História Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet, Seventeen
Personagens Hong Jisoo "Joshua", Irene, Jungkook
Visualizações 134
Palavras 1.735
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AVISINHOS RÁPIDOS PARA VOCÊS:

❧ Último capítulo!

❧ Vai ser triste.

❧ Não chorem!

❧ Boa leitura.

❧ S/S = Seu Sobrenome

Capítulo 9 - Liberdade


Fanfic / Fanfiction Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 9 - Liberdade

Josh... Jungkook... As únicas pessoas que se importam comigo que vivem. Josh... Josh... Josh... Ele estava no hospital... Ele morreu? Vou perder mais alguém importante? Essas perguntas não saiam de minha cabeça. Eu precisava ir ao hospital ver meu irmão, mas também precisava ligar para Jungkook e saber se estava bem. Hospital. Ligação. Hospital. Ligação. Hospitais me dão calafrios. Aquele ambiente branco, cheio de pessoas doentes que possivelmente irão morrer, me dá medo. Não, não tenho medo de médicos, não tenho medo de ficar doente, e principalmente, não tenho medo de morrer. Meu medo é de perder pessoas importantes lá dentro. Já estive no hospital várias vezes, mas a maioria delas foi para visitar um familiar que acabou morrendo. Minha família era grande, sim, tinha no mínimo dez pessoas, mas com o tempo... Elas foram morrendo, foram se libertando desse mundo sombrio e cruel em que vivemos. Mas não podia deixar esse medo idiota me afetar, tinha que ir ao hospital, tinha que ver meu irmão. Não, eu não queria! Não queria ter como uma das possíveis últimas memórias ele numa cama de hospital ligado a muitos tubos. Não queria, não quero, e nunca vou querer. Novamente, uma coisa que teria que ser deixada de lado. Também tinha a possível chance de não ser ele. 

O que aconteceu nesse dia? Eu conto. Afinal, só eu poderia contar, certo? Naquele dia, naquele maldito dia, o dia que já havia descoberto a morte de meus pais e de Elisa, um pensamento apenas passava por minha cabeça. Não pode piorar, pode? Sim, podia. Pedi as informações do hospital onde supostamente meu irmão estava internado, peguei um ônibus, e segui até o hospital. Chegando lá, fiquei extremamente incomodada. Pessoas. Pessoas me deixam desconfortável, pessoas que não conheço. Pessoas doentes. Pessoas doentes me deixam ainda mais desconfortável. Não se deixe abalar, o foco é o Josh! Repetia isso milhares de vezes. Calma e casualmente andei até a recepção do local. Lá se encontrava uma garota pouco mais baixa que eu com cabelos castanhos na altura do ombro. Ela não me é estranha...

Garota - Boa tarde, no que posso aju... - Quando olhou para mim sorriu - S/N! Quanto tempo! - Juro que se não fosse pelo balcão ela teria pulado em mim.

S/N - Bae Joo Hyun! Ou melhor, Irene, é você mesma? - Ela confirma com a cabeça - Que saudades mulher!

Irene. Irene foi uma das minhas primeiras amigas. Literalmente. Nos conhecemos quando crianças, lá pelos quatro anos, mas quando completamos dez anos, ela se mudou para o Japão, e depois disso nunca mais nos vimos. Perdemos totalmente o contato, pois na época não tínhamos celulares, computadores e essas coisas. 

Irene - Não é exatamente o melhor lugar para um reencontro, mas enfim, o que faz aqui?

S/N - Ah... Meu irmão... 

Irene - Sério? - Me interrompe - O que aconteceu com seu irmão?

S/N - Ah, não tenho certeza se é ele, mas se for, ele sofreu um acidente de carro... - Uma lágrima escorre, mas rapidamente a limpo.

Irene - Nossa... Qual o nome dele? - Pergunta concentrada no computador em sua frente.

S/N - Você sabe o nome dele. - Cruzo os braços. Esqueci que quando fazia, as mangas de minha blusa levantavam um pouco, o suficiente para deixar meus cortes à mostra, e isso atraiu a atenção de Irene.

