História Miraculous - As aventuras de Lady Bug - Amor revelado - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Lady Bug, Miraculous, Romance
Visualizações 268
Palavras 6.366
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom dia meus amores! Segue o penúltimo capítulo da Fic. Se alguém aí tiver diabetes aviso para tomarem cuidado com o melado contido nesse cap. Acho que foi o mais açucarado que escrevi durante toda a história rsrsrs. Espero que gostem. Boa leitura!

Capítulo 44 - O gato e sua princesa


Fanfic / Fanfiction Miraculous - As aventuras de Lady Bug - Amor revelado - Capítulo 44 - O gato e sua princesa

 

- Eu já disse que vou me encarregar da decoração Alya! Sou muito mais habilidosa para isso do que você!

A ruiva lhe lançou um olhar gelado e ajeitou os óculos de modo petulante 

- Não fique se achando tanto Chloé, afinal eu conheço bem melhor os gostos da minha amiga.

A loira revirou os olhos. O fato de Alya enfatizar o pronome possessivo só comprovava sua teoria de que a ruiva estava começando a ficar enciumada de sua amizade com Marinette. É claro que as duas ainda estavam começando a se entender, porém Alya poderia ser bastante possessiva quando queria. Chloé decidiu provocá-la um pouquinho só para não perder o costume. Empinou o nariz e jogou os cabelos pra trás com ar de superioridade.

- Acontece que eu e Marinette descobrimos que temos muito em comum, inclusive o excelente gosto para determinadas coisas, como moda por exemplo. - Olhou-a de cima a baixo torcendo os lábios com desdém - E pelo que vejo, o mesmo não pode ser dito sobre você! 

- Ora sua... – Alya aumentou o tom de voz em alguns decibéis

- Ei meninas, controlem-se! Marinette não iria ficar nada satisfeita em ver vocês duas brigando de novo! – Nino apaziguou e Adrien agradeceu a Deus pela intervenção do amigo enquanto conferia a lista de afazeres em suas mãos.

Naquele sábado seria o aniversário de Marinette e o loiro teve a idéia de reunir os amigos para juntos prepararem uma festa surpresa pra ela. Adrien não era muito bom com festas de aniversário, uma vez que, a única que se lembrava de ter tido lhe havia sido preparada pelo Nino akumatizado então... O jeito era pedir ajuda aos amigos. Marinette merecia algo especial e ele faria o possível para que assim fosse.
Só esperava que Hawk Moth não atrapalhasse a comemoração deles mandando algum vilão. Já havia se passado quase dois meses desde o confronto com Volpina e a partir daí eles tinham enfrentado alguns akumas, mas nada que não pudessem resolver. Voltou seus pensamentos para a festa de Marinette. A aula já estava quase começando e precisavam terminar de acertar os últimos detalhes do evento.
Sua princesa como de costume estava atrasada. Um sorriso surgiu involuntariamente nos lábios de Adrien. Ela se atrasava constantemente para as aulas mesmo morando tão perto do colégio. Antes de saber que ela era Lady Bug, Adrien tinha enorme dificuldade em compreender os motivos da garota em chegar depois do horário. Porém logo que suas identidades foram reveladas tudo ficou claro como vidro para ele. Combater os akumas de Hawk Moth, dar conta da escola e ainda ajudar os pais e os amigos eram tarefas difíceis de conciliar. Por mais de uma vez o próprio Adrien tivera dificuldades em chegar no horário após uma noite de patrulha ou enfrentando o inimigo. Mas agora que estavam namorando e depois do loiro ficar implicando com ela por causa de seus atrasos, Marinette começou a se esforçar para chegar no horário. O problema era que quando certo gato preto não lhe fazia uma visitinha noturna ela tinha dificuldades para dormir, motivo pelo qual sempre chegava atrasada no dia seguinte. Aproveitando-se disso ele esteve se segurando durante a semana toda para não fazer-lhe visitas a fim de que ela continuasse se atrasando e assim ele poderia combinar tudo com os amigos antes da aula começar sem que ela desconfiasse. Mas só Deus sabia o preço alto que ele estava pagando por aquilo, já que suas agendas também estavam lotadas durante o dia e os dois mal conseguiam ficar a sós naquela última semana e isso era uma tortura pra ele assim como o era para ela. Suspirou e voltou sua atenção para a lista de afazeres. 

- O que seu pai falou sobre o hotel Chloé?

A loira o olhou como se aquela pergunta fosse totalmente desnecessária

- Meu querido já está tudo combinado. Teremos o salão de festas do hotel liberado para a surpresa da Marinette.

Alya revirou os olhos com o tom arrogante da outra e Adrien sorriu divertido riscando aquele íten de sua lista.

- Ótimo! E o som Nino, tudo ok?

- Claro mano, vamos arrasar na pista de dança – o moreno ensaiou uns passinhos e aproveitou-se para se agarrar na cintura da namorada, surpreendendo-a com um selinho.

Alya arregalou os olhos e enrubesceu levemente. Adrien achou graça e continuou marcando os itens que já estavam resolvidos. Uma coisa ele sabia muito bem. Não dava para fazer nada sem organização.

