História My Psychologist - 2 - Capítulo 37


Escrita por: ~

Visualizações 279
Palavras 3.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"Maldita festa"

boa leitura

NOTAS FINAIS
NOTAS FINAIS

Capítulo 37 - Damn party


Fanfic / Fanfiction My Psychologist - 2 - Capítulo 37 - Damn party

POV EMA HALE 

   UMA SEMANA DEPOIS... 

  -Você tem que voltar! –eu disse irritada 

 Eu e Justin estávamos tento outra discussão via FaceTime sobre a volta dele para a casa. 

 Eu iria fazer uma surpresa para ele. Um dia depois do ocorrido com o YouTube e a Callie, eu decidi que iria levá-la para vê-lo. Que iríamos ficar algum tempo acompanhando sua última etapa da turnê, porém, a Callie teve febre. 

 Ela pegou um resfriado, teve febre e cólica. Ela não estava bem, então eu não poderia levá-la para vê-lo. 

 Justin pareceu não ligar muito, ele foi para boates, fez seus shows, ligou algumas vezes no dia e saiu com amigos. Ele bebeu, fez tatuagens, e logo depois se isolou. Ele apareceu sozinho em restaurantes, ficou sozinho em quartos de hotéis e fez todos especularem sobre nosso término, sobre depressão, sobre tristeza e varias outras coisas. 

 Enquanto eu... ah, eu fiquei aqui em Los Angeles, para ser mais exata, aqui na casa do Justin. 

 Eu fiquei aqui, cuidando da nossa filha. Eu não tinha tempo para sair, para me divertir, para relaxar. A Calliope precisava da minha atenção 24hrs por dia, pois é um bebê e nessa semana ela é um bebê resfriado. 

 Ela chora, sente dor e faz manha. Ela pede colo, ela se irrita e chora. Ela se irrita com a Lindsey, com o Ryan, com o Chaz e com o Rudy. Ela se irrita até comigo e com ela mesma. 

 Ela está resfriada e isso me sobrecarrega. Isso me faz ter raiva de mim, por ter deixado-a ficar resfriada, me faz ter raiva do Justin por não estar aqui. Me faz ter raiva do Chaz por ser tão compreensivo e prestativo, me faz ter raiva do Rudy por parecer o pai dela. Me faz ter raiva da Lindsey por dar palpite e ter raiva do Chris por ser um pai tão presente, por ser um pai que o Justin não é 

 Me faz ter raiva de tudo e de todos. Me faz ter raiva e descontar nas pessoas que mais querem me ajudar com isso. 

  -Eu não posso! –Justin gritou irritado –Eu já te disse! Eu te disse que eu não posso ir agora 

  -Você precisa vim! A sua filha precisa de você –eu disse irritada –EU preciso de você, Justin. 

  -Você tem os meninos –ele disse com ar de ironia –Não é você que disse que eles parecem o pai dela? 

  -Não seja estupido –eu disse negando com a cabeça 

  -Ela já não melhorou? –ele perguntou abaixando o tom –Você não disse que ela já está melhor? 

  -Ela quer você –eu disse –Você precisa voltar, Justin. 

  -Eu voltaria se eu pudesse –ele disse controlando a irritação –Eu te disse, eu já te disse isso. 

  -Você está nos trocando? –eu perguntei prendendo o choro que estava prestes a vim 

  -Não começa, Ema –ele disse suspirando 

  -Responde –eu disse –É isso o que parece. Você está trocando a sua família pelo o que? Por shows? Pela turnê? 

  -Não é por isso –ele disse –Eu me comprometi com as pessoas. Eu me comprometi com minhas fãs com a turnê 

  -Você se comprometeu comigo. –eu disse –Você não pode fazer isso e me deixar culpada por querer que você cancele com suas fãs. Logo eu que sempre te apoiei e as defendi. Mas, Justin... você deveria estar aqui. 

  -Você acha que eu quero estar aqui? –ele perguntou irritado –Você acha que eu prefiro estar aqui do que estar com a minha filha? Você acha que eu estou satisfeito em ver a minha filha sendo criada por você e pelos meninos sem mim? Você acha mesmo isso? Porque se você acha, você não me conhece 

  -Eu realmente não te conheço –eu disse engolindo o choro 

  -Eu não estou me sentindo bem estando aqui. Eu não quero estar aqui, mas eu não posso sair daqui assim –ele disse tentando se explicar –Eu não posso largar tudo aqui para fazer as suas vontades. Para fazer a minha vontade que é estar com a minha filha 

  -Eu larguei tudo para te acompanhar na turnê, Justin –eu disse –Só o que eu estou te pedindo é que você volte e fique com a NOSSA filha –disse dando ênfase no nossa –É só isso que eu estou te pedindo 

  -Eu não posso fazer isso –ele disse 

 Eu olhei no fundo dos olhos dele por longos segundos. Eu suspirei e neguei com a cabeça, logo depois desliguei a ligação. 

