História My Angel - Capítulo 17


Escrita por: ~ e ~idksuckers

Postado
Categorias Barbara Palvin, Cameron Dallas, Chaz Somers, Cher Lloyd, Cody Simpson, Dylan O'Brien, Francisco Lachowski, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Barbara Palvin, Cameron Dallas, Chaz Somers, Dylan O'Brien, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette, Ryan Butler
Tags Drama, Escola, Família, Festa, Luta, Novela, Romance, Shoujo Romântico, Violencia
Visualizações 809
Palavras 2.273
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Este capitulo foi escrito pela ~pornddl.
Vou deixar ai a fic dela, e espero que leia, favoritem e sigam ela. Quer agradecer a ela, por me ter ajudado.
Obrigada anjo!

NOME DA FIC: Beautiful Pain

Capítulo 17 - Why do I get this feeling you're about to mess up my life?


Fanfic / Fanfiction My Angel - Capítulo 17 - Why do I get this feeling you're about to mess up my life?

Justin’s pov on 

Eu estava a observando enquanto ela ainda olhava para o enorme quarto de hóspedes, a suas bochechas naturalmente coradas me faziam querer sorrir mas isso seria constrangedor demais, eu apenas suspirei e tirei aqueles pensamentos absurdos da minha cabeça e fui em direção a porta do quarto na intenção de deixá-la dormir mas então a ouvi dizer meu nome, me virei para ela. 

— Eu só queria agradecer mais uma vez, por ter me ajudado e por ter me deixado ficar aqui.—  ela falou e eu a encarei fixamente, se alguma coisa tivesse acontecido com ela, aquele cara estaria morto e enterrado, mas enquanto vou só torturar.


Olhei para um ponto atrás dela e refleti. Por que me importava? Voltei meu olhar para aqueles olhos azuis que me chamavam tanta atenção e me aproximei dela, ao notar isso ela prendeu a respiração por incontáveis segundo antes de solta-la novamente. Seus olhos brilharam em minha direção e suas bochechas coraram ainda mais, aquele gesto pareceu crescer algo dentro de mim, mas rapidamente mudei o foco dos meus pensamentos olhando para seu corpo ainda coberto pela t-shirt e uma cueca box.

Ela se sentia confortável com aquilo e eu tinha uma bela visão. Meu olhar parou em suas coxas quase expostas e mesmo não querendo admitir, só aquilo havia me deixado excitado. Andei mais um pouco ficando em sua frente, nossas respirações quentes se misturaram e aquilo me atiçou ainda mais, direcionei meus olhos para seus seios volumosos e não pude conter minhas mãos que se direcionaram para sua cintura fina, a camisa amassou com meu movimento o que deixou suas coxas ainda mais visíveis. Meus olhos se perderam naquela pele branca exposta. 
 

— Não precisa agradecer. – falei depois de um tempo, uma das minhas mãos desceu até suas coxas e a outra subiu até seu pescoço, percebi o arrepio percorrer seu corpo. — Jamais deixaria que alguém fizesse mal a você. – apalpei sua coxa e seus joelhos quase cederam, ela apoiou seus braços sobre meus ombros ficando tão próxima a mim que nossos narizes se encostaram, seu olhar, antes preso em meus olhos, desceram para meus lábios e apenas para provocá-la, eu os umedeci com a língua, ela acompanhou o movimento e sua respiração ficou ainda mais forte. 


— Justin. – ela murmurou meu nome num tom tão fodidamente rouco que meu membro latejou. Como eu gostaria que ela gemesse meu nome assim. — Me beija. – ela não precisou falar novamente, logo eu estava a beijando loucamente, querendo aquilo mais que tudo.

Ela agarrou minha nuca puxando meus cabelos e eu não me contive, minhas duas mãos foram parar na curva de sua bunda, apalpando-a, puxando seu corpo ainda mais para o meu, suas mãos inquietas bagunçavam meu cabelo mas eu estava pouco me fodendo pra isso. Comecei a andar até a cama que não estava muito longe, e ela me acompanhou sem quebrar o beijo, mas o partimos assim que a joguei na cama, meu peito subia e descia rapidamente atrás de ar, sentia meu rosto quente por causa da excitação e ela não estava tão diferente de mim. 


A olhei deitada na cama e aquela visão aqueceu meu peito, a camiseta já não cobria suas pernas as deixando expostas, o único pano que a cobria da cintura para baixo era minha Box, aquela maldita peça que me separava do paraíso. 
Em um movimento rápido tirei minha camiseta, seus olhos azuis grudaram em meu tronco e logo desceram para a minha calça jeans onde era possível notar minha ereção, ela mordeu os lábios e aquele simples movimento fez com que meu membro latejasse ainda mais.Eu não sabia se deveria ficar contente ou bravo por ela ter conseguido me excitar sem fazer muito esforço.

