História Lie ( Jimin ) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), MASC
Personagens 26, Ace, Heejae, Jimin, Personagens Originais, Woosoo
Tags Jimin, Masc
Visualizações 184
Palavras 1.503
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá leitores :)
Boa leitura e leiam com calma e vejam os detalhes 👀

Capítulo 10 - 10


Fanfic / Fanfiction Lie ( Jimin ) - Capítulo 10 - 10

Krist

- Krist! – chama-me Woosoo e mais uma vez eu o ignoro. – Krist, me responde, você esta trancada ai por tempo demais!

Ele estava certo, fazia mais de uma hora que eu estava dentro desse banheiro, provavelmente já era noite e eu ainda estava aqui ligando e desligando a torneira enquanto sinto a água quente em meu corpo, tentando entender porque meu tio não confessa que foi ele que estava semana passada aqui!

Me levanto e meus cabelos molhados encharcam o chão, abro a porta do banheiro e ando, dando de cara com meu tio. Woosoo arregala os olhos e depois vira o rosto, sorrio de lado e passo por ele não me importando em molhar toda a casa ou com o fato de estar totalmente nua.

- Krist o q-que você esta fazendo? – pergunto Woosoo enquanto eu apenas caminhava em direção a sacada, o vento sobrava forte, enquanto eu cantarolava em minha mente. Era questão de segundos até ele vir até mim. – Krist! PARA! – grita Woosoo e sinto ele puxar meu braço. Meu tio me prensa na parede e encara meu rosto enquanto respira fundo.

- Esta nervoso? – digo e abaixo meu rosto. – Ou excitado? – ele fecha os olhos e cumprime os lábios. Woosoo se vira de costas e se afasta de mim.

Um ódio enorme me controla, pego um jarro de vidro que havia perto de mim e o quebro em sua cabeça, o mesmo cai no chão e sua cabeça começa a sangrar. O carpete que antes era marfim começa a se colorir de vermelho, um vinho intenso e forte, me ajoelho e me deito em cima da poça de sangue, seguro o rosto de meu tio e o viro para mim, o sangue escorria pelo seu rosto e sua boca estava entre aberta.

- Assuma. – falo o encarando. Woosoo abre os olhos e me encara sem piscar os mesmo.

- Assumir o que você quer vai te deixar mais satisfeita? – pergunta ele e depois sorri de orelha a orelha.

Abro meus olhos e vejo que ainda estou na banheira. “O que?...” pergunto a mim mesma. Me ajeito na banheira e me levanto rapidamente, me enrolando na toalha. Havia acontecido? Não havia acontecido? Iria acontecer?! Me aproximo da porta e começo a tentar abri-la, mas nada de resultado, seguro a tranca com minhas duas mãos e puxo a porta com mais força.

- WOOSOO!!! – grito e as luzes do banheiro se desligam por si só. Minhas mãos tremiam apesar de acabado de ter saído da banheira quente. Fecho meu olhos e tento recordar de todos os lugares do banheiro, para não esbarrar em nada quanto caminhasse.

Começo a deslizar minhas mãos na parede enquanto caminho lentamente, eu queria gritar mas não sei se queria que meu tio vinhesse. A sensação de que havia mais alguém ou algo ali no banheiro comigo aumentava, quanto mais eu chegava perto do interruptor mas uma agonia crescia em mim. O interruptor ficava vem ao lado do enorme espelho, sinto o espelho e logo depois acendo a luz, vejo meu reflexo e de outra pessoa bem atrás de mim.

- AHHHH! – um grito fino e o mais desesperado que eu já havia dado sai de minha garganta. Viro de costas e não vejo ninguém. – Não! Não!

- Krist? – ouço a voz de Woosoo e ele abre a porta no banheiro, ele me encara confuso e percebe que eu estava quase que chorando. – O que houve? – diz ele se aproximando de mim.

- SAI DE PERTO DE MIM! – digo agonizada por todas as memórias que se passavam em minha mente. Corro saindo do banheiro e vejo que estava bem na sala, vejo o jarro ainda intacto.

- Porque você veio tomar banho nesse banheiro? – pergunta ele. – Você esta se tremendo, esta com frio? – pergunta Woosoo encostando sua mão no meu ombro. Assim que ele me toca eu sinto que era a pessoa que estava comigo a segundos atrás dentro do banheiro. Meu corpo todo se paralisa, meus olhos vagavam pela sala e eu corro e pego o jarro, me viro e Woosoo esta com uma arma apontada para mim. – Põe isso lá. – diz ele apontando a arma para mim.

- Porquê? Você já sabe o que eu vou fazer? – pergunto o olhando. Meus olhos brilhavam, minha boca estava entre aberta e de repente o medo começa a se tornar algo… bom.