- Alya e quanto à comida e bebida?

A ruiva lhe fez um sinal de positivo

- Tudo certo Adrien. Minha mãe vai fazer os melhores quitudes pra festa, porque ela ama a Mari e é uma tremenda puxa saco!

Eles riram

- Milene, tudo certo com os doces?

- Sim Adrien, fiz a encomenda de todos que você me pediu. Vou buscar amanhã à tarde e depois já levo direto para o hotel.

- Excelente Milene. Bom, já falei com os pais da Marinette sobre o bolo e claro que eles vão caprichar no recheio de morango com baunilha que é o preferido dela. Quanto à decoração, acho que podemos deixar para a Chloé, Sabrina, Rose e Juleika não é? - Seu olhar recaiu sobre a amiga ruiva que minutos antes estava brigando com unhas e dentes pela função.

- É, é pode ser – Alya aceitou de má vontade, cruzando os braços e fazendo bico o que arrancou um suspiro do namorado que permanecia agarrado a ela. 

- Isso! Vamos deixar tudo perfeito querido, não se preocupe – Chloé bateu palminhas com animação – Também vou precisar da ajuda do Kim, Max e Ivan, porque vamos ter muitas caixas pesadas para carregar! - virou-se para a ruiva com um largo sorriso deixando a expressão arrogante de lado - E claro que você também pode opinar Alya – A loira concedeu como se declarasse uma trégua na “guerra” entre as duas.

Alya fitou os olhos azuis de Chloé e suspirou. O que ela não faria pela sua melhor amiga!

- Está bem. Talvez eu passe lá para dar uma força depois de ajudar minha mãe com a comida

- Pode contar conosco loirinha! – Kim respondeu pelos outros que começaram a rir

- Nathaniel vai ficar por conta das fotos e vídeos certo cara? – Foi Nino quem perguntou fazendo com que Adrien olhasse para o ruivo.

Nathaniel meneou a cabeça em concordância sem dizer mais nada. Adrien ainda tinha um pé atrás com o colega de classe. Sabia que o ruivo gostava de Marinette e não havia ficado satisfeito com o namoro dos dois, mas como Adrien chamara toda a turma para ajudar teria sido chato excluir o garoto, então mesmo a contra gosto havia pedido a ele para ajudar com as fotos e vídeos. 

- Muito bem, acho que está tudo certo então. Vocês acham que posso levar a Mari por volta das sete?

- Acho que sete e meia seria o ideal. – Alya opinou

- Combinado. Pessoal não a deixem desconfiar de nada heim! Conto com vocês!

Todos concordaram e dirigiram-se a seus lugares assim que ouviram o sinal da primeira aula tocar e a professora entrar na sala.
Adrien começou a ficar preocupado e até sentiu-se um pouco culpado por causa do atraso da namorada. Olhou o celular verificando se não havia alguma mensagem de Marinette, mas ela não havia mandado nada. Será que havia surgido algum akuma?
Estava prester a pedir a professora para sair quando a mestiça apareceu na sala abrindo a porta bem devagar. Adrien deixou escapar um suspiro de alívio e sorriu quando ela passou por ele, porém a mesma sequer lhe deu uma olhadela, parecendo estar aborrecida. No entanto, quando a ela começou a subir as escadas para sentar-se em seu lugar acabou tropeçando, só não caindo porque o loiro a amparou prontamente.

- Cuidado princesa...

Ela estreitou os olhos e abriu a boca pra falar quando foi interrompida pela voz irritada da Srta. Bustier

- Marinette! Atrasada de novo?

Ela suspirou e virou-se para a professora de cabeça baixa.

- Me desculpe Srta. Bustier... Não vai se repetir

- Assim espero. Sente-se no seu lugar

Marinette sentou-se ao lado de Alya e logo ouviu a voz da ruiva lhe provocando

- Problemas com o tal gato de novo amiga?

Marinette rilhou os dentes, mas olhou para a ruiva com a maior serenidade possível e respondeu com voz audível

- Acertou Alya! Mas eu vou resolver o problema desse gato idiota. Vou trancar minha janela e a porta da sacada. Assim ele não poderá mais entrar nem se ele quiser!

Adrien que conseguiu ouvir tudo perfeitamente engoliu seco. Alya e Nino deram risada

- Nossa Mari, quanta raiva do pobre gato. Porque você não o adota?

Ao ouvir a sugestão da amiga ruiva, Adrien virou-se para Marinette com o sorriso provocador, tal qual seu alter ego. Era incrível como Marinette agora conseguia enxergar várias características de Chat Noir na personalidade de Adrien, principlamente o maldito sorriso!

- Alya tem razão princesa... Porque você não adota o pobre gatinho?

Um lampejo de ira passou pelos olhos de Marinette, mas logo ela dirigiu-lhe o mesmo olhar sereno que lançara a ruiva, acompanhado de um doce sorriso que fez Adrien estremecer

- Talvez tenham razão. Posso adotar o gatinho... E para que não me cause problemas já sei o que fazer - Inclinou a cabeça na carteira aproximando seu rosto o máximo possível do loiro – Vou castrá-lo!

