História My carnal desires (Imagine Kai) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Kai
Tags Exo, Hentai, Kai, Sexo
Visualizações 131
Palavras 2.709
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Ficção, Hentai, Musical (Songfic)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Então o capítulo tem 3 músicas que são
B.E.D - Jacquees
My Neck, Muito Beck - Khia
La Ocasion - La Ghetto (feat. Arcangel, Ozuna & Anuel Aa)

Capítulo 1 - B.E.D.


A música alta, bebidas a todo canto, maconha, gente que trasam em qualquer lugar, uma festa que de tudo poderia ter. 

Normalmente muitos não gostam desse tipo de festa, mais não Kai, ele amava esse tipo de festa. A qual todas meninas se esfregavam em tudo e todos. Principalmente nele. 

Vamos (S/n), vai lá pegar ele. Sei que 'ce tá delirando, louca 'pra ser dele. 

Era isso que eu escutava em minha mente, a música estava mais pro fundo, meus pensamentos estavam mais alto. Por um segundo vinha em minha mente aquelas mãos grossas e grandes me dando palmadas. Só em pensar deixo um arfar, acidentalmente sair. Aquele tapa parecia tão real, eu estava completamente bêbada. Pegando um whisky, do cara que acabou de passar. Sei que nossas mães sempre dizem pra não acertamos nada de estranho. Mais foi mais forte que eu. Eu precisava ir até ele. Comecei a ficar mais animada que o normal, a felicidade me dominou. 

Comecei a andar em sua direção. Dançava com todos, até que alguém me puxa pelo braço. 

- O que você tá fazendo? 

- Ue, to dançando - Comecei a rir 

- É engraçado se esfregar nos outros né! - Ele gritava comigo por conta do som.

- Quer que eu me esfregue em você? - Tentei o seduzir. Coisa que deu errado e eu dei cara com seu amiguinho debaixo, peguei em suas coxas - Meu Deus...- Disse com dificuldade - Não faça isso - comecei a rir e me levantar. Não conseguia levar nada a sério, estava realmente animada. 

- C-cadê as meninas? - Enquanto ele falava, comecei a ver meu amigo gay. Ficando mais que Alegre. 

- Você VOLTOU! - Eu respondi muito feliz, estava realmente feliz por ver meu amigo gay. 

- Que? 

- Vamos brincar de quem consegue colocar mais coisa boca? Na última vez deixei tu ganhar, mais meu amigo! Se eu pensar que é o Kai cabe tudo e ainda mais! - Comecei a dar gargalhada. 

- Que que deram 'pra você? Mais pera aí! Com o Kai? - Ele perguntou assustado

- É porra! Lembra que eu te mostrei a foto dele. Amigo eu quero ser comida por ele, sabe minha sanidade tá lá na puta que pariu, por causa dele. 'Ce acredita, que ontem eu sonhei que fiz sexo com ele? - Ele começou a dar risada - Tá rindo por que! Até você quis!! 

- Me mostra o que tu quer fazer com ele!

- Assim ó. - Envolvi meus braços em seu pescoço, e comecei a beija-lo 

- (S/N)!!!! - Alguém me gritou. - Onde você estava Porra? Quem é  ele? A Jisoo me disse que você estava aqui na festa, que acidentalmente a encontrei. - Ele me puxou dos braços do meu amigo gay.

- Kai.

- E você quem é???

- Eu não sou ninguém não - Tentou sair correndo mais Kai foi mais forte dando um belo de um soco em sua cara, e eu bêbada, comecei a chorar - Meu amigo gay. Kai o que 'ce fez? 

- Ele não é gay Porra nenhuma! - Me pegou pelo pulso - Vem vamos.

Ele apertava meu braço. 

- Por que fez aquilo? O que ele fez pra você?

- Você está bêbada. 

- Não to não, to mais sóbria que qualquer outra coisa, ainda mais se quiser me fuder to aceitando - Eu não pensava no que falava. Comecei a beijar ele. Nós nos beijavamos, até que a presença do oxigênio se fez presente.

- Não podemos. - Me afastou.

- Tá bom, eu procuro outro pra me satisfazer. - Eu disse frustrada. 

- Não vai não, você vai pra casar. - Tropecei, dando de cara com seu amiguinho, agora eu tinha certeza que era ele, aquele volume que eu muito bem conhecida, de tanto o excitar na esperança dele me punir, já sabia como ficava quando ficava Alegre, peguei naquele pau por cima da calça o fazendo arfar. Eu dava leve apertadinhas. 

