História Nós dois - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Sehun, Suga, V
Tags Amizade, Amor, Bts, Drama, Hoseok, Jeongguk, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Namseok, Rap Monster, Romance, Seokjin, Suga, Sugakookie, Taehyung, Vmin, Vmon, Yaoi, Yoongi, Yoonkook
Visualizações 59
Palavras 4.343
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Escolar, Festa, Seinen, Shonen-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu tentei escrever algo fofo.

Capítulo 1 - Único; Melhor amigo


Fanfic / Fanfiction Nós dois - Capítulo 1 - Único; Melhor amigo

- Kim Namjoon

Eu o conheci na terceira série e desde aquela época eu o achava estranho – e ainda acho, mas não seria mentira porque ele é, então seria apenas constatação do obvio e não precisamos disso. O fato é que eu gostava dele assim, sempre gostei dele, mesmo quando ele não merecia eu gostava.

De início era apenas uma amizade boba e que me fazia bem já que ao contrário de mim ele era mais solto, mais livre e falante. Distraído, ele sempre foi um poço de distração e por vezes o comparei a um cachorro, já que ele também era fofo. Falando desse jeito até parece que ele é feito apenas de qualidades e isso seria mentira, mas eu gosto até mesmo dos defeitos.

Ele grita no lugar de falar, ele pula demais, ri demais, questiona demais e as vezes é um pouco lerdo. Ver aqueles olhos brilhantes me encarando enquanto comentava a respeito de algum livro novo me faziam vacilar.

Por mais que eu tenha bons sentimentos por ele ainda quero matá-lo as vezes, tipo agora que são 5:40 da manhã e ele está me fazendo divagar enquanto o encaro, já que o infeliz do meu colega de quarto se esqueceu da vida e está jogando. Consequentemente a luz bate no meu rosto enquanto os sons incômodos da TV me despertaram de um lindo sonho.

Sonho o qual provavelmente ele fazia parte, mas a parte mais linda era a qual eu ganhava reconhecimento por todo o meu trabalho duro e esforço; e ele me desperta com o som de zumbis sendo decapitados. Lindo, lindo. Tecnicamente como estudante pareço um pouco zumbi, talvez eu deva dormir mais e eu dormiria se ele não tivesse me acordado.

Procurei algo na cama que fosse possível arremessar nele enquanto contava mentalmente até algum número aleatório, não adiantaria mesmo. Encontrei um Ryan na cama, beijei a testa do meu bichinho de pelúcia enquanto murmurava um pedido de desculpa e o arremessei naquele infeliz que deu um pulo devido ao susto.

 – Desliga essa porcaria e me deixa dormir – falei e virei para o outro lado. Ele riu.

Cerca de 40 minutos depois e com o meu chinelo sendo arremessado que o vi desligar a TV e pude descansar em paz ou quase isso. Ele foi praguejando para a cama, se deitou e não demorou muito estava apagado, então só nesse momento eu pude realmente dormir, o olhei mais uma vez antes de fechar os olhos e me desliguei de tudo.

 

*

 

 – Então “aquele cara” te chamou para almoçar de novo e mais uma vez você recusou? – Observei Taehyung por cima dos óculos. – Achei que gostasse dele.

 – E eu gosto, hyung – ele sorriu e levou o canudo a boca, ignorei a cena e bebi meu suco. – É só que não sei, vai que ele acha que as coisas vão super fáceis só porque aceitei almoçar com ele de primeira? Não quero isso.

 – Ele vai achar que você não curte garotos e vai beijar outras boquinhas por aí – aquele sorriso morreu, o copo foi colocado na mesa sem muita delicadeza e ele me olhou sério. – Não enrole tanto, TaeTae.

 – Hyung, você acha isso mesmo? – Dei um aceno de cabeça e ele ponderou um pouco. – Talvez ele não valha a pena então.

