História New Way to Bleed - Destiel - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Adam Milligan, Anna Milton, Ash, Balthazar, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Crowley, Dean Winchester, Gabriel, Garth Fitzgerald IV, Jo Harvelle, Jody Mills, Kevin Tran, Lilith, Lúcifer, Meg Masters, Miguel, Personagens Originais, Rafael, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Tags Casdean, Castiel, Colegial, Dean, Destiel, Estudantil, Evinspiration, Evsongs, Falleninspiration, Intriga, Novak, Reformatório, Sammifer, Winchester
Visualizações 119
Palavras 3.273
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Just take it on back, take it on back boy
Take it back all night
Just take it on back, take it on back
Mm, do what you gotta do, keep me up all night

Boa leitura. 😁😊

Capítulo 24 - Only you can Take my Breath Away


O clima no colégio estava pra lá de pesado, entre os adolescentes. Depois do ocorrido entre Adam e Ash, eles não estavam mais tão juntos quanto antes e isso era motivo de perguntas e suspeitas. Adam tentava não demonstrar nada e só dizia que Ash estava “meio que ficando do lado do casalzinho predileto”, o que não colava muito bem. E algo estava diferente em seu interior, ele pensava muito no que fez com o amigo. Sentia um pouco de arrependimento e uma outra coisa… Era difícil distinguir. E isso o irritava ainda mais. E como se não bastasse, Meg tinha que provocar sempre.

— O que rolou entre você e seu abiguinho Ash ? Sem conversa fiada, por favor. 

— Cuida da sua vida, Meg. Já falei, ele tá cedendo àqueles dois. Bem provável que você os veja todos juntos logo, logo. — ele respondeu sem interesse.

— Também, você enrola mais que não sei o quê. Só sabe falar, que vai fazer isso, fazer aquilo…

— Tá achando ruim ? Vai lá e faz algo logo, então. — Adam interrompeu, se levantando de onde estava sentado e a deixando sozinha. Ela o observou sair em silêncio. Adam estava muito estranho.

Ash já quase não dormia e voltou a fumar. Depois do desentendimento com Adam, ele não sabia mais como continuar. No silêncio do quarto ele só pensava no que sentia: um misto de satisfação, receio, e até mesmo vergonha. Por que ele queria pedir desculpa ? Se não tinha porque o fazer. Adam que deveria se desculpar, né ? Para si mesmo, ele poderia ter evitado, sido mais forte e não ter se deixado levar. Agora era tarde. Já estava feito e talvez eles não voltariam a ser amigos. Ash podia assumir agora que sente atração por Adam — pelo menos para si próprio. — e pensar nisso, o fazia lembrar de como tratou a Dean e Castiel por estarem namorando. Será que eles o perdoariam, caso ele tentasse ? Será que Ash estava mesmo cedendo à eles ? Tinha algo mais, que outro alguém lhe disse, mas ele não lembrava o quê e nem quem disse. O que era ?

— Dean… — Castiel o chamou timidamente. E ele dirigiu a atenção para o moreno. — Han… Parece que… Tem um parque aqui perto e eu pensei da gente ir…

— Você pensou ou… Foi seu amigo, Rheese ? 

Eles estavam no quarto de Castiel, Dean se sentia melhor lá, com ele. O Novak estava sentado no chão, encostado na porta e o Winchester, encostado na cama. Castiel sabia bem que Dean estava com ciúme e suspirou, logo explicando:

— Dean, Rheese e eu somos amigos desde quando éramos crianças. Ele é praticamente meu irmão. Não precisa e nem tem porque sentir ciúme dele. — ele se levantou e sentou perto do loiro. 

— Hm, vindo de você eu até posso acreditar. Mas e dele ?

— Por favor, Dean. Rheese tem seus próprios interesses e eu não faço parte deles. — Castiel deu uma pausa. — Não nesse sentido.

Sério que Dean deixaria um ciúme bobo e sem alicerces o dominar ? Não tinha porque estar assim, sentir ciúme. Rheese, como Castiel disse, tem seus interesses e os dois são quase que irmãos mesmo. Dean estava exagerando. Ele suspirou também, e um peso de seu peito, acabou saindo.

