian Blackthorn, Justin Foley, Lilith, Luke Graymark, Madame Dorothea, Magnus Bane, Maia Roberts, Maryse Lightwood, Max Lightwood, Meliorn, Personagens Originais, Ragnor Fell, Raphael Santiago, Rebecca Lewis, Robert Lightwood, Sebastian Verlac, Simon Lewis, Stephen Herondale, Tessa Gray, Valentim Morgenstern, Will Herondale, Woolsey Scott
Tags Clace, Jalec, Jizzy, Lemon, Malec, Mary Bane, Sizzy
Visualizações 87
Palavras 2.449
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá vadias!

Bom hj vai ter att duplo ok?!
Como hj é o último cap da apresentação das famílias eu resolvi fazer dois caps...

Calma, esse segundo cap vai sair mais tarde e SIM VAI TER MALEC BITCHS A AAAAAAAA EEEEEEEEEEEEEEEIIIIIIIIITAAAAAAAAAAAAA POHAAAAA UH.....

Provavelmente não vai ser a pegação que vcs querem! PQ eu sei q vcs querem pegação suas safadas....... Mais vai ser a amizade deles voltando..

Vou explicar tudinho ok? Se tiverem perdidos me digam que vou explica tudo...

AH e esses capítulos sobre as famílias é de extrema importância então guardem isso, casa detalhe de cada família que vai ser importante nas decisões do futuro pra vcs entenderem..

Ok chega de papo e bora pro cap neh?


Joy!!! ♥♡

Capítulo 8 - Capítulo 1'


Fanfic / Fanfiction I Was lost, Then I met You! (Malec) - Capítulo 8 - Capítulo 1'

              Page 08

      The Lightwoood's


Okay. Tenho plena consciência de que ao ser lançado esse livro a pergunta mais feita será: Porque não fez uma alto biografia, uma história sobre sua vida ao invés de falar sobre eles?

Bom, na realidade eu estou contando a minha história. Eles são a minha história, tudo o que superei, o que conquistei, até mesmo esse livro que estou escrevendo às 3:50 da madrugada apenas com um abajur ligado e meu marido dormindo na nossa cama, foi graças a eles!

Pois é. Meu marido. Foi graças a eles que o tenho.

É um livro meio estranho, admito, mas é o meu jeito de contar a vocês, a nossa história.

Pois bem, diga-me você! Já amou alguém? Você já se permitiu amar incondicionalmente alguém? Sem medo, sem dúvida, sem angústia... Já?

Uma vez ouvi alguém dizer uma frase que até então eu acreditava ser verdade: "amar é destruir e ser amado é ser destruído".

O amor é o sentimento à qual todos querem, porém, poucos recebem.

Amar é sim uma corda bamba onde os dois precisam andar em perfeita sincrônia ou os dois caem.

Amar é louco. É loucura.

Amar é perigoso.

Mais convenhamos, o que é a vida sem perigo, sem loucuras, sem aventura, sem correr riscos? Eu lhe respondo...... É o absoluto nada.

Desde de que o mundo é mundo, as pessoas lutam por poder, saqueiam, mentem, e até matam só para terem o tão almejado poder. Mas aqui está meus caros, o poder não se toma ou nasce com ele, o verdadeiro poder vem de dentro, talvez seja estupidez falar mais o amor é o ódio não são companheiros. Pelo ao menos não aqui.

Amor e Poder andam ligados!

Ele lembra de ter ouvido isso. E céus..... Ela não poderia estar mais errada e certa ao mesmo tempo.

Um jovem de apenas 12 anos. É horrível eu sei, mas permitam-me conta-los a verdadeira história, e por favor..... Não julguem!


-*-

Alexander Gideon Lightwood. Pais: Maryse Lightwood e Robert Lightwoood. Irmão: Maxwell Lightwood.

Maxwell Lightwood. Cabelos loiros, olhos azuis, sorriso simples porém cativante, tinha 1,76 de altura e tinha apenas 12 anos, 12 anos...... Seus pais não preciso dizer-lhes pois pelo sobrenome já sabem.

Max - como fôra apilidado ainda bebê - era um garoto de 5 anos, em uma cidade nova, em uma casa com seus pais e irmão para um aniversário de uma garotinha de 8 anos que conheceram no mercado.

Os de olhos azuis tinham 8 e 5 anos. Os de olhos verdes-dourados tinham 8 e 9. 

