História Lionheart - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Kéfera Buchmann
Personagens Demi Lovato, Kéfera Buchmann, Personagens Originais
Tags Kemi, Lesbicas, Lésbico, Orange, Romance, Yuri
Visualizações 132
Palavras 3.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eai gente! tudo bacana?
por essas vcs não esperavam em...
Não voi poder fazer a maratona, por isso aqui vai um cap bônus da semana, e sábado postarei mais!
bora cap? bora.
desculpem-me dos erros...

Capítulo 16 - 3 anos depois....


Lauren’s Pov

Acordei sentindo duas mãos pequeninas em meu rosto, elas repousaram em minhas bochechas e as apertaram, não pude evitar de sorrir com aquele ato. Permaneci com meus olhos fechados esperando a próxima ação que foi um beijo molhado no meu nariz.

- Sam! Deixa a mamã dormir filho... _ ao ouvir a voz de Camila abri meus olhos, o quarto estava pouco iluminado, já que as cortinas estavam fechadas.

- Que horas são? Não é muito tarde é? _ como ela havia pego Samuel em seu colo eu me senti encostando minhas costas na guarda da cama.

- São 7h ainda, por quê? Tem algo de importante para hoje? _ não me fitou estava ocupada calçando as sandálias em nosso filho. – Eu tinha alguns planos para nós, mas se precisar sair não tem problema. _ sorriu ao terminar de vestir o menino que veio ao meu encontro.

- Ainda é bem cedo, oi meu amor! _ beijei sua cabeça e ele sorriu para mim. – Eu combinei de sair com Ariana, nós vamos a um orfanato, ela e Justin estão com problemas na a doação daquele bebê que te falei, mas...podemos fazer o que você planejou enquanto não da a hora de eu me encontrar com ela.

- Tudo bem, então levanta nós vamos ao parque, quero levar Sam para brincar um pouco, fazer exercícios, ele vive com o tablet vidrado em vídeos e jogos, não quero que ele fique antissociável. Ele precisa brincar com outras crianças.

- Eu não quelo blincar no paque...eu quelo ficar em caja. _ disse marrento e fez um bico.

- Ele é igual a você quando não quer fazer algo...Ai precisava bater amor? _ esfreguei meu braço. Deu um selinho nela e sai em direção ao banheiro para poder me arrumar, fazer minhas higienes e tomar um banho.

Já fazem quase dois anos que eu e Camila nos casamos, e também faz quase três anos ou fez que Demetria foi embora para o México, segundo ela para me esquecer, eu seria muito egoísta em desejar que ela não conseguisse? _ Quando eu ficava com ela e acreditava que havia sido seu pai o assassino do meu, eu só conseguia pensar em vingança, e que ela sofresse a cada dia que passava...mas quando eu descobri toda a sujeira do meu irmão eu só consegui me sentir um lixo, pois ela havia pago por um erro que não foi dela, enfrentava a cada dia a dor da perda do pai, assassinado a sai frente e sofria por amar alguém como eu.

Não posso dizer que não amo Camila, pois eu realmente a amo, ela é minha esposa e temos um lindo filho juntas, mas não me sinto completa, ela não é a mulher que eu sonhava, e talvez esse seja um ótimo castigo, viver com uma mulher que por mais que eu ame, não me completa, meu filho não recebe a atenção que deveria, eu trabalho muito e Camila vive cuidando de si, temos uma babá que cuida de Samuel, de segunda a sexta e temos uma babá que cuida dele aos finais de semana.

Ontem estivemos em uma consulta com um neurocirurgião, pois a pediatra do nosso filho fez o encaminhamento, confesso que fiquei desesperada, e muito nervosa, chegando a discutir com ela, pois onde já se viu fazer isso, o que ela estava insinuando? Que meu filho tinha algum problema?

A consulta aconteceu como qualquer outra, perguntas e mais perguntas sobre o comportamento dele, e tivemos que levar Samanta, a baba que cuida dele durante a semana. E descobri muitas sobre ele, coisas que na minha cabeça eram normais para a idade dele, mas o médico não teve essa mesma conclusão, Samuel poderia ter autismo, mas não era algo muito serio, o nível da doença era leve, mas o doutor ainda precisava de exames que Camila se negou a fazer, ela não aceitava o que o medico tentava explicar, ela saiu da sala quase correndo, e eu precisei me desculpar com o cirurgião, e prometi que faria os exames necessários. Foi por isso que Camz acordou querendo levar o mesmo para o parque.