 Eu respirei fundo mais duas vezes, tentando não chorar, mas aí as minhas mãos começaram a tremer e os meus olhos a encherem d’água. 

 Eu estava dentro do closet, o closet principal. Eu deslizei na parede e comecei a chorar assim que fiquei totalmente sentada no chão. 

 Eu coloquei meu celular ao meu lado, coloquei minhas mãos no rosto e escondi meu rosto em minhas pernas, sentindo as lágrimas escorrem pelo meu rosto, mãos e braços. Sentindo as lágrimas molharem tudo o que elas conseguiam molhar 

 Eu estava chorando de decepção, de raiva, de tristeza. Eu estava chorando, pois não acreditava que isso estava acontecendo. 

 Eu não acreditava que o Justin não estava aqui, não acreditava que ele estava preferindo ficar em sua turnê do que ficar aqui com a gente. 

 Durante toda a gravidez o Justin esteve presente. Ele lia sites de gestação e bebês, ele comprou livros de maternidade e de curiosidades. Ele estava se preparando para ser pai, e eu não acredito que me enganei achando que tudo iria ser perfeito  

 Eu não estava acreditando que ele tinha feito uma escolha, e que essa escolha não era a gente. 

 Eu não acreditava

 Em meio aos meus soluços, ao meu choro e minhas lágrimas, eu senti um corpo se sentando ao meu lado. Eu não abri meus olhos para ver quem era, mas assim que a pessoa colocou seus braços em minha volta e me puxou para si, eu pude perceber que era o Rudy. 

 Ele não disse nada, apenas ficou ali, abraçado comigo e fazendo carinho em minha perna, enquanto eu chorava na mesma posição que eu estava antes dele chegar. 

 Ficamos assim por mais ou menos 10 minutos, até que meu choro foi diminuindo e sua voz soou pelo ambiente 

  -Você quer conversar? –ele perguntou 

  -Já tivemos essa conversa –eu disse levantando meu rosto 

  -Mas agora você se sente mãe? –ele perguntou  

 Da última vez que tivemos essa conversa, eu havia lhe dito que estava cansada de acompanhar o Justin em sua turnê. Eu estava cansada da pressão, cansada de ser vista como mãe e não como adolescente, mesmo sendo uma mãe 

  -Eu me sinto mãe –eu disse –Eu amo minha filha, amo de mais. 

  -Eu não duvido –ele disse 

  -Estou cansada –eu disse suspirando –Estou sobrecarregada... está tudo tão confuso 

  -O Justin não está aqui –ele disse concordando 

  -Ele deveria estar –eu disse quase voltando a chorar –Ele deveria estar aqui 

  -Mas ele não está –ele disse –E você tem o direito de gritar, de brigar, de chorar, de se sentir pressionada. Você não é obrigada a dar conta de tudo a todo momento 

  -Eu sou, porque eu tenho uma filha –eu disse tentando sorrir  

  -Você é mãe, mas é uma garota de 20 anos que está cuidando de tudo sozinha –ele disse –Você pode pirar 

  -Posso? –perguntei 

  -Pode –ele disse concordando 

 Eu limpei meu rosto e olhei para o Rudy, ele concordou com a cabeça e então eu comecei a rir. 

  -Você é estranha –ele disse rindo 

  -Você também é –eu disse empurrando-o 

 Ficamos ali sentados por mais alguns minutos, contemplando o silêncio que era quando a Calliope estava dormindo. 

  -Poderíamos dar uma festinha –Rudy disse 

  -Faz tempo que eu não vou em uma, mesmo –eu disse 

  -Então, vamos –ele disse se levantando –Vamos organizar uma festinha 

  -Você está doido? –perguntei rindo –E a Callie? 

  -A gente chama a Lindsey e manda ela trazer o Bernardo –ele disse –Dai a Lindsey traz aquela mulher que toma conta do Bernardo e a mulher toma conta dos dois 

  -Uma boa ideia –eu disse me levantando 

 Ele bateu na minha mão e então pegou seu celular para falar com a Lindsey. Eu fui direto para o banheiro, lavei meu rosto e fiz um coque no meu cabelo, logo depois passei no quarto da Callie para ver como ela estava 

 Ela estava acordada, olhando para as estrelinhas que tinham no teto. Assim que eu apareci em seu campo de visão, ela me olhou e começou a sorrir enquanto se balançava. Eu sorri também, a pegando. 

