História Meu mal, Meu bem - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Faculdade, Hot, Lésbica, Romance, Traição
Visualizações 195
Palavras 3.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


mais um capítulo pronto comentem seus lindos!

Capítulo 37 - Preciso de tempo


     ***LANA***

Acordo, faço minha higiene matinal faço café da manhã e ligo pra minha casa para sabe se a Adriana já acordou e se arrumou pro colégio.
Me senti sobre a mesa coloco um pouco de café na xícara e a Manuela sai do quarto me da um selinho e se assenta em minha frente.

— Hoje é a festa na empresa você vai né? — Pergunta Manuela colocando café na xícara.

— Sim. — afirmo. — Estou muito orgulhosa de você. — Digo.

— Eu não sei que vestido colocar. — Diz colocando um pedaço de bolo sobre a boca.

— Isso é fácil! põem vestido azul você fica linda de azul. — sugirro.

Terminamos de toma, café pegamos nossas coisas e fomos pra universidade, entro em sala de aula e alguns alunos vem até a minha mesa pergunta que tipo de relação eu tenho com a Manuela.

— Bom dia, professora estar rolando boatos que a senhora está namorado a Manuela rocha da turma dos veteranos é verdade? — Pergunta uma das minhas aluna.

— Bom dia, é verdade sim! Agora se sente preciso da aula. — Digo firme e ela da um sorriso irônico e se senta.

Espero cinco minutos pra todos os alunos chegarem, essa é a pior turma que eu já peguem em relação a atrasos.
Dou a minha aula, e tive alguns problemas com alguns alunos pareciam a Manuela no primeiro dia de aula dela.

                    (...)

Passo prova pro meus alunos corrigir, todos e os dois  engracidinhos da sala eram realmente bons, entrego as avaliações, me despeço deles e saio em direção a minha sala.
Assim que entro na sala a coordenadora entra e diz que tem um responsável de um dos alunos querendo conversa comigo.

— Tem um responsável querendo conversa com você. — Diz e eu reviro os olhos sendo um pouco inconveniente.

— Estar parecendo que eu sou dona de um colégio de ensino médio! —Digo irritada. — É responsável de qual aluno? —  Pergunto arrumando a papelada que estava encima da minha mesa.

—   Manuela rocha. — Diz.

— Manda entra. — Digo um pouco impaciente.

A mãe da Manuela entra, ela estava um pouco abatida com a expressão facial de preocupada, peço pra ela se assenta.

— Você sabe que eu não apoio esse caso que você tem com a minha filha,mas eu vim te pedir algo. — Diz enquanto suas lágrimas percorria seu rosto.

— pedir o que?

— Pede a Manuela pra para de se envolver com traficantes, antes que eles a mate. — Diz me deixando assustada.

— Como assim? — Pergunto.

— A Manuela deve dinheiro pra um traficante,  ela deve mais de 20 mil e eu não faço idéia de como ela vai paga essa dívida eu estou preocupada com a minha filha. — Diz e eu começo a me preocupa também.

— Ela gastou 20 mil com que? —Pergunto e ela engole seco.

— Ela gastou com drogas. — Diz e eu faço  um baita questionamento dentro de mim em relação a isso.

— Ela usa isso ainda? — Pergunto.

— Não sei, quando ela saiu de casa ela usava. — Diz.

— Eu vou avisa a ela que você estar preocupada com ela! — Digo e ela sai.

Eu não acredito que a Manuela, esta  envolvida com drogas de novo e pra piora estar devendo mais de vinte mil pra um traficante como ela chegou a esse ponto que droga.
Pego meu celular mandou SMS pra ela dizendo pra ela comparecer na minha sala, aviso a coordenadora era pra deixa a Manuela entra direto na minha sala.

Depois de alguns minutos ela chega com um sorriso enorme mas eu não estava conseguindo fingir que estava tudo bem.

— Cheguei amo. — Diz com um sorriso enorme e se senta de frente pra mim colocando o celular dela encima da mesa.

— Eu vou ser direta Manuela!Me diz como você estar devendo mais de vinte cinco mil pra um traficante? —Pergunto e ela começa a me pergunta como eu sabia dessa informação.

