História "Meu" - Sterek - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Real, Teen Wolf
Personagens Claudia Stilinski, Decaulion, Derek Hale, Enis, Ethan, Jackson Whittemore, Kate Argent, Liam Dunbar, Lydia Martin, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Peter Hale, Scott McCall, Sheriff Noah Stilinski
Tags Derek, Gay, Lemon, Mpreg, Sterek, Stiles, Teen Wolf, Yaoi
Visualizações 243
Palavras 4.144
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E aqui está mais um FUCKING CAPITULO PARA A ALEGRIA DE VOCÊS!

-Agradeçam a um ser... por que... por que ele tentou me estuprar caso eu não posta-se...

Capítulo 7 - Um Presente - Prt. 1


ue eu sei que devem estar querendo matar um certo

       A luz do sol penetra pela janela. Derek não está na cama. Eu me viro para procurar pelo quarto, mas não o vejo em nenhum lugar. Eu me forço a deslizar para fora da cama e vestir a roupa.
       Depois de me refrescar, pego meus tênis e Sião do quarto descalço para encontrar Kate na cozinha.

-Bom dia, Stiles – diz ela alegremente.

       Amo a maneira como ela leva seus aventais em nossas viagens e dá a cada um dos nossos quartos de hotel um ambiente tão acolhedor.
       Ela ainda viaja com suas panelas verdes de cerâmica – aquelas que não deixam sair alumínio, assim a comida de Derek é completamente pura.

-Hum, que cheiro delicioso – respondo, vagando em busca do café da manhã.

-Sirva-se. O homem pediu pra lhe deixar uma tonelada.

       Levanto a tampa de uma tigela com batata-doce e pego uma.

-A que horas ele saiu?

-Ethan veio e o levou alguns minutos atrás.

-Ethan? Não Liam? Para qual ginásio eles foram?

        Há uma batida na porta, e lambo o óleo de coco que Kate usou para cozinhas as batatas-doces antes de atender.

-Stiles Stilinski?

       Uma mulher está segurando uma caixa de tamanho médio embrulhada em papel vermelho, mas sem uma fita.

-Sim?

       Seu sorriso se alarga.

-O Sr. Hale encomendou isso pra você. – Ela me entrega a caixa enorme, e eu olho em descrença.

-Derek me mandou isso? – pergunto estupidamente.

-Sim, senhor. Aproveite.

       Fecho a porta assim que ela via embora, minhas mãos cheias da grande caixa-surpresa que Derek enviou.
       Oh meu Deus. Ele é mesmo surpreendente. Ele não só me seduz com a música, com seus olhos verdes, com seu cabelo espetado, com suas covinhas e seu delicioso cheiro, e ainda me manda presentes?
       Rasgo imediatamente a caixa e abro a tampa,  vejo um monte de embalagens brancas de amendoins lá dentro. Enfio a mão pelo plástico-bolha e sinto cócegas correndo pelos meus dedos. Franzindo a testa, trago a minha mão para fora, e três enormes escorpiões saem ligados a ela.
       Por um momento, tudo está em câmera lenta.
       Tudo.
       Posso ver perfeitamente os bichos subindo pelo meu braço. Posso ver as caudas longas segmentadas. A garra na ponta Ca cauda, e duas garras na frente, e as oitos patas movendo-se no meu antebraço. Também registro três pontos pretos na cabeça de cada um, como se eles tivessem três olhos. Os escorpiões têm três olhos?
       Tudo, e registro.
       Em meio segundo.
       E então, no segundo seguinte, registro outra coisa. Que este é um dos momentos mais QUE PORRA É ESSA da minha vida.
       Caio para trás e chuto a caixa. Uma dúzia ou mais de escorpiões vêm rastejando para fora enquanto tento sacudir aqueles que já estão em mim. Meu coração voou até minha garganta e agora está comprimindo minhas vias aéreas enquanto vibra e pulsa em minha completa histeria.