— Okay e como seria essa sua ideia ? — Dean sorriu de canto e Castiel retribuiu.

— Então…

A iluminação do quarto vinha da janela, deixando o ambiente escuro e claro ao mesmo tempo. Era tranquilizante, a maneira como a luz do dia se juntava à escuridão do quarto. Era impossível viver sem uma ou a outra, assim como o loiro e o moreno. Castiel contou os detalhes desse plano e depois os dois iriam conversar com os amigos, para discutir os termos e tudo mais. Essa ideia acabou se tornando concreta e persistente e no que isso daria ? Fugir, para ir a um parque, rever os amigos e se divertir. Era uma ótima ideia, com certeza. Mas seria ainda melhor se não fosse uma fuga improvisada. Calma. Não vamos nos precipitar. Tudo dará certo.

Em San Diego, cidade vizinha à Trenton, na qual Samuel Winchester mora e trabalha, era apenas mais um dia normal de trabalho. A loja, de médio porte e ele ficava sozinho lá na maioria das vezes. O bairro também não era muito movimentado, mas também não era morto. E tinha aqueles cliente fiéis. Era um lugar tranquilo e pacífico. Nunca houve indícios de roubo, assaltos, violência. Nada. 

— Boa tarde, senhor Gianluigi. — Sam cumprimentou ao chefe quando chegou.

— Oi, Sam. Boa tarde ! Já falei: não me chame de senhor.— ele fez uma expressão divertida. — Eu não sou tão velho assim.

— Desculpe. É o hábito.

— Pois trate de mudá-lo. 

Sam riu com a ordem do chefe. Ele realmente não é velho, aparenta ter 30 e poucos anos. Tem 33 para ser mais exato. Musculoso, moreno, forte, alto, com pêlos bem distribuídos pelos antebraços, o que indicava que seu corpo todo era no mesmo estilo. Olhos castanhos escuros, barba bem feita e alinhada. Uma tatuagem tribal no ombro esquerdo, que era uma pouco visível quando ele usava camisas curtas. E sua postura: séria e implacável. Como se nada fosse capaz de abatê-lo ou derrubá-lo. Em outras palavras, era uma homem bem atraente. Hétero. Casado e com filhos.

— Então Sam, hoje nós vamos receber umas entregas dos fornecedores. Aqui está a lista do que foi pedido. — ele entregou a Sam o papel. — E eu preciso que você confira tudo. OK ?

— Claro. Estou aqui pra isso. — Sam pegou o papel, dando uma rápida olhada nele.

— Ótimo. Eu vou precisar sair, como você sabe, hoje vai ser um dia daqueles, muita coisa para resolver e se não fosse por você, eu não sei o que seria de mim e da minha loja. — Gianluigi disse e se dirigiu à porta. — Tchau, Sam. Cuide de tudo. Até mais. 

— Tchau. — Sam acenou, já do outro lado do balcão. Ele pegou novamente o papel e começou a ler. Ele estava dando o melhor de si, aliás era seu primeiro emprego, então ele tinha que ser bom. E estava sendo. Seu chefe o adorava, por ser um ótimo funcionário, bem melhor que os anteriores. E com esse emprego, ele poderia procurar e começar sua tão sonhada faculdade.

As horas passaram e enquanto a escuridão se alastrava, o clima parecia ir mudando. A temperatura ia caindo, mas não estava frio. O vento começava a soprar com força, indicando que talvez fosse chover. As folhas das árvores balançavam, fazendo barulho e caíam ao chão.

— Lúcifer, o que você quis dizer com aquilo que falou pro Ash ? — Charlie perguntou curiosa. Ele enrugou a testa e tentou lembrar.

— Hm… Cara, não sei. Só pensei e falei. 

— Tá sabendo de algo que ninguém sabe ?

— Não. E o que eu poderia saber sobre aqueles dois ? 

— Espero que namorar com o Sam o torne menos lerdo. — ela brincou e ele não entendeu a brincadeira.

— Charlie, precisamos de sua ajuda. — Castiel disse se juntando a eles.

— Só falar, querido. 

— Dean… 

— A ideia foi “sua”, por que eu tenho que falar ? — o loiro perguntou e os outros se olharam.