Na minha cabeça eu ainda estava confusa, eu não sabia o que era autismo e tudo o que o google me dizia não era nenhum pouco animador, mas a conclusão que tirei foi que ele não tinha controle de 100% de tudo que acontecia a sua volta e que uma coisa simples poderia o distrair por muito tempo. Sam andou com dois anos de idade, eu achei bem estranho pelo fato também de que ele quando dava os primeiros passos andava com a ponta doa dedos, por isso ele andou tarde, as vezes ou na maioria, quando chamávamos por seu nome ele nunca olhava em nossos olhos, ele compreendia que era com ele, mas não olhava. Foram essas pequenas coisas que me levaram a querer falar com a pediatra que após o exame o encaminhou para o neuro.

Eu amava meu filho, daria tudo por ele, e não seria por causa de uma doença que eu o deixaria de lado, caso se confirmasse eu teria que dar uma mudada na minha agenda, já que eu trabalhava com administração da empresa de Camila, e ela não fazia mais nada, nem aparecia na empresa, quem sempre aparecia era sua mãe, que se achava a dona do mundo, Dianna Cabello, achei bem estranho o fato dela ter o mesmo nome da mãe de Demetria.

- Camila? O que sua mãe faz? Digo...ela gosta de salões de júri? _ eu estava muito preocupada com o que vinha pensando a respeito de Camila, eu não queria estar investigando sobre a vida dela, ainda mais que jurei para mim mesma que a vingança da morte do meu pai ficaria no passado.

- Ela vive com o dinheiro que dou a ela, ela viaja pelo mundo Lauren, mas ela sempre teve amor por salões do júri sim, mas por que a pergunta? _ ajeitou Sam na cadeirinha para o mesmo tomar seu café.

- Por nada, não é nada importante, Karla!

Meu encontro com Ariana e Justin estava marcado para às 17h, horário que a assistente social do orfanato estaria presente no local, Ariana era mulher de Justin já dois anos, nos tornamos muito amigas na faculdade de administração já que depois do meu casamento eu passei a cuidar da empresa Cabello. Seu sonho era ser mãe, mas nem ela e nem o marido podiam, ela havia tirado o útero ainda criança, e sofria com isso, foi quando eu a convidei para visitar um berçário no orfanato no centro de New York, e ela se apaixonou por Germany uma linda menina de 2 meses de idade, ela nasceu com uma anomalia, e um de seus olhos tinha uma cor diferente da outra, os pais eram extremamente religiosos e acreditavam que aquilo era algo do demônio, eram um pouco ignorantes também e bem simples, abandonaram no hospital e as enfermeiras deram um nome ao bebê. Eu nunca tive uma melhor amiga e Ariana era alguém muito especial. Ela fazia de mim uma pessoa melhor, agradeço muito por ter a conhecido.

- Eu soube que Demetria esta na cidade outra vez...O que pensa em fazer? _ Camila disse mexendo em seu prato, ela olhava para baixo e eu podia sentir que ela estava triste, tanto pelo fato de talvez nosso filho ter autismo quanto pelo fato de saber que fiz amor com Demi antes dela ir embora.

- Nada! Por que eu faria alguma coisa? Eu tenho uma linda esposa e um lindo filho, eu não ligo para o fato dela estar aqui ou não, essa é a minha família, a família que eu construí, nós construirmos. _ apertei sua não em cima da mesa e ela sorriu fraco...eu não queria ter mentido, mas o fato de Demi estar em New York mexeu comigo, me senti com alguma esperança.

- Já pensou na possibilidade de ela ter engravidado?... _ então um silêncio se fez presente...Demetria? gravida? De um filho meu?...

Demi’s Pov

Estava em minha casa arrumando aa últimas coisas nas malas, Gaby de quem eu estava muito mais próxima agora, me ajudava com as coisas. Desde que me mudei para o México muitas coisas mudaram, muitas mesmo, fazem exatamente três anos desde que deixei tudo em New York e vim para a Cidade do México, onde morava o filho de Gabriela e também onde seria a sede da minha empresa, eu tinha muito trabalho ainda até a inauguração da nova empresa.

Mas eu tinha Gabriela comigo e seu marido Fernando para me ajudar, pois eu querendo ou não, tinha apenas 24 anos, e não tinha a experiência que eles tinham, ainda mais que trabalham com meu pai desde o inicio. No começo eu me arrependi, me vi sozinha em um outro país, sem minha mãe, sem minhas irmãs, sem meus amigos, era apenas eu, ou era o que eu achava.