-PUTA MERDA! PUTA MERDA! KATE!

       Tenho escorpiões. Rastejando pelo meu braço! Eles são enormes, metade do tamanho da palma da minha mão, cada um com oito patas. Sério? Somente oito? Eu sinto mil patas em cima de mim. Sinto-as em casa polegada e centímetro da minha pele. Começo a ter convulsões e a me agitar como louco no chão, gritando ao sentir a primeira picada no meu antebraço.
       Oh meu Deus, KATE!
       De repente, sinto um quarto escorpião subindo no meu tornozelo e percebo que, durante todo esse tempo, Kate ficou gritando histericamente.

-Stiles! Meu Deus! Alguém faça alguma coisa!

-TIRE ELES DE CIMA DE MIM! KATE! TIRE!

       Não sei por que estou gritando freneticamente, como se isso fosse assustá-los. Com medo de tocá-los com a minha mão, fico me contorcendo no chão quando um balde de água cai sobre mim. Fico engasgado enquanto assisto Kate corre de volta para a cozinha, encher outra panela de água e jogá-la em mim. Mas os escorpiões continuam pendurados.
       Pego um deles e tento empurrá-lo para longe de mim, e sua cauda me atinge. O ferrão bate no polegar. Uma dor instantânea percorre minha mão enquanto os outros continuam subindo. Rastejando. Em cima de mim. Não sei se eles foram drogados ou se estão com fome ou se deram algo a eles para alterar seu comportamento. Eles rastejando em mim como se fossem aranhas, rápidos e frenéticos. Um deles balança a cauda e enfia seu ferrão na pele do meu braço, então enfia um segundo ferrão em mim. A dor se espalha. Sinto outra picada no meu braço, e então paro de me contorcer e congelo. A reação de lutar ou fugir está bem forte em mim. Mas não posso correr, e não posso lutar, e agora congelo, meu corpo paralisado de medo, enquanto todos os meus órgãos vão à loucura com a ameaça que essas coisas representam para mim. Todo o meu medo se precipita para frente, e começo a chorar, impotente.
      Estou no chão, chorando, a única coisa se movendo em mim são as patas horríveis dessas criaturas asquerosas, quando ouço Kate gritando trêmula no telefone:

-Volte aqui! Volte aqui, por favor! – Ela fica repetindo a mesma coisa, mais e mais, quando de repente abre a porta e grita para o corredor:

-DEREK!

       Tudo fica enevoado quase imediatamente, ou talvez alguns minutos mais tarde, eu não sei... A porta se abre com um barulho de coisa batendo. Através das minhas lágrimas eu o vejo, e posso imaginar o que ele vê. Escorpiões sobre todo o meu corpo e eu sem fazer nada, chorando como um bebê, com mais medo do que jamais tive em toda a minha vida. Minha visão fica completamente borrada com algo diferente de lágrimas, e eu me pergunto se é o veneno. Sinto choques em cima de mim. Sinto os escorpiões sendo arrancados de mim com as mãos, um após o outro, enquanto soluço.
       Então, ele me agarra, e estou em seus braços enormes, braços firmes que seguram um corpo que é o meu – meu? Este corpo que está caindo aos pedaços é o meu? – e estou tremendo e em uma agonia de dor.
       Tento subir mais alto, como em uma árvore, e agarrar-me ao seu pescoço enquanto soluço e tento respirar, sugando seu cheiro como se fosse a única forma de o meu corpo poder se lembrar de como respirar novamente. Ele está respirando com dificuldade. Suas mãos estão fechadas em punhos nas minhas costas, e estão tremendo. Então começam a esfregar para cima e para baixo. Suas mãos alcançam o meu rosto e ele furiosamente enxuga minhas lágrimas.

-Pronto, já te peguei – Der sibila apaixonadamente no meu ouvido, me apertando de forma não muito gentil. –Já te peguei. Já te peguei.

-Uma mulher veio e bateu. – As palavras assustadas de Kate tremem com as lágrimas. –Ela disse que Der tinha encomendado essa caixa.