Os olhos esmeralda faltaram sair pra fora e Adrien não disse mais nada virando-se pra frente, enquanto Nino e Alya gargalhavam sem nem mesmo se darem conta do duplo sentido da conversa.

- Gostariam de compartilhar a piadinha com o diretor meninos? – eles se calaram diante do olhar irritadiço da professora – Foi o que pensei. Agora chega de conversa.

 

 Na hora do intervalo Adrien ficou esperando Marinette sair da sala. Assim que ela passou pela porta ele rodeou-lhe a cintura e deu-lhe um beijo estalado na bochecha.

- Ei princesa, o que foi? Parece brava, foi alguma coisa que eu fiz?

-É sério Adrien? Vai ficar nessa de “que foi que eu fiz?”

- Mas Mari... Não estou entendendo. Se você não me disser como vou adivinhar? – Ele realmente parecia confuso. Foram em direção a lanchonete e se sentaram em uma mesa mais afastada. Marinette suspirou

- Já tem uma semana que você não vai me ver – ela murmurou com a voz tristonha. A boca formando um biquinho que Adrien precisou reunir toda sua força para não beijar, tamanha a fofura da garota.

- Ah mon amour, não faz isso comigo. Essa carinha de gatinho pidão só eu posso fazer.

- Idiota – ela não resistiu, abrindo um breve sorriso

Ele pegou a mão dela por cima da mesa

- Princesa, me desculpe. Estou chegando em casa bastante cansado. Meu pai vai viajar daqui a alguns dias e está adiantando todo o trabalho. Com isso, várias sessões de fotos estão sendo agendadas uma atrás da outra, você sabe como ele está maluco com isso!

Marinette fez uma careta. Realmente ela também estava trabalhando bastante no estágio por causa da viagem de Gabriel e sequer conseguia ver Adrien na casa dele.

- Eu sei, estamos trabalhando muito e ainda temos a escola e os akumas. E você tem um monte de aulas extras... – Ela olhou pra ele e sorriu – Me desculpe gatinho, não devia ter ficado brava com você. Acho que acabei ficando mal acostumada com suas visitas constantes. Não estou conseguindo dormir direito, você me faz falta sabia?

- Mari... Tudo bem, eu sei. Sinto-me péssimo, me perdoe. Eu também sinto sua falta princesa. – Beijou-lhe as duas mãos. – Mas olha só, hoje é sexta e amanhã não teremos aula. Que tal se eu fizer uma visitinha essa noite heim? Vai deixar a janela aberta pro gatinho entrar?

- Vou pensar sobre isso. – Ela provocou, mas estava sorrindo. Adrien sabia que havia sido perdoado.

De repente a expressão do loiro tornou-se preocupada

- Mari... Não falou sério sobre aquilo de castrar não é?

Ela gargalhou fazendo com que ele também começasse a rir

- Quem sabe? É melhor não me provocar. – Marinette riu ainda mais da careta que seu gatinho fez

 

O sábado chegou e Marinette acordou cedo. Claro, assim como prometido Adrien viera lhe visitar na noite anterior. Ficaram horas conversando e namorando na sacada, aproveitando que o inverno já estava se despedindo e a temperatura tornara-se mais agradável fora de casa. Eles ficaram quase até de madrugada lá fora, admirando o céu salpicado de estrelas e fazendo planos para o futuro. Depois eles entraram e como de costume Marinette deitou-se no colo dele e adormeceu rápido, embalada pelos carinhos do seu gatinho.
Acordou feliz, pois naquele dia Marinette estava completando dezesseis anos. Pensou em como fora abençoada no último ano, mesmo tendo sido um período de grandes desafios em sua vida. Seus maiores presentes haviam sido Tikki e Adrien, claro que Plagg fazia parte daquele pacote de boas surpresas e ela amava aquele gatinho preto também, mesmo ele sendo tão rabugento, pensou com um sorriso.
 Sua alegria era ser a heroína de Paris e lutar ao lado do seu amor, seu amigo, parceiro e namorado. Esse último status ainda a deixava perplexa. Mal conseguia acreditar que Adrien Agreste correspondia seu amor...

- Feliz aniversário Marinette! – Ela voltou ao tempo presente ao ouvir as felicitações de sua kuami que flutuava bem na frente de seus olhos.

- Obrigada Tikki! – Marinette agradeceu pegando-a em suas mãos

- Estou vendo que acordou bem animada

A mestiça sorriu largamente

- Pode apostar nisso! Estou super feliz e grata por mais um ano de vida e todas as coisas maravilhosas que tenho vivido.

- Ah Marinette, fico tão feliz por você! – a joaninha abraçou a face de sua portadora com carinho. Marinette tinha tanta vida e energia dentro de si que nem parecia que apenas há algumas semanas esteve à beira da morte.

Uma leve batida na porta foi ouvida e logo a garota viu seus pais adentrarem seu quarto quase não dando tempo de Tikki se esconder. Sua mãe apareceu primeiro, seguida por seu pai que carregava uma bandeja nas mãos cheia de quitudes da padaria que Marinette amava.