- Lembranças –

Faz cerca de dois meses que vim para o México ou até mais, e desde então minha menstruação parou de vir, no começo quando me mudei eu achei que estava alguns dias atrasados por causa do estresse de tudo, eu tinha muitas coisas para pensar e fazer, mas ai vieram os sintomas clássicos, e um deles que veio forte foi o enjoo, esse me pegou de jeito, eu não queria acreditar no que estava acontecendo, por isso comprei em uma farmácia bem próxima um teste de gravidez, e achei um absurdo o preço, mas pelo menos o farmacêutico disse que ele é 99,9% eficaz.

Sem nenhuma pressa abri a caixinha e tirei de dentro um reservatório pequeno, parecia um pequeno copo, de plástico, continha também um papel com as instruções e uma fitinha, fitei os objetos em minha mão. “isso não pode estar acontecendo, não agora” com calma li tudo o que estava no papel, menos sobre o resultado, coloquei um pouco de xixi dentro do pequeno reservatório e coloquei a fita no mesmo, eu precisa esperar quinze minutos para saber.

Sai do banheiro e sentei em minha cama, me olhei no espelho e logo depois abaixei a cabeça, eu havia mudado meu visual quando cheguei na cidade, meus cabelos estavam curtos e na cor preta, eu achei mais elegante do que o rosa, eu havia acabado de chegar então precisava dar uma impressão mais séria aos meus novos funcionários.

Dados ao quinze minutos, entrei no banheiro e peguei a fita colocando a de lado, duas fitas estavam aparecendo, ótimo o que significa isso? Peguei novamente o papel e li “ uma faixa vermelha – negativo, duas faixas vermelhas – positivo, deixei cair tudo sobre a pia e me fitei no espelho a minha frente, senti meus olhos marejarem.

- Lembranças –

Minha primeira reação naquele dia foi chorar, chorar muito e lamentar, por que foi que eu esqueci de tomar o remédio no dia seguinte? Por que eu havia esquecido? Transei tantas vezes com Lauren sem proteção alguma, sem tomar remédio algum e nada aconteceu, a não ser hematomas em minha pele, e quando transamos pela ultima vez, quando não senti nada, fico grávida.

Por mais que eu não quisesse ter tido aquela ultima vez, quando ela me pediu para faze amor com ela foi estranho, pois era eu quem sempre pedia, era eu que queria um pouco de sentimento nos nossos momentos de intimidade, foi necessário, pois ali eu vi, que eu não a amava mais, e que uma magoa grande se formou, não era ódio ou raiva, era um sentimento de pena, pois quando estávamos na minha sala, eu senti que ela para ela aquilo estava sendo especial, mas para mim era a confirmação de que eu estava livre dela.

Vivi mais ou menos três anos ao lado de Lauren, contando com nosso namoro e com nosso noivado, e eu jamais me vi sem ela, cheguei a quase perder a amizade das pessoas mais importantes pra mim por causa dela, cheguei a me humilhar, a ser submissa, apanhei, e ainda a amava, ainda queria uma família com ela, como eu fui cega? Como eu pude perder anos da minha vida com uma pessoa como ela? Me traia com quem dizia ser minha melhor amiga, parecia estar comigo para me ver sempre mal, me privou de fazer o que eu mais gostava que era a luta, academia, de dançar e até mesmo compor, quantas musicas minha ela não rasgou ou vendeu, mas pelo menos hoje eu estou mais confiante, tinha tanta vergonha do meu corpo e hoje o amo, amo assim do jeito que ele é, meus seios não são tão grandes, minhas coxas são grossas, meus ombros são um pouco largos e eu me sinto feliz, me sinto bem com todo o meu corpo.

- No que tanto pensa? _ olhei para onde vinha a voz e vi Gabriela com Alexa em seu colo, a menina de dois anos e meio era a minha cópia, mas era branca como Lauren, seus cabelos era castanhos, seus olhos também, era muito parecida com meu pai também.

- Em muitas coisas, mas a principal delas é em Lauren, eu não me arrependo de tudo, acho que precisamos quebrar a cara para aprender mesmo a lição, mas lamento o tempo que perdi ao lado dela, desperdicei tanto amor que ela não merecia...A única coisa que e me deu de bom, foi a minha filha.

- Como vai contar a ela sobre Alexa? Quer dizer, você pensa em contar não é? _ assenti um pouco cansada.

- Alexa não tem culpa da mãe que tem, e ela merece saber da verdade, quando ela tiver mais idade eu conto como tudo aconteceu, mas por agora ela só precisa saber quem é sua outra mãe...

