História Invertidos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Busancity, Fem!au, Jikook, Jikookinvertido, Jikooknovemberproject
Visualizações 17
Palavras 3.676
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey ><
Eu ainda não acredito que eu estou postando isso rs
mas se eu não postar eu me arrependo e se postar também, então...
Sobre a fanfic, ela é para um desafio do busan city.
Vão ter no máximo, 3 capítulos.

Nesse universo, Jungkook é o capitão do time de baseball, mas o time nunca ganhou um jogo e por isso as pessoas não se importam muito com o time.
Já Ji-min é a famosa "nerd' mas ao invés de sofrer bullying e ficar em casa sofrendo, ela vai a festas e as pessoas gostam dela (ela da cola na prova huehue).
Eles não se "gostam" e acaba que trocam de corpo.
Eu não vou dar muito spoiler.
Eu não sei se se encaixa no universo invertido mas...eu vou postar mesmo assim

Capítulo 1 - 1 - Begining


Se remexeu no lugar tentando achar uma posição confortável, sentiu um peso em cima de si e abriu os olhos rapidamente. Tentou juntar todos os flashes e lembranças em sua mente mas a ressaca lhe antigiu em cheio deixando-lhe atordoada.

Se levantou retirando uma perna alheia de cima de sua barriga, olhou em volta vendo adolescentes bêbados jogados por toda a extensão do local e se lembrou parcialmente de algumas coisas da noite anterior.

Foi em uma festa, bebeu um pouco, dançou bastante e dormiu, só.

Ainda atônita, Ji-min olhou para um relógio que tinha na parede e se assustou quando viu o ponteiro marcar 8:42AM. Logo ela, Park Ji-min, a representante da sala que nunca se atrasa, tinha perdido as duas primeiras aulas.

Correu rapidamente 'pra fora daquela casa, sem se importar de pisar em braços alheios. Colocou a mão em seus bolsos tentando achar algo útil, desde a chave da sua moto á uns trocados e entrou em desespero quando não achou nem uma moeda de cinco centavos.

Pensou em ligar para Yoongi, seu melhor amigo, e pedir para ele vir lhe buscar, mas não podia já que seria a terceira vez que pediria carona aquela semana e não queria ter que lidar com a carranca do amigo e de brinde, com a sua ressaca. Ligar para Yoongi não era uma opção.

Quase chorou de emoção quando avistou uma bicicleta velha do outro lado da rua, aparentemente, sem dono. Atravessou a rua devagar com medo de ser atropelada e ao subir na calçada, correu desesperada até a bicicleta e montou, olhou para os lados para ver se tinha alguém e ao não ver ninguém, começou a pedalar.

— Ei, moça, volta aqui com a minha bicicleta! — freiou rapidamente e olhou para trás com os olhos arregalados, vendo um garoto de cabelos alaranjados correndo afobado em sua direção.

— Desculpa mas eu preciso dela agora, é questão de vida ou morte eu devolvo, juro! Só vou pegar emprestada — voltou a pedalar rapidamente quase batendo em um poste, mas o garoto era rápido e facilmente acompanhou Ji-min, que parou de pedalar quando viu o mesmo roxo, quase morrendo sem ar.

— Tudo bem? - desceu da bicicleta indo em direção ao garoto que estava morrendo com as mãos nos joelhos, recuperando o fôlego.

— Moça, eu preciso que me devolva a minha bike.

— Como é o seu nome? — Ji-min perguntou enquanto subia novamente na bicicleta.

— Hoseok, Jung Hoseok e eu agradeceria se você saísse de cima da Clotilde.

— Olha Hoseok, você sabe onde é a Busan Foreing High School? — olhou o relógio no seu pulso e quase infartou quando viu que se não corresse, se atrasaria 'pra terceira aula.

— Sim, eu estudo lá - o garoto assentiu sem entender o que estava acontecendo.

— Aí que alívio, hoje a tarde vai lá buscar, por favor, eu não tenho tempo de esplic-, espera, quem é Clotilde?

— A bicicleta, oras — Ji-min reprimiu a vontade de rolar os olhos, quem diabos da nome a uma bicicleta?