Foi uma amizade que se tornou forte e confiável em 3 semanas de convívio entre eles. 

O mais velho do grupo havia ido embora, estudar em Paris, deixando assim, a mais nova de olhos verdes-dourados com os Lightwoood's. Eles dormiam no jardim quase sempre, sozinha sem Magnus, Mary não queria ficar com os pais - mais específicamente Asmodeus - , então passava a maior parte dos dias e noites na casa do Alec e Max.

Amor de Jardim de infância. Jà tiveram uma "paixonite" assim? Provavelmente já, todos têm, alguns não lembram pois não foi importante. Mas ele lembrava.

Camille Belcourt. Cabelos loiros, olhos azuis e 9 anos de idade. A garotinha era linda, e Max com seus oito anos de idade não poderia estar mais apaixonado. Era uma lembrança bonita ver Max desenhando os traços simples e charmosos dela aos seus 8 anos.

Talvez, crianças não se apaixonam, talvez seja apenas birra de uma criança mimada para tirar o pai alcoólico do sério. É talvez seja. Mais nem tudo é o que parece. A capa de um livro pode estar velha e embolorada, mas o conteúdo está límpido e as escritas são simplesmente poesias de amor. A casa por fora pode parecer velha - talvez um truque para a casa não ser roubada - mas por dentro é magnífica. Ela pode ter o sorriso lindo e os cabelos como cascatas douradas caindo como a água de uma cachoeira em suas costas e as palavras mais doces que já ouvira, mas por dentro ela é um ser humano podre e embolorado.

12 e 13 anos. Apenas duas crianças que se apaixonaram e que se gostavam demais para se separarem por conta da família. Pelo menos pela parte de Max era assim.

Max era apaixonado e Alec dava conselhos ao irmão. Nunca gostou de Camille, nunca confiou nela, mas ao ver o irmão chegar da escola com um sorriso grande e apaixonado no rosto Alec se sentia incapaz de intervir no "relacionamento" deles. Antes ouvesse intervido. Se sentia culpado por não ter feito.

Era 25 agosto de 2015 e ele iria se declarar para ela, sabia que ainda era jovem de mais, tinha apenas 12 anos, mais como todo Lightwood parecia ter mais. Ele era alto e esguio, já tinha pelos pelo corpo e no rosto por conta dos hormônios acelerados e tudo que fez pela família e para a família, já poderia ser considerado um homem de fato.

Andava de um lado para o outro com o buquê de chocolate nas mãos e a caixinha com o anel de prata simples mas brilhante no bolso pensando em tudo. Fizera tudo por seu pai, tudo, mas já bastava, ele estava cego de ódio e cego por poder que não ligava para quem machucava, nem para família ele ligava, todos estavam contra ele pedir a jovem Belcourt em namoro mas ele não ligava. Os pais dela o amavam como um filho e ele moraria com eles e depois que tivesse a idade certa trabalharia para ter seu próprio negócio e pediria então a mão de sua amada em casamento. Estava tudo planejado, e ele sorriu ao ver a jovem vir em sua direção com os cabelos soltos e o semblante sério porém calmo.


Hoje é 25 de agosto de 2025..... E faz 10 anos desde sua morte.

Flashback on agosto de 2015

Ele foi até ela e a abraçou, mas não foi retribuído.

- Você veio - estava com os olhos marejados e um sorriso de rasgar o rosto - eu achei que não viria, eu..... pelo anjo estou tão nervoso que não sei por onde começar..

- Olha Max - a jovem o interrompeu e ele à olhou nos olhos e viu, pela primeira vez ali que, aquilo que sentia..... - Eu gosto de você mas, eu não posso namorar você, seus pais não gostam de mim e eu não me importo me casaria com você se fosse pra ver aqueles infelizes com ódio - Não era recíproco, ela sorriu como uma diaba e ele percebeu agora que era sempre aquele sorriso que ela lhe dava - Mais eu não posso namorar você, seu pai está enlouquecido e logo vocês vão falir e não posso me casar com alguém que não é rico - ela sorriu novamente e ele deixou o buque cair aos pés dela.

- Camille olha, se o problema for esse tá tudo bem, eu vou trabalhar e - ele segurou as mãos dela e começou a falar, ele à amava e por mais que aquelas palavras machucassem ele não iria deixá - lá - eu vou fazer de tudo para dar o que você merece, todo o meu amor Camille e...