 Subi sobre seu corpo, apoiando meus braços no colchão para que não ficasse pesado para ela e mordi seu lábio inferior forte o suficiente para que ela sentisse, e em seguida o chupei, ela gemeu com o gesto e eu, involuntariamente, friccionei meu quadril ao seu estimulando ambas intimidades, gememos juntamente em meio ao beijo. 
Pousei minha mão direita em seu quadril e subi lentamente, passando por sua barriga sob a camiseta e costelas só parando ao chegar a seus seios cobertos por um sutiã, sua pele era tão gostosa e macia de ser tocada.

Apertei de leve seu seio esquerdo e ela quebrou o beijo por um momento arqueando seu peito contra minha mão reagindo ao estimulo, suas mãos não pouparam minhas costas a arranhando com suas unhas compridas fazendo-me sentir leves, mas gostosas, ardências, ela voltou a me beijar ainda mais ansiosa, levei minha mão até o feixe na parte de trás de seu sutiã e fiz impulso para abri-lo, mas então ela pôs suas mãos em meu peito e me empurrou de leve quebrando o beijo, ela abriu lentamente seus olhos e ao me ver com o cenho franzido suas bochechas ficaram ainda mais vermelhas, se isso é possível. 


— Desculpa Justin, é que... e-eu ....nunca... – emma disse tão baixo que quase não ouvi, mas ao entendê-la eu estranhamente não fiquei surpreso com isso, fiquei surpreso ao notar o quão feliz eu fiquei por ouvir isso. 


— Não precisa ter medo, confie em mim. – falei dando leves beijos em sua bochecha e pescoço na intenção de acalmá-la.

Ela relaxou o corpo suspirando e em seguida balançou a cabeça positivamente. Terminei de tirar seu sutiã e em seguida puxei a camiseta mais para cima e com sua ajuda eu a tirou, a visão diante de mim me deixou sem fôlego, tive certeza de que aquilo era o paraíso. Levei as duas mãos até eles os apertando em seguida, sentindo a maciez da pele me deixando com água na boca, não me segurei e levei minha boca até o seio esquerdo dando leves selinhos nele.

Emma estava tremula e sua respiração batia em meu cabelo me fazendo ter leves arrepios, suas mãos apertavam meus bíceps o que me encorajava ainda mais a fazer o que tinha em mente. 
Passei minha língua em seu mamilo rosado e ela soltou um gemido baixinho, não contente com isso, suguei o mesmo fazendo com ela gemesse mais alto, sorri internamente, o mamilo estava ereto e duro, o que me deixou contente imaginando como estaria a situação lá em baixo, logo depois eu o chupei novamente mas demorei um pouco mais, em seguida parei e mordi levemente, ela arqueou sua peito contra minha boca e levou uma mão ao meu cabelo numa mensagem silenciosa de que queria mais, em resposta eu dirigi minha boca para o seio esquerdo e comecei a chupá-lo sem cerimônias, ao passo em que ela gemia, eu chupava e sugava ainda mais forte, de vez em quando parava e assoprava só para vê-lo ficar ainda mais pontudo.

Minha mão direita continuou em seu seio esquerdo, rodeando seu mamilo ou apertando o mesmo fazendo com ela se excitasse ainda mais, mesmo não querendo, deixei sues seios e levei minha boca a sua, ela se agarrou ainda mais em mim e arqueou seu quadril na direção do meu, minha mão esquerda desceu até a Box que usava e massageei sua intimidade por cima do pano, sentia a umidade contra o mesmo e aquilo me deixou ainda mais excitado, parei em cima de seu clitóris e massageei aquele ponto de nervos lentamente, ela seguia os movimentos dando leves reboladas. 
 

Então, antes que eu falasse qualquer coisa, ela quebrou o beijo e me empurrou contra a cama ficando por cima de mim, sua bunda ficou bem em cima do meu membro e ao notar isso, ela deu uma leve rebolada, aquilo me fez soltar um ar pesado, Emma levantou minimamente ficando com os joelhos em cada lado de minha cintura e nervosamente abriu os botões e o zíper da minha calça, em seguida, com minha ajuda, ela tirou totalmente minha calça, eu me sentei na cama trazendo seu corpo para mim colando seus seios em meu peito, olhei profundamente em seus olhos mas quando me toquei do que fazia desviei o olhar para seu corpo. 
Suas pequenas mãos passavam pelos meus braços até pararem em minhas mãos que estavam em suas costas e para minha surpresa, ela as guiou para sua bunda, olhei ligeiramente para seus olhos mas ela negava a olhar para mim, seu olhar estava grudado na tatuagem da cruz em meu peito. Ri com escárnio. 


— Acho que nunca te vi ficar tantas vezes envergonhada. – falei e ela finalmente olhou para mim, brava. 
 

— Não fala muito não, Bieber, senão te deixo aqui na mão e vou pro seu quarto. – ela disse nervosa me dando um leve tapa no peito o que me fez rir mais, nos deitei na cama e fiquei por cima dela novamente, levei minha mão até a barra da box que me impedia de ver todo o seu corpo nu e puxei brevemente. 


— Duvido. – ao dizer eu puxei com mais força a barra com agilidade deslizando por sua perna até os pés, direcionei minha boca à sua e ela me envolveu em um beijo.

