História Minha Paixão Proibida (JiKook) - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Park Jimin, Segredos, Suspense
Visualizações 141
Palavras 1.638
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O
O
O
O
I
I
I



CHEGAAAYYYY




ESPERO QUE GOSTEM AMORESS

::''33❤❤❄❤❄❤❄❤❄❤❄

Capítulo 12 - A Longa Madrugada.






Ele não falou nada, ficou... sem graça?


- Mas enquanto eu não viro uma xícara, serei apenas seu cobertor, o que acha? - ele não disse nada, só senti o mesmo se aproximar de mim e me abraçar.


Acariciei seus cabelos e Jimin logo pegou no sono. Sorri.


Eu o amo...


               ❄P.O.V Jimin❄


Abri os olhos lentamente, eu estava deitado no peito de JungKook. Saio dali e pego meu celular. Três e quarenta e seis da madrugada. Suspiro. Vou ao banheiro e me olho no espelho, minha pele pálida e meus olhos fundos, exaustos. Exautos pelo trabalho, pelo o que aconteceu... Enfim, inúmeras coisas.


Está realmente difícil assimilar tudo isso, assimilar a rapidez de como tudo aconteceu. Assimilar que eu podia estar morto. Vou para a sacada, e no caminho olho JungKook dormindo profundamente, como um bebê. Sorri de canto. 


Me apoio na grade e fico ali, sentindo aquela brisa gelada batendo em meu rosto, e pequenos flocos de neve caírem sobre minhas mãos e meus cabelos. 


Será que esta neve nunca irá passar? Penso. Creio que vai demorar... Suspiro pesado. 


Como Yoongi deve estar? Será que conseguiu dormir? Ou está tomando vinho sentado em meu sofá, pensando em como me tirar daqui? O que ele estará fazendo...? 


Pego meu celular e volto para a sacada. Ligo para ele.


- Yoongi...?

- Puta que pariu, Jimin! Quer me matar, é isso? Sabe o quanto estou preocupado?!

- JungKook te ligou antes?

- Sim! Esse desgraçado me ligou, e me contou tudo! Porra! Por quê não veio comigo para casa? Por quê não deixou que eu o buscasse?! - suspirei.

- Realmente quer me dar sermões agora?

- Você parece calmo, para quem quase foi assassinado! Sorte que esse Jungkook ai espantou o cara lá, e ele saiu correndo.

- Foi isso que JungKook lhe disse?

- Foi... Por quê? Não foi isso que aconteceu? 


Fiquei em silêncio...


- Em, Jimin?!

- Sim, foi isso sim...

- Hum... Jimin?

- Oi?

- Me diga o endereço de onde está, quero ir busca-lo! Quero ter certeza de que estará seguro! O quero aqui!

- Amanhã cedo eu estarei em casa, Yoongi. E não se preocupe, eu estou bem.

- Não acredito! Você só estará bem se estiver comigo! Do meu lado! - suspirei. 

- Te ligo quando amanhecer, tudo bem?

- Jimin...

- Durma um pouco, descanse, logo estarei em casa.

- Aish!


Desliguei.


Ouvir a voz dele foi confortante, conversar com ele saiu um peso das minhas costas. Abaixei a cabeça, fechei os olhos e suspirei cansado. Que noite.


JungKook...


Ah, JungKook... Eu realmente o quero, o quero perto de mim, me sinto bem, me sinto especial. Sinto que preciso dele ao meu lado. Eu estou me apaixonando por ele, por aquele garoto que atropelei.


- Jimin? - levo um susto ao ouvir JungKook atrás de mim.

- JungKook?! Quer me matar? - o olho. O mesmo esfrega os olhos com as costas das mãos de maneira fofa, seus cabelos bagunçados e suas bochechas rosadas o deixam mais fofo ainda.

- Me desculpe... - ele se escora na porta. - o que está fazendo? - pergunta dando um bocejo.