-Jesus –exclama Ethan com nojo. –Não vamos jogá-los fora, Kate, é preciso ver de que tipo eles são. Chame os paramédicos e vamos esmagar os filhos da puta, me dê uma panelas.

       A voz de Derek é dura como granito no meu ouvido.

-Eu vou matá-lo – ele me promete. –Juro por Deus, vou matá-lo tão lentamente.

-Então guarde isso para o ringue, Dery.  Sabotar o seu campeonato é exatamente o que ele quer –diz Ethan entre ruídos de panelas.

       A voz de Rem é um silvo, quando sinto que ele esfrega as mãos sobre mim.

-Onde eles picaram? Diga-me exatamente onde, e eu vou sugar todo o veneno.

       Estou ofegante como se meus dutos de ar estivessem todos inchados.

-Eu... em t-todo lugar...

-Você não deve fazer isso, deixe-me dar uma olhada nele – diz Ethan.

       Eu me agarro a Derek, e ele aperta os braços em volta de mim e, lentamente, me balança, todo o seu corpo tremendo quase como o meu quando fala no meu ouvido.

-Já te peguei, pimentinha, te peguei aqui em meus braços – sussurra, e poso ouvir a fúria mal contida em sua voz.

-Dery, deixe-me vê-lo – Ethan implora.

-Não! – solto um gemido, e me abraço mais forte em Der porque sei que se eu morre, esta é a maneira que desejo. Oh meu Deus, vou morrer? Quem vai cuidar dele? – Não me deixe, não me deixe.

-Nunca – promete ele no meu ouvido.

-De acordo com o Google, eles são escopiões-casca do Arizona. Venenosos, mas não mortais.

-Segure-se em mim – sussurra Der, e então nós estamos em movimento.

       Minha visão fica ainda mais borrada. Minha língua está espessa. Há saliva na minha boca. Não consigo respirar. Estou tremendo quando ele me levanta, e a sensação de estar sendo eletrocutada por dento aumenta a um nível alarmante.

-Onde diabos você está indo com ela, Hale?

       O rosnado de Derek borbulha contra o meu peitoral e de alguma forma me conforta em meu estado instável e alterado.

-Caralho! Pro hospital, seu merda!

       Ouço o estrondo da porta que ele abre com todas as suas forças, e então um rangido, como se estivesse passando por cima dela. Então estamos em movimento, indo para algum lugar... Sua respiração rápida e constante...
       Ethan chama lá atrás:

-Cada, Kate chamou a emergência, vamos dar Benadryl a ela e tomar um calmante.

-Tome o calmante você, Ethan.

       Estamos caminhando rapidamente por algum lugar, e posso perceber por sua voz que ele mal está se controlando. O pensamento de que aquilo poderia afetá-lo e fazê-lo ter um ataque me faz entrar em pânico.

-Estou ueemmm... – digo, e então ouço minha voz. Pareço um estúpido. Talvez algumas células cerebrais estejam morrendo por causa do veneno. Não consigo formar algumas letras... –Estou ueem, Uemy... - Deus!

       Derek congela, e posso senti-lo olhar para mim, mas os meus olhos estão borrados, então ele diz:

-PUTA QUE O PARIUUU!

       O elevador chega. Quando as portas se abrem, a voz de Liam me atinge.

-Tudo bem, o que está acontecendo O treinador está à espera no ginásio, De... – ele para de falar

-Escorpiões vivo – diz Ethan e Liam. –Venenosos, mas não fatais, ainda bem...

Num consigo uespiuar... – digo em voz alta. Estou pirando. Pela primeira vez na minha vida, não entendo o que diabos está acontecendo em meu corpo.

-O veneno se espalha através do sistema nervoso, mas não entra na corrente sanguínea. Tente manter a calma, Stiles. Esses escorpiões-casca são otários desagradáveis. Você consegue sentir as pernas?