- Você roubou uma de minhas armas na noite passada. O que você estava fazendo com ela, Krist? – pergunta Woosoo ao me encarar.

- Eu sei que foi você… - sussurro e sorrio. Colocando o jarro de volta no local. Encaro a sacada e depois viro meu rosto para meu tio e ouço meu pescoço estralhar.

- Você esta me assustando e assustando nossos vizinhos… Ouviram um som de tiro ontem a noite. – diz meu tio abaixando lentamente a arma.

- O quê? – pergunto tentando ouvir melhor o que uma voz feminina me falava. De quem era?... – Você matou o Jimin? – repito o que havia acabado de ouvir.

- O quê?! – fala Woosoo confuso. – Krist! – grita ele e eu o encaro.

- Esta ouvindo isso? – pergunto ouvindo uma doce voz cantarolar.

- ISSO O QUE?! - fala olhando para os lados. – Krist o que esta acontecendo!? – fala ele enquanto eu corro em direção a meu quarto.

Fecho a porta e me escoro na mesma, fecho meus olhos e respiro fundo na intenção desacelerar a minha respiração. Estava eufórica a minutos atrás, quase chorei mas agora… Agora ouvia uma doce voz cantar enquanto me perco na escuridão de meus olhos, era uma sensação estranha e apesar daquela voz me acalmar eu sabia que não era a minha. Sinto meu corpo cair no chão e alguém me chaqualhando.

- Krist! – grita alguém. Abro meus olhos e vejo A.C.E.

- O que faz aqui? – pergunto me sentando e percebo que estou na cama.

- Vim te ver. – responde ele.

- Deveria ter avisado, eu estou s- paro de falar ao ver que eu não estava só de toalha. Estava deitada na minha cama e vestida com meu pijama. – Chegou a quanto tempo? – pergunto me sentindo estranha. Alguém tinha me visto nua? Meu tio tinha me visto nua? Eu desmaiei? Porque sinto como se eu as vezes não fosse eu e tudo que eu tenho em minha memória é uma ilusão?

- Faz meia hora. – responde ele. – Você roubou a arma do Woosoo? – ele pergunta e eu o encaro. Eles estavam juntos nessa? Ele é meu amigo?

- Peguei. – falo. – É legal ter armas aqui. Não sei porque fazem tanta cena por isso. – falo me levantando.

- Só estamos preocupados com você. – diz A.C.E. Ele havia falado no plural? Porque me incomodava tanto o que ele acabará de falar?

- Estamos? – pergunto. Dou mais um passo e vejo papéis brancos espalhados pela minha escrivaninha. Porque os papéis estão desarrumados?! Eu não fiz isso! Olho para o lado e vejo que a janela para a sacada estava aberta.

- O Woosoo em principal. – diz A.C.E – Aconteceu algo?... – pergunta ele enquanto eu encaro a janela.

- Você acha que…

- Que?... – prossegue A.C.E

- Que estamos vivos?

- Como assim? – pergunta ele e eu permaneço em silêncio e o encaro, ele sorri e logo depois eu sorrio fechado. – Você não esta se sentindo viva o bastante?

- Me sinto viva com as coisas erradas. – confesso.

- Seja lá do que voce esteja falando, você não esta fazendo nada errado. – fala A.C.E segurando meu ombro. Encaro o chão e apesar de sentir que não deveria, eu viro meu rosto e encaro sua mão. Era apenas uma mão normal… Suspiro aliviada e olho ao meu redor sentindo que estava sozinha.

- O errado é bom. – falo.

- Vish, tipo roubar armas? – responde ele caindo em minha cama.

- Tipo drogar seu namorado. – falo e A.C.E começa a rir.

- É, aposto que isso não estavam nos planos dele da quarta.

- Quarta? Foi ontem, na terça. – explico.

- Ontem foi quarta. – responde ele se levantando. – E hoje é quinta.

- É claro. – confirmo mesmo estando confusa. O que havia acontecido na minha quarta feira?

Jimin

Não conseguia dormir, havia se passados dois dias em que eu não havia saído desse maldito castigo. E desde da quarta de manhã que eu não via a Krist… Não que eu estava com saudades dela, mas só tínhamos até sábado.

Me levanto da minha cama e saio, me escorando na varanda da sacada. As janelas do quarto dela estavam fechadas, porém as cortinas abertas. E então eu a vejo em pé escorada no canto da parede, ela observar algo por um longo período de tempo enquanto eu espero a mesma virar o rosto e me olhar, mas isso não acontece. Era como se ela nem estivesse piscando os olhos.

 Me aproximo do final da sacada e me esforço para ver o que ela estava olhando e então percebo que na verdade não era a Krist… Estava escuro demais para ver, mas alguém estava observando ela dormir. Porquê?


Notas Finais


Afinal o que aconteceu na quarta?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...