Deu de ombros e seguiu a falar bobagens até avistarmos Hoseok e Jeongguk caminhando alegremente por aí. Hoseok sempre sorria animadamente quando nos via, ele me lembrava o sol, ficar perto dele já recarregava as energias e era bom. Jeongguk brincava um pouco, mas não sorria na mesma intensidade e nesse momento parecia que uma nuvem negra havia se apossado dele.

 – Meu deus Jeongguk, você está horrível. – Taehyung disse sem cerimonias e fez com o que o garoto revirasse os olhos.  – O que houve?

 – Yoongi e ele discutiram – Hoseok disse e deu de ombros – Esses dois vivem assim nas últimas semanas, me pergunto como conseguem coexistir no mesmo ambiente.

 – É o amor – dissemos em uníssono e o garoto nos olhou aparentemente chocado. Ele então resolveu nos ignorar e ficou olhando ao redor.

 – O Jimin e o SeokJin hyung continuam andando juntos, será que eles têm algo Hoseok hyung? – O garoto disse isso e Taehyung ficou com uma expressão não muito animada, senti um pouco do veneno nas palavras de Jeongguk ali, afinal Taehyung estava “apaixonadinho” por Jimin, mesmo recusando as investidas frequentes do outro.

 – Quem sabe, eles ficam bonitos juntos. – Hoseok dava corda apenas para irritar Taehyung, até cogitei fazer o mesmo ou até mesmo pará-los, mas apenas dei uma risada discreta, bebi mais um pouco de café e aguentei um Taehyung emburrando admirando o nada.

 

No dia seguinte os dois almoçaram juntos e admito que uma pontinha de ciúme se fez presente assim que vi o sorriso bonito que Taehyung mostrava ao garoto do sorriso meio lua. SeokJin almoçou com Yoongi que se recusava a olhar na direção de Jeongguk que parecia fazer o contrário, o encarava com tanto afinco que achei que abriria um buraco nas costas do outro. Hoseok me falava sobre um filme em cartaz e questionou se eu o acompanharia até o cinema já que Jeon Jeongguk provavelmente seria preso por assassinato até o fim daquele dia, demos risada e o garoto não parecia nos ouvir, estava preso numa realidade paralela na qual com certeza Min Yoongi sofria; o sorriso sádico dele denunciava isso.

Aceitei ir ao cinema e observei mais algumas vezes meu amigo conversando com o garoto e os dois pareciam tão bem juntos que me espantei. Nunca imaginei que o garoto baixinho de sorriso meia lua ficaria tão bem com Taehyung o leãozinho do sorriso retangular. Mas elas ficavam bem juntos, muito bem por sinal.

 

 

 – Você gosta do Taehyung, né? – Hoseok me questionava enquanto comíamos depois do filme. Era uma atividade frequente entre nós, comer.

 – Gosto, que outra maneira eu aturaria um colega de quarto como ele? – Ambos demos risada e ele então repetiu a pergunta a qual eu recusava responder até para mim.

 – Namjoon, vou reformular a pergunta – deu um gole na sua Coca-Cola e mirou o fundo dos meus olhos – Você é apaixonado pelo Taehyung, certo?

Primeiro dei aquela travada e então me mexi desconfortavelmente na cadeira, para então com um suspiro concordar mexendo a cabeça e murmurar um “é complicado”. Seus olhos não eram julgadores e tão pouco acusadores, neles eu só via o Hoseok de sempre, o cara gentil que eu chamava de amigo.

 – Porque não fala para ele o que sente? – Ele me questionava e eu só queria sair dali. – Eu sei que não é a melhor situação de todas, mas me escute, hoje eu vi a sua cara em alguns momentos nos quais olhou para os dois, Jeongguk não viu porque estava tentando matar Yoongi com a sua mente.

 – Ele gosta do Jimin e está feliz assim, eu quero vê-lo feliz, seja comigo ou não.

 – E só isso te basta?