       Balanço minha cabeça. Minha língua está pesada, todo lugar onde fui picado dói tanto que meu rosto está preso em uma careta permanente, e estou respirando aos tropeços.
       Ethan estica a mão:

-Deixe-me ver isso.

       Sinto Der envolver sua mão em meu braço e esticá-lo e sussurrar:

-Eu vou matá-lo – enquanto Ethan estuda.

-Vai dar tudo certo, Stiles – diz Ethan. –Eu tive uma experiência uma vez. Horrível, mas você realmente não morre de um escorpião norte-americano.

       Concordo com a cabeça e estou me agarrando a essa garantia quando Kate chama da porta.

-Tem uma nota! Virei a caixa e tem uma nota presa embaixo.

-O que ela diz? – pergunta Ethan

       Ouço um som amassado quando ele lê:

“Você me beijou. Agora você foi beijada de volta pelo Scorpion. Qual é a sensação de ter o meu veneno em você?”

       O corpo de Derek fica em alerta. Posso sentir isso. De repente, uma mudança completa na forma como ele me segura. Ele era protetor e proprietário, e de repente... Quer lutar.
       Uma imagem brota dentro da minha cabeça: estou de pé diante da personificação da grosseria e beijando a tatuagem de um Scorpion nojento para que eu pudesse ver meu irmão. Eu me encolho quando uma nova onda de náusea agita a minha garganta.

-Ethan, eu vi os capangas dele no térreo. Acho que ele está aqui no hotel – diz Liam.

-O filho da puta provavelmente está lá embaixo esperando por Derek.

-Oh, ele pediu por isso – troveja Derek. –Ele está morto! – explode.

       Fecho os olhos com força enquanto sua energia tumultuosa me rodeia, e sei, não importa o quanto ele deve ter lutado para ficar verde...
       Der ficou vermelho (Caso não lembrem, os olhos mudam de cor devido a bipolaridade.)
       Seus lábios estão de repente no meu ouvido, e ele sussurra, enquanto segura a minha cabeça:

-Preciso fazer uma coisa exatamente agora. Eu amo você. Amo você inteiro, e vou voltar pra colocar você em ordem novamente, está bem?

       Aceno com a cabeça, mesmo me sentindo um merda. Pequenos choques correm através de meu corpo. Mordo meu lábio com força para me concentrar nessa dor, mas ela não pode competir com as picadas no meu corpo. Estou tentando ser corajoso, mas me lembro dos escorpiões em mim... No meu corpo... Os corpos feios, as pinças... Os três pontos pretos na cabeça... Tremo nos braços dele e sinto vontade de vomitar.

-Por que ele está tremendo assim, porra? – Derek exige saber, quando nos movemos de novo.

-É o sistema nervoso que está sendo afetado. Ele sofreu várias picadas, por isso vai ser doloroso. Enquanto a emergência está a caminho, vamos dar-lhe Benadryl.

       Estamos de volta à sala, tanto quanto posso dizer, e Der me deita em algo macio. Do borrão azul que enxergo, parece ser o sofá. Ele passa a mão no meu cabelo e posso sentir seus olhos no meu rosto.

-Estou indo esmagá-lo agora.

       Então ele se foi, como uma espécie de furacão pra destruir tudo em seu caminho, e meu cérebro está tão atordoado pela rapidez com que ele tomou essa decisão, pela forma calma e fria com que ele fez  essa última afirmação, que por um momento me convenci de que ele realmente só foi buscar-me o Benadryl.

-Droga, ele está a todo vapor, Li, vá atrás dele antes que ele veja o Scorpion ou um de seus capangas! Kate, arrume algumas compressas frias e espere os paramédicos. Precisamos pegar esse homem!

       Na última vez que vi Derek ter um ataque e ficar totalmente maníaco, Ethan enfiou uma seringa contendo um sedativo na jugular, e quando ouço os passos dos homens no tapete, grito imediatamente:

-Ethan, não enfie nada na gauganua dewe... – então solto um gemido, viro a cabeça para baixo e começo a vomitar.

