História Namorado de aluguel - Capítulo 61


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Visualizações 109
Palavras 988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 61 - Capítulo 20


Âmbar é um caso perdido pra mim.Eu desisto de tentar entender essa garota,de verdade,não da mais.Matteo não achou estranho o fato dela ter me agredecido,eu particularmente achei bizarro, já que ela nunca,nunca mesmo, tinha feito nada parecido comigo,muito pelo contrário,ela sempre fazia questão de ignorar completamente qualquer ajuda que eu tentava dar á ela.Estar certo que foram poucas as vezes que eu tentei ajudar ela,mas mesmo assim,ainda é bizarro.Decidi esquecer ela,afinal ela não tem feito nada além de agir estranhamente.Essa é a palavra que á define completamente:Estranha.

 

Matteo me levou ao cinema no sábado,assistimos a um filme de romance e comédia,na verdade não assistimos nem quinze minutos do filme,passamos o resto entre beijos e caricias,eu acho que esse era o plano do Matteo quando me convidou pra sair:Beijos.Já que ele escolheu sentar na fileira mais alta.O que foi totalmente sem sentido já que nós podíamos ter feito isso no quarto dele.

 

No domingo eu (depois de muito insistir)convenci o Matteo a irmos passar o dia na casa dos meus pais.Decidi não ligar avisando que iria visitá-los  e fazer uma surpresa a eles,meu irmão com certeza deve estar em casa também,faz tempo que não o vejo,ele não me procurou  nem eu também  procurei ele desde que cheguei na UCLA.

 

Lionel é mais velho que eu três anos, ele esta na faculdade a mais tempo o que significa que ele vai terminar bem antes de mim,ele sempre disse que vai morar na Europa quando se formar ou seja,bem longe de todos que o conhecem.Eu nunca o critiquei,também quero o mesmo.

 

Não que eu queira ficar longe da minha família,mais a Europa é a Europa.

 

−Mãe?Pai?−A casa está totalmente do mesmo jeito de antes,o que já era esperado,minha mãe odeia ficar mudando as coisas e meu pai é claro que não se opõe contra isso.−Aonde eles estão?

 

−Acho que não tem ninguém em casa Luna.−Diz Matteo ainda parado na frente da porta em cima do tapete de boas vindas que eu fiz  quando estava tendo aulas com a vizinha da frente.

 

 

A vizinha da frente.

 

−Espera aqui amor.−Eu disse me preparando pra sair.

 

−Aonde vai?−Ele pergunta estranhando e pondo o braço impedindo a minha passagem.

 

−já volto.−Dou um beijo rápido nele e ele tira o braço.

 

Passando por Matteo que ainda está parado na porta,atravesso a rua até a casa em frente a minha.Toco a campainha e não demoro até ver uma senhora de avental florido e cabelos loiros completamente bagunçados.Exatamente como eu me lembrava.

 

−Luna?−A senhora Amanda diz surpresa por me ver na sua varanda depois de tanto tempo.

 

−Manda.−Eu digo e nós nos abraçamos.Mesmo morando em frente a casa dela faz tempos que não nos falamos,eu nem me lembro do motivo do nosso distanciamento.

 

Amanda sempre foi como uma mãe pra mim,eu ficava na casa dela sempre que meus pais tinha que sair e não podiam (ou queriam)me levar.Foi ela que me ensinou a fazer crochê ou tentou me ensinar,já que eu era ou sou um tremendo desastre com qualquer costura.

 

Acabamos criando uma amizade muito forte,minha mãe não gostava muito da Amanda,deve ser porque ela acabava me ensinando algumas coisas das quais eu não deveria saber devido a minha pouca idade,mas eu teria que saber alguma hora.Minha mãe me proibiu de continuar as minha aulas com a Amanda,eu deixei de frequentar a casa dela depois de um tempo,por insistência da minha mãe é claro.

−Luna,quanto tempo,por que não veio me visitar mais?eu sou que foi pra UCLA,fiquei tão feliz por você querida,como estão as coisas?−Ela pergunta em quanto passava as mãos nos meus cabelos ajeitando os fios bagunçados.

 

−Está tudo bem comigo.E com a senhora e o tio Cato?ele está aqui?−Falo olhando pra dentro da casa tentando ver o marido da tia Amanda deitado no sofá como ele sempre ficava.

 

−Ele está trabalhando meu bem,desde que ele começou eu tenho ficado muito sozinha aqui nessa casa enorme,mas estou bem.−Amanda e Cato se casaram ainda muito jovens,porém nunca conseguiram ter filhos devido a um problema que Cato teve na adolescência.O que resultou na nossa amizade,ela me via como uma filha e eu via nela uma mãe,mesmo tendo uma.−Quanto tempo vai ficar?

 

−Na verdade, eu vim aqui  pra perguntar se a senhora sabe alguma coisa dos meus pais ou aonde eles  estão.

 

−Seus pais saíram na sexta de manhã.Não sei aonde foram,mais eles levaram malas e sua mãe estava muito bem arrumada.Não que eu fique reparando na vida dos outros,eu vi por acaso quando eu estava varrendo a varanda.−É claro que sim.

 

−Mas que estranho.A porta estava aberta quando eu cheguei,será que eles esqueceram de fechar?−Pergunto olhando pra porta do outro lado da rua.Ué,cadê o Matteo?

 

−Ah é,seu irmão está ai.−Olho pra ela totalmente confusa.

 

−Meu irmão?Sozinho em casa?−Lio detesta ficar sozinho em casa,desde o dia em que ele quase pôs fogo em tudo tentando fazer chocolate quente.

 

−Ele não está sozinho.−Está ficando cada vez pior.−Ele e um amigo chegaram no sábado de manhã,eles trouxeram mochilas e um violão.−Um amigo?

 

−Como era esse amigo?−Ela pensa por uns segundos olhando pra cima e batendo o dedo no queixo.

 

−Alto,forte,moreno,cabelo preto,touca na cabeça....−Meu Deus.

 

−Eles saíram?Não tem ninguém em casa.

 

−Seu irmão saiu,o amigo dele ainda está lá.−Ela diz apontando pra minha casa.

 

 

Meu Deus eu espero está errada.

 

 

Me despedi da Amanda rapidamente prometendo voltar lá assim que puder.Atrevesei a rua e entrei pela porta como um furacão,o mais rápido que pude,Matteo não estava na sala,não estava na cozinha,subi as escadas correndo e assim que entrei no corredor eu vi a porta do meu quarto aberta,andei até lá a passos rápidos.

 

Matteo está parado na entrada do meu quarto,com os braços cruzados na altura do peito,eu podia ver seu maxilar travado,ele olhava diretamente pra ele.Simon está deitado em cima da minha cama,enrrolados nos meus lençóis, dormindo tranquilamente como se o mundo estivesse dormindo com ele e como se ele não tivesse que se preocupar com nada.

 

 

Mas não é bem assim.

 

 

 

 

 


Notas Finais


Bueno?Malo?
RA!
Vcs pensaram que eu tinha me esquecido do Simon não é?
Nananinanão...
Vai dar merda vaiiiii vai dar merda vai dar merda
Talvez eu volte amanhã
comentem
HASTA LUEGO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...