História I'm in love with a monster - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dreamcatcher
Personagens Dami, Gahyeon, Handong, JiU, Personagens Originais, Siyeon, SuA, Yoohyeon
Tags Baby Good Night, Baby Run Run Run It, Jungfic, Kim Yoohyeon, Lee Siyeon, Sihyeon, Tokyo Ghoul!au
Visualizações 73
Palavras 1.622
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Third


Yoohyeon estava sendo ignorada. Era mais do que óbvio para si que Siyeon estava lhe evitando de todas as formas, inventando desculpas, ou simplesmente fugindo de sua presença sempre que tentava se aproximar da mesma para tentar conversar.

Desde o episódio na casa da mais velha, quando Siyeon voltou ao trabalho após mais dois dias de falta, ela tem evitado trocar mais do que duas palavras consigo, impedindo suas tentativas de tentar iniciar um diálogo, sempre inventando uma desculpa de estar ocupada ou precisar falar com alguém, e isso estava deixando Yoohyeon frustrada e chateada.

Entendia que a mais velha poderia estar assustada com o que aconteceu, e possivelmente estaria se culpando e com medo de machucar-lhe, mas achava desnecessário que ela tentasse afastar-lhe daquela forma, e nem ao menos lhe desse uma oportunidade para um diálogo. Estava ficando magoada em ver que a mais velha falava com todos os outros normalmente, e até mesmo com aquele filho estranho da Sra. Park, mas consigo apenas fugia, e dirigia respostas curtas.

Já estava cogitando a ideia de desistir e simplesmente deixar a outra em paz como ela queria. Mas quando lembrava-se do motivo daquela atitude, sentia que não poderia deixar a situação entre elas daquela forma, e novamente voltava a insistir por uma breve atenção da mais velha. Só queria que Siyeon ouvisse o que tinha a dizer, e parasse de ignorar-lhe daquela forma.

— Você anda um pouco cabisbaixa ultimamente, aconteceu algo? – Yoobin questionou sem olhar para si, concentrada no caminho que seguiam. Ambas estavam no carro da mesma, indo em direção à cafeteira onde Yoohyeon trabalhava.

A Kim que encarava as próprias mãos em silêncio e brincava com os dedos, encarou a amiga por alguns segundos antes de desviar a atenção para seu colo novamente, soltando um suspiro baixo.

— Não é nada demais. – respondeu quase em um sussurro, entrelaçando seus dedos.

— Tem certeza? – fitou a outra desconfiada – para você estar assim é porque algo grave aconteceu. – estreitou os olhos, observando Yoohyeon suspirar novamente.

— Apenas discuti com uma amiga. – explicou, desviando a atenção para a janela do carro – não foi exatamente uma discussão, mas ela anda me evitando, e eu já não sei mais o que fazer para que ela me ouça.

— Isso é complicado. – desviou atenção para o caminho novamente – mas dê um tempo a ela, tenho certeza que uma hora ela vai te ouvir e logo vocês vão se acertar. – lançou um pequeno sorriso a Yoohyeon que retribuiu.

— Assim espero. – disse baixo, encostando a cabeça no vidro da janela – assim espero.


                           ~☆~


Com um suspiro baixo, Yoohyeon fitou Siyeon ao longe conversando animada com Gahyeon enquanto ambas limpavam uma das mesas desocupadas no local. Mordeu o lábio inferior contendo a vontade de ir até as duas e insistir para que a mais velha falasse consigo, e soltou um longo suspiro alto, apoiando o braço sobre o balcão.

— Vocês duas brigaram? – ouviu Minji questionar-lhe, tirando-lhe de seus pensamentos. Fitou a mais velha por alguns instantes antes de apoiar o queixo na mão, encarando Siyeon novamente.

— Mais ou menos. – suspirou – ela não quer me ouvir, não sei mais o que fazer. – formou um bico em seus lábios, desviando a atenção para a de fios ruivos ao seu lado – o que devo fazer para que ela ouça o que tenho a dizer? – indagou em tom súplica, arrancando uma risada baixa da outra.