— Lembra do Rheese ? — Castiel começou. E Dean teve uma certa reação adversa ao ouvir.

— Sabia que a ideia não era sua. — Dean resmungou e sorriu para disfarçar.

— Sim. Eu lembro.

— Han, o que você acha de “fugirmos” um dia desses ?

— Fugir ?

— Pra onde ? Fazer o quê ? O Sam vai tá junto ? — Lúcifer questionou animado.

— Se ele puder, por que não ?

Charlie ficou meio indecisa. Não era tão legal assim, fugir. E se eles fossem pegos, não seria nada bom. Mas, vamos ouvir tudo primeiro e depois concluir, né ?

— Tá, mas como nós iríamos ? E como faríamos para sair sem sermos vistos ?

— Isso nós vamos ver direito ainda.

— Castiel, é você mesmo ? Querendo fugir, logo você ? — Lúcifer caçoou por causa do jeito de bom moço dele.

— São as influências, Lúcifer. — Dean e toda sua emoção ao se referir a Rheese.

— Hey ! Tá falando da gente ? — Charlie se ofendeu. E Dean se tocou.

— Não. Eu não quis dizer vocês…

— Ele tá com ciúme do amigo do Cas ou é impressão minha ? — Lúcifer sussurrou para a ruiva.

— Qual é gente ? Sou eu mesmo. Vão me dizer que não estão cansados de ficar aqui o tempo todo ?

Bem, agora que eles pararam para pensar, sim. Eram tantas regras e especulações sobre as punições que os fazia não pensar em sair desse jeito. E bom, sempre que surgia alguma ideia de sair, seja lá para o que fosse, eram apenas planos impossíveis. Mas que deixariam de ser impossíveis a partir de… Agora ?

Aquele dia para Sam foi bem agitado por organizar as entregas e o entra e sai de clientes no decorrer da tarde. E a noite, estava mais tranquilo. O movimento de clientes deu uma cessada e agora Sam até podia descansar. E em meio ao descanso, mais um cliente entrou. Era um jovem, nada familiar. Ele usava uma jaqueta jeans preta que lembrava até Dean, pelo jeito de andar e seriedade. Sammy estava sentado, lendo uma revista e não o viu quando entrou. Ele andou pelos corredores e foi até a máquina de bebidas, de onde retirou um pack de Smirnoff Ice com 6. E ele foi até o caixa.

— Boa noite. — o rapaz disse chamando a atenção do Winchester.

— Boa noite. — Sam se ajeitou e corrigiu a postura. Ele registrou os produtos. — Algo mais ?

Scott olhava algumas coisas em cima do balcão e pegou também uma barra de chocolate. E a entregou a Sam, que a registrou.

— Sim, tem Johnnie Walker ? — Scott perguntou já tirando a carteira do bolso e olhando em volta.

— Temos.

— Por favor, trás duas Blue Label.

— Só um instante. — Sam respondeu e entrou para o depósito enquanto Scott esperava. Lá ele procurou cuidadosamente, o que demorou um pouco, aliás não havia decorado ainda onde ficava cada um dos produtos. E quando retornou, Scott já tinha acrescentado mais algumas coisas à lista dele.

— Aqui. — Sam colocou as caixas do Whisky sobre o balcão e as abriu para o cliente conferir.

— Bom. E aí, quanto deu ? — perguntou após Sam registrar tudo.

— $1325,00.

Após o pagamento Scott agradeceu e saiu, deixando Sam novamente sozinho. Já eram umas 23h e faltava pouco para ele ir embora. O dia com certeza foi cansativo e ele apagaria logo quando chegasse em casa. Era muito bom agora estar se tornando mais adulto e isso com certeza era motivo de orgulho, não só para ele, mas para Dean também. Claro que o Winchester mais velho estava feliz e orgulhoso do irmão. Dean só queria que Sam não fosse como ele e que tivesse que viver trancado como delinquente, ou algo do tipo. E ele tinha em mente que quando saísse daquele lugar iria mudar completamente e daria uma vida melhor ao irmão. Mas ele mal sabia que talvez fosse o contrário.

