História Love Me Daddy - Capítulo 51


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Rap Monster
Tags Babykink, Bangtan Boy, Bts, Imagine, Incesto, Namjoon, Sugar Daddy
Visualizações 245
Palavras 1.011
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong Mocchin's~~

Capítulo 51 - Avião


Namjoon on

Já estávamos dentro do avião quando pus a mão no bolso do moletom encontrando algo inusitado. Naquele momento me senti ao ponto de foder S/N de um jeito que até seria inusitado mas no fim prazeroso.

Sentado perto da mesma fitando um ponto qualquer que não fosse seu rosto, Seokjin estava sentado do outro lado com Min-Su, os dois abraçados como um casal perfeito e parece que isso mexia de uma certa forma com S/N que apenas ficou séria sem ao menos dizer nada nem mesmo prolongar uma conversa.

— Acho que isso é seu – Coloco no colo da mesma a pequena peça.

— Que coincidência você tem uma calcinha na mão, estava mesmo precisando de uma – Revira os olhos deitando a cabeça na janela e fechando o mesmo cruzando os braços.

— Está brava assim por qual motivo? – Pergunto vendo seu olhar me fuzilar.

— Estou pensando no que fazer se encontrar com minha adorada mãe – Diz sarcástica.

— Abrace ela e se for possível faça a sumir – Sorrio pegando uma revista qualquer.

— Eu sou uma garota e não um mágico – Coloca a calcinha no meio da minha revista – Ainda prefiro ficar assim – Pego a pequena peça e volto a colocá-la na blusa.

— Engraçada você – Digo fechando a revista e me pondo de pé.

— Onde vai? – Pergunta olhando para mim.

— Banheiro – Lanço um olhar para a mesma que não me interroga mais.

Sorrio ladino indo para o banheiro do avião, iria ficar sozinho por um tempo para repor as coisas em ordem dentro da minha mente. Tranco a porta por dentro e arranco a calcinha novamente do bolso levando até minha narina, fungo o tecido fechando os olhos e sentindo o cheiro daquela maravilhosa estrutura extremamente molhada.

Abaixo a calça até a altura dos joelhos e saco meu membro pra fora da boxers sentindo o quão duro o mesmo estava. Começo a me masturbar lentamente usando a calcinha de S/N para alisar meu pau. Gemi baixo tentando não chamar muita atenção de quem estava ali.

...

Assim que sai do banheiro percebi que o sol já não estava mas ali presente, caminho de volta para o meu assento vendo S/A dormindo serenamente, parecia como na foto que eu tinha no celular.

Olho para o lado e Seokjin dormia com Min-Su, os dois pareciam não querer mais se desgrudar, apesar de que ele ainda teria o Yoongi para enfrentar o que daria uma bela de uma encrenca.

Me sento na poltrona puxando uma coberta de malha fina que cobria S/N e coloco por cima de mim. Só ficar olhando a respiração pausada da mesma me deixava em êxtase. Mordi o lábio inferior levando a mão para o seu colo, iria sim degustar daquele sabor mais uma vez.

— A-Awn Papai como v-você pôde fazer isso – Escuto baixo.

— Shhh, apenas durma – Vejo seus olhos abrindo lentamente.

— Quer que eu durma com sua mão me invadindo assim!? – Franziu o cenho.

— Você que estava me provocando – Fito seus lábios rosados e entreabertos.

— O acordo de um mês, está desistindo? – Sorriu ladino tentando não gemer.

— Podemos começar isso amanhã – Introduzo dois de meus dedos em sua vagina abrindo e fechando.

— Min-Su pode a-acordar – Sinto suas unhas em meu braço.

— Está preocupada com a Min-Su ou com o Seokjin? – Coloco mais um dedo.

— Com os dois, o que vão pensar de m-mim? – Suas bochechas estavam ficando avermelhadas como se estivesse com calor.

— Não ligo para o que pensam – Respondo.

— D-Daddy eu preciso de você d-dentro de m-mim – Suas pernas se fecharam apertando minha mão.

— Vamos para o banheiro meu anjo – Sugeri e logo vi a mesma negar.

— Anya – Nega a minha proposta dando um jeito de se sentar no meu colo.

— Não torne as coisas difíceis – A calça parecia me sufocar de tão apertado estava, minha vontade era de fode-lá até naquele chão do avião, mas teríamos que ser discretos pois tinha dois dormindo do lado.

— Coisas difíceis me animam – Sussurra puxando os poucos fios de cabelos na nuca.

— Sabe o que será mais difícil? – Sinto seus lábios em meu pescoço – Me segurar para não lhe fazer gritar – Logo recebo uma mordida.

— Eu sei ficar quietinha Papai – Começa a esfregar seu íntimo na minha ereção coberta – Sei ser uma garotinha boazinha – Levo minhas mãos para sua nádega e aperto.

— Vai ser uma boa menina? – Pergunto vendo a mesma assenti.

— E você vai ser um Papai bom? – Nego.

— Eu nunca serei bom – Puxo a coberta fina para cobrir ainda mais – Seu Daddy sempre será rigoroso com o bebê – Escuto um gemido baixo.

— E porque eu tenho que ser boazinha? – Resmunga.

— Para o Papai te recompensar – Súbito sinto sua mão adentrar minha calça e começar a acariciar meu membro dedilhando da glande até meu testículos.

— Está tão duro – Gemeu se levantando um pouco – Quero te sentir logo – Diz num desespero encaixando meu membro na sua entrada.

— Não faça barulho – Puxo sua cintura para baixo fazendo meu pênis entrar com maestria como se já soubesse o caminho.

— A-Awwn – Gemeu arranhando minha nuca.

— Agora você vai cavalgar lentamente sem fazer barulho – Mando e logo minha ordem foi tomada sem teimosia.

Cada vez que a mesma quicava era mais um motivo para querer tê-la comigo para sempre.

S/N não era como as outras, seu jeito diferenciado era como tomar uma dose de rum de uma única vez. Mesmo amargo daria uma sensação de saciez, saciaria sua vontade sem precisar de segunda alternativa.

— Quando c-chegarmos em Seul continuarei c-como seu filha? – Pergunta curiosa enquanto sua respiração ficava falha.

— Você quer continuar sendo? – Assentiu.

— S-Só se me der a-atenção – Sorrio para a mesma.

— Darei uma atenção especial para você – Beijo seus lábios rapidamente chegando em meu orgasmo junto da mesma – Lhe darei todo tipo de amor possível – Abraço seu corpo percebendo que o mesmo estava relaxando aos poucos.

Se Park Sohye tentar pegar S/N de volta seria errado a proibir disso? Mesmo eu não sendo o Pai quero continuar com a mesma do meu lado, acho que acabo de encontrar minha felicidade e se ficar sem ela seria a mesma coisa de ser um complemento nada...

Continua...


Notas Finais


Jal-ga~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...