— Siyeon é assim mesmo, ela prefere ignorar ao invés de enfrentar. – lançou-lhe um sorriso de canto – mas não se preocupe, logo ela vai sentir sua falta e virá até você para que possam se acertar. – colocou uma das mãos sobre o ombro de Yoohyeon, depositando um leve aperto acompanhado de uma piscadela.

A mais nova apenas acenou com a cabeça e voltou a fitar Siyeon, desejando que ela voltasse a falar consigo o mais breve possível. Já não aguentava mais toda aquela tensão entre as duas, só queria que pudessem esquecer aquele episódio e voltassem a conversar normalmente como antes.


                          ~☆~


Quando seu expediente chegou ao fim, Yoohyeon trocou-se rapidamente para tentar falar com Siyeon, abordando-a ainda no vestuário como forma de encurrala-la, mas foi imediatamente ignorada. Ainda tentou insistir para que conversassem brevemente apenas para esclarecer as coisas, mas a Lee negou mais uma vez, fugindo de si, inventando ter um compromisso.

Frustrada e irritada com mais uma tentativa falha, saiu da cafeteria apressadamente sem sequer responder as despedidas de suas colegas, passando a caminhar pelas ruas iluminadas por postes à aquele horário. Com um longo suspiro, colocou as mãos nos bolsos do casaco que trajava, andando a passos largos enquanto deixava a mente divagar para sua atual situação com Siyeon.

Estava com vontade de chorar, amaldiçoando-se por ter ido visita-la naquele maldito dia. Acreditava que se não fosse por sua atitude nada daquilo teria acontecido, e a mesma estaria falando consigo normalmente, sem as fugas e as respostas curtas que tanto magoavam-lhe. É claro que estava preocupada com o sumiço da mais velha, e temia que algo ruim poderia ter acontecido, mas se tivesse esperado mais um pouco, logo a veria novamente, e tinha certeza que ela explicaria-lhe o motivo do desaparecimento para que ficasse aliviada e sem preocupações.

Apertando os olhos e balançando a cabeça em negação para espantar os pensamentos, apressou os passos para que conseguisse chegar rapidamente no local onde Yoobin trabalhava e pudessem ir juntas para seu apartamento assistir uma maratona de filmes de terror como era costume nas sextas e sábados. Já estava pensando em quais filmes selecionaria, ou se iria optar por um seriado novo que todos estavam comentando, mas teve sua linha de pensamento interrompida por um homem que assobiou para si, lançando-lhe uma piscadela acompanhada de uma cantada ridícula que lhe fez revirar os olhos e ignora-lo, seguindo seu caminho.

Ao ouvir passos acompanhando-lhe, deu uma breve olhada por cima dos ombros e tratou de apressar os passos mais uma vez ao notar que o mesmo homem seguia-lhe, caminhando em um ritmo acelerado para conseguir alcançar-lhe.

Sentindo o coração acelerar em alerta, olhou ao redor à procura de algum lugar onde pudesse entrar para fugir daquele desconhecido, mas a maioria dos estabelecimentos estavam fechados, e não tinha nem mesmo à quem pudesse pedir por ajuda, deixando-lhe desesperada. Respirando fundo, tentou concentrar-se em chegar até a loja de discos onde a amiga trabalhava e acelerou mais uma vez sua caminhada, ouvindo os passos do homem ficando cada vez mais próximos de si.

— Ei gatinha, me espere! Quero apenas conversar! – escutou a voz grave chamar por sua atenção, soltando uma risada em seguida.

Mordeu o lábio inferior nervosa com a situação e apertou os punhos dentro dos bolsos, tentando ignorar o medo que sentia. Suas pernas já começavam a tremer, assim como a respiração estava pesada, e temia que acabasse caindo devido a fraqueza que sentia nas pernas, ou tropeçasse em algo no caminho, deixando-lhe vulnerável diante aquele desconhecido.