 – Basta. Ele é o meu melhor amigo e colega de quarto, crescemos juntos desde quando ele se mudou para Ilsan, não nego que no início não pensava assim, mas eu prefiro que ele seja feliz com quem ele quer ser feliz.

 – E você? – Seu rosto compreensivo me dava uma certa paz.

 – Eu vou ficar bem – dei de ombros e mordi meu hambúrguer, Hoseok ainda aguardava em silêncio a minha continuação. – Além do mais não duraríamos juntos mais que dois dias, você sabe o quão barulhento Kim Taehyung consegue ser?

Nós dois rimos e continuamos a falar de outros assuntos, sabia que Hoseok não estava convencido de verdade com as minhas respostas, mas as aceitaria em respeito a amizade que estávamos cultivando. Mas quais desculpas eu daria? A verdade é que por mais que eu gostasse de Taehyung apenas a amizade bastava, ele me dava coisas que eu não gostaria de perder nunca e o medo de não darmos certo e nos afastarmos era maior do que a necessidade de tocar os seus lábios. Então antes que notasse deixei essa paixão guardada para não nos afetar.

No início fora difícil, já que o ter tão perto e não poder fazer nada era excruciante, mas abraçá-lo e ouvir suas histórias malucas era muito bom, então logo a vontade de beijá-lo foi sendo substituída pela necessidade de protegê-lo. A vontade segurá-lo em meus braços com desejo foi substituída por carinho e então todo o amor que eu sentia foi ficando ali como alicerce da nossa amizade, não machucava – muito, mas também não me enchia de alegria guardá-lo, só era o correto.

Mas o sorriso dele no fim da tarde enquanto me contava alguma ideia mirabolante que teve, ah, esse sorriso valia o meu dia todo.

 

*

 

Comecei a me sentir um tarado quando dois dias depois fiquei olhando para Taehyung enquanto ele se trocava para sair com o Jimin, admito que numa situação normal eu não olharia, pelo menos olharia menos, mas dessa vez estava impossível. A boxer preta era tudo o que ele trajava enquanto andava de um lado para o outro procurando algo que o agradasse. Alguns fios molhados se prendiam a sua testa e o seu cheiro estava impregnado em todo o quarto.

 – Qual o motivo de toda essa agitação? – Questionei e ele se virou sorrindo, era um dos seus melhore sorrisos, um dos mais brilhantes e eu sabia o motivo, já que o mesmo tinha nome, sobrenome e cerca de 1.50.

 – Vou sair para jantar com o Jiminie – ele falou de maneira alegre e rápida. As palavras saíram quase que cantadas por entre os seus lábios.

 – Ah, agora sim faz sentido – deixei um sorriso escapar, meu garoto feliz me deixava feliz. – E é por isso que está nos presenteando com uma visão sua de cueca?

 – Nos? Quem mais hyung? – Notei a pequena ruguinha interrogativa entre os olhos.

 – Ryan e eu – mostrei o leãozinho sentado a meu lado observando toda a cena. Taehyung deu uma risada alta, alegre e tão gostosa de ouvir que o acompanhei. Logo ele voltou a sua arrumação e eu observei mais pouco, só mais um pouco, a visão bonita dele andando por aí enquanto se vestia. O vi sair pela porta com uma roupa bonita, perfume na medida certa e um dos sorrisos mais encantadores que alguém poderia ter. Liguei para Hoseok e perguntei se ele queria fazer alguma coisa, ficar naquela casa pensando em Taehyung não era uma opção.         

 

                                                                                                        *

- Kim Taehyung

Jiminie me deixava confuso, não um confuso tipo ... será que eu gosto dele? Estava mais para ele é fofo ou sexy? Eu não saberia dizer, porque normalmente as pessoas oscilam entre um desses lados, as vezes só tem um lado desses, mas não ele. Ao mesmo tempo que sorria fofamente ele piscava e a minha mente se perdia em pensamentos não tão puros e ele parecia saber disso.