— Enfim, não importa, só não se esqueça de ir pegar— disse por fim, voltando a pedalar, deixando Hoseok para trás sem entender o que tinha acontecido.

— Ei! Qual é o seu nome?

— É Ji-min! - gritou aumentando a velocidade, quase se arrependendo por causa da ressaca.

Jogou a bicicleta em qualquer lugar, agradeceu a Deus por sua escola sempre deixar o portão aberto até a hora do intervalo e correu pelos corredores até chegar em seu armário. Pegou os livros que usaria e aplicou um perfume 'pra ver se o cheiro de bebida e suor saiam de si. Enquanto corria até a sala de literatura, tentou arrumar o cabelo desgrenhado com os dedos e passou a mão na testa tirando um pouco do suor dalí.

Conseguiu chegar na sala antes do professor e recebeu olhares curiosos de quase todos presentes, que se perguntavam porque a presidente da sala tinha chegado só na terceira aula. Sentou ao lado de Yoongi que lhe encarava com uma expressão decepcionada, lhe dando um sorriso amarelo em seguida.

— É a terceira vez essa semana, Ji-min! - Yoongi sussurrou ao ver a professora entrar na sala.

— Você acha que eu queria ter me atrasado? Eu 'tava praticamente do outro lado da cidade e tive que chegar aqui pedalando em uma bicicleta roubada, que por sinal, se chama Clotilde — sussurrou de volta, sentindo um bafo de onça sair de sua boca — Me diz que você tem um Trident pelo amor de tudo que é sagrado, você sempre têm— alarmou.

— Toma, e vê se limpa essa baba da sua cara — jogou um pacote de Trident na banca da mesma, que não demorou a abrir e já tinha três na boca — Como assim, você roubou uma bicicleta? Sinceramente, me arrependo de ter te arrastado 'pra uma festa a dois anos atrás.

— Não se arrependa, eu não roubei eu peguei emprestada, o garoto vai vir buscar mais tarde.— ditou enquanto limpava o rosto.

— Prova surpresa, turma — Ambos se calaram quando a professora anunciou que teria uma prova surpresa.

Do outro lado da escola estava Jungkook, o capitão do time de baseball da escola - que por sinal, nunca ganhou um jogo na vida - tentando prestar atenção no que o treinador dizia enquanto procurava na sua bolsa o seu remédio e um descongestionante nasal e mandava mentalmente Namjoon ir pra puta que pariu por ter passado com o carro cheio de poeira do seu lado.

— Jungkook, eu não te disse 'pra tomar uma vacina pra gripe? - praguejou o treinador já cansado de ouvir o garoto fungando.

— Treinador, eu já disse não é gripe — Atchim — é rinite — limpou o nariz que escorria e finalmente tomou um comprimido de Histamin.

— Que seja, só dá um jeito nisso, agora voltando ao assunto, temos que criar uma nova tática porque o diretor deixou bem claro que precisamos vencer o jogo ou o baile vai ser cancelado.

Jungkook revirou os olhos enquanto os enxugava, já sentindo seu nariz entupir a medida que parava de escorrer. A reunião foi interrompida pelo sinal tocando, avisando que era o intervalo, Jungkook quase sorriu, quase, já que espirrou bem na hora.

-

— Namjoon, filho da mãe, você me paga — disse enquanto corria até o amigo que o esperava na fila da merenda.

— O que eu fiz dessa vez Kook? — Namjoon revirou os olhos já esperando ouvir Jungkook reclamar de algo que ele nem sabia que tinha feito.

— Você passou com aquele carro dos infernos, cheio de poeira, do meu lado e eu já estava á duas semanas sem ter alguma crise de alergia! — exclamou irritado, sentindo a garganta coçar

— Desculpa eu não te vi. — revirou os olhos

— Não me viu? Eu sou transparente agora? Só não te bato porque eu tô com fome, aliás você paga meu lanche hoje só de raiva — fez um bico, seus olhos lacrimejaram e quem visse de longe, acharia que ele estava chorando.

— Tá criança birrenta, eu faço o que você quiser, agora para de reclamar.