 

       A emergência veio e se foi, e ainda estamos esperando, mais de meia hora depois, com os restos dos escorpiões olhando par Amim da cozinha, em um pote de vidro.
       Disseram-me para tomar Tylenol e Benadryl, usar compressas frias, e chamar, caso a coisa ficasse pior, pois aí eles iriam procurar um antídoto para mim.
       Agora, o Tylenol e o Benadryl fizeram efeito e estou um pouco melhor. Tenho uma lata de lixo ao lado do sofá da sala para o caso de eu vomitar novamente.
       Parece que vomitei metade do meu peso. Kate está colocando gelo em mim para as picadas não incharem, mas ainda sinto os choques. Estou meio grogue graças ao Benadryl, mas pelo menos o inchaço na minha língua baixou.

-Eu lhe disse que o homem tem o botão de autodestruição mais vermelho que já vi – diz Kate suavemente quando pressiona uma compressa fria em meu braço.

       Ela me faz lembrar minha mãe, e por um segundo, estou com tanta saudade de casa que quero chorar. Mas a casa que eu realmente quero é o homem lá embaixo pronto para espancar até a morte o psicopata que fez isso comigo.

-Por favor, não deixe que ele nem mesmo coloque os olhos no Scorpion – falo miseravelmente. –Se eu estragas as coisas para dele de novo...

-Você não estrada nada, Stiles – garante Kate. –Você o ama. Você é o único homem que ele já amou e a única pessoa que o amou e o aceitou como ele é. Ele não recebeu amor quando crescia, foi rejeitado e deixado de lado. Então, o quanto você acha que ele irá defendê-lo?

       Meus olhos embaçam e minha voz treme.

-Eu quero defendê-lo também e nem consigo ficar de pé – digo, sentindo-me subitamente lamentável e fraco.

        No momento em que os caras voltaram, tinha se passado quase uma hora, e todas as minhas terminações nervosas foram corroídas por minha ansiedade.
       Estou deitado de lado no sofá com os olhos fechados, bêbado de Benadryl, quando ouço vozes abafadas do Aldo de fora da porta.

-Segure a porta...

       Meu coração afunda no peito. Por que simplesmente não há outra razão para manter a porta aberta, exceto se seus braços estão ocupados segurando algo.
       Algo grande e irresponsável e bonito.
       Prendo a respiração quando Kate vai ajudar com a porta, e então eu os vejo. Não eles, Der. Ele.
       Ethan e Liam estão grunhindo e bufando quando o puxam para dentro, com os pés arrastando no chão, a cabeça virada para baixo. Seu cabeço escuro é tudo o que posso ver, e a raiva e o sentido de proteção são tão avassaladores que o único motivo pelo qual não avanço sobre eles dois é porque ainda não posso sentir um de meus pés.

-Seus idiotas! – grito.

       Eles olham um para o outro e não dizem nada, quando de repente, inesperadamente, eu ouço sua voz, arrastada e ainda de alguma forma determinada.

-Preciso ver Stiles.

-Espera aí, amigo – Ethan diz, ofegante quando se dirigem par ao quarto principal.

-Preciso – Der repete em voz baixa, truncada.

       Kate apressa-se a ajudar-me a ficar de pé, meu coração parece um lenço de papel no meu peito, que tem sido usado até o fim. Odeio quando eles usam aquele sedativo pirante em sua garganta!
       Mantendo o braço em minha cintura, Kate me ajuda a ir mancando até o quarto principal, onde encontramos o caras tirando as roupas de Der até deixá-lo em sua cueca boxer cinza. Em seguida, eles lutam para levá-lo para a cama.

-Pegue do outro lado – diz Ethan, e Liam o levanta até a borda mais distante da cama.

-Der, que diabos vamos fazer com você? Hã, cara? – diz Ethan censurando-o, enquanto o coloca na cama e o limpa.