Irene - S/A... Você se corta? - Ignora totalmente o que disse. Rapidamente abaixo as mangas, mas ela segura meus braços. - Por quê?

S/N - Não quero explicar... - Falo baixo e minha visão embaça um pouco. Parabéns S/N, chore no hospital - Só procura logo a merda do quarto que meu irmão está!

Irene - Nossa miga,  pra que tanta agressividade? - Ri levemente me encarando, mas logo volta a atenção ao computador - Ele está no quarto 444*. Cuidado pro capeta não te pegar quando entrar lá hein!

S/N - Besta. - Dou um tapinha em sua cabeça. - Nos vemos por ai. 

Irene - Nos vemos. 

Respirei fundo e caminhei até o elevador, mas quando cheguei lá, o mesmo estava com uma plaquinha escrito "Em manutenção". Maravilha. Tudo que precisava. Teria que usar a escada. Eu falo como se o mundo fosse acabar, mas acredite, depois de passar metade do dia encolhida no chão chorando, você vai ficar com dor nas pernas. Mas fazer o que, tinha que arcar com as consequências. Abri a porta da escada, que lugar abafado. Porque tão escuro? Aquele lugar era iluminado por uma única luz amarelada, uma luz que por mais incrível que pareça, era confortante para mim. Adentrei o local e comecei a subir, até que fui jogada com agressividade contra a parede. 

??? - Olá S/N... Quanto tempo, não? - Reconheci imediatamente sua voz.

S/N - O que quer Seokwoo? - Pergunto passivamente tentando me soltar, mas ele apenas segura meu braço mais forte.

Seokwoo - Já não falei que é Rowoon meu amor? - Diz com uma cara de confuso, me fazendo ter ainda mais raiva dele. 

S/N - Meu amor seu cu, o que tínhamos acabou faz tempo! - Digo elevando minha voz e soltando meu braço.

Seokwoo - Nossa, pra que tanta agressividade amor?

S/N - Seokwoo... - Suspiro - Entenda, eu não te amo mais, não quero mais você! Me esquece porra! - Digo e volto a subir as escadas, mas sou impedida por meu pulso sendo puxado. 

Seokwoo - Por favor S/N... Me dê mais uma chance... 

S/N - Rowoon... - Merda! Porque o chamei pelo apelido? Solto mais um suspiro - Eu não posso.

Seokwoo - Me diga, o que eu fiz errado? Por favor, me diga! Eu prometo melhorar!

S/N - Não é culpa sua... Eu só... - Abria e fechava a boca esperando as palavras saírem - Não quero mais nada com você... Eu simplesmente não te amo mais! 

Seokwoo - S/N... Olha pra mim... - Me recuso olhando para qualquer canto - S/N, por favor... - Olho para o mesmo que estava com os olhos brilhando por conta das lágrimas que estavam por vir - Ninguém deixa de amar alguém assim...

S/N - É mesmo... - Me faço de confusa - Então acho que nunca te amei! 

Quando disse isso, Seokwoo desabou. Não se importava de derramar lágrimas em minha frente, nem na frente de ninguém. De certa forma, eu o entedia.

S/N - Não chore por mim. Você merece coisa melhor.

Seokwoo - Não S/N! Você é o melhor que posso ter! - Diz em um fio de voz por conta do choro.

S/N - Não Seokwoo! Eu sou só mais uma inutilidade do mundo... - Digo e volto a subir as escadas, apenas ouvindo os soluços vindos de Seokwoo.

♧~Quebra de tempo ~♧

Entrei no quarto, e lá estava a coisa que menos queria ver, meu irmão todo entubado. Quando entrei senti seu olhar sobre mim. Queria apenas abraçá-lo, mas não podia, então apenas sentei na ponta da cama onde estava.

S/N - Josh... - Passo a mão em seus cabelos - Sabia que você não deveria ter ido... Agora posso te perder... - Algumas lágrimas escorrem.