— Insensível! — Namjoon tentava entender Jungkook mas, definitivamente, Jungkook era complicado.

Depois do intervalo, Jungkook seguiu até a sua aula de sociologia e quase que, imediatamente, rolou os olhos ao entrar na sala e ver Ji-min tagarelando com os alunos da sala sobre o assunto da aula. Pegou seu ScketchBook e começou a terminar um antigo desenho de Ji-min com um rabo, um tridente​, chifres e só pra completar um bigodinho e um par de dentes podres, voí lá , perfeito.

Ji-min encarava Jungkook do outro lado da sala este que, desenhava algo com um sorriso malicioso no rosto. Reprimiu a vontade de rasgar todas as folhas do caderno, fazer bolinhas, e tacar nele.

Yoongi encarava Ji-min com um sorriso de lado, ele sabia da guerruinha boba dos dois e não entendia por que daquela pirraça da parte dos dois. Ele sabia que no fundo, aquilo era amor encubado.

— Limpa a baba antes que escorra. — sussurrou no ouvido de Ji-min que se assustou e quase infartou de susto.

— Se você fizer isso de novo — ofegou, com a mão no coração — Eu mesma te castro.

— Você? Logo você, que não gosta nem de falar sobre um pênis, vai castrar o meu? — colocou a mão no coração pra enfatizar o drama.

— Fala baixo Yoongi, merda, além de te castrar eu te jogo numa jaula de tigres famintos.

— Nossa, aí que medo! — debochou com um sorriso no rosto. Ji-min resolveu ignorar Yoongi e focar na aula ou então, cometeria um assassinato ali mesmo.

Quando o sinal tocou, sinalizando o fim da aula, todos os alunos saíram da sala, só restando Ji-min e Jungkook que guardavam o material na bolsa, nisso, quando perceberam que só restavam os dois na sala, ambos correram até a porta ao mesmo tempo o que resultou em ambos presos na porta em uma competição indireta sobre quem sairia primeiro.

— Eu vou, hm, sair primeiro — Ji-min disse afobada.

— Não, eu, vou sair primeiro 

Depois de quase quarenta minutos ambos desistiram e começaram a brigar novamente.

— Eu 'tô dizendo, você sai primeiro, primeiro as damas.

— Liberte a dama dentro de você e sai primeiro Jungkook. — Ji-min cruzou os braços e fez um bico, batendo o pé no chão.

— Aigo, Ji-min sai logo, criança birrenta.

— Quer saber? Foda-se, eu vou sair primeiro que eu 'tô com fome — Ji-min já cansada daquilo, revirou os olhos e saiu.

Ambos saíram da escola emburrados, e caminhavam - quase - tranquilamente para suas casas que, por ironia do destino, eram vizinhas.

Os olhos de Jungkook começaram a lacrimejar, porque, era sempre assim, quando não saia por baixo saía por cima. Fungou, limpando o nariz que escorria. Maldita rinite.

— Ih, catarrento — Ji-min provocou com um sorriso de lado.

— Anã, isso não é catarro — fungou — é coriza! — exclamou com o dedo indicador levantado, revirando os olhos em seguida.

Ji-min ia retrucar, ninguém lhe chama de anã, mas parou quando viu sua mãe e a de Jungkook conversando, os observando de longe.

— Saiba que eu só estou fazendo isso porque nossas mães estão olhando, e não porque eu queria. — afirmou Jungkook enquanto segurava a mão de Ji-min desajeitadamente. Ela iria retirar a mão, mas quando viu sua mãe praticamente fazer um fangirl, desistiu, apertando a mão de Jungkook.

E só bastou aquilo para uma competição de "quem aperta mais forte" começar. As mães que observavam de longe não conteram o sorriso e um gritinho escapou-lhes a boca.

Ji-min dançava quando sua mãe entrou no quarto e lhe avisou 'pra arrumar um colchão no chão. Ela nem perguntou o porquê, na verdade, nem ligava. Arrumou um colchão no chão e deixou tudo bem confortável, escolheu a dedo um lençol e os travesseiros.