Sabia que se eu olhasse diretamente para sua intimidade ela ficaria muito constrangida, mas me surpreendi ao sentir suas mãos na barra da minha box, ela não precisou de minha ajuda para tirá-la e quando tirou parou de me beijar pra olhar para meu membro rígido, ela arregalou os olhos ao vê-lo e eu tive que sorrir com isso, ela voltou a me olhar e notei um pouco de insegurança da sua parte, mas logo ela relaxou e me beijou. 
Friccionei meu membro latejante contra sua intimidade macia que estava gotejando, peguei o mesmo e pressionei a cabeça em seu clitóris vendo-a gemer manhosamente, e só aquilo pareceu me levar perto da borda, eu estava me sentindo um garoto de 14 anos, virgem, mas a parei assim que notei algo. 
 

— Eu não tenho camisinha nesse quarto. – falei rapidamente antes que fosse tarde demais mas ela apenas suspirou antes de falar.


— Eu confio em você. – Ainda surpreso com suas palavras eu suspirei e assenti.

Estava com medo de que alguma merda acontecesse mas esqueci de tudo no momento em que penetrei sua apertada e quente intimidade, a cabeça do meu membro entrou completamente quando ela soltou um pequeno grito e eu parei, caralho aquilo era tão gostoso. Ao notar poucas lágrimas em suas bochechas eu levei uma das mãos ao seu cabelo e fiz um leve carinho, estranhei aquele gesto da minha parte mas não parei, se fosse com qualquer outra mulher eu provavelmente não faria isso, mas não queria pensar nisso agora. 


Tirei minha mão de seu cabelo e a levei até sua parte intima, passei meu polegar de leve em seu clitóris vendo-a soltar um gemido fraco, minha boca estava seca e minha mente perdida, mas me perguntava por que simplesmente não a fodia logo. 
Depois de algum tempo massageando seu clitóris e sentindo a sua entrada macia e molhada se apertar cada vez mais ao redor do meu membro ela finalmente falou, num sussurro: 
 

— Mais Justin. – prestei atenção em sua face enquanto começava a entrar mais, ainda massageando seu clitóris, ela fazia caretas de dor mas notava suas sobrancelhas arqueadas e o quanto ela aumentou a força ao me arranhar. 
 

— Tão apertado. – disse ao sentir todo meu membro dentro de emma. 
 

— Mais. – ela murmurou em meio a um gemido. 
 

— Espera .– falei tarde demais, ela começou a rebolar sobre o colchão fazendo com que meu membro saísse um pouco dela e voltasse em seguida.

Soltei um ruído extasiado pelo prazer que senti apenas com aquele pouco movimento. 
A partir dali eu não pude me controlar mais, comecei a estocar, não muito forte, para dentro dela mas logo ela estava soltando gemidos altos de prazer, então comecei a entocar mais forte e rápido, gemíamos juntamente, poderia até ser vergonhoso da minha parte, mas eu não conseguia segurar um gemido sequer vendo ela delirar e gemer meu nome em meu ouvido, isso acabava comigo. 
 

Comecei a diminuir a velocidade e a força mas voltava a aumentar em certos momentos fazendo ela gemer mais alto e a deixando brava. Eu gostava de tê-la assim. 
Me surpreendi quando a mesma inverteu as posições ficando por cima de mim, me cavalgando, emma alternava entre cavalgadas, quicadas fortes e reboladas deliciosamente lentas, eu não sabia como ela sabia fazer isso, mas estava me torturando! 
Seu sexo apertava o meu pau e eu sabia que ela estava chegando à borda. 


— Isso emma. – segurei sua cintura apertando fortemente sentindo que meu ápice estava próximo.

Ela deitou seu tronco no meu, esfregando seus seios no peito me levando ao delírio, sua bunda rebolava sem parar e levei minhas mãos até lá apertando e em seguida dei um tapa estalado na mesma. Emma estremeceu gritando ainda mais alto, olhando para meus olhos e franzindo o cenho ela chegou ao seu orgasmo, sua intimidade melada me apertou tão fodidamente gostoso que meu membro soltou incontáveis jatos de porra, apertei ainda mais sua bunda sentindo aquela gostosa sensação do orgasmo e deixando-a marcada.

Senti-me perdido por um instante olhando no fundo daqueles olhos azuis ainda sentido o orgasmo selvagem confundir minha cabeça, nossos peitos subiam e descia rapidamente e a fina camada de suor que estava em nossos corpos começava a esfriar. 
Soltei um suspiro falho me perguntando quando já havia gozado tanto assim. Acho que nunca. 
Cansada, Emma deitou-se sobre mim ainda com meu membro dentro dela e esfregou manhosamente seu rosto em meu peito suspirando contente e dormindo em seguida, aquilo atrapalhou ainda mais minha cabeça, mas não queria pensar em nada agora, apenas me deixei levar pelo delicioso sono que estava vindo logo após um orgasmo maravilhoso.


Notas Finais


Adicionem ai gente e dá o favorito na fic dela! Muito obrigado e espero que gostem!
~pornddl
LINK: https://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-barbara-palvin-beautiful-pain-3604608


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...