— Como você sabe disso? Foi a Adriana que te contou? — Pergunta.

 —Então minha filha sabe disso? Como ela sabe disso Manuela? —Pergunto um pouco irritada.

— O Henrique me ameaçou perto dela desculpa não era pra ela ver isso. — Diz e eu bufo e encarando em seguida.

— Se acontecesse alguma coisa com a minha filha eu não te perdoaria você sabe disso né? — Digo irritada puxando o seu braço e ela me olha chorando e soltando seu braço de minha mão.

— Desculpa. — Diz.


— Você voltou a usa drogas Manuela? —Pergunto e ela nega, o celular dela começa a tocar e era uma tal de Maria pego o celular dela vejo e dou um sorriso irônico.

— Essa é a mesma filha da puta que deu encima de você? — Pergunto com ironia eu estava com raiva e com ciúmes.

— É. — Diz e eu atendo a ligação.

                 LIGAÇÃO ON

Maria:Demorou pra atende heim, Manuela o Henrique foi pro seu apartamento espero que você não esteja em casa.

Eu: Quem é Henrique?

Maria: você é a namorada da ursinha!? Apenas diga pra ela que o Henrique estar no apartamento dela.

                LIGAÇÃO OF

Finalizo a ligação e olho pra Manuela em seguida, eu estava chateada por ela não me conta o que se passa na vida dela e por ela estar usando drogas.

— Quem é Henrique? — Pergunto.

— É o cara que me fornecia drogas. — Diz me fazendo da um sorriso irônico.

— Acho que eu vou contrata alguns seguranças pra toma conta de você! Agora vamos porque ele estar no seu apartamento. — Digo saio da minha sala e ela veio atrás, ela estava com medo eu conheço a Manuela ela parecia ser forte mas era frágil.

Entramos no carro,  e logo chegamos no apartamento estava tudo revirado a televisão foi roubada, junto com outros pertences da Manuela.

— É...você estar devendo traficante ou arjeota? — Pergunto.

— Eu não estou devendo ninguém! — Afirma  irritada.

— Não? Então me diz o porque dessa bagunça? Porque ele bagunçou tudo isso e ainda por cima te roubou ? —Pergunto irritada.

— A Maria Julia pagou a minha divida tá legal quem deve a ele é meu irmão. — Diz me deixando mais irritada, ela tem contato com a ex amiga que vive dando encima dela.

— Pagou sua dívida sem querer nada em troca? Isso é muito duvidoso! —Afirmo tirando algumas coisas do chão. — É comigo que você quer realmente passa o resto da sua vida? É comigo que você quer namorar de fato Manuela? — Pergunto olhando dentro dos seus olhos e ela abaixa a cabeça. —Olha pra mim e me responde. — Digo firme.

— Sim, você sabe que eu te amo. — Diz irritada.

— Não parece! Você deve a traficante, tem contato com a ex amiga, ex namorada nem sei o que a é sua de fato, e ainda por cima esconde isso tudo de mim. — Digo e ela se aproxima.

— Vou te ajuda com a bagunça, e te leva pra empresa. — Digo firme.

— Ok. — Afirma.

Arrumamos as coisas em total silêncio, e ela não parava de chora o que me incomodava muito ve-la daquele jeito, eu estou muito decepcionado com a Manuela.

— É melhor a gente da um tempo. — Digo e ela me olha e vai pro quarto em seguida e sem falar nada, tento abrir a porta mas estava trancada, bato na porta umas três vezes e ela não abre, mas eu tinha uma chave reserva no meio das minhas chaves.

Abro a porta do quarto, entro e ela estava arrumando suas coisas dentro da mala, ela caminha até o guarda roupa e eu a puxo pra mim.

— O que você quer? — Pergunta em um tom elevado.

— Se acalma Manuela, você estar muito nervosa. — Digo soltando o seu braço e ela pega a mala que estava no canto perto do guarda roupa e coloca sobre a cama jogando todas as suas roupas dela.

— Se acalma? Você é a única pessoa que eu tenho agora Lana e você estar terminando comigo. — Diz me quebrando por dentro.