— Jiminie, desce, o jantar está pronto! — sua mãe lhe avisou, trocou de roupa colocando algo confortável e desceu.

-

Ji-min tentava entender o que estava acontecendo, porque Jeon Jungkook estava na porta de sua casa?

Encarou seus pais pedindo por uma explicação, um sinal de fumaça, qualquer coisa que explicasse aquilo.

— Minnie, Jungkook vai dormir no seu quarto. Os Jeon vão dormir aqui hoje, porque, houve um vazamento de gás na casa deles e precisam consertar. — Sua mãe lhe disse no ouvido, Ji-min fechou os olhos tentando conter sua vontade de virar os olhos e praguejar palavrões para Jungkook.

Após o jantar ambos subiram para o quarto de Ji-min, com uma carranca no rosto, nenhum dos dois queria aquilo.

— Se eu soubesse que você dormiria aqui hoje, teria jogado areia no colchão. — Ji-min disse enquanto se jogava na cama.

— Se eu fosse você, não encostaria um dedo nesse colchão. — resmungou, deitou no colchão pegando seu celular e dando play em sua playlist.

— Eu te odeio — Os dóis proferiram ao mesmo tempo e logo pegaram no sono.

Ji-min acordou se sentindo estranha, com uma vontade gritante de fazer xixi, olhou para a tela do celular que marcava cinco horas da manhã. Estranho. Ela não costumava acordar antes do horário mas, já que acordou, aproveitaria.

Se levantou e se dirigiu ao banheiro atônita, o sono ainda a afetando. Abriu a porta do banheiro e pegou sua escova colocando pasta em seguida, quando estava prestes a escovar os dentes, olhou-se no espelho.

Jungkook?

Espera, o quê?

Se desesperou e deu um tapa em seu rosto, e quando percebeu que não era um sonho, entrou em pânico.

— Puta que pariu — sussurrou enquanto gritava internamente, não estava doida de soltar um grito e acordar seus pais que lhe matariam por ter lhes acordado. Largou a escova na pia e correu até a cama vendo seu corpo deitado

— Jungkook, ei, acorda — sussurrou enquanto balançava freneticamente o garoto - que agora estava em seu corpo - que babava.

— Hm, o que foi? Me deixa dormir, porra — resmungou, se virando para o outro lado.

— Acorda, filho da mãe! Você precisa ver isso. — chutou a canela dele, que levantou rapidamente lhe lançando um olhar mortal.

— Espero que tenha um bom motivo pra me acordar, ou cabeças vão rolar hoje — ditou serrando os dentes.

— Olha para mim, o que você vê?

— Eu vejo você ué! — Jungkook tentava a todo custo manter os olhos abertos.

— Porcaria, olha pra mim direito, ou melhor vem comigo. — Ji-min pegou em sua mão e o puxou até o banheiro. — Se olha no espelho, o que você vê?

— Eu vejo voc-, espera o quê? — ele se virou rapidamente na direção de Ji-min e se assustou quando se viu.

— Puta merda — Jungkook gritou e logo teve as mãos de Ji-min - que no caso são as dele mesmo - cobrindo sua boca, abafando o som.

— Não grita, merda, são cinco horas da manhã — exclamou assustada.

Depois de muito pensar e tentar entender o que estava acontecendo, ambos se deitaram na cama, atordoados.

— Eu fui amaldiçoado! — Jungkook choramingou.

Ji-min queria fazer alguma coisa mas não conseguia falar ou fazer coisa alguma.

— Fomos amaldiçoados! — Ji-min proferiu.

Foram atrapalhados do momento de reflexão com a mãe de Jungkook lhe chamando para ir para casa, Jungkook foi, mas quando viu sua mãe lhe olhar estranho se lembrou de sua maldição, olhou para Ji-min, sinalizando com a cabeça para a garota ir. 

Precisou de pelo menos um minuto pra Ji-min entender que teria que ir porque querendo ou não, mesmo sendo Ji-min - uma garota - estava no corpo de Jeon Jungkook.