Ela riu. Riu alto. Gargalhou. E ele deixou que as lágrimas viessem.

- Seu amor? - ela perguntou incrédula e secou uma lágrima que caiu de tanto rir - Max olha pra você e olhe para mim. Eu tenho tudo querido, eu sou uma Laide e terei tudo da minha família quando tiver a maior idade. EU SOU UMA LAIDE E MEREÇO TUDO DO BOM E DO MELHOR, não preciso do seu amor.

Ela pisou naquelas flores de chocolate e saiu, mas saiu tendo a certeza de que não foi apenas nelas que pisou.

Flashback off

O amor nus faz fazer coisas.

O amor é sim uma corda bamba, onde os dois precisam andar em perfeita sincrônia ou os dois caem.

Ele andou, acompanhou e ela não. E ele caiu.

Para conseguirmos o poder precisamos causar dor. O poder e reinvestido da dor e ela é como a irmã do poder. Então sim, amor e o poder são ligados como as veias que ligam o coração.

Como você se sentiria se chegasse em casa e encontrasse seu irmão morto? Qual é a sensação? Essa pergunta eu lhes respondo.

É como se uma parte sua fosse tirada de você, como a mão que atravessa o fogo do inferno, é como se tivessem arrancado seus pulmões e você não pudesse respirar mais.

O dinheiro trás poder, o poder trás a dor e a dor trás a morte.

A mãe e o filho caíram juntos com o corpo do mais novo no chão com os pulsos cortados. Suicídio.

Ele foi julgado, disseram que fez isso para chamar a atenção, por uma bobagem tirou a vida. Foi uma garota que o tirou sua vida, ele já estava morto ao olhar para frente e ver Camille andar sem olhar para trás, levando seu coração junto. Foi ali que não se sentiu mais vivo. Então apenas terminou o trabalho dela.

O único que restou se sente culpado. Seu irmão, seu parceiro, aquele que dividiu segredos, aquele que foi o único da família a saber sobre sua sexualidade, aquele que jurou proteger quando bebê, aquele que amava muito. Aquele.... que já não estava mais lá.

Flashback setembro de 2015

O quarto estava sujo e bagunçado, garrafas das bebidas que Robert guardava no armário do escritório estavam vazias e quebradas pelo chão do quarto. Maryse sentiu o aperto no coração e correu até o banheiro e seu coração se alertou ao vê - lo vazio.

- VOCÊ É UM MALDITO DESGRAÇADO!

Escutou os gritos do mais velho e correu para o primeiro andar encontrando - o no escritório de Robert bêbado e gritando.

-POR SUA CAUSA, OUVIU BEM - apontou o dedo na cara do pai que estava com os punhos cerrados e os olhos transbdando raiva - POR SUA CAUSA O MAX ESTÁ MORTO, O MEU IRMÃO ESTÁ MORTO PORQUE VOCÊ É UM MALDITO FILHO DA PUTA.

Aquele foi o estopim e tudo que Alec sentiu foi o baque do seu corpo caindo no chão e o nariz sangrar. Robert havia o socado.

- QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR ASSIM COMIGO SEU MERDA - levantou o filho do chão e o socou novamente. Quando iria socar de novo sente algo o segurar.

- ROBERT PARA! - Maryse estava chorando e gritava para que o mais velho parasse. Ele a olhou com raiva e a empurrou fazendo - a ir de encontro ao chão e bater a cabeça na quina na mesa com força.

Alec se enfureceu mais e se levantou num pulo empurrando o homem ao chão e subindo em cima dele enquanto gritava e socava o rosto dele.

- FOI VOCÊ - um soco - VOCÊ PAGOU AQUELA VADIA DA CAMILLE PRA FAZER AQUILO COM O MAX - mais dois socos - VOCÊ FEZ UM ACORDO COM O PAI DELA PARA CONSEGUIR DINHEIRO - Mais dois socos - VOCÊ FEZ ISSO SEU DESGRAÇADO - e continuou batendo no pai até que olhou pro lado e viu que sua mãe não havia levantado - Mãe - foi um sussurro. Então ele olhou pro chão e viu a poça de sangue envolta dela - mamãe não...

Alec saiu de cima de Robert e foi engatinhando até a mãe. Ele colou a mão no rosto dela mais não mexeu nela - ele havia socorrido Max aquela noite tentando salva - lo e sabia que não deveria mexer nela.