- Deixa eu te chupar? Hum? Deixa?

Ele me puxou com calma pelos cabelos até sua boca. - Vamos ir com calma tá bom? Hum!?

.

.

.

(S/N) Off / Kai On

O jeito em que ela me tocava me deixava louco, mais o que mais me deixou louco foi ver ela com aquele cara. 

Não quero que as coisas sejam tão rápidas, por que tenho medo dela achar que eu me aproveitei dela por estar bêbada. Não quero sair mal nessa historia. Sei que as meninas estão aqui, por algum lugar. Só não sei onde. 

- Me faça sua. - Ela sussurrou no meu ouvido. Não sei como consegui escutar, sendo que a música estava tão alta. 

Puxei a mesma para que nossos lábios pudessem se colar.

- Gosto de álcool. - Eu disse pra ela. Parei o beijo - Te deram alguma coisa não? 

- Não me deram nada, a única coisa que me importa é que você me faça sua. Ou eu vou fazer você ser meu...HUMM... Só de imaginar me dá água na boca, te controlando. Só não se assuste tudo bem?! 

Aquelas palavras fizeram eu ir a fúria. Agora ela iria ver quem seria de quem. 

A puxei pelo braço subindo as escadas da casa, conhecia aquele lugar como a palma da minha mão. Abri uma porta do quarto, o qual não tinha ninguém, a joguei la dentro, entrando logo em seguida. Quando a joguei, fui num pouco bruto, ela gemeu de dor, por bater as costas na parede, fazendo com que meu amiguinho desse uma pontada forte, meu pau estava duro, duro como pedra. Que me fazia ter os mais pensamentos obscenos. A prende entre meus braços dando fortes chupões por seu pescoço. Voltando para seus lábios, os quais estavam inchadinhos, e a todo momento minha menininha sempre dando leves gemidos. 

 Comecei a sussurrar em seu ouvido - Eu vou fazer com que todos dessa festa saibam meu nome, que seus gemidos se tornem gritos de prazer ao ponto de você gritar mais alto que essa música. - Mordo seu nódulo a fazendo solta um gemidinho. Tirei sua blusinha, dando de cara com seus peitos, que eram lindos, fazendo com que eu sentisse mais uma pontada em meu pau duro. 

- Kai...- Ela estava com dificuldade de falar meu nome. - A abertura é na frente. - Soltou mais um gemidinho. 

Abri seu sutiã. Fazendo com que ela saltasse arfa-sexy. Me levando ao delírio mais do que estava.

Comecei a maltratar o biquinho esquerdo da mesma, o qual eu dava leves mordidas,fazendo também chupões e a levando ao delírio só em estar mamando. Imagina quando eu chegar em sua amiguinha, dando outra pontada em meu pau, estava bem rígido. Massageando seu peito direito. Fui descendo dando beijinhos em sua barriga até chegar em sua saia, a qual tirei, a calcinha da mesma chegava a pingar. 

A peguei em meus braços a jogando na cama, a puxando pra ponta da cama começando com uns chupões em sua coxa, enquando fazia mais chupões em suas coxas, pressionava seu pontinho em cima da calcinha. 

- Por favor Kai. - Ela me levou a fúria. Dei um tapa muito forte em sua bunda a fazendo gemer de dor -Foda, me faça sua. Quero você dentro de mim. 

- Eu quero testar outras coisas em você ainda. - Dei mais um tapa, alisando o local do tapa. - E agora eu não sou mais Kai, eu sou seu Daddy. Você quer ser uma boa menina certo baby? 

- Uhum - Respondeu manhosa. 

Tirei sua calcinha a colocando no bolso. Precionei seu pontinho mais uma vez. 

- Kai... - Dei um tapa bem forte em seu bumbum - Daddy, eu preciso de você. 

Comecei a lamber em sua bocetinha inchada, que estava totalmente encharca, suguei tudinho que tinha, comecei a fazer com a língua movimentos circulares em seu clitóris, dando mordinhas, coloquei minha língua em seu buraquinho, fazendo com que minha língua girasse em volta ao seu buraquinho. Enfiei meu dedos, a fazia gemer igual uma cadelinha, quando senti que ela estava preste a gozar tirei. Parando de fazer tudo, a deixando frustrada. 

- Quero que se masturbe. -Ela fez uma cara de "que?" - Acho que você não capitou o que vamos fazer aqui hoje. Eu comando e você só me obedece. Entendido? 