Ji-min andava desconfortávelmente até a casa de Jungkook, era estranho para a garota ter "algo" entre as pernas, principalmente pela vontade absurda de querer fazer xixi. Entrou na casa de Jungkook e subiu as escadas, agora, só precisava achar o quarto certo. Abriu a primeira porta e fechou rapidamente, se arrependendo de ter aberto, definitivamente não era o quarto de Jungkook. Depois de três tentativas, finalmente achou o quarto de Jungkook, que ao contrário do que achava, era, se duvidar, mais limpo que o seu e cheirava a limpeza.

-

Ji-min encarava a privada intensamente já faziam minutos, tentando se convencer de que teria que fazer xixi e fazer na roupa não era uma opção. Suspirou, abaixando devagar a calça de moletom que usava, vendo ali a intimidade de Jungkook.

— Puta merda — como num passe de mágica, "a coisa" como Ji-min resolveu chamar, saltou pra fora da cueca rapidamente, fazendo com que Ji-min arregalasse os olhos e tentasse de alguma maneira parar aquela torneira desgovernada. Não queria tocar mas, quando viu que estava molhando toda a privada, tentou, de algum jeito, parar aquela merda.

Depois de fazer xixi e descobrir afinal, como é fazer xixi em pé, tirou toda a sua roupa e olhou no espelho achando estranho não ver um par de seios, não que estivesse reclamando.

— Eu tenho um pau — ditou, rindo em seguida, se direcionando até o box, ainda rindo — e balança.

Começou a dançar hula hula e morreu de rir quando viu "a coisa" balançar.

— isso é estranho.

Tomou um bom banho, tentando não encostar no menininho do Jungkook. Ao sair do banheiro, se dirigiu ao guarda roupa do Jungkook e abriu, não entendendo quando só viu blusas brancas. Será que ele é daltônico?, depois de muito tempo procurando, no fundo do guarda roupa, tinha uma blusa vermelha, Ji-min pegou a blusa, uma jaqueta e uma calça branca, que era bonita, mesmo que parecesse que levou um banho de água sanitária.

Se vestiu e por fim, ajeitou o cabelo e calçou um tênis. Perfeito.

Na casa ao lado, Jungkook tentava rir baixo pra não acordar os pais de Ji-min, ela tinha um corpo bonito, com curvas, mas isso não importava para ele, o que importava mesmo no momento era pular, e ver os seios acompanhando o movimento. Tocou-os, não com malícia, mas com curiosidade de saber como era, e mais uma vez riu ao ver o reflexo de Ji-min no espelho fazendo caras e bocas.

— Ca-li-fornia girls, tu tu tu — se sentiu Katy Perry no clipe de Califórnia girls e começou a fazer barulhos de tiro, como se fossem uma pistola.

— Okay, chega.

Tomou um banho rápido e se dirigiu ao armário de Ji-min. Hm, o que uma garota veste?, simplesmente pegou as primeiras roupas que viu e um salto alto que, não fazia ideia de como andar, mas queria por mesmo assim.

Terminou de se arrumar, quase caindo no salto e se olhou no espelho, quase riu, mas sorriu, achando extremamente fofo como os olhinhos de Ji-min sumiam quando sorria.

Quando estava saindo do quarto, viu chaves em cima da mesa e pegou, mesmo não sabendo do que era, quando saiu da casa e avistou uma moto sorriu automaticamente.

-

Ji-min entrou na escola e sentiu olhares sobre si, as pessoas a olhavam com os olhos arregalados, afinal, a maioria conhecia o capitão do time, mas nunca tinham o visto sem ser como o garoto da rinite.

Andou até o seu armário e o abriu, não entendeu quando viu as pessoas lhe olharem estranho, mas como mágica, uma luz acendeu em seu cérebro, ela estava abrindo o seu armário, o armário da Ji-min e não do Jungkook. Não sabia qual era o armário do garoto, nem qual era a senha e resolveu esperá-lo chegar.

-

Ji-min não entendeu quando escutou as pessoas rirem e assim como os demais, olhou em direção a porta sem acreditar no que via, podia jurar que todo o sangue do seu rosto tinha sumido de tão pálida que estava. Lá vinha Jungkook, todo trabalhado na derrota, vestia uma calça - de pijama - rosa shok listrada, um salto alto preto e branco, uma blusa de manga de lã vermelha com renas de natal e por cima da blusa uma camiseta folgada roxa com bolinhas brancas e por fim - mas não menos importante - uma coroa de flores na cabeça.

