História Não posso te amar! - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Malhação
Tags Bruno Gadiol, Daphne Bozaski, Gune, Malhação
Visualizações 267
Palavras 1.658
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ooi monamours,os segundo capitulos de hojee,amanhã sai mais 2.Boa leitura e boa noite!

Capítulo 5 - Eu sei que você quer..


 

- Ficou perfeito, Daph!- Falou Manu, depois que Daph e Bruno, saíram da detenção, Daphne, Manu, Ana e Allison, foram ao shopping e estavam experimentando vestidos, em uma das lojas. Já é de noite, o nariz da morena já havia melhorado bastante. Elas haviam a pegado na escola.

- Obrigada, Manu!- Agradeceu sorrindo.- Você também está, todas estão.- Sorriu e elas agradeceram. Compraram os vestidos e foram a uma praça de alimentação. Compraram um lanche, sucos e sentaram em uma mesa.

- Que tal você começar a explicar aquela história de você e o Bruno?- Perguntou Ana, a olhando maliciosamente.

- Verdade, conta TUDO!- Falou Manu rindo. A morena suspirou, sabia que não podia.


- Que se foda as regras, vou contar tudo. Vocês são minhas melhores amigas.- Falou ela decidida e começou a contar pra elas, que ficaram muito surpresas, já era de se esperar, mas lhe apoiaram.

- Que azar, hein amiga?! Já pensou se ele corta seu cabelo a noite?- Falou Ana perplexa

- Coitada! Ou se ele queima suas roupas? - Falou Manu, incrédula

- Ou se ele descobre aquela sua caixinha que você guarda suas...- Continuou Ana, mas foi interrompida por Gabi.1

- Chega vocês duas, não estão ajudando!- Exclamou Gabi irritada. Daphne soltou sua respiração, que só então percebeu que a havia prendido.

- Obrigada,Gabi.- Falou dando um sorriso sem mostrar os dentes, que a mesma retribuiu.

- Ah, mas espera! O que tem nessa caixinha? Fiquei curioso.- Perguntou Bruno, sorrindo ironicamente, saindo de não se sabe onde, acompanhado de seus amigos.

- Que susto, desgraça!- Falou com a mão no peito.- E não é da sua conta. Vaza daqui- Falou ríspida.

- Me fala o que tem nela, que eu vou embora.- Falou se aproximando e ela se levantou.

- Por que quer tanto saber?

- Para ter algo para te chantagear. Você ficou muito preocupada com ela.- Falou fazendo pouco caso.

- Acha mesmo que vou te contar?- Disse ela se aproximando.

- Deveria, vamos nos casar e...- O interrompeu.

- Que será tudo uma farsa. Tchauzinho, Bruno.- Falou irônica, pegou seu suco de uva e se virou para ir embora

- Espera.- Falou a puxando pelo pulso. "Droga. Justo aquele pulso." Pensou ela.- Eu...- O interrompeu novamente.

- Me larga, Bruno..- Pediu baixinho, estava doendo. Se apertasse mais um pouquinho sairia sangue. Ele deu um sorrisinho de lado e apertou mais.

''Qual o problema dele?'' Daphne Perguntava a si mesma. Não pensou duas vezes, jogou seu suco de uva nele, que a soltou rapidinho. Iih, ele não está com sorte, camisa branca, de novo?

- Você é louca garota?- Falou incrédulo, com a blusa toda roxa.- Suco de uva? De novo? Fala sério, Daphne.- Falou nervoso, passando a mão na cara. A morena deu um sorrisinho e se virou, quando sentiu algo gelado em suas costas.

"Desgraçado" era o que Daphne pensava, jogou suco de laranja nela, por sorte suas sacolas já estavam no carro, junto com as das meninas. Se virou rapidamente e o encarou o vendo, rindo junto de seus amigos. Olhou pras meninas, Ana olhou com uma cara de não faça isso, Gabi e Manu deram um sorrisinho e balançaram a cabeça positivamente. Daphne, pegou o macarrão que Ana estava comendo e jogou com força na cara dele, que acidentalmente pegou no Juan, que foi tacar catchup na morena, que pegou na Manu, que jogou comida japonesa, que pegou no Matheus, que tacou mostarda na Gabi, que lançou pizza na cara do Gabriel, que revidou com sorvete de pistache na Ana, que estava tentando inutilmente sair dali.