- Mais eu não quero fazer isso! - Ela me desobedecia, isso (S/N) continue assim, eu a farei sofrer por tantas vezes ter de me tocar pensando em você. 

- Agora! 

Ela assentiu, acho que ainda estava excitada. Estava envergonhada por fazer isso em minha frente.

Ela começou a se tocar. Enquanto ela fazia isso fazendo com meu pau estivesse  implorando por ela. 

Comecei a tirar minha calça, ela havia parada de se masturbar mais eu nem havia percebido, pois ela ainda gemia, igual uma cachorrinha, ela abaixou minha calça junto a cueca, meu pau pulou batendo bem na sua cara. O qual ela segurou pela base, enfiando sua boquinha. Ela tirou todo meu comprimento de sua boca, dando um beijinho em minha cabeça. Voltando a me chupar. A mesma enquando fazia um trabalho incrível com sua boca me arrancando gemidos, enquanto suas unhas arrastavam em minhas coxas, parando de arranha-las e massageando minhas bolas, me fazendo ir ao delírio. Ela chupava o buraquinho do meu pau, o qual ela passava a língua no mesmo, quase a enfiando lá dentro, o que fazia com que eu gemesse, ela parou. Fazendo um barulhinho tipo um "floop".

- Você quer foder minha boquinha daddy? 

Comecei a foder com sua boquinha, sentia minha menina se engasgar. Me dando mais prazer ainda até que

- E-Eu vou gozar. - Eu disse ofegante. 

Ela arrastou seus dentes em meu pau, uma dor e prazer ao mesmo tempo. Eu o tirei daquela boquinha. 

- Você pode gozar em outro lugar Daddy - Ela dava beijinhos em meu pau. 

A peguei e a joguei na cama. 

- De quatro. - Eu queria faze-la pagar por ter passado seus dentes em meu pau, então minha expressão mudou rapidamente, fazendo eu ficar furioso. Ah (S/N), não deveria ter feito isso. 

 Assim como mandei ela me obedeceu, comecei a lamber seu ânus, a fazendo gritar de prazer. Seus gritos eram altos e me levavam a loucura. Enfiei dois dedos em seu ânus, enquanto enfiava e lambuzava aquele lugar, parei e comecei a cobrir meu pau, não aguentava, precisava me saciar.

Quando finalmente havia entrado, fiquei uns segundos parado.

- E-Eu preciso de você - Ela estava ofegante. Que nem conseguia falar. Olhei seus lábios e lembrei do que ela havia feito.

- Você não se comportou. Vou te punir por ser uma menina tão mal.

Comecei a estoca-la sem do nem piedade. Fazendo com que a cama batesse na parede. Nossos gemidos estavam em sincronia, as vezes ela ou saíamos de ordem, sua cuzinho era tão guloso que parecia que ele estava faminto até que nos chegássemos ao nosso limite. Seus gemidos se transformaram em gritos. Até que ela chegou ao seu limite. Mais eu queria mais muito mais, e sabia que minha menininha também. Então quis a provocar um pouco. Lambendo seu pescoço e dando beijinhos em suas costas.

- Não está na hora ainda. Não quer que eu foda sua bocetinha mais? Cansou? 

Ela estava ofegante, nossos corpos soavam, deixando o quarto com cheiro de sexo, nos instigando ainda mais ao sexo. 

- Não, quero que termine ai. E vá pra minha bocetinha, mais você também parece que cansou. Eu quero mais Daddy. Muito mais. - Ela dizia com um pouco de dificuldade. 

Sai de seu ânus,  Fui até minha calça, pegando outra. Sabia que a usaria, só não sabia que seria com ela, a quem tanto queria.

Tirando a outra camisinha, e colando outra em meu pau. A virando de frente, comecei a fazer tudo de novo a puxando pra ponta da cama, e vasculhando com minha língua em sua bocetinha, até que a mesma se acaba, seus gemidos não tinham fim. Sua bocetinha estava inchadinha novamente. 

- Daddy, e-eu quero você agora!! - Ela disse ainda gemendo. Meu pai doía. Eu não aguentava mais. 

Comecei a dar pinceladas em sua bocetinha a entrada, indo um pouco pro clitóris e dando leves pinceladas lá também, fazendo minha garotinha vamos se quiser espernear querendo meu pau. Voltei para seu buraquinho o provocando mais um pouco. E finalmente enfiando todo meu comprimento ali. O qual me apertou.

 Gemi rouco - Tão apertadinha. - Comecei a estoca-la de um jeito que a Faria se arrepender de beijar aquele cara, que tenho uma certa suspeita que ela quase pagou pra ele. 