- Bom dia meu amor! Feliz aniversário! – Sabine lhe abraçou e beijou suas bochechas

- Obrigada mãe!

- Bom dia filhinha. Parabéns! – Tom colocou a bandeja na mesinha e esmagou-a num abraço de urso estilo Dupain-Cheng. Marinette riu quando ele a chamou de filhinha. Todo ano era assim. Parecia que ele a chamava dessa forma para se convencer de que ela ainda era sua menininha apesar de estar ficando mais velha.

- Obrigada papai!

- Temos um presente pra você! – cantarolou Sabine estendendo o embrulho caprichoso

- Awnn mãe não precisava...  – ela disse, mas seus olhos brilharam quando abriu o pacote e viu do que se tratava. - Um celular novo! Eu amei! Obrigada aos dois! – ela se jogou nos braços dos pais agradecida por eles se esforçarem tanto para lhe dar aquele presente caro.

- De nada. Você mereceu, sabemos que tem se esforçado muito na escola e também nos ajudando na padaria.

Marinette pensou que aquela parte ela devia ao namorado por sempre ajudá-la com as matérias nas quais ela tinha dificuldade. Suas notas haviam melhorado muito desde que passaram a estudar juntos.

 - Agora tome seu café e desça para aproveitar seu dia e que ele seja muito especial minha querida.

Marinette sorriu. Ela sabia que seria, pelo simples fato de estar viva e saudável. Sentia-se muito abençoada. Desde sua recente experiência de quase morte ela havia aprendido a valorizar pequenas coisas e momentos como aquele. 

Ela trocou de roupa e sentou-se para tomar café da manhã ao lado de Tikki. As duas conversando animadamente enquanto a kuami também saboreava seus delicioisos cookies de chocolate. Em dado momento Marinette quase caiu da cadeira com o grito de sua mãe lhe chamando no andar de baixo. Desceu as escadas como um foguete pensando que ela havia se machucado ou que algum ataque de akuma estivesse acontecendo, mas qual não foi sua surpresa quando se deparou com um lindo ramalhete de tulipas cor de rosa e uma caixa de bombons de cereja de uma chocolateria famosa.

- Olha que coisa mais linda! – Sabine exclamou ainda no tom exaltado - Acabaram de mandar entregar pra você!

Marinette tomou as flores nos braços sorrindo bobamente

- De quem será? – ouviu a mãe perguntar com um ar de romantismo no semblante – Aposto que são do Adrien.

A mestiça assentiu assim que leu a assinatura do cartão.

- Ele mesmo. Ele é tão gentil – suspirou admirando as flores, logo aproximando-as do rosto para aspirar o doce perfume.

- É verdade, Adrien é um ótimo garoto. Eu e seu pai estamos muito felizes pelo namoro de vocês - Sabine lhe deu mais um beijo na bochecha - Bom, preciso voltar para a padaria amor. Pegue aquele vaso branco que está na cozinha para colocar suas flores está bem?

Marinette assentiu levemente enquanto começava a ler o conteúdo do cartão que acompanhava as flores. 

Bom dia princesa! Acordei pensando em você e no dia em que estivemos no jardim de inverno da minha mãe. Pensei no quanto as flores me fazem lembrar de você. Por exemplo, o tom de rosa dessas tulipas me lembra a cor de seus lábios que eu simlesmente amo beijar. São tão macios e aveludados como a própria flor, e o gosto... Viciante demais para mim. Esses bombons de cereja não chegam aos pés da doçura deles, mas foi o mais próximo que consegui encontrar... Desejo que seu dia seja perfeito mon amour! Feliz aniversário. 

Ela suspirou novamente. Mal podia esperar para vê-lo e agradecer-lhe pelo lindo presente. Lembrou-se do vaso na cozinha e se dirigiu para lá, arrumando as flores delicadamente no recipiente. Pegou a caixa de bombons e levou para o quarto. Adrien sabia que eram seus doces preferidos além daqueles produzidos na padaria. Tikki também amou o chocolate.

- Nossa, é bom demais. Não iria reclamar em substituir os cookies por mais disso aqui – declarou enquanto se lambuzava com a calda de cereja

- Ah Tikki só você mesmo, mas vê se não come todo meu presente – Marinette brincou enquanto analisava as várias mensagens de felicitações que iam chegando em seu celular. Todos os seus colegas de classe haviam lhe desejado um feliz aniversário e ela foi respondendo um por um agradecendo pelos parabéns.

Depois de responder a todos ela desceu para ajudar Sabine com o almoço. A mãe tratou de fazer os pratos preferidos de Marinette e a garota a ajudava com prazer. Já estavam finalizando quando Tom entrou na cozinha com mais um buque de flores, dessa vez eram gardênias brancas.

- Parece que seu namorado quer deixar seu dia mais florido querida.

Marinette arregalou os olhos com aquele arranjo tão perfeito. Onde Adrien conseguira gardênias naquela época do ano? Elas só floresciam na primavera! Havia outro lindo cartão no buquê e ela leu com um sorriso nos lábios.