Park Jimin era uma praga, adorável, gentil, quente e um infeliz que me tirava o sono e a vontade de viver, às vezes, mas só as vezes. Caminhava para o metro já que nos encontraríamos no lugar e era mais fácil assim, nossas casas não eram tão distantes, mas isso nos poupava algum tempo, talvez, em todo caso foi o combinado e o que fizemos.

Observei o lugar e me senti feliz de ver aquele que dominava a minha mente sentado a me esperar, um sorriso fácil brotou nos nossos lábios e eu consegui esquecer onde estávamos, quem éramos e para onde iriamos, só existia nós dois ali. Meu coração se derretia por Park Jimin.

Lembro de quando o conheci e de como falei animadamente dele para Namjoon por duas semanas inteiras e o meu amigo, melhor amigo, ouvia atentamente e me questionava, até se ofereceu para dar um jeito de me aproximar do garoto, ajuda a qual eu não pude recusar, mas não pedi. Quando notei já estávamos conversando com SeokJin e Jimin por consequência. Nunca que eu conseguiria agradecer a Namjoon por ter feito isso, já que algumas semanas depois ele me chamou para almoçar e eu recusei. Todas as três vezes eu recusei, até a piadinha de mau gosto de Jeongguk, naquele dia eu soube que era meu dever sair com Jimin.

Decidi limpar a mente de todos os pensamentos e curtir a noite que teria ao lado dele. Talvez não fosse o correto simplesmente me jogar assim, mas algo em mim gritava que valia a pena, que Jimin valia a pena. Torcia para o mesmo ocorrer com ele.

 – Demorei? - Sentado naquele parque iluminado pelas luzes dos postes ali dispostos, além das poucas estrelas que Seul nos presenteava lá estava ele.

 – Você sempre chega na hora certa, Taehyung – O sorriso bonito dele me encantou, caminhamos juntos até uma barraquinha e logo seguiríamos para ver um filme ao ar livre no meio da noite, talvez não fosse o programa mais romântico do mundo, mas era o nosso momento especial.

Caminhamos lado a lado com as nossas mãos se tocando vez ou outra, apenas sentindo o calor que elas emanavam. Trocávamos sorrisos e palavras bonitas. Estar com Jimin era como voltar para casa depois de um longo tempo, valia cada segundo do dia. Talvez por estar apaixonado eu o visse como o príncipe encantado que ele deveria ser, mas sabia que era um bom garoto, fazia meu coração feliz apenas por sorrir.

Talvez o primeiro beijo não tenha sido o mais romântico, mas o simples roçar de lábios que demos naquela noite me fez entender que mais importante que o contato era o sentimento. Voltei contente para casa.

 

*

- Kim Namjoon

Acabei numa ‘social’ no apartamento de um tal de Oh Sehun, bonito por sinal, mas tive poucos momentos para olhar para a cara dele, já que não muito depois o vi se atracando com Jin em algum canto do apartamento e os dois pareciam felizes e afoitos. Enquanto numa outra ponta via Jeongguk encarando Yoongi com tanta intensidade que parecia queimar. O observado se fazia de idiota e continuava a conversar alegremente com um dos convidados, Hoseok disse que se chamava Kihyun, apenas concordei e dei de ombros. Sentei no sofá e vi Hoseok passeando pelo apartamento falando com várias pessoas, todos pareciam se conhecer, me senti levemente deslocado e ignorei já que estava divertido olhar a cara de indignado de Jeongguk.

 – Eles estão se dando uns beijos escondidos e o Jeongguk está irritado porque o Yoongi não quer parar com isso – então uma lata foi estendida na minha direção – Toma é coca, não pode voltar bêbado para casa.            

 – Valeu – peguei a lata e a abri dando um gole, era doce, porém bom. – Como sabe disso? Digo, os dois estarem juntos e tudo mais.

