História Mermaid - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Colina Escarlate, Mia Wasikowska, Mitologia Grega, Tom Hiddleston
Personagens Doutor Alan McMichael, Edith Cushing, Lady Lucille Sharpe, Personagens Originais, Sir Thomas Sharpe
Tags Deuses, Ficção, Mia Wasikowska, Mitologia, Romance, Sereias, Sexo, Tom Hiddleston, Traição
Visualizações 30
Palavras 1.184
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei! <3

Trailer da Fanfic já está pronto, e eu vou pôr nas notas finais.
Música de hoje é "earned It", The Weeknd

Comentem e opinem, por favorzinho <3

Boa leitura... ❤

Capítulo 3 - Dance with me?


Fanfic / Fanfiction Mermaid - Capítulo 3 - Dance with me?

"Você é meu tipo favorito de noite." 


-C-como é? – seus olhos lacrimejavam.

-Meredith, já está na hora de casar-se. – ele surpirou.

-Mas, papai... Eu... Eu nem sequer conheço Apolo.

-Nós já fomos a vários bailes no monte Olimpo, Meredith. – disse rígido. – não diga que não se lembra de Apolo. Você estará mentindo.

-Sim, papai, lembro-me de vista, mas nós nunca trocamos sequer uma palavra.

-Querida, tu és a sereia mais bela de toda Atlântida! Queria tanto que a minha filha se casasse.

-Case Edith com Apolo, ora! Ela também é solteira. – suspirou alto.

-Meredith, não mude o rumo de nossa conversa. – repreendeu-a. – Edith prometeu, desde o dia em que se tornou chefe da guarda real, a sacrificar toda a sua vida para o serviço militar, em nome do da segurança e paz de Atlântida. Ela não tem mas o direito de se casar e ter filhos, e sabia muito bem disso quando abriu mão de sua vida para comandar o exército.

-Por que o senhor não a impediu? Ou a aconselhou, ou sei lá! Qualquer coisa!

-Ela nasceu para isso. Nunca se perguntou o significado do nome Edith?

-Não...

-Guerreira feliz. – sorriu. – ela nasceu destinada a isso, querida.

-E o meu, papai? Qual significado de meu nome?

-Guardiã dos mares. Meredith, tu nasceste para governar os mares, e sua irmã para auxiliá-la nisso. Não queira inverter os papéis do nosso reino, querida. Cada um nasce com o seu papel, então, por favor, apenas aceite o seu.

-Sim, papai... – disse, cabisbaixa.

Ela suspirou triste e nadou lentamente para fora da sala do trono. Mas quando estava na porta, lembrou do humano, que havia pedido que ela voltasse a superfície.

-Papai...

-Diga.

-Eu posso voltar a superfície amanhã a noite?

-Por quê?

-Já disse que gosto de lá. – sorriu fracamente. – é um lugar onde me sinto a vontade.

-Querida, já pensaste na possibilidade de descobrirem tua verdadeira identidade? Sabes o perigo que representa essas suas saídas?

-Por favor, papai... Eu prometo voltar assim que o dia amanhecer.

Poseidon suspirou, e revirou os olhos. Não conseguia negar nada a sua filha mais velha, então sorriu.

-Tudo bem, tudo bem... Vá. Mas assim que o dia amanhecer, quero você de volta ao palácio, ouviu bem? – olhou-a estreito. Ela riu.

-Tudo bem, papai. – sorriu agradecendo e saiu da sala do trono, indo para seu quarto.

Ela entrou em seus aposentos, e desabou em sua cama, suspirando tristemente, lembrando-se de seu compromisso com Apolo.

Meredith sequer o conhecia! Como assim seu pai queria casá-la com aquele deus? Ela realmente não conseguia entender.

Havia sido muita informação em um dia só. Precisava descansar para recuperar-se de tal baque.

Ela então deitou-se, e fechou os olhos, não demorando a adormecer.



Superfície



Thomas observava com um sorriso bobo no rosto o colar que a sereia havia esquecido. Era uma jóia bonita. Parecia ser de cobre.

-Thomas, quem virá para o baile de amanhã mesmo? – Lucille entrou no quarto, interrompendo seus pensamentos com a sereia.

-Muitas pessoas. – disse escondendo o colar embaixo do travesseiro.

-Quantas? Tenho que dizer aos empregados quanto de comida devem fazer e também o quanto de bebida será comprada.