-Stiles – Derek rosna com raiva.

-Ele está vindo, cara! – diz Ethan com uma risada.

       Eles lutam para ajusta-lo na cama, para que ele me veja. Colocam um travesseiro atrás da cabeça dele, e vejo seus olhos entreabertos. Estão fixados em mim enquanto Kate me leva até a cama, e eles estão totalmente vermelhos. E quase frenéticos quando ele me vê. Eu ainda fico maravilhado com o modo como aqueles olhos lindos podem mudar com tanta rapidez. Como seu corpo pode fazer essa transformação completa em poucos minutos. Suas mãos grandes e bronzeadas estão ociosas a seu lado, mas os espasmos dos dedos continuam, como se quisessem me tocar, e de repente todos os dedos das minhas mãos doem com a mesma vontade de tocar e consolá-lo.

-Tudo bem? – pergunta ele, seu olhar tempestuoso e avermelhado e vívido, com frustração.

       Posso sentir também a sua frustração. Ele queria ir me defender e eles o detiveram. Posso sentir sua confusão raivosa girando em torno de nós, e subo na cama com ele nos cubro até a cintura.

-Mais do que bem – digo suavemente, passando meus braços ao redor de seus ombros fortes e afagando sua cabeça.

       Poso sentir a tensão aliviando-se de seu corpo quando ele fecha os olhos e de repente apaga. Afundando meu rosto em seu cabelo, desesperadamente eu puxo seu perfume em meus pulmões e seguro com força, enquanto seu peso se acomoda contra mim, mudando de posição de modo que sua cabeça está apoiada sobre meu peitoral.

-Eu te amo tanto – sussurro em seu ouvido. – Acorde logo, entendeu? Eu o peguei agora.

-Esta vai ser uma temporada difícil. – Ouço Ethan dizer.

       Concordo com a cabeça em compreensão, mas não consigo tirar os olhos de cima dele, seus belos cílios descansando sobre as maças do rosto, os lábios entreabertos. Toco naquele rosto de menino com um sexy queixo barbado.
       Diz Liam:

-Vou buscar Peter no ginásio e avisar que nosso cara não vai.

       Ethan me observa enquanto lentamente passo a mão no cabelo de Der, então ele me trás um pouco de água e um saco de gelo e os coloca na mesa de cabeceira, enquanto Kate avisa que vai limpar lá fora.

-Como você está? – pergunta Ethan

       Respondo positivamente com a cabeça.

-Melhor com os comprimidos – sussurro. E acrescento: -Me desculpe ter chamado vocês de idiotas.

-Sinto muito termos que fazer, mas... Ele estava lá. O filho da puta. – Ethan acata os lábios em uma linha com raiva, então continua a olhar para mim de forma estranha.

-Você é o único que o acalma, Stiles, mas também é o único que o aciona totalmente. – Ethan suspira e olha pela janela par ao pequeno jardim do lado de fora do nosso quarto. – E Scorpion sabe que há algo em você que faz Derek perder a cabeça. Ele vai continuar a provocá-lo. Ele vai tentar ferrar com a cabeça ele e atrair cada centímetro da fera que há em Derek.

-Não podemos, Ethan, não podemos deixar que ninguém brinque com a sua cabeça. – Beijo a testa de Der e envio todo o meu amor para o interior de sua mente, tão bela, e silenciosamente prometo: Não vou deixar que ninguém brinque com você.

       -Derek está mais forte do que jamais foi no momento. – diz Ethan. –Mas você é uma grande fraqueza dele. Ele iria perder por você, desistir por você. Matar por você. Se medicar por você.

       Limpo as minhas lágrimas e puxo a cabeça de Der mais profundamente entre o meu tórax.

-Ethan, por favor, não dê mais sedativos. Temos que encontrar outra maneira.