  -O que foi, bebê? –perguntei pegando-a –Você está quietinha, é? 

 Ela riu e eu fui saindo do quarto enquanto descia as escadas. 

  -Eu realmente não preciso saber disso, Chris –Rudy falava no celular –Eu não, e-eu não quero saber... owl, owl.... porra 

 Eu passei por ele rindo e a Callie esticou os bracinhos para que Rudy a pegasse. Quando ela viu que ele não tinha a visto e eu já estava passando por ele, ela começou a gritar e a balançar seus bracinhos, chamando a atenção 

 Eu parei de andar e Rudy levantou rapidamente sua cabeça, para olhar o que estava acontecendo. A Calliope parou de gritar e apenas ficou com seus bracinhos esticados, esperando que Rudy a pegasse. 

 Ele sorriu sem mostrar os dentes e foi mostrando animação em pega-la, fazendo-a rir 

  -Eu estou com uma criança no colo, acho melhor você parar de falar isso –Rudy falou para Chris, na ligação –Eu desisto de você... desisto! 

 Ele desligou a ligação, enquanto eu negava com a cabeça e entrava na cozinha para fazer a mamadeira da Calliope. 

  -Chris estava me contando como ia transar com a Lindsey hoje –Rudy disse entrando na cozinha 

  -Não quero saber –disse fechando a mamadeira 

  -Eu também não queria –ele disse sendo óbvio –Mas ele me contou 

  -Azar o seu –disse rindo 

  Eu dei a mamadeira para o Rudy dar a Calliope e sai da cozinha dizendo que iria ligar para o Chaz. Cada um ficaria encarregado de uma função, pois já eram quase 18h e queríamos dar uma festa em plena quarta-feira. 

Três horas depois... 

 Lindsey chegou um pouco mais cedo do que o planejado, para que ela pudesse tomar conta da Calliope para eu me arrumar, já que todos os meninos saíram para se arrumar e me deixaram sozinha. 

 Lindsey disse que arrumaria a Calliope, o que me deixou com medo do resultado. Lindsey sempre quis ter uma filha menina e enfeita-la com tudo o que tinha direito, então eu estava com medo de que ela saísse igual uma árvore de natal. 

 Deixei a Calliope com a Lindsey e tomei um banho quente e demorado. Sai do banheiro e fui para o closet, em busca de algo para vestir. 

 Decidi colocar uma calça, pois estava começando a esfriar. Coloquei uma calça verde musgo, uma blusa que ia quase até a minha coxa, com estampa de dinheiro. Coloquei um salto aberto preto e minhas pulseiras no braço. Coloquei meu anel de compromisso –mesmo estando puta com o Justin– e uma gargantilha de diamantes junto com argolas combinando. 

 Fiz uma maquiagem básica, porém passei um batom roxo em minha boca. Soltei meu cabelo e o deixei natural, pois estava com preguiça de aliza-lo. 

 Aos poucos a casa foi enchendo, a música foi aumentando, a bebida sendo consumida, risadas ecoando pelo ambiente, os bebês vidrados nas pessoas novas e as pessoas novas vidradas umas nas outras. 

 A maioria das pessoas ali eram famosas na internet, não tinha nenhuma celebridade como Justin ou sei lá, como a Demi Lovato. Porém, quase todas ali eram influenciadores da internet, tinham seguidores e fãs 

 Calliope estava no meu colo, com um macacão verde musgo –igual minha calça– e uma tiara verde clara. Ela estava sem sapato, pois segundo a Lindsey, ela havia arrancado e feito escândalo. 

  -Me dê ela –Rudy a pegou do meu colo –Deixa eu tirar uma foto com ela 

  -Ela não é entretenimento, Rodolfo –eu disse séria 

  -Nunca disse que era –ele respondeu saindo de perto 

 Eu observei ele com o olhar até que ele saísse completamente da sala e fosse para cozinha, longe de mim e provavelmente em uma parede totalmente branca para tirar uma foto legal. 

 Eu estava distraída olhando as pessoas se divertirem, pensando em como eu tinha perdido o jeito para festas. Eu era animada, dançava, rebolava, bebia e pulava e agora meu único pensamento era “para onde o Rudy foi com a minha filha?” ou era “eu só queria dormir” 

 Assim que eu coloquei a mão no relógio para ver que horas eram, o Chaz chegou por trás de mim, me balançou e me assustou com sua animação 

  -Você quer dançar? Você quer dançar? –ele disse dançando ao som de uma música espanhola –O Chazzy vai te ensinar 

  -Você quer me ensinar a dançar? –perguntei rindo –Logo você? 