- Bruna ligou, mas você estava no andar de cima arrumando as coisas lá pedi para ela que ligasse mais tarde, ou você ligaria. _ peguei minha filha do colo da madrinha dela e fui para o andar de cima pegar o meu celular já que eu havia pedido o cancelamento da minha linha telefônica.

- Alo? Bruna queria falar comigo? _ coloquei Alexa no chão para ela brincar e fiz menção para ela não ir para a escada.

- Ah sim! Eu vou fazer um jantar aqui em casa hoje, ache que chega a tempo? Quer au eu te busque no aeroporto? _ olhei para minha filha que brincava em um cavalo de madeira e sorri.

- Claro, ainda são 11h meu voo sai daqui às 14h para o jantar eu chego a tempo...e eu aceito a carona, meu carro vai demorar a chegar em New York.

- Como está Alexa? Ela deve estar grande já e a sua cara...

- Oi tia Buna! Eu...eu vou ai na sua caja xabia? E...e vou andar de avião... _ minha filha estava com meu celular que ocupava suas duas mãos por causa do tamanho.

- Ah eu estou muito feliz com isso meu amor, a tia vai fazer uma comida muito gostosa aqui, o que você gostaria de comer? _ Bruna estava fazendo voz de criança, eu estava escutando pois meu celular estava no viva-voz.

- Tacos... hm... Não eu quelo pizza! _ colocou a língua no vão entre os dentes.

- Ok a tia vai fazer pizza, agora eu preciso ir, tudo bem para você se eu chamar a minha irmã? E o noivo?

- Eu não sabia que Kéfera e Gustavo estavam noivos... _ de repente meu sorriso se desfez, e me senti estranhamente mal.

- Foi você quem resolveu se afastar dela lembra? E ela esta noiva de Rafael, ela terminou com Gustavo faz quase dois anos...

- Tudo bem, eu sinto muito a falta dela, e talvez seja a chance de nos aproximarmos de novo... preciso arrumar aqui por que ainda tenho que tomar banho e dar banho nessa coisa mais linda... _ abracei Alexa a pegando no colo, o que fez com que ela apertasse o celular e o desligasse.

- Opah! _ rimos com seu descuido.

Terminei de arrumar tudo e desci para dar banho e arrumar Alexa, que ficou comportada com a madrinha até que eu me arrumasse, Gabriela, Fernando e o filho nos levaram ao aeroporto para nos despedir, o que causou muito choro, tanto da minha parte quanto da parte da pequena em meus braços, ela era muito apegada a eles, e confesso que tenho medo dela ficar doente longe deles.

- Cuidem-se em, não deixem de ligar ou dar noticia, em breve eu irei visitá-las, nós iremos na verdade...sentirei saudades todos os dias...amo muito vocês... _ a abraçamos forte.

- Cuide bem da minha afilhada senhorita Lovato...sentirei saudades, fiquem bem...

- Sentiremos saudades também, bom...Adeus _ dei um último abraço em Gabriel e caminhei até o portão de embarque, respirei fundo junto com a pequena que chorava baixinho no meu ombro, talvez ela não entendesse, mas sabia que ficaria longe por bastante tempo...

Nesses três anos que passaram eu não me envolvi seriamente com ninguém, não namorei ninguém, na verdade eu não ti há tempo e nem cabeça, eu sai as vezes e ficava com alguma garota, ou mulher, mas nada que durasse muito, as vezes eu até achava alguém legal, mas eu me sentia estranhamente incompleta, era como se o destino já tivesse escolhido alguém para mim.

Minha decisão de voltar para New York foi por causa de um desses meus curtos envolvimentos, em uma festa eu conheci um homem, muito charmoso e muito elegante também, tivemos uma pequena relação, mas nada que durou muito tempo, mas ele ficou em minha cabeça, até ai nenhum problema, eu era solteira, era jovem, já tinha meu trabalho as minhas empresas, mas ele reagiu muito mal ao fato de Alexa ser filha de uma pessoa intersexual, eu não quis criar uma inimizade entre nós dois, mas ele começou a me perseguir e querer ter algo, e eu me senti pressionada e achei que estava na hora de ir, de voltar para minha casa, mas esse episódio me rendeu uma musica, coisa que eu não fazia a muito tempo, a titulei como “besame mucho”.

