História Inocência - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Kurenai Yuuhi, Sasuke Uchiha, Tsunade Senju
Tags Hinata, Mistério, Naruto, Romance, Sasuhina, Sasuke, Sobrenatural, Suspense
Visualizações 79
Palavras 1.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então.. como estão? Espero que gostem dessa história, eu estava com ela na cabeça a algum tempo já, tenho algumas idéias prontas no meu precioso caderno ^^.. Irei atualizar quando possível e darei mais atenção assim que terminar Aos poucos.. Bom não tenho muito o que falar sobre ela, eu ainda estou com algumas idéias para se concretizar! E não se preocupem não irei apagá-la, dessa vez me dedicarei 100% quando eu puder. Não sei se farei uma curta história ou long fic, ainda não sei realmente! Mais espero que a curtam!

Boa leitura!

Capítulo 1 - O encontro do lobo com a ovelha


Fanfic / Fanfiction Inocência - Capítulo 1 - O encontro do lobo com a ovelha


O largo sorriso da jovem de longos cabelos negros conseguia fazer com que todos a sua volta sorrissem em resposta. Os jovens olhavam para Hinata Hyuuga sem conseguir entender como alguém que perdera tudo poderia sorrir daquela forma. Nenhum dos órfãos entendia o motivo de Hinata sorrir largamente quando não tinha mais família.

O orfanato EL Sol possuía uma reputação imaculada referente a proteção dos órfãos. Administrado pela Madre Tsunade, o orfanato passava por alguns problemas financeiros, e a órfã mais velha já percebera.

Hinata Hyuuga havia chegado no orfanato com seis anos, dez anos atrás, e desde aquele dia escolhera todos como sua família. Por mais que se sentisse triste por ter perdido as pessoas que amava, Elle preenchera aquele vazio com todos que permaneceram ao seu redor, e agora iria perde-los novamente. Seu aniversário aconteceria no final do ano e, infelizmente, iria precisar deixar o orfanato.

— No que está pensando? – A freira Kurenai perguntou divertida ao olhar para Hinata. A jovem encontrava-se sentada no meio da grama no jardim, sem preocupar-se com a farda, um conjunto em azul. – Fazia tempo em que se sentava aqui – Quando Hinata foi entregue ao orfanato, não se adaptou com facilidade e muitas vezes se viu refugiada no jardim.

— Estou pensando no futuro – Revelou exibindo um sorriso triste – Será triste abandonar todos.

— Sempre poderá nos visitar.

— Eu sei, mas será um pouco solitário – Confidenciou envergonhada – Vai ser estranho.

Freira Kurenai concordou ao sorrir. Ela sabia o quão difícil seria a vida de Hinata quando completasse dezoito anos.

— Tenho certeza que irá conseguir – A incentivou fazendo-a sorrir antes de se levantar e abraçar a freira.

—Obrigada por sempre me apoiar – Agradeceu sinceramente ao sentir os braços protetores da freira.

Vai dar tudo certo.

Hinata repetiu para si mesma.

***

A Madre Tsunade não conseguia conter a sua surpresa ao olhar para o homem a sua frente. A anos a jovem Hyuuga esteve sob os seus cuidados e nunca ouvira falar de alguém sendo o seu tutor. O estranho homem não esboçara nenhuma reação após lhe entregar todos os documentos. 

— Talvez tenha algum erro – A Madre disse com cautela ao olhar para o homem.

— Não cometo erros.

— Senhor...

— Uchiha. Sasuke Uchiha.

— A menina está aqui tem anos, e nunca escutei nada sobre isso. Sua única família está morta e logo ela fará dezoito anos.

Sasuke encarou com frieza a mulher a sua frente, segurando-se para não exibir a sua real personalidade. Olhou para o relógio em seu pulso fazendo uma carreta em seguida.

 —Quando mais tempo passar tentando analisar a veracidade destes documentos, mais dinheiro estarei perdendo – O tom de voz arrogante, fez com que a Madre rogasse aos céus por paciência para lhe dar com aquela provação.

— Senhor Uchiha, entenda que prezo pela segurança de minhas crianças, e por isso não posso entrega-la para o senhor até ter certeza de que realmente é um tutor enviado por um juiz.

— Tenho trinta minutos – Disse em tom de advertência ao lhe fuzilar. Sasuke Uchiha odiava ser contrariado.

A Madre fez a única coisa possível dentro daquele período, começou a ler todos os documentos tentando se recordar de algo que fora lhe ensinado anos atrás quando ainda pensara em estudar direito. Não demorou para a frustração preencher o semblante da Madre ao se dar conta da veracidade dos documentos.

 — Por qual motivo demorou tantos anos para vir busca-la? – Indagou curiosa ao encará-lo, mas a sua resposta apenas a fez sentir o estômago embrulhar.

— Não tenho tempo livre para perder em frivolidades. Chame-a o quanto antes, pois pretendo leva-la comigo ainda hoje.

— Hinata deveria ter tempo para se despedir de todos e...

— Eu não me importo – A interrompeu – Se eu perder mais um minuto nesta conversa sem sentido, alguém irá pagar por isso, compreende o que eu quero dizer?

A Madre engoliu em seco ao observá-lo com mais cuidado e perceber suas roupas feitas sob medida. Tudo naquele homem exalava dinheiro e poder.

 — Irei chama-la – Disse por fim arrependida ao ver o olhar vitorioso de Sasuke Uchiha.

A Madre andou o mais lentamente que conseguiu devido ao arrependimento latente em seu interior. A cada passo rogava aos céus para que protegesse a jovem do estranho homem.