Respirando fundo para tentar acalmar-se e tentando acreditar que sairia daquela situação, dobrou uma esquina onde havia algumas lojas abertas e um fliperama cheio de adolescentes, sentindo-se aliviada por finalmente encontrar um meio para fugir daquele homem que seguia-lhe. Mas antes que pudesse atravessar a rua para chegar até o estabelecimento mais próximo, sentiu seu braço ser puxado, e logo estava sendo prensada contra a parede de um beco qualquer, enquanto o desconhecido sorria de maneira pretensiosa para si.

— Eu disse 'pra me esperar. – ditou sério, apertando-lhe contra a parede. Em uma tentativa de defender-se, Yoohyeon agiu rapidamente dando um soco no rosto do outro que cambaleou para trás desnorteado, soltando-lhe no mesmo instante.

Aproveitando-se da breve distração, tentou correr para longe, mas foi surpreendida ao ser jogada contra a parede novamente, dessa vez com uma mão apertando seu pescoço, deixando-lhe sem fôlego. Usando toda sua força, tentou empurrar-lo afim de livrar-se daquele aperto que sufocava-lhe, mas o homem apenas riu de si, apertando ainda mais a mão contra seu pescoço, fazendo-lhe arfar em busca de ar.

— Sabe, poderia ter sido mais fácil, eu não iria fazê-la sentir tanta dor. – aproximou os rostos, observando Yoohyeon fechar os olhos rapidamente – mas você teve que machucar meu rosto! – estalou a lingua negando com a cabeça. – para uma humana, até que você bate forte.

Com aquela frase, Yoohyeon abriu os olhos assustada, deparando-se com a cor diferente dos orbes do desconhecido, assim como vira em Siyeon. Era um ghoul. Estava definitivamente ferrada. Não havia como escapar, ghouls eram criaturas com uma força sobre humana, não tinha qualquer chance se tentasse lutar.

Sentindo as lágrimas formarem-se nos cantos dos olhos, fechou-os novamente ao ouvir uma risada baixa do ghoul que segurava-lhe, enquanto o aperto em seu pescoço apenas aumentava e já não conseguia respirar. Aceitara que aquele era seu fim, e podia sentir as lágrimas quentes molharem suas bochechas assim como o cabelo do outro roçar em sua bochecha enquanto o sentia aproximar a boca de seu ouvido, abaixando uma parte de seu casaco para expor o ombro, indicando que logo seria mordida.

Esperou pela dor agonizante que dominaria-lhe até que seu corpo estivesse sem vida, mas essa não veio. Tudo o que sentiu foi o aperto em seu pescoço afrouxar-se bruscamente, e seu corpo deslizar na parede até encontrar o chão, fazendo-lhe apoiar-se com os braços enquanto tossia e recuperava o fôlego aos poucos.

Confusa com a ação repentina, olhou na direção do ghoul que estava caído no chão, tentando livrar-se de alguém que estava por cima de si, e piscou os olhos para conseguir focar a visão, identificando Siyeon desferindo uma série de socos no outro, não dando tempo para o mesmo reagir.

Sentindo o corpo fraco e pesado, deitou-se no chão enquanto as pálpebras pesavam e os olhos fechavam-se lentamente. E a última coisa que ouviu antes de apagar complementos, foi a voz de Siyeon chamando por seu nome.


Notas Finais


Demorei? Demorei, e peço perdão pela demora, mas é que eu não conseguia concluir esse capítulo e sempre que escrevia algo, acabava apagando por achar que estava ruim.

Ainda não estou satisfeita com o resultado do capítulo, mas já não aguentava mais olhar pra essa fic e ver que já está há mais de um mês sem atualização.

Enfim, talvez o próximo seja o último, ou eu faça mais dois capítulos, ainda não sei exatamente.

Vou TENTAR não demorar para o próximo, mas quem me conhece sabe que sempre acabo voltando só depois de séculos k

Ah, e desculpem se tiver erros, capítulo não foi betado.

É isso, até o próximo ;)

~Beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...