 Ainda pensando em você eu me lembrei da gardênia. A flor de origem chinesa que possui um perfume doce e intenso assim como o seu, que me embriaga toda vez que me aproximo da sua pele de porcelana branca e sedosa como as pétalas dessa flor... Espero que aproveite um delicioso almoço de aniversário mon ange. 

Marinette foi almoçar com a cabeça nas nuvens. Adrien estava tornando aquele aniverário o mais marcante de todos.
Para completar sua alegria ela recebeu a visita de seus avós paternos e de seu tio Cheng. Tiveram momentos agradáveis juntos em meio as lembranças de fatos engraçados da sua infância. Mais tarde quando conversavam na sala a campainha soou e ao atender a porta Marinette deparou-se com o enorme buquê de rosas vermelhas.  Ah Adrien, quantos suspiros apaixonados ainda arrancaria dela naquele dia!

- Oh meu Deus que coisa mais linda! De quem são dessa vez Marinette? – pela cara que a mestiça fez Sabine logo adivinhou – Adrien de novo? Nossa ele é um encanto...

Enquanto sua mãe tagarelava para os familiares como seu namorado era maravilhoso, Marinette abriu o cartão com a caligrafia perfeita de Adrien que havia escrito mais algumas palavras comparando-a com as flores.

 O símbolo do amor... Mas lém disso, para mim, as rosas vermelhas me lembram seu rosto corado, que tantas vezes me encantou mesmo quando ainda não éramos tão íntimos. Sempre achei a coisa mais fofa de se ver! Também me faz lembrar como você fica fantástica vestida com a cor carmesim, ma coccinelle...

 Marinette não conseguiu evitar o rubor que tingiu seu rosto quando leu aquelas palavras e o modo carinhoso de referir-se a ela como a sua joaninha. Aquilo era demais! Ela iria explodir se não falasse com seu gatinho. Pediu licença aos familiares e voou para o seu quarto, agarrando o celular e acionando o primeiro nome que aparecia em sua agenda.

 - Bon après-midi princesa! – Ele atendeu no primeiro toque

- Oi meu gatinho... Sabe minha casa está ficando tão florida quanto o jardim da mansão Agreste! Está pensando em montar um jardim de inverno em meu quarto por acaso?

- Não seria má idéia ma chérie, principalmente porque a flor mais bela já mora aí.

- Obrigada mon amour. Eu amei as flores e os cartões. E estou com saudades de você...

- Você merece muito mais princesa. Vou te buscar as sete tudo bem?

- Como assim me buscar? Pensei que ficaríamos aqui!

- Ah... Eu não te falei? Quero te levar a um lugar...

- Mas... Tenho que pedir a meus pais Adrien!

- Tudo bem, é claro, fale com eles. Tenho certeza que não irão se opor.

- Está bem. Até mais gatinho

- Até my princess.

 

Ao final da tarde quando Marinette já pensava que não receberia mais nenhum buquê de flores ela tratou de tomar banho e começar a se arrumar para esperar o namorado. Seus pais haviam permitido prontamente que ela saísse com Adrien, sem sequer questionarem aonde iriam, uma vez que a própria Marinette não sabia tal informação.
Após o banho ela voltou para o quarto e deparou-se com um lindo vaso prateado onde estavam plantadas as famosas íris azuis, a flor símbolo da frança, cuja cor lembrava os olhos de Marinette. Entre as folhas verdes ela encontrou outro cartão. Ainda segurando a toalha na frente do corpo, sentou-se na cama para ler

É claro que essas flores não poderiam ficar de fora dos meus pensamentos. Talvez seja a que mais me faz lembrar-se de você princesa. As íris azuis me lembram seus olhos. Os olhos que tantas vezes me atraíram como as águas de um oceano profundo, cheio de segredos e riquezas. Os olhos que tantas vezes me fizeram mergulhar, afogar em sua beleza e me perder na sua imensidão. As íris azuis podem significar esperança e fé. Exatamente o que incontáveis vezes encontrei em seus olhos, principalmente quando eu mais precisei. Sem dúvida olhar para uma flor de íris é o mesmo que olhar para seus olhos minha princesa. Eu te amo. Estou chegando pra te encontrar...

 Ela não pode conter as lágrimas dessa vez. Todo aquele carinho e palavras tão lindas tinham deixado sua sensibilidade à flor da pele.

- O que foi Marinette? – Tikki ficou preocupada porque a garota ainda estava apenas de toalha, sentada na cama chorando e segurando firmemente o cartão que viera junto com as flores – Aconteceu alguma coisa?

- Ah Tikki não se preocupe são lágrimas de alegria. Estou muito sensível hoje. O Adrien fez isso comigo com todas essas flores lindas e essas doces palavras.

A joaninha leu o cartão estendido por Marinette

- Nossa ele é muito romântico Mari... E está mais do que óbvio o quanto ele te ama. Por isso você precisa levantar daí e se arrumar porque logo ele estará aqui.