 – Eu presenciei a discussão dos dois no outro dia, dei uma volta e só então voltei e encontrei o Jeongguk puto querendo matar o Yoongi de porrada. – Nós rimos disso e então ele continuou – Quando perguntei o porquê desconversaram, mas só o jeito que se olharam era tão gritante “somos um casal” que deixei quieto.

 – Você acha que eles em algum momento vão se entender? – Perguntei e o vi balançar a cabeça e sorrir.

 – Eles vão sim, Yoongi é louco pelo garoto esquentadinho e o ciumentinho ali não nega, nem por um mísero segundo que eles têm alguma coisa. – Tive que concordar, porque apenas de olhar para Jeongguk era gritante que eles tinham algo. – Yoongi só tem que parar de frescura e assumir o garoto, não é como se ninguém soubesse do lance dos dois.

 – Eu desconfiava apenas, mas nunca imaginei que fosse real – dessa vez foi Hoseok quem concordou e então bateu no meu ombro me fazendo ver quando Jeongguk se levantou irado do sofá, esperamos que ele fosse para cima do Yoongi, mas o garoto simplesmente saiu porta afora sem nem olhar para trás.  – Nossa, eu achei que ia rolar morte.

 – Talvez role, porque olha a cara de idiota do Yoongi – demos risada e o vimos sair correndo porta afora menos de dois minutos depois. – Ou eles se acertam ou se matam. Quer seguir e ver?

 – Quero.

Saímos atrás deles e nem tivemos o trabalho de nos despedirmos dos demais, já que Jin estava ainda naquele canto ou em algum outro, se esfregando em Oh Sehun como se sua vida depende disso, vai ver dependia mesmo, em todo caso saímos dali.

Achei que ‘perseguir’ os dois por aí seria mais divertido, mas logo os dois estavam conversando a base de sussurros levemente gritados, não queriam chamar a atenção e estavam se esforçando fortemente para tal. Eles caminhavam de maneira tranquila e falavam rispidamente, a maioria das pessoas não prestava atenção aos dois. Enquanto isso Hoseok e eu os observamos, não demorou muito e os dois deram as mãos de maneira irritada, cada um olhando para um lado.

 – Achei que eles iam sair no tapa – Hoseok comentou dando risada – Esses dois são malucos.

 – Eu até prefiro que não tenha rolado nenhum barraco, não estou com vontade de separar a briga de ninguém não. – Dito isso demos risada e logo os dois à frente pareciam mais serenos.

Eu os vi darem as mãos direito e tão logo seguiram tranquilos na direção do metro.

 – Vão para o apartamento do Yoongi, certeza. – Antes que eu tivesse a oportunidade e questionar Hoseok explicou – O Jin estava ‘todo, todo’ com o Sehun hoje, duvido que vá para casa.

 – Faz sentido – olhei para o meu relógio e desanimei, era consideravelmente cedo e tinham fortes chances de Taehyung não ter chego ainda. Não queria esperar por ele, então convidei o Hoseok para andar por aí.

Evitar de ver o Taehyung não era a coisa certa a se fazer, mas era o que eu faria, pelo menos naquele momento me pareceu lógico. Me prepararia psicologicamente para ouvir sobre o seu encontro na manhã seguinte, porque pela primeira vez em muito tempo realmente o vi apaixonado, por mais que a amizade dele me bastasse, às vezes, só as vezes, doía.

 

*

 

Quatro meses pode ser um longo ou um curto período de tempo dependendo da situação. Um período curto quando se tem pouco tempo de vida e um longo período quando antecede uma viagem, é tudo muito relativo, mas nesse momento posso julgá-lo como suficiente. Jimin e Taehyung estavam comemorando os primeiros 100 dias e eu estava ali comendo bolo com eles. Dali uma semana seria o outro casal fresco, Yoongi e Jeongguk, mesmo desconfiando que eles beiravam mais de 200 dias não os questionei por comemorar apenas 100. Os malucos que se entendam, finalmente eles parecem bem e felizes ou algo parecido com isso.