Com o local totalmente silencioso no internato, pois era regra dormir “cedo” e já que ninguém obedecia, aqueles mais “bonzinhos” ainda conversavam sobre a fuga. Ruby, Miguel, Lilith e Kevin também foram informados e eles estavam no lado de fora do Dellatorre, sentados na escada. Cada um em um degrau, mas Destiel estavam juntos. O loiro encostado no corrimão abraçando o moreno, por trás.

— Não foi você que teve essa ideia. Não mesmo. — Ruby queria zoar com Castiel.

— Caramba Ruby, até você ?

— Né ? Cadê o Castiel certinho e literal ? Dean, anda incentivando seu namorado ?

O loiro revirou os olhos e preferiu não responder à pergunta de Kevin. A comparação — despercebida e nada intencional. — com Rheese o irritou, mas ele não demonstrou. Ainda era incômoda essa amizade tão… forte. Claro que Castiel percebia a diferença em Dean, mas fingia não notar.

— Tá. A ideia não foi minha. Foi do meu amigo. — Castiel se rendeu e confessou.

— Agora sim. — Ruby fingiu estar satisfeita.

— Eu vou falar com ele ainda, para decidir tudo, mas aqui todos estão de acordo ?

Os outros se olharam. Sim estavam de acordo. Seria bom ter um pouco de aventura e adrenalina. Mas antes de responderem, alguém pegou o bonde andando.

— De acordo com o quê ? Mais uma festa ? — Meg ia saindo e fechando a porta. Ela percebeu a mudança nos colegas e reclamou. — Que é ? Não posso mais sair do Dellatorre ?

— Claro linda. Mas seria melhor se saísse daqui de vez. — Lilith sorriu.

— Só porque você quer. — a loira desceu as escadas, acendeu um cigarro e se afastou um pouco deles. A ventania constante naquela noite estava maravilhosa. Dava até vontade de dormir ali fora mesmo. Apesar da chata estar perto, a boa sensação ainda era presente. Ninguém queria ir dormir. 

— Alguém sabe o que aconteceu com o Ash ? Ele anda meio sumido… — a vadia se reaproximou dos outros.

— Ué, não é você que sabe da vida de todo mundo aqui ?

E antes de Meg responder, a porta foi aberta e Jo saiu cantando.

— E eu voooou te esperaaaar, a onde quer que eu vááá, te levo comigo. — ela parou de repente quando viu todos a olhando. Ela não esperava que tivesse alguém ali e ficou sem graça.

— Se você cantar isso de novo, eu vou colocar seu nome na encruzilhada. — Ruby quebrou o silêncio tenso que se instalou.

— Quero ver como. Aqui não tem encruzilhada e você não pode sair. Esqueceu ?

Castiel começou a rir delas. Era uma discussão pra lá de divertida. E agora Jo também se juntou a eles. E pensar que Jo não gostava do moreno, por causa de Adam, né ? Foi tudo um mal entendido. Ela não o conhecia para não gostar dele. E a fuga para o parque era uma maneira de aproximá-los mais. Mas esse assunto outra pessoa, como Charlie poderia contar para ela já que Meg ainda estava ali e ninguém respondeu à pergunta que a mesma fez. Mas uma hora ninguém aguentava ficar sentado ou em pé e cada um foi para seu quarto, exceto o casalzinho predileto, como diz Adam, que foram desta vez para o quarto de Dean.

— Vai continuar com esse ciúme até quando, Dean ? — Castiel foi direto ao ponto, quando entraram.

— Que ciúme, Castiel ? — Dean fingiu estar sério e passou a língua nos lábios.

— Dean.

— Não, Castiel. Eu não estou com “ciúme”. — ele fingiu sorrir também. — Satisfeito ? 

Castiel estava sentado na cama e levantou, parando bem em frente a Dean. Estavam tão próximos e Dean evitava encará-lo. E olha que não estava com ciúme, né ? Enfim…

— Dean… — o Novak segurou as mãos dele. — Você está assim porque não o conhece. Vai mudar logo, quando conhecê-lo.  

— Será ? O jeito como ele falou comigo me diz o contrário.

Então era por isso que ele estava irritado ? Castiel riu e Dean fechou a cara.

— Meu amor, ele é assim mesmo. Uma ótima pessoa, mas às vezes sabe como ser… — o moreno pensou um pouco. — O cão, como ele mesmo diz. E tem as meninas, Luiza e Yasmin. Você vai gostar delas também.

