História Mulher Loba - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Caçadores, Cidade, Floresta, Loba, Lobisomens, Romance, Violencia
Visualizações 10
Palavras 1.443
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpa a demora
Obrigada aos favoritos e comentarios

Boa Leitura

Capítulo 6 - Capitulo 6


Acordei com os primeiros raios de sol, Cristy estava na entrada da caverna observando para fora me ignorando por completo, algo que já era comum vindo de Cristy. Me levantei e segui ate ela me sentando a seu lado.

- aconteceu alguma coisa? Você parece muito quieta. – disse atraindo seu olhar para mim.

- os caçadores estão se aproximando cada vez mais da caverna, devemos ir embora daqui em breve Anne, antes que algo ruim aconteça. – disse voltando a olhar para a floresta.

- eu entendo, sei que só quer me proteger mais eu gosto daqui Cristy. Além do mais eu ainda tenho esperança de poder encontrar com minha família outra vez. – respondi, Cristy me olhou.

- vá tomar um banho e vestir roupas mais adequadas, iremos de encontro a sua família ainda hoje. – respondeu me levantei e a olhei surpresa.

- tem certeza? Você disse que eu não estava pronta para encontrar meus pais ainda. – perguntei.

- com tudo o que vem acontecendo e com o risco dos caçadores nos pegarem é melhor você os encontrar o quanto antes para depois irmos embora daqui. – respondeu.

- espera então eu não irei ficar com eles? – perguntei.

- não, é muito arriscado e provavelmente nem eles irão aceitar o fato de que sua filha agora é uma lobisomem. – respondeu, suspirei e peguei um vestido que Cristy conseguiu para mim e me dirigi para a cachoeira que tanto gostava, me despi e entrei na agua gelada sentindo todo o meu corpo se arrepiar.

Nadei para o fundo e voltei à superfície passando a mão pelo meus cabelos agora molhados tentando coloca-los em ordem, depois de me lavar adequadamente segui ate a margem e peguei a toalha saindo de dentro da agua e enrolando em meu corpo enquanto pegava a outra para enrolar meus cabelos, peguei o vestido e o ergui dando uma boa olhada, ainda não sabia se era o melhor para usar ao encontrar meus pais após tantos anos. Nem mesmo sabia se eles irão me reconhecer depois de tanto tempo, provavelmente eles devem acreditar que eu estou morta e nem mesmo aceitem o fato de que eu não sou mais uma humana como antes. Sei que corro o risco de ser desprezada mais ainda assim reencontrar meus pais parece algo tão bom.

- hoje você não escapa. – assim que ouvi a voz masculina me virei na direção do homem sentindo um soco em meu rosto logo em seguida, por ter sido pega desprevenida acabei por cair no chão um pouco tonta em seguida o senti deitar sobre meu corpo ainda coberto pela toalha.

- você ficou louco? Sai de cima de mim seu maluco. – disse me debatendo, não podia esquecer-se do que Cristy sempre me dizia, eu não poderia me transformar em loba na frente de humanos que pareciam caçadores e era o caso agora, usei minha força para empurrar o cara mais estava difícil já que ele prendera minhas pernas.

- você vai ser todinha minha já estou cansado de vê-la tomando banho nessa cachoeira completamente nua, tão bonita, tão deliciosa. – disse aproximando sua boca da minha, virei o rosto e ele usou sua mão para me fazer olha-lo.

- me solta. – disse fria, jamais deixaria alguém assim me tocar nem que eu precisasse mata-lo.

- você vai gostar, apenas fique quieta. – disse me apertando e sua outra mão me soltou para ir ate suas calças, isso não vai acontecer, eu já estava a ponto de me transformar quando senti o homem ser jogado para longe de meu corpo, me sentei e tentei ao máximo evitar que seja quem fosse me visse naquele estado.

- desgraçado como ousa fazer isso com a minha amiga? Seu cretino. – reconheci a voz e o dono dela na hora, Henry derrubou o caçador no chão e passou a bater nele dando muitos socos, os vi rolarem e quase caírem dentro do riacho. O caçador ficou por cima de Henry e senti meu sangue ferver, meu corpo clamava por Henry e não poderia deixa-lo se machucar por minha causa.

- HENRY. – gritei vendo o caçador se levantar e tentar empurrar Henry para dentro do riacho.