Jin, Hoseok e eu éramos os solteiros do grupo, não nos preocupávamos muito com isso, era divertido estar com eles mesmo assim. O casal fofo e romântico Taehyung e Jimin, o casal encapetado Yoongi e Jeongguk. As vezes o casal encapetado resolvia pegar no pé do outro casal e era uma gritaria dos infernos, mas tirando isso era divertido.

Oh Sehun se declarou para o Jin umas duas semanas depois de ser dispensado, eu achei que eles sairiam nos tapas após a briga que tiveram afinal tinha mais dois nomes envolvidos, os dois não se assumiam e sentiam ciúmes, era até engraçado – as vezes chato, de ver. Sehun saia com um outro cara baixinho e o Jin com algum outro dançarino e quando os dois descobriram brigaram muito e terminaram, voltando duas semanas depois, com juras de amor e finalmente algo oficial.

Mas primeiro uns gritos básicos, umas ameaças de fechar a porta na cara além de muitos “eu nunca mais quero ver a sua cara feia”, seguida de uma conversa controlada e apartada por Hoseok, ele sempre foi muito gentil e talvez temesse mortes. Mediei o melhor que pude deixando Oh Sehun falar algumas das suas desculpas para mim antes de finalmente falar com o Jin, esse ouviu atentamente, xingou e falou outras tantas mais.

Foram longos 40 minutos de discussão até finalmente sair um “eu acho que a gente deveria tentar mais uma vez, só que sério dessa vez”. Eu não esperava por isso vindo de Oh Sehun, Hoseok e Jin também não. Acabou que nós dois saímos para dar privacidade ao casal, era difícil conseguir um bom lugar para passar o tempo. Então fomos vagar por aí.

Tentamos um cinema com o casal encapetado e foi tranquilo, comemos com eles e foi tranquilo até a hora de pagar a conta, Jeongguk achava que deveríamos pagar a conta sozinhos já que ele era o mais novo, acabou que após muita discussão Yoongi se recusou a pagar a parte dele, o garoto sacou o dinheiro da carteira e reclamou o caminho da volta inteira.

Nos recusamos a chamá-los para jantar novamente, tentamos o casal fofo, mas era complicado para mim, não que eu já não tivesse me acostumado a conviver com eles juntos, só era estranho. Taehyung ainda morava comigo e de vez em quando alguma coisa em mim ainda era mexida por ele, talvez os olhos me encarando quando a franja caia por cima deles. O sorriso de canto ou o retangular que o deixava fofo como uma criancinha. Os abraços que ele me dava apenas para mostrar que se importava comigo. Tudo isso mexia um pouco comigo, me afastar não era uma opção, afinal eu não queria perder meu amigo de longa data, então era questão de esquecer esse sentimento e seguir em frente.

Vemos filmes juntos ainda e comemos pipoca enquanto ele reclama de alguma coisa, os celulares de lado enquanto passo um tempo com o meu amigo. Ele ainda me abraça de lado enquanto deita sua cabeça no meu ombro, me permitindo assim sentir o cheiro dos seus cabelos, desse modo me questiono como nunca tentei nada e então o sorriso dele ao falar do Jimin aparece na minha frente e recuo todas as jogadas até aqui.

Kim Taehyung é uma das melhores pessoas que eu tive o prazer de conhecer, o desprazer foi ele ter roubado o meu coração e eu ter sido tolo o bastante de nunca falar. Resolvi que estava na hora de me dar uma chance de seguir em frente, então me fiz ter overdoses dos dois. Quando a situação doía demais eu me enfiava no apartamento de Hoseok e ele me ajudava a superar enquanto discutíamos músicas e livros.