- Tem razão Tikki. Mas eu não sei que roupa vou vestir... Ele nem ao menos me disse onde irá me levar! – resmungou a mestiça abrindo o guarda roupa.

Ela já estava pronta quando ouviu sua mãe avisar do andar de baixo

- Marinette, o Adrien está aqui. Ele vai subir tudo bem?

- Tudo bem mãe, ele pode subir.

Mal acabara de responder e já ouviu passos na escada, logo depois a porta do seu quarto se abriu. Mas ao invés do loiro, o que apareceu primeiro foi uma enorme caixa prateada com um Laço azul a enfeitando sendo trazida por duas mãos firmes que logo descobriu pertencerem ao namorado.

- Adrien! Mas o que é isso?

Ele sorriu de orelha a orelha

- Um presente de aniversário ora

- Mas... Você já me deu vários hoje...

- Você merece muitos mais princesa. Mas este aqui é bastante especial. – Ele lhe estendeu a caixa e ela aceitou de bom grado, porém ao invés de abrir de imediato, colocou-a em cima da cama e voltou-se para o loiro pulando em seus braços e beijando-lhe os lábios de forma sedenta. Adrien a segurou pela cintura e retribuiu o beijo com prazer, deliciando-se com a doçura dos lábios de Marinette. Quando o beijo terminou a voz da garota era apenas um sussurro

- Você me faz tão feliz sabia. Obrigada...

- Eu apenas tento retribuir toda felicidade que eu sinto quando estou com você!

Ela sorriu e virou-se para abrir o presente em cima da cama. Quando removeu a tampa da caixa seus olhos pousaram no tecido azul celeste. Marinette o tocou sentindo a maciez. Era um vestido de chiffon com renda francesa que começava no busto e descia até a cintura. A saia levemente rodada era longa e descia em camadas suavizando o modelo. Era simplesmente maravilhoso.

- Eu sei que você mesma gosta de fazer suas roupas, mas achei que não ia se importar em possuir um modelo do seu designer favorito. – ele comentou com um leve divertimento ao notar a reverência com que Marinette tocava a roupa.

- É lindo Adrien, perfeito! Seu pai é mais do que um estilista você sabe não é? Ele é um verdadeiro artista! Essa peça é uma obra de arte.

- Uhum... – Adrien concordou enquanto encostava o quadril na beirada da mesa do computador – Pedi pra ele desenhar o modelo inspirado em você. Confesso que dei uma espiada no seu caderno para pegar suas medidas.

Ainda com o vestido nas mãos, ela virou-se para o loiro com os olhos arregalados

- Está querendo me dizer que Gabriel Agreste desenhou esse vestido exclusivamente pra mim?

- Exatamente – Adrien ainda sorria largamente ao ver os olhos azuis brilhando de contentamento. A alegria de Marinette era sua própria alegria. Imaginou que o amor era exatamente isso. Quando tudo o que queremos é fazer o outro feliz.

- Nossa... É a peça mais magnífica do meu guarda roupa com certeza! - ela colocou o vestido na frente do corpo e sorria como uma criança que havia acabado de ganhar um brinquedo novo.

- Gostaria que você o usasse hoje... – Adrien pediu, já imaginando o quão bela ela ficaria com aquele modelo

- Mas é claro, mal posso esperar para experimentar!

- Eu vou esperar lá embaixo enquanto você se troca – deu-lhe um beijo rápido – não me deixe esperando muito tempo. Estou ansioso para te ver nesse vestido.

Ele lhe lançou uma piscadela e saiu deixando-a sozinha para se trocar. Marinette não conteve o gritinho de felicidade!

- Aiiii Tikki! Meu primeiro modelo da marca Agreste! - ela rodopiou pelo quarto com o vestido nas mãos posicionado na frente do corpo – não é lindo?

- É maravilhoso Marinette. Se apresse em colocá-lo, eu quero ver como vai ficar!

Marinette rapidamente trocou a roupa que estava usando pelo modelo de Gabriel Agreste. A saia era extremamente leve e esvoaçante e a deixava com um ar sexy e ao mesmo tempo inocente.

 - O meu Deus Marinette, você está linda!

A mestiça mirou-se no espelho com um suspiro e um sorriso nos lábios. O vestido caiu como uma luva, estava simplesmente perfeito em seu corpo. Terminou o look com uma maquiagem leve que combinava com a delicadeza do vestido e deixou os cabelos soltos.

- Não tem um bolsinho camuflado para você nesse Tikki, então entre na bolsa. – Marinette calçou sandálias de salto e mirou-se no espelho. Estava linda e a alegria em seu rosto era visível para qualquer um que a olhasse.

 

Adrien quase engasgou com o suco de laranja que Sabine havia lhe servido ao colocar os olhos em Marinette. Tinha que agradecer a seu pai por desenhar aquele modelo fantástico que conseguira valorizar ainda mais as curvas daquele corpo que rapidamente estava passando de menina para mulher. Ficou alguns segundos sem conseguir proferir palavra enquanto Marinette se aproximava dele com um doce sorriso e um brilho intenso nos olhos azuis da cor do céu.