— Eu só estou te pedindo um tempo. — Digo e ela me olha e não fala nada. — Eu vou continuar te ajudando, sendo sua amiga. — Digo e ela da um sorriso irônico limpando as lágrimas.

— Eu quero mais que isso! — Diz prendendo o cabelo. — Vou chama um táxi. — Diz pegando o celular fazendo uma ligação e assim que ela finaliza a ligação ela me devolve a chave do meu apartamento.

— Pra onde você vai? — Pergunto preocupada.

— Não te interessa. — Diz sem olhar pra mim.

— Pode acontecer algo com você Manuela. — Digo e ela da uma gargalhada.

— Eu não tenho medo! Meu único medo acabou de ser concretizado perdi a única pessoa que me restou. — Diz olhando pela janela e pega as suas malas em seguida e sai me deixando sozinha no apartamento.
Eu não sei se eu fiz a escolha certa em pedir um tempo pra Manuela, mas meu coração estar em pedaços eu a amo porém não dá pra ficar com alguém que esconde tudo de mim.

                 ***MANUELA***

Pego um táxi, ligo pro Eugênio dizendo que vou me atrasa um pouco, passo na tia de um amigo da minha mãe pra alugar um quarto pago três meses entro e só havia uma cama de casal, um televisão velha, e o lugar era bastante frio pra piora a situação o banheiro era coletivo eu vou chegar todos os dias atrasada na universidade.

Deixo minhas coisas no quarto, tranco e vou pra empresa trabalha, minha disposição estava péssima mas fui trabalhar mesmo assim.
Entro na sala do Eugênio e digo pra ele não fazer nenhuma festa pra me prestigiar porque eu não queria e estava sem disposição pra isso.
Leio e releio alguns documento sem sucesso.
 
                  (...)

        HORAS DEPOIS...

Termino meu expediente, passo no super mercado compro alguns biscoitos refrigerantes já que no quarto não tem geladeira era besteira e de que eu podia viver e era apenas isso que dava pra compra.
A companhia do quarto toca eu abro e era a Maria Julia.

— Nossa que muquifo heim. — Diz entrando no meu quarto reparando o teto até cama.

— É foi o que o dinheiro deu pra paga agora tchau. — Digo com a porta aberta pra ela ir embora.

— Vim te fazer companhia. — Diz sentando na cama.

— Não preciso da sua companhia a minha própria companhia basta. — Digo fria e ela caminha até a porta da um beijo na ponta do meu nariz e sai.
                    (...)
Bato em alguns quartos, peço caixa ou sacolas grande pra coloca minhas roupas já que no meu quarto não havia guarda roupa, assim que eu consigo as caixas coloco as roupas dentro dela deito na cama e durmo.


           AO AMANHECER...

Acordo, pego minhas coisas pessoais e corro pro banheiro toma banho e só era 6:10 da manhã e à fila do banheiro estava enorme.
Fico esperando muito tempo na fila do banheiro e finalmente chega a minha vez, entro tomo banho rápido lavo o cabelo e justamente na minha vez a água decide acaba e meu cabelo estava cheio de xampu, saio do box e lavo o cabelo na pia do banheiro.
Me arrumo correndo, pego minha mochila e vou pra universidade. Quando cheguei na sala de aula eu estava muito atrasada.
Entro na sala e a Lana pede pra mim sair ela sempre foi paranóiaca com atrasos ela nunca alivia pra ninguém dessa punição de quem se atrasa.

— Manuela sai,você está quarenta minutos atrasada. — Diz e eu rebato.

— Tive alguns probleminhas. — Digo e ela sorri e torna a olha pra mim.

— todos nós temos! Sai. — Diz e a Juliana  também chega atrasada e ela a expulsa também.

Saio da sala de aula, e vou pra casa se é que posso chama aquele lugar de casa!
Eu estava muito mal com meu termino com a Lana mas eu não vou derrama nenhuma lágrima por causa ela, já que ela não se importa comigo! Não vale apena.
Eu não queria conta pros meus amigos o que estava acontecendo na minha vida eu quero enfrenta tudo isso sozinha.

Meu celular começa a vibra e era a Adriana me mandando mensagens.