O Winchester suspirou pelo nariz e colocou os braços em volta do pescoço de Castiel, logo juntando suas bocas. Ah, que beijo, que boca, que lábios. Tudo era tão gostoso em Castiel que fazia Dean se aquecer como uma chaleira avisando que a água está fervendo. Os beijos quentes de Dean foram direcionados ao queixo, descendo pelo pescoço e suas mãos, foram sob o tecido da calça. Castiel foi girado e levado até a porta, onde foi encostado com um pouco de força. Dean sentiu seu lábio ser mordido e sorriu. Ele já estava tão excitado e não poderia se conter.

— Eu vou tomar um banho antes…. — ele sussurrou com o nariz encostado no de Castiel.

— Por que ? Se vamos precisar de outro depois ? — a expressão safada de Castiel surpreendeu ao loiro.

E logo, Castiel estava deitado de bruços e Dean sobre ele, movimentando o quadril, indo cada vez mais fundo. Castiel apertava o lençol a cada investida de seu namorado e ele beijava sua nuca, pescoço e orelha. O suor do corpo do Winchester descia sobre as costas do moreno, se empinando o quanto podia. O loiro apoiou o joelho na cama e colocou as mãos uma sobre a outra na cintura de Castiel. Ele olhava enquanto ia deslizando para fora e voltando a entrar, aumentou o ritmo. O Novak gemia seguindo seu ritmo frenético e eles não se importavam se alguém do quarto ao lado poderia ouvi-los.  

— D-D-ean… ah. Isso, Dean ! — a voz rouca e entrecortada dele excitou ainda mais o loiro que se arrepiou dos pés a cabeça e quase chegou no ponto, mas se retirou a tempo. Com a recuada de Dean, Castiel se levantou, mas permaneceu “de quatro”. O loiro observou fascinado e não tardou a retomar sua posição, estocando fundo e com força. Castiel cerrou os dentes e gemeu abafado e sentiu a mão de Dean se prender em seu cabelo, tendo sua cabeça puxada para trás. As investidas aceleradas do loiro intensificaram seu prazer, porém antes de atingir o orgasmo, ele se retirou e se jogou ao lado de Castiel, que entendeu perfeitamente o que o namorado queria e deu a ele sem hesitar. Dean inclinou o quadril para frente e gemeu quando sentiu a boca de Castiel em seu pênis, todo molhado e com a boca do Novak, ficou mais molhado ainda e não demorou para se derramar dentro dela.

— Uhhh… Hm… Cas-Cas… — Dean estava totalmente tomado pela corrente de prazer que se espalhava por seu interior e cada músculo de seu corpo se adstringia. Seu peito subia e descia com dificuldade e mais um toque da língua aveludada e quente do moreno, o fez espasmar. E quando Castiel se deitou ao lado dele, Dean agarrou o pênis dele e se abaixou, empurrando Castiel com uma mão.

— Aaaah-aaah Deeeeaaan… — o gemido dele foi mais longo. Dean sabia muito bem fazer o serviço. A maneira como deslizava com a língua, fazia o moreno ver coisas com os olhos cerrados que ele não seria capaz de lembrar depois. E também não demorou para se derramar na boca do loiro, que mais uma vez não se acanhou em engolir.

— Só você é capaz de tirar meu fôlego. — Dean sussurrou ao deitar ao seu lado. Castiel virou o rosto para ele e sorriu. Dean lhe deu um beijo rápido.

— Agora sim podemos tomar banho.

— Deixa pra amanhã… — o loiro fez bico e o moreno riu.

— Amo quando você faz esse bico. — Castiel o abraçou, se ajeitando sobre o peito dele.

— E eu amo ter você comigo. 

 

CONTINUA…


Notas Finais


Kiss it kiss it better, baby 🎶😍🙈🌚

E aí, meus manifestantes amadinhos ? Gostaram ? Demorei mas apareci. Eeeeh bate palma (meche a bundinha, faz manivela) heueheueh mano, eu vou me tratar. To sem remédio, dêem um desconto ! 🙈🙏😂😂 bjs e até o próximo. Avisem qualquer erro, please. U.u ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...