- Adrien... Está tudo bem? – ela achou graça do jeito embasbacado dele

- Você está estonteante princesa. Deixou-me sem palavras de novo...

- Ah gatinho bobo, você é um amor e também está lindo.

Ele não usava terno dessa vez, mas estava muito elegante com calça preta, blusa azul e uma jaqueta preta. A cor lhe caía muito bem é claro, realçava a pele clara e os maravilhosos olhos de esmeralda.

- Vamos indo? – Ele estendeu-lhe a mão

- Vamos... Mas pra onde? – Ela perguntou curiosa

- É uma surpresa. – Ele piscou galante e a conduziu para fora com uma breve despedida dos pais dela.

Entraram na limousine e Adrien pegou um pedaço de tecido preto.

- Posso vendar seus olhos princesa?

- Mas o que... Adrien! O que você está aprontando?

- Confie em mim chérie... Você vai gostar.

- Está bem. – ela anuiu, sentindo-se ansiosa - Eu confio em você.

Chegaram ao hotel Le Grand e Adrien a conduziu através das enormes portas de vidro para dentro do salão. Estava tudo escuro quando ele retirou-lhe a venda. Instintivamente ela segurou no pulso dele

- Gatinho...

Então de repente as luzes se acenderema e uma multidão de gente gritou de uma só vez

- SURPRESA!

Todos os seus colegas de classe estavam ali, seus professores, seus pais e seus parentes. Até Gabriel Agreste havia comparecido junto com a Nathalie!
O salão estava todo decorado com balões, fitas e muitas flores. As cores predominantes eram o rosa, azul e dourado. Marinette ficou encantada com tudo aquilo. Estava genuinamente surpresa com a linda festa que Adrien e seus amigos haviam preparado pra ela.

Eles dançaram, fizeram brincadeiras, cantaram, conversaram animadamente e tiraram muitas fotos. Tudo isso regado a bastante comida boa preparada pela família Cesáire. Marinette amou o bolo feito por seus pais. Na hora de cantar os parabéns Tom fez um pequeno discurso e agradeceu a seus amigos, mencionando o quanto ele estava feliz por Adrien agora fazer parte da sua família e cuidar tão bem de sua menina. Marinette percebeu que Adrien ficara emocionado com as palavras de seu pai e também não pôde conter mais algumas lágrimas que inundaram seus olhos. Depois de uma noite emocionante e de muita alegria e diversão, Adrien a levou pra casa e despediram-se na porta com um longo beijo.

- Obrigada por tudo Adrien. Foi o melhor aniversário que tive até hoje. Nunca vou me esquecer.                   

- Fico feliz por te fazer feliz mon amour. – Com um último beijo suave eles se despediram - Aour revoir. 

Marinette subiu para o quarto ainda com aquela sensação maravilhosa por ter vivenciado seu décimo sexto aniversário de maneira tão feliz e emocionante. Tikki estava exausta porque ela e Plagg também haviam curtido a noite escondidos em algum lugar daquele hotel.
Ela pegou a kuami nas mãos e deu-lhe um beijinho na cabeça, colocando-a sobre seu travesseiro. Ouviu um barulho na janela do quarto e ao virar-se ela viu Chat Noir entrar.

- O que faz aqui gatinho? – ela questionou, mas já estava com os braços ao redor do seu pescoço.

- Eu tenho uma última supresa pra você. - Aquele sorriso galante que a fazia se derreter enfeitava os lábios do felino.

- Está brincando não é? Esse provavelmente foi o dia mais lindo da minha vida e você me diz que ainda tem mais?

- Sim my lady princess, só mais uma surpresinha, mas preciso que você fuja comigo só um pouquinho.

- Mas... Pra onde?

- Confie em mim. Não precisa se transformar. Eu vou te levar.

- Tem certeza? – ela olhou incerta para sua kuami que já cochilava sobre o travesseiro.

- Tenho. Olha, Tikki está cansada. Deixe-a descansar e vem voar nos braços do seu gato favorito vem. – Ele piscou charmoso e ela sorriu concordando.

Chat a pegou no colo e saiu pulando e correndo pelos telhados com ela nos braços. Marinette tinha que admitir que amava quando ele a carregava assim, sentia-se segura, protegida. Ela era a heroína de Paris, mas sentia essa necessidade de amparo também de vez em quando e somente ele podia proporcionar isso a ela.
Chat a levou até a Torre Eiffel e subiu com ela ainda nos braços sem nenhuma dificuldade. Assim que chegaram ao topo ele a colocou no chão delicadamente. Marinette se aproximou da grade de proteção contemplando a cidade luz e aspirando o ar fresco da noite. Não poderia estar mais feliz!

- Aqui sempre foi o nosso lugar não é gatinho? – ela sentiu a aproximação dele em suas costas e virou-se encarando os intensos olhos felinos – Vivemos fortes emoções aqui...