-Compre muita comida e muita bebida, certo? O que sobrar não será desperdiçado. Agora não incomode-me mais com esses assuntos. Eles devem ser resolvidos por você.

-Que seja. – deu de ombros, e se deitou na cama, perto ao lado de Tom, porém se virou de costas para ele.

Ele voltou a pegar o colar, e obsevá-lo por alguns segundos, com um sorriso bobo, antes de guardá-lo e deitar-se, dormindo em seguida.


                           * * *


O dia estava se passando com rapidez, e a mansão dos Sharpe estava a todo vapor, com empregados andando para lá e para cá, preparando tudo para o grande baile que seria dado a noite.

Já era quase fim de tarde, e como combinado, Thomas foi até a praia, esperar por Meredith.

Ele se sentou na areia úmida, por consequência da garoa que houvera mais cedo, e apenas esperou.

Logo que o sol começou a se pôr, ele avistou os braços de Meredith acenando ao longe, e sorriu. Ele se levantou e acenou de volta.

Meredith então começou a nadar para a praia, e assim que chegou, recostou-se na areia, sentindo de novo aquela dor e sua linda calda se transformando em duas pernas.

-Você veio!

-Bom, meu pai não consegue negar nada a sua filha mais velha. – sorriu.

-Vamos para minha casa.

-Pra quê? – fitou-o confusa.

-Será lá o baile. – sorriu. – aliás, vou pedir para algumas de minhas criadas de dar um banho, lhe pentear, maquiar e pôr-lhe o vestido que comprei pra você. – sorriu.

-Vestido? – sorriu.

-Sim. Ele é muito bonito, e aposto que amarás.

Tom ofereceu seu braço a ela, que enroscou o seu no dele, e ambos saíram caminhando para fora da praia.

-Uau... – sorriu ao chegarem a casa. – é bem grande.

-Sim... – sorriu.

-Quantos quartos tem?

-Realmente não sei. – riu. – gostaria de contar.

-Seria interessante...

Tom rodeou a casa com ela, e ambos entraram pela porta dos fundos. Na cozinha, havia apenas uma empregada, que ao ver Thomas acompanhado de uma moça nua, arregalou os olhos.

-S-senhor!

-Tenho uma explicação. – riu. - mas pode por favor... Dar um jeito nela, Mary.

-Claro. – sorriu a mais velha.

Mary pegou Meredith pelo braço, e levou-a até uma dos quartos dos fundos.

Depois, Thomas não a viu por algumas horas.

-Senhor, prepare-se para ver a mulher mais deslumbrante que irá ver em toda vida. – Mary disse sorrindo, enquanto abria a porta do quarto para que Meredith saísse.

Ela vestia um vestido longo de seda, de uma cor clara. Quase tão claro quanto seus cabelos, que eram pouco mais escuros.

As alças finas do vestido e os detalhes no busto o deixavam ainda mais bonito. Mas o que encantou Thomas não foi o vestido em si, mas o quanto Meredith ficava linda nele.

Os longos cabelos loiros de Meredith, que antes cobriam seus seios, agora estavam presos em um belo penteado. Mary não havia caprichado na maquiagem, até porque, não era necessário. Meredith já tinha uma beleza natural incrível.

-Você está divina. – sorriu deslumbrado ao vê-la.

-Obrigada. – sentiu suas bochechas corarem.

Thomas enroscou novamente seus braços com os de Meredith e a levou para o salão, depois de agradecer Mary por ajudá-lo.

Assim que entrou no salão acompanhado de Meredith, todos os olhares foram para eles.

Todos da sociedade estavam simplesmente chocados por Thomas ter entrado no salão com uma desconhecida, e não com sua esposa. Lucille foi a que mais chocou-se, e um ódio a possuiu quando pousou suas orbes verdes em Meredith.

-Atenção a todos. – Thomas disse, logo depois de chegar ao centro do salão, e soltar o braço de Meredith. – está linda dama aqui presente. – sorriu se referindo a Meredith – é minha convidada mais que especial para o baile desta noite, senhoras e senhores.

Thomas sorriu novamente, fitou Meredith, que já estava com as bochechas carmins. Ele se aproximou dela, e pegou sua mão.

-Meredith, aceita dançar comigo?

-Grata pelo convite, mas aposto que vossa esposa adoraria.

-Claro que sim, mas eu chamei você.


Notas Finais


Aaaaaaaaaaaa ❤

Trailer da fanfic: https://youtu.be/l4HK9xuVxXM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...