          LIGAÇÃO ON

Drica: Já que hoje é sábado e não vou estudar em tempo integral eu tenho uma proposta pra fazer! Posso dormi no seu ap?

Eu:Você odiaria dormi aqui, eu não moro no apartamento de luxo da sua mãe eu estou me virando como posso.

Drica: Porfavor

Eu: Ok eu te busco na casa da sua mãe.

Drica: Te amo, minha mãe tá um saco.


                LIGAÇÃO OF

Finalizo a ligação é seguro o cola que a Lana me deu, eu não parava de pensa nela.


                              (...)

A hora passa já eram 18h da noite, pego um ônibus e vou até a casa da Lana busca a diabinha.
O ônibus era expresso e não demorei muito pra chega ao meu destino, chego na casa da Lana aperto a companhia sou atendida pela empregada que pede pra mim entra mas eu preferir espera a Adriana no lado de fora.

— Minha mãe não está em casa, era pra você te entrado. — Diz me abraçando.

— Vem cá essa mochila enorme é pra que? vai acampar? — Pergunto rindo e ela ri junto. — já jantou? — Pergunto e ela diz que não.

— Ok,então vamos jantar! — Digo a abraçando.

Fomos pra um restaurante que havia perto do condomínio que ela mora perto que eu digo uns dezessete quarteirões depois, entramos fizemos o nosso pedidos e comemos em seguida, nós duas discutimos bastante sobre comidas preferidas, séries e sobre a Lana.

— Minha mãe também está sofrendo sabia? — Diz Adriana mexendo no meu cabelo.

— Sua mãe  quer uma pessoa perfeita pra vive ao lado dela, e eu não sou essa pessoa! —Afirmo e a Adriana revira os olhos.

— A Mamãe estar voltando a ser fria sabe, ela está diferente de novo! Você mudou a minha mãe Manuela quando ela estava com você ela era doce e agora ela voltou a ser  amarga a mesma egoísta de sempre.— Diz um pouco triste mas e eu rebato.

— Nós estamos separadas a um dia apenas. — Digo baixo.

— Dia suficiente pra fazer um estrago, a personalidade da minha mãe muda quando ela estar triste. — Diz bebendo um pouco de suco.

— Vamos para de falar da sua mãe. — Digo e ela para.

Conversamos durante um bom tempo, eu mal encostei na comida não estava com fome mas precisava me alimenta mesmo que fosse pouco eu precisava.
Fomos pro meu quartinho, ela olha em volta e me olha em seguida.

— Nossa... —Diz sentando na cama e olhando em volta.

— E... esse é meu novo lar, mas é temporário. —Digo e ela levanta e da umas porradas na televisão que não pegava de jeito algum.

— Eu ficaria louca morando em um lugar desse. —Diz trocando de roupa e quando eu trocava os lençóis da cama.

— Você é acostumada com luxos Adriana, eu não! mora aqui é melhor que mora na rua. — Digo e ela balança a cabeça com negação e logo me responde.

—Mora aqui é a mesma coisa que mora na rua! — Diz rindo.

— Pra quem já viveu na rua sabe o quão ruim é vive assim agora para de falar, vamos dormi logo. —Digo a puxando.

Adriana não deixou eu dormi ela me perturbou tanto pra jogar uno, cara na cara até de jogo da velha a gente jogamos, mas foi divertido até que era legal ter uma irmã mais nova.


                DIA SEGUINTE...

 
                 ***ADRIANA***

Acordo, desço pra enfrentar uma fila enorme no banheiro coletivo e quando eu entre pra toma banho a água era totalmente fria o que me deixa com muita raiva.
Termino de toma meu banho entro no quarto e acordo a Manuela com o travesseiro.

— Estou com fome... — Digo a acordando.

— Aí Adriana você já acordou? — Diz e eu a bato novamente, ela pega a bolsa dela me da cinquenta reais pra mim toma café.


— Vai querer o que? — Pergunto.

— Nada estou sem fome! — Diz voltando a dormir e eu pego meu celular e havia mensagens da minha mãe dizendo que era pra mim estar em casa ás 11h.

— Ok, minha mãe me quer em casa ás 11h então se prepare gata. — Digo e ela revira os olhos.