  -Eu danço muito bem –ele se gabou e eu ri 

  -Boneco de posto –Nolan me abraçou por trás, zoando o Chaz 

  -Vamos mostrar a ele como se faz –eu disse ao Nolan 

  -Como nos velhos tempo? –perguntou sorrindo 

  -Como nos velhos tempos –concordei 

 Nolan colocou a mão na minha bunda e tirou meu celular de lá, logo ele pegou uma das minhas mãos e me fez rodar, desgrudando-me de seu corpo 

 Passou um garçom servindo doses de algo escuro, que antes mesmo de provar eu já sabia que era wisky. 

 Nolan fez o garçom parar e quase me forçou a tomar três doses, como nos velhos tempo. Ele também tomou três, mesmo dizendo que já havia tomado antes. 

 Quando eu estava virando a minha terceira, começou a tocar a batida de Mi gente -J Balvin. Eu olhei para Nolan sorrindo enquanto balançava apenas meu ombro no ritmo da música e Nolan já pulava todo animado. 

 Eu joguei o copinho em cima da bandeja e já fui fazendo cara de vadia enquanto ia de encontro ao Nolan. Passei meu braços pelo seu pescoço e comecei a dançar bem colada nele. 

 Uma de suas pernas estavam entre as minhas, enquanto eu “rebolava” e seduzia a sua perna, pois o seu pênis não era possível. 

 Me virei e colei a bunda em seu pênis, fazendo um mini quadradinho como a batida permitia.  Rebolei até o chão, quiquei e logo depois voltei fazendo-o sarrar em mim. Balancei a minha bunda e logo depois voltei fazendo o quadradinho e olhando para o Chaz com cara de safada 

  -Ah, meu Jesus! –Lindsey gritou vindo para perto 

 A música estava alta, deveria ter umas 60 pessoas dentro daquela casa, gritando, conversando, rindo, dançando... então, ou gritávamos ou falávamos bem perto um dos outros para que pudéssemos nos ouvir. 

 Eu sorri para Lindsey, parando de rebolar e apenas dançando no ritmo da música. Lindsey já chegou para perto de nós dois dançando e assim que chegou perto de mim já começou a me seduzir enquanto ria 

 Ela fez o que eu estava fazendo com o Nolan, colocou uma de suas pernas entre as minhas e começou a dançar sensualmente, me fazendo fazer o mesmo. 

 Como nos velhos tempos. 

 Eu, Nolan e Lindsey sensualizando uns para os outros na pista de dança. Na verdade, qualquer lugar virava uma pista de dança quando se tinha nós três e uma música. 

 As únicas três doses de álcool que eu havia tomado já estava fazendo efeito, e um efeito bem maior do que deveria. Eu sempre fui fraca com bebida, mas, por estar muito tempo sem beber eu acabei ficando ainda mais fraca. 

 Quando eu dei por mim, já estávamos todos dançando juntos. 

 Eu, Lindsey, Nolan, Chris, Chaz, Ryan, Ashely, Juanpa... todos ali no meio, rindo, dançando e tentando sensualizar sem segundas intenções –ou quase–. Rudy não estava dançando, então ele apenas estava ali no meio rindo, bebendo e balançando minimamente seu corpo no ritmo das músicas. 

 Quando eram quase 01h meus pés já não estavam aguentando o salto que eu usava, então eu os retirei e subi as escadas para guarda-lo. Eu estava um pouco bêbada, então acabei entrando no quarto do Justin, o quarto que eu raramente entrava desde que ele voltou para a sua turnê. 

 Eu joguei meus saltos no canto, peguei um tênis preto e decidi me sentar na cama para respirar e colocar o tênis sem cair e ver o mundo rodar. 

 Eu me sentei na cama e puxei o celular que estava no meu bolso. Infelizmente não era o meu celular. Nolan havia me devolvido o celular errado, e como já estávamos todos alterados ninguém percebeu na hora. 

 Desbloqueei o celular e assim que entrei na internet eu vi uma foto do Justin e da Selena em uma cafeteria. A notícia dizia “Justin e Selena foram visto a minutos atrás em uma cafeteria do Chile” 

 No mesmo segundo o meu corpo ferveu e minha animação para a festa acabou. Eu respirei fundo três vezes e então em um ato automático de alguém furiosa –ou bêbada– joguei o celular o mais longe que eu consegui, fazendo-o bater na cômoda e se quebrar no chão. 

 Eu me levantei rapidamente e senti o quarto todo girar enquanto minha visão ficava turva, mostrando que eu ainda estava bêbada. 