- Mãe por favor fala comigo - deu leves tapas tentando acordá-lá - Mãe.... ei, ei... fala comigo sim?, tô aqui, fala comigo mãe - ele chorava de desespero enquanto tentava acorda-lá - Vamos mamãe não faz isso comigo - começou a tentar realima-la como havia visto fazerem com Max - Anda por favor... Por favor mamãe, não me deixe aqui por favor - eram breves sussurros entrecortados pelo choro e ele não parava a massagem cardíaca. Precisava de gases para parar o sangramento e de uma ambulância. - As gases ... - foi um sussurro e ele parou a massagem, e com sua visão turva olhou para os lados tentando se levantar para pegar o kit de primeiros socorros. Até que sentiu um braço passar por seu pescoço impedindo-o de respirar. Era Robert.

- Você matou a sua mãe - apertava mais o braço no pescoço de Alec o fazendo se debater em busca de ar - você matou a sua mãe ouviu bem - apertou mais o braço enquanto Alec tentava agarrar algo para se defender começando a ficar roxo e Robert sorriu com ódio - VOCÊ A MATOU SUA ABERRAÇÃO!

Tudo foi rápido e Robert estava no chão com um Alec machucado se levantando pegando o telefone ligando para a emergência.

Flashback off

Ela estava em coma. O baque e a pressão fez com que Maryse entrasse em coma. O médico havia dito que se Maryse acordasse teria 95% de chance de não se lembrar de nada. Os 5% eram as esperanças de Alec de que sua mãe voltasse e que se lembrasse dele. Mais ela não acordava e quando disseram que queriam desligar as máquinas foi uma bagunça.

Robert queria desliga - las, porém Alec ficou responsável por tomar essa decisão por um documento que sua mãe havia feito que dizia que se acontecesse algo com ela, Alec seria o responsável por tomar a decisão certa.

Alec fez o que seu coração falou para fazer. Deixou sua mãe viver ligada por máquinas. Se sentiu egoísta mas não queria perder sua mãe, ele sentia que não era isso que ela iria querer, ela não iria querer morrer, ela iria acordar e iria dar discursos sobre amizade e de como seria bom se socializar com as pessoas como sempre fazia. Alec sabia disso. Não iria perder mais ninguém. 

O advogado de Alec - escolhido por sua mãe - era William Herondale. Robert não gostava do sujeito por algum motivo e Alec achou a idéia perfeita aceitá-lo como seu advogado para irritar seu pai.

Ele estava trabalhando para fazer com que Robert pagasse por tudo que fez. Mais aquele maldito era esperto, infelizmente uma das qualidade dos Lightwoood's. Não iria desistir até provar que seu pai não era inocente.

Mas como se focar em seu pai quando, ao voltar para Nova York encontrou com  ele. Ele que sempre se fez presente em seus sonhos. Seu primeiro amor. Magnus Bane.

Estava de volta, não só para estudar mas para ajudar Will no caso.

Ele os reencontrou e não poderia estar mais feliz. Soube que eles ainda o consideravam um amigo e se sentiu aliviado. Agora tinha pessoas com quem poderia desabafar e dormir na casa delas quando Robert ficasse trabalhando em sua casa.


A dor te torna fraco e vingativo. O amor te torna forte e perigoso. O ódio te torna cego e obsessivo. A morte te torna o demônio.


Qual desses sentimentos você acha que sucumbirá primeiro?







Notas Finais


Esse foi grande hein!

Acho que estão confusos com a data neh. A história que vai se seguir e sobre 2017 em diante, vai mostrar os acontecimentos desse ano e o passado faz parte pra vcs entenderem pq eles fizeram tais coisas em 2017 e tals....

2025 é 8 anos após tudo isso, quando estão todos já nas suas vidas e alguém dos 7 está escrevendo um livro sobre a história deles. Entendem??

Kkkkkkkkk mds

Olha meu povo a pessoa que escreve o livro. Bom, é meio que um suspense sabe? Tipo pra deixar vocês em dúvida sobre quem escreve o livro. Aí tu pergunta mais pq? Olha..... Isso é uma coisa meio que importante Hahahahahaha meu pai do céu..

Okay digam-me oq acharam isso incentiva bastante. Mais tarde tem mais um cap, não sei a hora ao certo mais sei que sai hj tá?


<:>


Adíos vadias !


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...