Eu não posso negar que estou sentindo um frio na barriga por saber que anda hoje irei ver Kéfera, estou feliz e triste, pois com certeza a verei com o noivo, no começo quando fui embora, minha cabeça estava uma bagunça, eu não sabia o que eu sentia, mas aos poucos, e ainda com Alexa em meu ventre eu fui colocando tudo em ordem, e tudo se encaixou, e o que eu achava estar confundindo se tornou claro, eu realmente estava começando a amar Kéfera, pois ela me deu em três meses, o que nunca ninguém me deu, a não ser meus amigos, mas com ela foi diferente, com esse tempo todo longe eu confesso que senti saudade, e ao vê-la não sei como meu coração vai agir. Só espero não me machucar já que ela deve amar o noivo e esta com ele para construir uma família. Talvez me afastar dela tenha sido um erro que jamais vou conseguir consertar.

O voo foi rápido e logo cheguei ao aeroporto, quando cheguei Max já estava pronto para pegar todas as minhas malas, então eu só estava com uma bolsa que era com algumas coisas de Alexa e ela em meus braços.

- Ai meu Deus que saudade... _ me abraçou forte assim como Victor.

- Tia Buna! _ Alexa deu os braços para minha melhor amiga que me deixou de lado e passou a paparicar a criança.

- Como vai pequena? _ abracei Victor de lado e passamos a andar até o carro.

- Bem e vocês? Novidades? _ disse ao chegar no carro, e Bruna já estava sentada atrás junta a minha filha que estava na cadeirinha.

_ Bem, Marissa e Nick vão ter um bebê, ela esta gravida de dois meses, Justin aquele gato que namorava a Selena, que trabalha no restaurante da mãe de Kéfera, vai ser pai da atual mulher Ariana, que trabalha com Lauren.

- E como ela esta? Estão bem?

- Sim o filho delas nasceu, é um menino, mas disso você deve saber, saiu em todas as revistas, me impressionei quando não saiu nada sobre você, eles são uns urubus quando querem informação e uma foto sua grávida seria uma mina de ouro.

- Eu vi sim, Samuel Jauregui, eu me escondi a gravidez inteira, evitei de sair com Alexa também, agora que estamos em New York a notícia vai correr...

- Li em algum lugar que ele tem autismo, mas não sei onde, mas não é um grau muito alto...

- Nossa, eu sinto muito por elas, mas ele é filho, e elas vão amar ele, criança precisa disso para ser feliz... e com tratamento certo ele vai se desenvolver melhor.

- É, Miley está morando em Orlando conheceu um tal de Liam, com quem ela já tinha um caso, mas ela afirmou com ele e se casaram...ela tem um bebe de 5 meses, é lindo se chama Jack, ele tem uma olhos menina.

- Fico feliz por todos, perdi bastante coisa estando longe, é... acho que perdi é palavra certa...

- Hey! Ta tudo bem, podemos conversar depois... _ concordei e o resto do caminho foi só risada, Victor contava cada piada ruim, mas eu ria da risada dele e Bruna ria da minha risada, Alexa estava perdida em seus próprios pensamentos, enquanto olhava pela teto solar do carro.

Ao chegarmos no apartamento de Bruna, encontramos Maicon e Caio, em um dos sofás, Marissa e Nick em outro, Miley havia me ligado e pedido desculpas, mas estava muito enjoada, e como eu sabia bem como era a desculpei e disse que estava tudo bem. Estávamos na cozinha quando escutamos a porta ser aberta e alguém gritar, me arrepiei e entrei em estado de alerta, eu conhecia bem aquela voz, que começou a conversar com Alexa.

- Alexa! _ chamei a atenção da minha filha que esta a no colo de Keh, respirei fundo ou pelo menos tentei, minha filha estendeu os braços em minha direçao e me chamou.

- Demi? _ seus olhos estavam brilhando e eu sorri com aquilo, pois...eles estavam tão apagados da última vez que a vi, e agora eles estavam tão vivos...

- Como vai Keh! _ ela sorriu e suas lagrimas escorreram por sua bochecha, e aproveitei que iria pegar minha filha e a abracei forte.

- Eu senti tanto a sua falta..._ ela disse baixo em meu ouvido, e apenas concordei, pois eu também senti.

- Olá! Sou Rafael... _ ele estendeu a mão e eu a peguei, ele era muito lindo, loiro, olhos claros...

- Sou Demetria e essa é Alexa minha filha... _ ela ficou um pouco seria e enxugou as lagrimas que haviam parado.

- E seu marido? O pai dela quero conhecer...

- É a Lauren Kéfera e não estamos juntas como pode saber, eu te conto com mais calma outro dia, mas eu não estou com ninguém... se me der licença preciso voltar para lá se não sua irmã me mata, eu amei te ver.

- Eu também... _ disse como num sussurro.


Notas Finais


Sabado tem cap normal


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...