-Cara, ele é tão forte como meia dúzia de homens juntos. Como você sugere que alguém possa detê-lo? Deixe-me dizer uma coisa, se os organizadores dessas lutas clandestinas decidirem que a última luta seja de submissão total... – Ele balança a cabeça e fica de pé.

-O que você quer dizer? O que é isso, submissão?

        Ele olha pra mim de um jeito triste, depois suspira.

-Nada. Mas Derek tem um desejo ardente de colocar as mãos em Scorpion. Ele é um homem nobre, mas não terá misericórdia daquele idiota, e se ele tiver a chance de matá-lo no ringue, deixe-me dizer-lhe agora, ele vai matar. – Ethan caminha até a porta. –Agora me deixe ir procurar outro hotel para nós.

       Balanço a cabeça para ele e sussurrando um “Obrigado”, volto para o meu grande leão.

-Vamos ficar mais confortáveis – digo a Der.

       Tiro minhas roupas com as mãos trêmulas, e então retiro sua cueca, porque sei que ele fica sempre nu na cama. Então volto para pegar sua cabeça e pressioná-la contra meu peitoral, acariciando seus cabelos. Beijo sua testa.

-Peguei você agora.

       Sua respiração é lenta e uniforme. Seu dedo se contorce ao seu lado, e pego a mão dele e a envolvo em torno da minha cintura.

-Você gosta de me segurar assim? – pergunto baixinho, sem de fato esperar por uma resposta.

       Eu me aconchego e passo meus braços sobre seus ombros, visualizando-o no dia em que o deixei no hospital.
       Confuso, maníaco e desesperado para dizer alguma coisa para mim.
       E eu estava com muito medo de ficar...
       Meus olhos ficam úmidos de novo e, subitamente não só as picadas doem, mas todo o meu corpo dói pó dentro.
       Engolindo o nó na minha garganta, aperto mais seu corpo e enterro me rosto em seu cabelo, beijando-o avidamente várias vezes, em todos os lugares que posso. Sua respiração é lenta e nivelada, mas a minha ainda é agitada com tudo o que aconteceu. Tudo o que eu sei é que há dor quando olho para ele, quando sinto seu cheiro, quando o toco.
       Corro minhas mãos em torno dos músculos duros de seus ombros nus e, em seguida, inclino a cabeça e beijo sua orelha, e então sua testa macia. Ele tem o cheiro que me seduz, e eu me abaixo para cheirar seu pescoço enquanto corro os dedos pelas costas, pelos músculos do abdômen, e encosto os lábios em seu queixo. Ele murmura algo ininteligível, e os dedos se agitam, Seguro o queixo de minhas mãos e dou um beijo suave em seus lábios.

-Obrigado por me defender, mas não vou deixar mais que estrague seus sonhos por mim.

       Corro meus dedos sobre seu peito musculoso, pelo pescoço e pelos braços, curvando-me para beijar o lugar onde se vê a pulsação. Ele emite outro som e me pergunto o que pode estar sonhando. Será que me ouviu? Acho que sim.
       Pego seu iPod e meus fones de ouvido, para que possamos compartilhar um som, e procuro uma música que gostaria de tocar para ele. Colo um fone em sua orelha e outro na minha e toco “With You” do Chris Brown. Tomo sua mão em uma das minhas e beijo os dedos, acariciando seus cabelos enquanto ouvimos a canção- fazendo-me esquecer de que cada parte em que eu fui picado dói como se eu ainda tivesse os ferrões dentro de mim. Eu o seguro enquanto escutamos. Meu lutador. Ele luta conta todos, até conta si mesmo, mas amo saber que ele nunca lutou para me amar. 


Notas Finais


Espero que gostem por que... seiq ue deveme star querendo matar um certo alguém...
alguém (que não sou eu) - By (Começa com S e termina com Pion)...

até a proxima com muita TESTOSTERONA na vida de vocês amores!

*Obs: Se arrumrem alguém que esteja disposto a concertar meus errinhos de portugues já que não tenho tempo de o fazer, talvez... a fic saia mais rápido...*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...