- Nada... Só perdi o sono...

- Está preocupado com alguma coisa?

- Eu? Não... Não estou... - ele me olha arqueando uma sombrancelha. Suspiro. - o que vai ser depois disso? O que vai acontecer quando eu sair por aquela porta?

- Não pretendo deixa-lo sair.

- Sabe que preciso.

- Sim, claro... - ele cruza os braços. - sabe, senhor Park. Eu não costumo pensar no amanhã, eu simplesmente... Espero.

- Espera? 

- Espero. Espero as coisas acontecerem naturalmente, sem planeja-las. Não sou do tipo que planeja a vida.

- Como você consegue? - o olho - minha vida é quase cem porcento planejada.

- Precisa parar de planejar tanto, e viver mais. Deixar que as coisas simplesmente aconteçam. - ele sorri de canto - veja, por exemplo, nós dois.

- Nós dois?

- Nós dois. Nós não planejamos nada disso, e olha, você está aqui, ao meu lado.

- Mas... E depois disso?

- Temos que esperar, senhor Park. Aproveitar o agora, e esperar o depois. - ele me olha e vem até mim. - talvez se você pensasse menos no amanhã, e mais no agora, seria mais feliz. - o olho, e o mesmo está a poucos centímetros de mim. 

- Tentarei fazer isto, Jeon. - ele sorri.

- Podemos dormir agora? 

- Podemos. - ele se vira e vai em direção a cama. - JungKook. - o chamo. Ele me olha. - nada, esquece...

- Achei que ia dizer: "te amo"... Mas, vejo que terei de esperar mais por isto.  

- Eu ia te pedir para apagar a luz, mas eu posso fazer isto. - ele me olha incrédulo. Ri. 

- Você consegue iludir qualquer um com esse seu jeitinho.

- Que jeitinho? - digo me deitando.

- Esse jeitinho! Você me chamou tão seriamente, e com uma voz tão... Sei lá! E ia pedir para mim apagar a luz? Aish... Você está me iludindo, senhor Park. - Ri. 

- Não estou te iludindo, senhor Jeon. Você que interpretou as coisas de maneira errada. - ele me olhou.

- É assim? É isto? Está bem... - se virou de lado e se cobriu, e eu ri.

- Ei, JungKook? - ele ficou quieto. - não faça isso! - toquei seu braço. - fale comigo! - e eu apenas ria enquanto ele estava "emburrado".

- Está vendo? - ele virou de repente. - você não vive mais sem mim. - ele riu.

- Podemos dormir?!

- Confesse, hum? - me olhou. O olhei. Nos olhamos. - estou ouvindo seu coração acelerado daqui...

- Aish! - me cobri envergonhado.


E meu coração realmente estava muito acelerado. Ele riu.


- Está bem, está bem...


                      ❄❄❄


Uma meia hora se passou, e eu não conseguia mais dormir. Senti JungKook se mexer na cama e suspirar pesado.


- Não consegue dormir? - pergunto ainda virado de lado.

- Não... - ele suspira novamente. 

- Eu também não. - digo me sentando na cama, e vejo que ele também está sentado.

- Gostaria de um vinho, senhor Park? - perguntou de uma maneira formal que me fez rir. 

- Claro, senhor Jeon.

- Ótimo. - diz se levantando, e em seguida abrindo uma porta onde há inúmeras garrafas de vinho.

- Wow... - me levantei e fui até lá. - você também coleciona? - disse olhando boquiaberto para aquelas estantes cheias de vinho. - que incrível...

- Na verdade, não. Eu só gosto de tomar, não compro para colecionar... Mas, eu guardo esta como se fosse a minha vida. - disse me entregando uma garrafa antiga. 


 "Massandra Sherry de La Frontera. 1775."


- Isso é uma relíquia! Um vinho extremamente caro e único, JungKook.

- Exato. - se escorou. - estou esperando uma ocasião realmente especial para toma-lo, pois me custou caro, muito caro.

