História Midnight Bottle - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Júlio Cocielo
Visualizações 18
Palavras 766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Apareciiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Capítulo 5 - Então me sirva uma bebida, vamos passar a noite acordados.


Fanfic / Fanfiction Midnight Bottle - Capítulo 5 - Então me sirva uma bebida, vamos passar a noite acordados.

“So pour me a drink, oh love
            Let's split the night wide open…”

 

Como já era de se esperar eles dormiram durante o filme, mas que ótimos amigos eu fui arrumar não é mesmo?! Bufei olhando pro teto.
          Deixei as belas adormecidas na sala, fui pra mesa da cozinha terminar de editar um ensaio, aproveitando a deixa pra pensar e organizar o de amanhã.
          Tinha pausado o filme, então assim que terminei as fotos, deixei o computador em cima da mesa e voltei para o sofá. Chegando lá, os garotos estavam um em cada canto do móvel, então deitei minha cabeça no colo do Chris e apoiei os pés no Júlio. O filme que tinha escolhido era o meu favorito, então sabia de todas as cenas, percebi que estava terminando e eu já lutava com meu próprio sono quando sinto a mão do Júlio se fechar em torno do meu tornozelo.
          — Quer me matar de susto?! Seu maluco.

— Ah! Você acordou bem na hora que ia encher seu pé de cócegas – ele começou a rir e que inferno de sorriso bonito.

— E quem te disse que eu estava dormindo? – questionei-o enquanto o encarava.

— Daqui tinha certeza que você estava dormindo, meu plano falhou – rimos da situação.

Júlio se levantou e foi juntando suas coisas para ir embora, decidimos deixar o Chris dormindo depois de todo o trabalho que demos pra ele ontem.

Estávamos no meu portão, ele se aproximou e num ato contínuo abriu os braços para ofertar-me um abraço e foi o que fiz logo em seguida.

Ficamos ali, encaixados um nos braços do outro, deleitando-nos de nossas presenças e antes de nos separamos definitivamente, Júlio abaixa a cabeça, aproximando-se do meu ouvido:

— Sinto que só eu tenho essa conexão física quando estamos assim, próximos.

Eu sorri e olhei em seus olhos, sem me dar a chance de resposta ele me deu um beijo no rosto, virou-se e foi em direção ao carro.

Voltei pra casa e enxotei o Chris do sofá, ordenando que fosse pra cama, assim fomos dormir, tínhamos o ensaio amanhã e o dia seria cheio.

Dormi tão pesado que acordei desnorteada na manhã seguinte. Chris já estava no banho, cantando a todos pulmões, então fui arrumar minhas coisas.

Já estávamos na mesa, tomando nosso café inclusive quase terminando, quando Christian ainda se olhando na câmera do celular, me pergunta:

— Estou bem? Apresentável? Bonito?

— Mano, larga de besteira e ansiedade boba, pelo amor!

— Estou entrando em colapso e você me manda ficar calma, bela ajuda Elizabeth, bela ajuda.

Terminei meu pão e já fui apanhando as chaves do carro.

— Vamos logo antes que você tenha um ataque.

Fomos para o estúdio e o ensaio fluiu muito, muito bem. Eles estavam em sintonia, eles tinham uma química boa para as fotos, espero que na vida real também seja assim.

Senti uma lâmpada imaginária ascender-se em cima de mim. Eu sou uma gênia, ou melhor uma cúpida incrível. Mal posso esperar pra pegar meu celular e convocar geral pro meu role.

Assim que consegui uma brecha, chamei os meninos para me ajudarem, mandei-os comprarem as coisas e pedi pro Júlio ir buscar minhas chaves para darmos início ao meu plano.

Ele foi no estúdio busca-las e já contei pra ele toda minha ideia, até a parte que a gente finge incidentes e todos saem lá de casa deixando os dois sozinhos durante o jantar.

Terminado o ensaio, chamei a Flávia para jantar conosco e o Christian quase teve um infarto ali mesmo, foi hilário. Deixei os dois conversando e prossegui com o plano.

Já em casa, estava tudo arrumadinho e aconchegando, os garotos realmente se empenharam, acho que todos torciam muito pra isso acontecer.

O jantar fluiu bem, mas antes de efetivamente terminarmos, começamos a inventar desculpas pra sairmos e deixá-los à sós.

Saímos eu, Júlio, Lucas e Mauro rindo como crianças que haviam feito uma travessura, os meninos foram embora e ficamos eu e Júlio na sorveteria que havia ali perto. Engatamos numa conversa boa e leve, quando ele começa com suas gracinhas:

— Quando a gente vai se pegar mesmo? Só pra eu anotar aqui na minha agenda – fazia que foliava algo.

— Quando você quiser gato – disse entrando na brincadeira enquanto ria.

— O dia que eu te agarrar de verdade, quero ver você continuar me levando na brincadeira Lia – ele me olhava com profundidade nos olhos.

— Ai Júlio, como se desse pra te levar a sério – disse tentado desviar o assunto.

— Vou te mostrar que da pra me levar a sério sim Lia.

Foi a deixa pra ele se aproximar e me beijar.


Notas Finais


Beijundas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...