 Eu gargalhei e neguei com a cabeça enquanto me apoiava na cama e tentava ficar de pé. Assim que minha visão voltou ao normal, eu tirei a minha blusa e a joguei em cima da mesa que tinha ali, pois eu estava prestes a desistir da festa e dormir 

  -Droga, droga –eu ouvi alguém falar –Odeio isso, odeio isso 

 Eu levantei minha cabeça e vi o Rudy entrando no quarto distraído enquanto arrancava sua blusa e seus tênis 

  -O que foi? –perguntei e ele se assustou 

  -Vomitaram em mim –ele disse 

 Eu ri e ele me xingou enquanto negava com a cabeça. Ele colocou sua blusa em cima da mesa e se desequilibrou dizendo o quanto a visão dele estava turva pela bebida 

  -Tá escuro, também –eu disse 

  -Onde é a luz dessa porra? –ele perguntou tentando enxergar 

 Não estava tão escuro. A luz da lua e do corredor iluminavam o quarto, porém, estávamos bêbados e bêbados não encheram direito nem no claro, quanto mais no meio claro. 

 Quando eu ia responder, a porta foi escancarada fazendo-nos levar um susto. No mesmo segundo o Rudy pegou pelo meu pulso e saiu me puxando rapidamente até o primeiro armário que encontrou 

 Era um armário embutido na parede e ele era usado apenas para guardar as caras e belas mochilas do Justin. As que ele mais gostavam ficavam penduradas e as outras ele apenas jogava ali dentro. Era um armário gigante para mochilas, porém minúsculo para humanos. 

 Eu e Rudy estávamos a menos de um passo de distância entre nos dois. 

  -Por que me puxou para cá? –sussurrei rápido  

  -Estamos sem blusas, no escuro –ele disse –Iam pensar que estávamos transando 

  -E quando sairmos do closet vão pensar o que? –perguntei irritada 

  -Bem pensado –ele disse concordando 

 Eu o dei um tapa, e assim que eu abri a porta do armário eu vi Lindsey e Christian se pegando de roupas íntimas em cima da cama 

  -Aí, porra –eu disse fechando a porta pela metade 

 Rudy se esticou para ver o que era e levou um susto, logo fechando completamente a porta  

  -O que fazemos? –perguntei em desespero 

  -Esperamos? –ele perguntou de volta 

 Ele olhou pela abertura de uma das portar e negou com a cabeça. 

  -Sabe o que ele estava me dizendo hoje cedo? –ele perguntou para mim, sem tirar os olhos da porta 

  -Você não me contou –eu disse 

  -Ele disse que ia chupa-la, fazer ela o chupar... transar de quatr... 

  -Não quero saber –o interrompi 

  -Eles estão fazendo o que ele me disse –Rudy disse me olhando 

 Sussurrávamos para que eles não nos ouvíssemos. O armário não estava 100% escuro, e sim 97%, então com esforço era possível enxergar nossos rostos. 

 Eu me inclinei para olhar pela abertura da porta e assim puder ver o que acontecia ali. Lindsey estava ajoelhada na cama, com suas mãos na cabeceira enquanto Christian estava em baixo dela, lambendo sua intimidade enquanto apertava a bunda dela. 

 Eu fiquei um 10 segundos olhando, logo depois voltei a minha posição normal torcendo para que eu pudesse sair daquele armário o mais rápido possível e encontrasse o Justin para fazer algo no mínimo parecido com o que eles estavam fazendo ali 

  -Não fique excitado –eu disse dando um tapa no ombro do Rudy 

  -Não vou ficar –ele disse parando de olhar e olhando para mim 

  -Talvez eu fique –eu disse depois de um tempo 

  -O que? –ele perguntou meio assustado 

  -Estou bêbada –eu disse rindo –E ver alguém transando não é algo desestimulante 

 Rudy ficou olhando para mim por mais alguns segundos, eu sustentei o olhar mesmo não o vendo 100%, e então ele chegou ainda mais para perto, colocando as mãos em minha nuca e me beijando rapidamente em seguida. 

 Sem tempo de pensar, de recuar ou de implorar. 


Notas Finais


MÚSICA: https://youtu.be/wnJ6LuUFpMo
ROUPA DA EMA: https://t.co/MksSKNrned

ME DESCULPEM PELA DEMORA! Eu já estou cansada de explicar e vocês já devem estar cansadas de ler/saber que eu estou enrolada por causa do trabalho e da escola, quase não me sobra tempo e disposição para postar e editar os capítulos, então relevem e tenham menos um trabalho na vida de vcs ksjks

desculpem-me pelos erros
NÃO DEIXEM DE COMENTAR!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...