Comecei a acertar seu ponto G. Fazendo com que ela gritasse de prazer, seus peitos pulavam a cada estocada e seus gemidos era como música aos meus ouvidos. Nós gemiamos juntos. Eu não me importava se alguém pudessem ouvir. Eu queria mais e mais. Eu queria que aquela música parasse e todos escutassem seus gemidos para que deixasse bem claro o que sou capaz de fazer. 

Depois de várias vezes acertando o mesmo ponto finalmente chegamos ao nosso ápice. Caí ao seu lado da cama. 

Dando 

- Você se arrepende de algo Kai? - Ela me perguntou, parecia curiosa.

- Não. Vou te provar como. 


Indo pro segundo Round.

.

.

.

.

.

.

.


- Quer dizer dessa noite maravilhosa? - Perguntei ainda ofegante. - Por que morder meu pau daquele jeito igual fez na primeira vez?

- É pra você nunca me esquecer, e ter me feito esperar por tanto tempo. 

Ambos rimos.

- Kai.

- Hum?

- Nossa amizade vai acabar? 

- Não, mais vai pra melhor nível. 

Ela deu um sorriso, um sorriso que sempre me encantava, fazendo eu sorrir também.

Até que ela me. abraçou caindo em um sono profundo. 

- Será que isso foi um sonho? Ou amanhã nos dois esqueceremos essa noite incrível. 

Até que caí no nosso. 

.

.

.

.

.

.

Manhã do dia seguinte. 

Kai Off / (S/N) On

Acordei, e sinceramente não lembro de muita coisa. Mais sonhei de novo que transei com Kai.

Até que olho pro lado. E grito, sem ao menos pensar. 

- KAI! O QUE VOCÊ TÁ FAZENDO AQUI? 

- Você não lembra de nada! Ah, deve ter sido um sentimento só de minha parte.

- O que? - Eu praticamente fazia um O na minha boca.

- Eu vou te contar tudo que aconteceu. 

.

.

.

.

.

Depois de Kai me contar tudo, eu ainda estava besta. Mais não vou mentir, adorei saber que fiz tudo aquilo, ainda mais o sexo. Eu fiz ele me contar detalhadamente o que aconteceu. Por mais que eu ficasse com vergonha eu adorei, o que eu fiz. 

- Bem pra falar a verdade eu não queria que estivesse bêbada. - Disse o Kai. 

- Bem outra vez pode acontecer. Mais eu quero ir embora. Estou com dor de cabeça. Vamos pra minha casa. - Por mais que minha dor de cabeça estivesse mesmo. Eu queria mesmo ele. Assim torço pra ela passar super rápido, que Deus me ouça. 

.

.

.

.

.

Chegamos em casa e Kai cuidou de mim. O lado bom é que não dei PT nem nada. 

E pra melhorar. Eu mesmo tímida queria saber como era ter o Kai dentro de mim. Foi maravilhoso. O melhor que já tive. Em pensar que muitas vezes já me toquei e passei noites com gente que pensava em ser ele. 

- Obrigado Kai. 

- Não eu que agradeço, estava cansado de ter que me tocar pensando em você.  

Em minha cabeça gritava. HAHAHAHHAHA EU TAMBÉM ME TOCAVA PENSANDO EM VOCÊ. 

Mais o que saiu da minha boca nada. 

Ele me pegou de surpresa e começamos a nos beijar. 

- (S/N) Eu te amo.

A felicidade tomou conta de mim.

- Eu também te amo Kai.

- Mais eu amo mais, ainda mais quando seus olhinhos brilham. 

Até que ele começou a me zuar por beijar um gay.

 " Eu sei que você está ciente do que você me disse

Como as mulheres, mas eu amo o bug

Eu sou clara do que você me disse

Eu tê-lo grandes, ricos e bem chicho

E dar Atire ele, só sométele capricho, ficar motivado

Pegue sua mão e ver quem é saudável

Dale pa 'na frente e pa' para trás e pegar na vara

Vem mostrar, não perca o meu tempo

Dale ver que eu estou feliz, esse cara faz cimento

Eu sei que você gosta quando fazemos amor

E, juntos, luz ardente no quarto ... "

La Ocasion - La Ghetto (feat. Arcangel, Ozuna & Anuel Aa)  


Notas Finais


Me digam se tem erros, e eu amo todos vocês.
Comentem o que acharam.
As músicas do capítulo estão nas notas do autor.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...