Seus passos lentos não surtiram efeito ao se deparar com a jovem sentada no jardim. Suspirou antes de ir até ela com o semblante aparentando calma.

— Hinata, vejo que está pensativa – Sorriu diante da expressão suave da jovem. Já recebera inúmeras crianças naquele orfanato, mas nenhuma havia sido como Hinata, pois desde que chegara fizera questão de ser amigável e gentil com todos. Hinata raramente demonstrava suas verdadeiras emoções. – Isso provavelmente irá ser repentino, mas arrume suas coisas.

 — Arrumar minhas coisas? Ainda não completei dezoito – Sorriu ligeiramente ao esconder o seu medo. Medo de ser rejeitada.

— Não é por isso – Pigarreou afim de afastar o seu constrangimento – Um homem veio leva-la com ele. Parece que possui um tio, e ele permitiu que este homem, o senhor Uchiha, fosse o seu tutor.

— Eu não tenho tio – Sussurrou confusa. Fazia muito tempo desde que tentara se recordar de sua família, mas infelizmente em suas recordações havia apenas os seus pais – Não me lembro de ter um tio – Se corrigiu – Eu não conheço nenhum senhor Uchiha.

— Sinto muito querida, mas precisa ir com ele. — Eu... – Desistiu de tentar argumentar ao se levantar sem vontade. Olhou para a Madre mais uma vez antes de seguir em direção ao quarto que compartilhava com outras garotas. Arrumou suas poucas roupas em uma mochila que recebera do orfanato. Olhou para as camas vazias e não demorou para sentir uma lagrima solitária deslizar pelo seu rosto – Seja forte – Murmurou ao respirar fundo e seguir para o escritório da Madre. Passou por umas poucas crianças que choraram ao saber que ela iria embora. Ao parar em frente a porta do escritório da Madre se viu hesitando antes de bater na porta. – Madre – Falou com a voz baixa assim que abriu a porta.

— Querida este é o senhor Uchiha. – A Madre Tsunade falou o mais sociável que conseguiu.

Hinata ergueu o olhar e percebeu prender a respiração assim que seus olhos se encontraram com os negros do homem. Sasuke Uchiha mantinha um olhar frio ao encarar a jovem, o que não a desencorajou ao olhá-lo com admiração. Hinata jamais avistara alguém tão belo quanto ele. Seu olhar frio lhe dava a sensação de ser intocável, enquanto seu rosto parecia esculpido pelos deuses gregos. Percebeu também o modo como seu corpo aparentava ser musculoso apesar da roupa que vestia.

— Vejo que é Hinata Hyuuga. – A voz de Sasuke Uchiha fez a jovem arfar. Por viver em um orfanato dirigido por freiras, nunca escutará uma voz como a dele antes. Ela já conversara com homens, mas nenhum deles possuía um timbre como o dele. – Sou Sasuke Uchiha, o seu tutor a partir de hoje. Tem algo a dizer? – Perguntou ao perceber o seu olhar.

— Por qual motivo está aqui? Estou aqui fazem dez anos.

Sasuke a olhou com desprezo ao voltar a sua atenção para a Madre.

— Se tudo já estiver pronto, pretendo leva-la agora.

A Madre suspirou antes de concordar. Infelizmente nada do que falasse iria fazer com que o homem mudasse de ideia.

 — Vamos – Sasuke falou ao ajeitar o seu paletó e seguir até a porta, mas se viu parando ao escutar a voz da jovem.

— Não irei a lugar algum até me responder essa pergunta.

— Se não se mover, irei puxá-la pelos cabelos, pelas pernas. Eu não me importo em como sairá daqui, senhorita Hyuuga. Que opção prefere?

Amuada e assustada, Hinata olhou para a Madre em busca de alguma ajuda, e encontrou apenas compaixão.

— Eu irei. – Murmurou cabisbaixa ao seguir o homem.

Com toda a certeza do mundo ele me odeia.

 Pensou incerta ao caminhar a passos lentos, seguindo-o. Seus passos pareciam sem vida ao parar em frente a um carro.

— Entre. – Elle olhou para o homem esperançosa de que ele havia cometido um engano, e que a libertaria, porém viu tudo acabar quando seu olhar encontrou o seu. Ele parecia estar com raiva.

— Certo – Abriu a porta traseira e somente ao entrar percebeu haver um motorista. Em poucos instantes o carro pareceu estar menor assim que Sasuke sentou-se ao seu lado – Não vai na frente? – Perguntou acanhada ao senti-lo tão próximo de si.

— Tenho um motorista para me sentar aqui. – Explicou sem vontade ao cruzar os braços em frente ao seu corpo – Agora que ficará sob minha responsabilidade seguirá regras, entende isso? – Ela assentiu – Quero que fale que entendeu.

— Eu entendi — Disse por reflexo.

— Siga as minhas ordens, esteja em casa por volta das seis da tarde no mais tardar e sempre atenda meus telefonemas. Compreendeu?

— Sim.

— Repita as regras.

— Seguir suas ordens, estar em casa no máximo as seis da tarde e sempre atender seu telefone.

Como um cachorro. Completou em pensamento ao reprimir uma careta. Por que ele me adotou afinal?

— E eu não lhe adotei — Sasuke falou como se adivinhasse seus pensamentos — Sou o seu tutor legal, e não o seu pai. Sou responsável por voce legalmente, apenas isso. 

Hinata assentiu sem nada a dizer. Reprimiu qualquer emoção ao olhar para a janela enquanto o veículo se movia.

Quem é esse homem?


T


Notas Finais


Um tema complemente diferente do que venho trabalhando, talvez seja um grande desafio esse Sasuke mais cruel hahaha

Até a próxima! 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...