Josh - S... S/N... - Ele levanta o braço lentamente e coloca mão sobre a minha - E... Eu v... Vou fic... Ficar b... Bem...

S/N - Eu espero... - Suspiro. Josh acariciava minha mão com o dedão, mas parou e passou as mãos em meu cabelo.

Josh - S... S/N... - Chama e o olho - Que... Quero que sa... Saiba... Eu... Eu te amo... Maninha... - Então a máquina que mostrava os batimentos cardíacos apitou.

S/N - Jo... Josh? Josh?! JOSH?!

Emergência na sala 444!!

Vários enfermeiros começaram a entrar na sala, me empurrando dizendo que não poderia permanecer ali. Minhas lágrimas caiam insistentemente. Tentei ser forte, tentei não derramar lágrimas, tentei considerar que fora apenas uma falha no sistema, mas simplesmente, não conseguia. Não conseguia acreditar em uma falha no sistema. Havia perdido as esperanças. A esperança nem sempre é a última que morre. Nesse caso, não foi. Algum tempo depois um médico, qual nem havia visto que entrara, sai do quarto.

Médico - Senhorita S/N? - Afirmo com a cabeça - Bem... Infelizmente o acidente foi muito grave e... E ele não sobreviveu. Sinto muito.

Não tinha palavras. Apenas desabei. Não podia ser verdade. Apesar de ter dito que não, ainda havia uma mínima esperança, bem non fundo de meu coração. Realmente, esse era o pior dia da minha vida. Minha família havia indo embora, fiz meu ex-namorado chorar e apesar de ser uma notícia boa, minha amiga de infância, Irene, apareceu.

No dia seguinte, vulgo hoje, cá estou eu, na beira de uma rocha inutilmente olhando para o mar, considerando a ideia de parar de sofrer. Deixei avisado às empregadas que vim para a praia, mas avisei para ninguém me procurar caso sumisse. Sei que ninguém viria. Não sobrou ninguém. Ninguém que se importe de verdade comigo. Ninguém que dará continuação à família. Eu sei que vários pensam que EU deveria dar continuação, mas eu e nada são a mesma coisa. Eu não conseguiria. Eu falharia miseravelmente, igual eu falho em viver. É melhor a família S/S acabar aqui. Jungkook... Jungkook não se importa e nem nunca se importou comigo. Ele fingiu isso. Sim, fingiu.

??? - S/N... - Uma voz familiar chama, me fazendo virar. Me assusto com as pessoas ali presentes - Não faz isso por favor...

S/N - Jungkook... - Lanço um olhar em sua direção, mas logo o desvio - Irene... - Faço o mesmo com ela - Seokwoo... - O mesmo com ele - O que fazem aqui?! - Pergunto indiferente.

Seokwoo - Viemos te impedir...

S/N - Me impedir de que?!

Irene - De acabar com sua vida...

S/N - Eu não vou dar um fim nela... Apenas vou me libertar! 

Jungkook - Porque quer fazer isso?

S/N - Porque quer saber?!

Seokwoo - Por que nos importamos com você...

S/N - Não. - Abro os braços - Vocês não se importam!

Irene - S/N, você vai morrer...

S/N - A intenção nunca é morrer. É acabar com a dor. - Com essa frase, dou fim ao meu sofrimento.

Meu corpo bate em algumas rochas, o que provavelmente me fez quebrar alguns ossos. Meu ar cada vez diminuindo mais... Tudo escurece... Minha hora finalmente chegou depois de tantos anos de sofrimento.

Fim


Notas Finais


O *: 444 é o número amaldiçoado dos asiáticos, é igual o 666.

Gente, digam se querem um bônus da visão do Jungkook quando vocês se jogaram, estou planejando aqui...

Choraram? Não chorem!

Espero que tenha gostado dessa história, não foi tão longa, mas deu um certo trabalho. Me diverti com a criação dela, apesar de ser triste, eu tentei colocar algumas partes engraçadas.

Muito obrigada a todos que acompanharam o desenvolvimento dessa história.

Beijo na teta esquerda!

~ Wiiniih


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...