- Sim, mas creio que a sacada da sua casa também tenha presenciado algumas fortes emoções também... – ela riu

- É verdade. Pensando bem qualquer lugar com você torna-se especial – ela disse e enlaçou o pescoço de Chat acariciando os cabelos loiros até ouvi-lo ronronar

- Você está... me tirando... do foco... princesa – Ele murmurou com a voz rouca entre um ronrono e outro – Ela riu baixinho e lhe deu um beijo rápido nos lábios

- E então porque me trouxe aqui gatinho?

 Ele acariciou-lhe o rosto sem nada dizer. Ela ainda mantinha aquele sorriso terno nos lábios. Como ele amava aquele sorriso!

- A primeira vez que eu realmente vi esse seu sorriso lindo foi naquela sessão de fotos no parque de diversões você lembra? – ela assentiu enquanto mantinha os olhos cativos pelas íris verdes – Eu me apaixonei por esse sorriso – ele contornou todo o desenho dos lábios dela com o polegar – Eu nem me dei conta naquele dia, mas o amor dentro de mim estava começando a se revelar...

Chat tirou do bolso do uniforme uma caixinha quadrada de veludo preto. Ele abriu revelando em seu interior um pingente de ouro em forma de coroa, com pequeninos diamantes incrustrados nas pontas, do mesmo tamanho do pingente de gatinho que ele havia lhe dado meses atrás e que ela nunca tirava do pescoço desde então.

- Sei que ainda é cedo para um anel Mari, apesar de que sou incapaz de pensar em meu futuro sem que você faça parte dele como minha... Esposa. Mas eu entendo que para tudo tem um tempo certo de acontecer. O que importa é que minha aliança com você já foi firmada bem aqui. – ele apontou para o próprio coração.

- Ah Chat... eu... estou sem palavras. É simplesmente maravilhoso. Você é maravilhoso meu amor!

Ele tocou o colar que estava no pescoço de Marinette, fitando os olhos da garota que já começavam a brilhar pelas lágrimas ainda não derramadas.

- Eu pensei muito quando escolhi esse presente Mari. Notei que você nunca retira esse colar, mas o gatinho estava muito solitário aí – ele sorriu levemente e pegou o pingente em forma de coroa na caixinha - Esse pingente é um símbolo, assim como o gatinho também o foi na época. A princípio o meu plano era um pingente em forma de joaninha. Mas acontece que apesar de nunca ter deixado de amar a Lady Bug, foi a Marinette quem conquistou meu amor de verdade. Você entrou na minha vida com seu jeito doce, carinhoso, despreendido, sem interesses nem segundas intenções. Você foi ganhando espaço e virando meu mundo de cabeça pra baixo...

As lágrimas começavam a se avolumar nos olhos da mestiça. Adrien prosseguiu apaixonado

- Eu estava decidido a me arriscar e contar meu segredo a você. Naquela noite em que fui à sua casa depois que você me deixou no baile eu fui com uma certeza, você foi a minha escolha Marinette. Eu fui para me declarar a garota que conquistou irremediavelmente meu coração. Eu te amei além da máscara de heroína. E mesmo se você não fosse a Lady Bug ainda seria a minha escolha.

Ele removeu o colar do pescoço de Marinette delicadamente e colocou o pingente de coroa nele que ficou lado a lado com o gatinho dourado de olhos de esmeraldas. Chat prosseguiu

- Por isso eu me decidi por esse pingente, porque agora esse colar é um símbolo do amor de um gato e a sua princesa. – com um sorriso ele prendeu o colar novamente ao pescoço de Marinette, logo suas mãos foram para o rosto da garota limpando suas lágrimas, sem notar que em seu próprio rosto elas também corriam livremente.

Marinette não conseguia falar. Pensou se poderia amá-lo mais do que já o amava e achou impossível. O abraçou com força e depois uniu os lábios aos dele que correspondeu com a mesma intensidade.

- Eu te amo gatinho. Sou incapaz de mensurar o tamanho desse amor... Você me fez rir e chorar, me fez acreditar e confiar em mim mesma. Você me salvou incontáveis vezes e de várias maneiras. Eu sempre serei a sua princesa.

Era tudo que ele queria ouvir. Sorriu em meio as lágrimas e a beijou novamente deixando que seu amor transparecesse naquela carícia usando todos os seus sentidos para absorver o gosto, a textura daqueles lábios viciantes. Seu sorriso alargou-se ainda mais em meio ao beijo quando o perfume dela entrou por suas narinas de felino embriagando mais uma vez os seus sentidos. Como ele amava aquele aroma já tão conhecido por ele... Baunilha e flores, esse era o perfume tão peculiar da sua princesa.

- Eu te amo minha princesa.

- Eu também te amo meu gatinho


Notas Finais


Então foi isso pessoal. Quero agradecer mais uma vez pelos favoritos, notas e comentários. Tenho um pedido especial pra fazer pra vcs. Olha que nunca pedi nada heim kkkk. Queria que vocês me contassem qual cena ou capítulo da Fic que vcs mais gostaram ok. Me contem aí. Então em breve postarei o último capítulo encerrando essa história que amei escrever. Fiquem juntos comigo até lá ok. Beijokas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...