Ji-min tentou não se desesperar ao ver a vergonha que estava passando, mesmo que fosse Jungkook ainda era o seu corpo. Abriu seu armário rapidamente e procurou dentro de alguma bolsa que tava ali jogada uma saia, as pessoas olhavam sem entender porque, "Jeon Jungkook" segurava uma saia na mão. A garota correu pelos corredores até chegar em Jungkook - Ji-min para os demais - e lhe puxou pela mão até o banheiro feminino, ignorando os olhares sobre si.

— Que merda é essa que você está vestindo? — os dois disseram ao mesmo tempo assustados.

— Eu que pergunto, eu aqui, linda, vestida como gente e você aí, me fazendo passar vergonha vestido como um palhaço

— O que? Eu, vestido como um palhaço? Você tá usando a minha roupa de natal e que merda é essa no meu cabelo? Tá parecendo que um boi lambeu!— exclamou irritado com tudo.

— Eu 'tô maravilhosa, sinceramente eu nunca imaginei que você pudesse ficar boni-, digo, você entendeu, aí você vem e chega destruindo a minha imagem? Se um dia eu sofrer bullying a culpa vai ser sua — apontou o dedo indicador no peito do outro.

— Você? Sofrer bullying? O pessoal te ama, se possível te colocavam num trono, só porque você tem a merda do seu nome em primeiro lugar em todas as avaliações e dá fila a todo mundo. — suspirou — Aliás você me elogiou? Eu tô ficando doido? — um sorrisinho de lado surgiu em seus lábios.

— Quer saber eu cansei! — Ji-min simplesmente deu um tapa em seu rosto, quer dizer, no rosto de Jungkook e o garoto simplesmente fez o mesmo, e em minutos os dois batiam em seus rostos

Algumas garotas que entraram no banheiro no momento simplesmente pegaram seus celulares e começaram a filmar, afinal, não é todo dia que se vê cenas como aquela. Certeza que o vídeo bombaria na internet.

Depois de uns minutos brigando, Jungkook já cansado daquilo tudo, simplesmente propôs uma oferta a garota. Uma trégua de briguinhas bobas e competições até eles voltarem ao normal, Ji-min aceitou de primeira, ela não queria nem imaginar o que Jungkook poderia fazer em seu corpo, quanto constrangimento ele poderia causar.

Jungkook pegou a saia da mão de Ji-min e entrou em uma das cabines para se trocar. Era estranho para si vestir uma saia, se sentia um tocador de saxofone da Suécia. Ao sair da cabine se olhou no espelho, o corpo de Park ficava extremamente belo com aquela saia creme. Tirou a camiseta roxa que vestia por cima da blusa de renas e a coroa de flores e suspirou, agora os dois pareciam vestidos prontos para o natal.

Ambos saíram do banheiro feminino e foram até seus devidos armários, sem se importar de estarem "supostamente" no armário errado. Seguiram para a sala de aula tranquilamente, quer dizer, Ji-min ia tranquilamente para sala, enquanto Jungkook tentava a todo custo abaixar a saia ou cobrir a bunda, tentando desviar dos olhares safados que recebia pelo corredor e das piadinhas. Ele nunca tinha parado para pensar no quão desconfortável seria para as garotas receber esses olhares antes, e agora definitivamente se arrependia de alguma vez na vida ter feito aquilo.

Nunca mais olharia para a bunda ou para saia curta das garotas. Porque agora ele percebia como era desconfortável e desrespeitoso para quem recebia os olhares.


Notas Finais


Na real eu achei esse capítulo meio fraco, juro que os outros estão melhores.
Espero que não tenha ficado confuso.
Perdoem qualquer coisa errada please.
(Capa temporária)
Eu tentei não dar muitas qualidades aos personagens, na verdade, eu acrescentei vários defeitos, afinal, não existe ninguém perfeito e as fanfics exageram as vezes.
Bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...