Realmente, a mira deles é péssima!6

Enquanto acontecia isso Daphne jogava cobertura de chocolate no Bruno, que jogava pipoca amanteigada no seu cabelo. "Gente, de onde tá saindo essas comidas? Que nem nossas são?" Pensavam os 8. Estava Daphne e Bruno, Gabi e Matheus, Manu e Gabriel e Ana e Juan, jogando comidas uns nos outros. Todos, sem excessão, que estavam ali, os olhavam espantados. Quando Daphne pegou um prato descartável cheio de chantilly, que novamente não sabia de onde surgiu, pra melar, mais ainda a cara de Bruno, o gerente do shopping, suponhou eles, aparece, que no meio disso a morena acabou tropeçando e caindo em cima do Bruno, que felizmente o prato atingiu em cheio a cara dele e amorteceu a sua queda.

- O QUE ESTÁ HAVENDO AQUI? QUEM SÃO OS RESPONSÁVEIS POR ISSO?- Gritou com um jeito meio afeminindado, soltando fumaça pelo nariz, todos naquela praça de alimentação apontaram para eles 8. "Ah, seus filho da mãe, pra não falar outra coisa" Praguejou Daphne.- VOCÊS 8, ME ACOMPANHEEM IMEDIATAMENTE!!- Gritou com as mãos na cintura enfurecido.- Ah, e vocês dois aí,- Falou apontando pra Daphne e pro Bruno.- Aqui não, né, depois, vão pra um lugar mais reservado, tem crianças aqui.- Todos riram, Daphne se corou na hora, Bruno também.1

- Da pra sair de cima de mim, tu é pesadinha, hein?!- Disse debochado, limpando o chantilly, na roupa da morena.

- Vai te catar, retardado!- Deu um tapa em sua cabeça e se levantou.

Seguiram atrás dele, todos que estava. ali, os olhavam, também, com 8 adolescentes, todos sujos de comida, e novamente não sabiam como havia uma casa de banana na cabeça do Juan. É, o prejuízo vai ser beem grande.

Ele os levou até sua sala, até que grande, ele os deu uma toalha para se limparem. Não ajudou muito.1

- Vocês estão sujos, não sentem no...- Tarde demais, eles se espremeram nos dois únicos sofázinhos que tinha ali, mas Daphne ficou por último, porque tinha deixado cair uma de suas pulseiras, não poderia perde-lás. Olhou para o Bruno com uma cara de, não vou fazer isso. - Eu sei que você quer sentar nele.- Falou com um sorrisinho malicioso, apontando pro Bruno.

- Eu não vou. - Falou, e se sentou no braço do sofá.

- Okay, vamos lá. Primeiro, quem são vocês?

- Ana Hikari

- Juan Paiva

- Manoela Aliperti

- Gabriel Calamari

- Gabi Medvedovski

-Como se fala isso? –perguntou. –continuem.

- Matheus Abreu

- Daphne Bozaski

- Bruno Gadiol

- AIIII- Falou dando gritinhos histéricos,com pulinhos, balançando as mãos. Ela encarou Bruno, que o mesmo a encarou confuso.- Eu conheço vocês! Sou um super fã. AHHH! Daphne Bozaski e Bruno Gadiol. Filhos de Ivete Bozaski e Richard Bozaski, e Elizabeth Gadiol e Paulo ...

- Percebemos, que você é um super fã- Falou Daphne o interrompendo, dando uma risadinha.- Então, poderia quebrar essa e nos deixar ir embora?- Disse dando uma risadinha. Ele fechou a cara na hora

- Não.- Falou sério, os 7 a fuzilaram com os olhares.- Só depois que tirarem uma foto comiguu - Falou dando pulinhos e rindo. Suspiraram e riram

Tiramos as fotos e "ele" também pediu para autografar sua camisa.