 

*

 

Eu saia cada mais com Hoseok e via toda a evolução dos casais ao meu redor, Jin e Sehun eram o casal mais inusitado de todos, porém estranhamente bonitos juntos, as cenas vergonhosas de se presenciar acabaram quando os dois deram um nome ao que tinham. Taehyung e Jimin pareciam cada vez mais fofos juntos e eram tão gentis que eu me sentia um idiota por ter cobiçado dar uns beijos no meu amigo. Que eu possa ser perdoado por isso, amém. Jeongguk e Yoongi apesar de tudo eram bons um para o outro, mesmo Jeongguk tendo ciúme da própria sombra e isso sendo evidente, o relacionamento fluía bem.

Eu ainda via os dois discutindo a sussurros de mãos dadas de maneira engraçada, como eu também via os momentos que eles se sentavam para ver algo no celular ou no computador e ficavam imersos num universo só deles, no qual Jeongguk fazia carinho no cabelo do Yoongi que se aconchegava nele e vice-versa. Eles funcionavam num ritmo totalmente deles e nada podia interferir, apenas podíamos apreciar os momentos de tranquilidade.

 

*

 

 – Porque está fotografando as pessoas hoje? – Hoseok então fez uma pose e sorriu. – Quer tomar o lugar do Jin?

 – O que? Ah, eu não – eu dei risada e mostrei a foto que havia tirado dele. – Só queria me distrair um pouco enquanto juntava algumas lembranças.

 – Eu vou fazer parte dessas lembranças? – Ele dizia isso enquanto sorria e eu só pude retribuir o sorriso.

 – Talvez – eu ri ele fez uma careta como se estivesse ofendido, só que logo começou a rir e eu pude apreciar esse momento me juntando a ele.

 – Vem Namjoon, vamos dar uma volta – murmurei um ok e segui Hoseok por entre o parque estávamos fazendo o nosso piquenique em grupo.

Um dia bonito e agradável para se comer ao ar livre, o sol não estava tão forte graças a algumas nuvens, uma brisa fazia o clima gostoso. As 14:33 virando a quarta árvore à esquerda depois de seis minutos de caminhada Hoseok tocou os seus lábios nos meus. Eu choquei e travei, não foi rude e tão pouco romântico, foi apenas um roçar de lábios gentil.

Me senti novamente um adolescente inexperiente e o encarei embasbacado, não sei, talvez esperando uma explicação, quem sabe uma declaração, eu só esperava por algo. Mais um sorriso e um roçar de lábios, dessa vez eu retribui. Fui me perdendo nos lábios macios de Hoseok, eles estavam com um leve sabor de menta e era agradável. Muito mais do que eu imaginei que seriam, se é que em algum momento imaginei esse desfecho.

Minha mente não vagueou atrás de Taehyung, não, naquele momento só existia Hoseok e o seu gosto de menta e cabelos cor de fogo. Tudo no mundo deixou de existir para que eu pudesse apreciar os segundos que eu tinha.

 – O que foi isso? – Questionei assim que ele tomou uma distância após separar os nossos lábios.

 – Um beijo, Namjoon – ele riu e então me olhou um pouco sério. – Diferente de você não consigo guardar os sentimentos para mim e espero que você ao menos me dê uma chance.

 – Quantas você quiser – ignorei o lugar e o que tínhamos ido fazer ali e o beijei de novo.

Eu não sabia mais que horas eram, tão pouco o lugar do parque em que estávamos e ignorei um ‘own’ de uma voz conhecida próxima a nós. Me concentrei em desvendar todos os segredos que os lábios de Hoseok podiam guardar. Não vou mentir dizendo que o amava, mas eu gostava da sua companhia e conseguia imaginar um futuro para nós dois, então por hora isso bastava. Eu gostava de todas as sensações que Hoseok despertava em mim e estava começando a decorar cada uma das suas manias, quem sabe eu comece a amar cada pedaço dele antes do que imagino.


Notas Finais


Mas fofo do meu jeito, foi o melhor que consegui.

Desculpa a falta de detalhes e tudo mais, além dos erros.

Ah, muito obrigada por ler. ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...