Saio do quarto compro uma garrafa de suco e pão de queijo pra mim come, era divertido fica com a Manuela ela era engraçada e nós duas temos muitas coisas em comum.
 Quando eu volto pro quarto a Manuela estava se arrumando, devolvo o troco pra ela pego minha mochila e saímos.
Pegamos o ônibus e tinha uma dois garotos super bonitos cantando a Manuela  e esse era o ruim de sair com ela! Ela chama atenção de todos os garotos.

— Você é bonita assim mesmo ou sua mãe te deu uma colônia pra essa sua beleza. — Diz um garoto de cabelos negros baixo, e a Manuela ri e balança a cabeça com negação.

— Se você fosse minha eu não deixaria você por nada. — Diz outro garoto de pele morena com uma tatuagem no braço esquerdo e ela olha pra mim rindo das cantadas horríveis que eles estava dando.

—Meninos minha irmã gosta de outra coisa! Sabe ela não gosta de toca flauta ela prefere lava pratos entende? — Digo e a Manuela da uma gargalhada alta e os meninos ficam sem entende.

— Nossa você provou que é minha irmã mesmo. — Diz ainda rindo da expressão facial dos meninos.

Chego em casa,a  Manu me leva até a porta da um beijo em meu rosto e vai embora entro em casa, minha mãe estava no telefone trabalhando feito louca o trabalho a destraia quando ela estar na pior.

— A Manuela te trouxe ou você veio sozinha? — Pergunta.

— Ela me trouxe. — Respondo.

—Sabe me dizer aonde ela mora? — Pergunta olhando em meus olhos.

— Ela mora em uma muquifo qualquer. — Digo com a expressão de tanto faz.

— Muquifo?

— É! Ela mora em um lugar que o chão é de concreto, a luz é baixa, tem apenas uma televisão que nem pega, uma cama de casal  e umas caixas com suas roupas! E pra piora ela toma banho em banheiro  coletivo super nojento. —Digo e minha mãe me olha boquiaberta.

— Ela saiu do apartamento que eu dei pra ela pra vive em um lugar como esse. — Diz minha mãe e eu rebato.

— Ela saiu porque ela sabe que é forte, e que por mais que ela tente as pessoas nunca vai entende a necessidade dela! E você não a entendeu! Ela é forte, guerreira e ela estava tentando mãe por você, ela estava tentando assim como eu tento para de me auto mutilar, mas a diferença de mim e da Manuela é que ela parou de fato de usar drogas eu percebi isso no olhar dela já eu continuo me mutilando! — Digo chorando e subo as escadas correndo, e minha mãe vem atrás de mim e entra no meu quarto.

— Filha você parou de ir ao psicólogo? —Pergunta.

— Eu já disse que não preciso de psicólogo e sim de você. — Digo e ela me segura pelo braço.

— E eu já disse que te amo! E que vou estar com você sempre. — Diz tocando em meu rosto.

— Fala é fácil mãe. — Digo e ela me olha nos olhos e o celular dela toca e eu dou um sorriso irônico. —Tá vendo isso é importante pra você! Estou cansada de viver presa nesse castelo preto e branco. — Digo e ela atende a ligação, era do trabalho e era óbvio que ela não iria deixa de trabalho pra conversa comigo.

— Depois a gente termina essa conversa. — Diz.

— O seu problema é deixa um deslize acaba até com a sua felicidade, porque pra você existe coisa mais importante que amo,  e essa coisa é o dinheiro! A manuela acabaria com seus negócios se as pessoas descobrisse que ela usa drogas e deve a traficantes né? — Digo ironicamente eu estava com raiva da minha mãe.

— Depois a gente conversa. — Diz minha mãe e eu percebo lágrimas em seu rosto. — E eu Amo a Manuela. — Diz abrindo a porta e saindo.

—  VOCÊ NÃO A AMA! VOCÊ AMA O SEU DINHEIRO MÃE, VOCÊ PRIVA A SUA REPUTAÇÃO ATÉ EU SOU UM PESO PRA VOCÊ, POR ISSO EU QUERO MORA COM O PAPAI. — Grito assim que ela sai.


Notas Finais


Obrigado por lêem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...