- Qual seu nome?- Perguntou Daphne.

- Pode escrever assim. " Para Diego, com amor, Gadizaski"- Falou e escreveram nele, aí que perceberam.

- O QUE?- Disseram Daphne e Bruno juntos.

- Isso aí. E não esquece o coraçãozinho no final.- Falou jogando seus cabelos para o lado. Bufaram e terminaram de escrever. E tiveram que dar um cheque a ele, devido as coisas que estragaram, além da comida, de algum jeito, conseguiram derrubar uma planta, da área de alimentação.

- Vamos logo, Daphne! Eu to toda melada, você também.- Exclamou irritada a Gabi. Assentiu e saíram de lá, foram até o estacionamento, que por azar, Daphne não estava com seu carro, foi até a Gabi.

- Não vai dar pra mim te levar, Daph.- Falou lhe entregando suas sacolas.- Vou fazer umas coisas agora. Talvez, essa meladeira toda, vá servir pra algo. Se é que me entende.- Falou e sorriu maliciosamente, olhando para o Matheus, que retribuiu o sorriso.

- Infelizmente entendo e eca! Me poupe dos detalhes!- Falou Daph rindo e Gabi a acompanhou.

Procurou por Ana e Manu, infelizmente elas já tinham ido. Só havia sobrado Bruno, "vou ir com ele." Pensou dando de ombros. Com o...

"Pera, o que? Deve ser o efeito da comida no meu cérebro." Pensou revirando os olhos.

Se aproximou dele com cara de tédio, que entendeu e bufou. Porque, desde que saíram da escola, estam aqui, pelo fato de estarem de uniforme.

- Não faz essa cara! Fica mais feia ainda.- Zombou, e ela bufou.- Nem esse bico, piorou.- Falou e começou a rir.. Entraram no carro e ele deu partida.

O celular da morena apitou, era sua mãe perguntando onde estava, já que passava das 23h. Ela respondeu que estava bem e que já já chegaria em casa.

Uns 10 minutos depois pararam no sinal vermelho. A noite estava fria e chuvosa, o que estava fazendo com que Daphne, batesse os dentes de frio. Bruno, percebeu a garota tremendo de frio, esticou a mão no banco de trás,pegou sua blusa.

- Toma!- Falou e estendeu a blusa a ela, que o olhou com desconfiança.- Não tem nada nela não, garota.- Daphne pegou a blusa e vestiu. Que ficou beem larga nela.

Daphne encostou a cabeça na janela, o sono estava a consumindo, o sinal abriu, e o carro voltou a andar. Motivo suficiente para a morena conseguir dormir.

- Daphne, chega...- Falou e a viu dormir encostada na janela.-..mos.- Completou.- Daphne, acorda.- Disse a cutucando. Nem se mexeu.- Daphne! Daphne! Acorda.- Falou e mesmo assim. Nada.- Ah, eu mereço, senhor.- Praguejou.

Deu a volta no carro, abriu a porta e a pegou no colo com cuidado, caminhou até a entrada e tocou a campainha, a mãe dela atendeu, já de pijama e uma máscara verde na cara.

- Por que estão sujos?- Questionou.

- Amanhã Daphne te explica melhor.

- Oh, meu Deus! Ela morreu?- Se espantou ao reparar na filha, não via outro motivo para sua filha estar em seus braços. Sorriu ao pensar que eles poderiam estar parando de se odiarem. Mas logo caiu na realidade.

- Infelizmente não.- Falou fingindo estar triste. Natalie suspirou e deu passagem para ele entrar. A morena dormia serenamente em seus braços enquanto subia as escadas. Entrou em seu quarto e a colocou delicadamente em sua cama. Suspirou aliviado após ter terminado de subir as escadas com a morena no colo

Voltou ao seu carro, e tirou as sacolas e entregou a Ivete. E seguiu em rumo a sua casa.

 

 



Notas Finais


Esse casal hein?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...