- Procurei um bom tempo por este vinho, mas depois desisti. 

- Coleciona? - assenti entregando aquele tesouro para ele. - deixe-me ver o que iremos tomar... - disse com um jeito formal novamente. - hum... Acho que... Este. - me entregou a garrafa.


            "Vale Da Pedra. 2015"


- Brasileiro?

- Brasileiro, meu caro. - disse pegando belas taças.


Nos sentamos no tapete redondo e macio que há em frente à sua cama e JungKook abriu a garrafa servindo uma taça para mim. Peguei-a e fiz movimentos circulares devagar para ver sua cor e sentir seu aroma. Uma cor rubi, um aroma espetacular de frutas vermelhas. Esperei JungKook servir sua taça, e então, tomamos.


- O que vamos fazer? Conversar enquanto tomamos isto? - perguntou. 

- O que quer fazer? - ele ficou pensativo.

- Jogar.

- Jogar?

- Jogar.

- Jogar o que?

- UNO!

- UNO? 

- Vai me dizer que nunca jogou?

- O que é isso? - pergunto tomando mais um gole do vinho.

- Espere ai. - se levantou e logo voltou com uma caixinha. - isto é UNO. - tirou cartas do inteiror da mesma.

- Não tive uma infância com essas coisas - cruzei as pernas.

- Então hoje você vai ser criança e jogar UNO comigo. - disse embaralhando as cartas. 


JungKook me disse as regras e como se joga, e eu entendi tudo. Eu acho.


- E quando você tiver uma carta na mão, precisa dizer: UNO! Ok? - assenti animado.


Começamos a jogar normalmente, até que...


- Compra quatro! E eu escolho vermelho. - disse JungKook jogando uma carta preta.

- O que?! Não! Isso está errado, é a segunda vez que você joga essa maldita carta! - ele riu. - Aish! 


Comprei mais quatro cartas, ao todo já tinha onze cartas, e ele apenas cinco. 


      ❄Alguns Minutos Depois...❄


- UNO! - disse.

- Que?! Impossível! - me olhou incrédulo e jogando uma carta.

- Ganhei! - joguei minha ultima carta no chão. Ri.

- Mas você estava cheio de cartas! Quero uma segunda rodada! 

- Você não sabe perder, esta é a verdade.


Jogamos, jogamos e jogamos. A garrafa de vinho já havia até secado, e resultado final, ganhei seis vezes seguidas.


- Eu nunca mais jogo UNO com você, Jimin. - cruzou os braços e se encostou na cama. - ri.

- É só um jogo, JungKook.

- Um jogo que eu sempre ganho!

- Mas desta vez, perdeu. - disse me levantando e olhando a hora em meu celular. 

- Que horas são?

- São... Cinco e vinte.

- Aish... - suspirou.

- O que foi? - perguntei me sentando na beirada da cama.

- Não quero que amanheça. - me olhou e se apoiou em minha perna.

- Por que não, Jeon?

- Porque não quero que... Que você vá... - deitou em minha coxa e eu passei minha mão em seus cabelos. - por que não fica?  

- Talvez por que eu tenha um apartamento e uma empresa para administrar? - ele suspirou.

- Droga... 

- Você está parecendo uma criança desta maneira. - rimos fraco e ele me olhou.

- Só não quero que vá. E se você for e não voltar mais? - fiquei quieto por um tempo, excitando em dizer o que eu realmente quero, mas meu coração "gritou" por mim.

- Eu vou voltar, JungKook. - ele abriu um sorriso e deitou em minha perna novamente.


Eu vou voltar...


                      ❄❄❄


Notas Finais


MAIOR CAP Q JÁ FIZ
GENTE

EU ADOREI ESCREVE ISSO SJSUSKYSJSJSJ SOCORROOO

EU ESPERO QUE VOCÊS TENHAM GOSTADO!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...