- tarde de mais. – Henry estava ferido e provavelmente não era bom em brigas. – adeus idiota. – disse o caçador e vi Henry agarrar o pé do caçador o impedindo de o empurrar.

- não vou deixar que toque nela. – disse com dificuldade, o caçador sorriu e de suas calças tirou uma faca.

- isso é o que veremos. – quando ele foi acertar a faca em Henry eu pulei me transformando em loba e o atacando. Atirei o caçador para o outro lado do riacho e pulei atrás dele o vendo se rastejar assustado. – você é uma lobisomem? Realmente existe. – disse afobado e assustado, me aproximei e deixei minhas presas à mostra em seguida o ataquei em seu pescoço arrancando um pedaço e o vendo sangrar ate morrer, me virei para Henry e pulei para o lado em que ele estava do riacho. Henry se ergueu e se afastou indo ate próximo a minhas roupas.

- não me mate, por favor. – pediu implorando, me aproximei mais e voltei a minha forma humana ficando nua a sua frente, ele corou por me ver assim.

- feche os olhos, por favor, quero me vestir e você me olhando assim me deixa sem jeito. – disse vermelha, ele assentiu e fechou os olhos, me aproximei do riacho e tirei o sangue do caçador de mim e peguei minhas roupas as vestindo.

- você é uma lobisomem? Eu achei que isso não existisse. – disse Henry o olhei e ele ainda estava de olhos fechados.

- me desculpe ocultar isso de você. Mas eu só queria me proteger e a loba que cuidou de mim. – respondi agora vestida e me aproximando dele com minha toalha em mãos, passei em seu rosto e o vi se afastar com medo me deixando triste, não gostava de sentir o medo de alguém que gosto.

- eu... Não me toque. – pediu enquanto tentava se afastar, deixei a toalha sobre seu corpo e me afastei ficando a uma distancia que ele julgaria segura.

- você não precisa ter medo de mim, jamais machucaria você. É o primeiro amigo que fiz desde que estou nessa floresta, só estava tentando protege-lo e também me proteger. – disse abaixando a cabeça e me sentando sobre um tronco de arvore que coloquei próximo ao riacho para quando queria pescar.

- você é uma loba. Como eu poderia confiar em você? – perguntou se levantando e passando a toalha sobre seu rosto e limpando o sangue.

- se eu fosse machuca-lo não acha que teria o feito quando o encontrei ferido? Eu não sou uma fera como você acredita, não ataco ninguém a não ser que me sinta ameaçada. Você me passa confiança e acredito que posso confiar em você mesmo sendo filho de um caçador. – respondi.

- se meu pai souber que eu conheço a loba que ele esta atrás você vai ser morta e aquela loba que vi também. – disse se referindo a Cristy.

- você vai contar a ele? – perguntei me levantando.

- se eu disser que sim você vai me matar como fez com ele? – perguntou apontando para o caçador, eu neguei. – meu pai já matou uma linhagem inteira de lobos brancos há alguns anos e somente uma escapou, provavelmente a que esta com você. Ele vai encontra-las e mata-las eu tenho certeza. – disse se afastando.

- pensei que poderia confiar em você, mas Cristy tem razão. Os caçadores só nos veem como animais que devem ser mortos e vendidos, você é igual a eles. – disse deixando uma lagrima escorrer. – depois de hoje provavelmente nunca mais nos veremos Henry, então o melhor é esquecer o que viu aqui. – disse e me dirigi para a floresta. – foi um erro gostar de você, foi um erro maior ainda pensar que você poderia me aceitar. – disse e em seguida entrei na mata desaparecendo de sua vista.

Assim que senti que estava realmente sozinha acabei deixando as lagrimas caírem, por que sinto meu coração doer tanto? Por que sinto como se algo fosse retirado de mim? Cristy no final tinha razão os humanos não irão nos aceitar tudo o que podemos fazer é nos esconder. Vou apenas reencontrar meus pais pela primeira e ultima vez depois de todos esses anos e depois tentar recomeçar a minha vida da maneira que Cristy achar melhor. Me aproximei de Cristy e ela me olhou assustada.

- o que você fez Anne? – me perguntou enquanto me cheirava, tudo o que fiz foi chorar e abraçar seu pescoço tentando fazer essa dor em meu coração desaparecer.


Notas Finais


^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...