História Nossa jornada - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Naruhina, Naruto, Romance, Saiino, Sasusaku, Shikatema, Suikarin
Visualizações 28
Palavras 2.120
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, flores do campo, como vocês estão?!
Espero que recuperados do baque que foi o ENEM.
Estou postando este capítulo, justamente porque eu precisava relaxar depois da tensão que passei ontem.
Boa leitura!

Capítulo 28 - Meus demônios


Fanfic / Fanfiction Nossa jornada - Capítulo 28 - Meus demônios

 

Abri meus olhos e já era de manhã. Eu ainda estava deitado na sala da minha antiga casa, no distrito Uchiha, mas algo estava diferente naquele dia.

Eu ouvia barulho do lado de fora, coisa que não tinha há muito tempo, a não ser pelos trabalhadores, que estavam reconstruindo as casas e a região.

Então, resolvi sair de casa e ver com meus próprios olhos o que acontecia do lado de fora, por conseguinte me deparei com inúmeras pessoas, que transitavam pelo local.

Eu olhei tudo aquilo com estranheza, mas nenhumas das pessoas que por ali passavam notaram minha presença, o que me deixou ainda mais encucado com aquilo.

Sai de casa, mas deixei a porta aberta não me demoraria.

Fui até uma senhora que regava as plantas do lado de fora de sua casa.

- Bom dia. _ Chamei a atenção dela e a mesma me olha abismada.

- B-bom dia. _ Ela gaguejou ao me responder, mas resolvi não me apegar a esses detalhes.

- Poderia me informar desde quando a senhora mora aqui. _ Ela ficou me olhando como se eu fosse de outro planeta.

- Oras, senhor Uchiha, desde que o senhor abriu o local para os civis virem morar aqui. Acho que faz mais ou menos uns dez anos. _ Foi aí que eu me liguei que aquilo não era real, então eu estava em um sonho, pelos menos era algo bom.

Uma noite longe dos meu tórrido pesadelos.

No entanto, ao olhar para aquela mulher eu via tristeza em seus olhos.

Compadeci-me com o que capitei através de seus olhos azuis e senti uma força enorme dentro de mim, para que eu escutasse a história de sua vida.

- Já vi a dor em seus olhos. _ Falei o que fez a mulher olhar para mim com lágrimas.

- Imagino! _ Ela me respondeu simplesmente e saiu andando. Eu não sei o porquê mais segui a senhora.

Ela abriu a porta para mim e fez um movimento para que eu entrasse. Tirei os sapatos e esperei que a senhora entrasse e a segui em direção à cozinha.

Ela preparou um chá e não falamos nada enquanto isso.

Sentei-me na cadeira da mesa da cozinha e fiquei esperando que ela se pronunciasse.

- Não esperava que viesse me ver tão cedo. _ Disse a Senhora assim que o chá ficou pronto. Ela me serviu enquanto eu a olhava espantado. Como ela me conhecia sendo que eu nunca a tinha visto.

- Desculpe-me, mas nos conhecemos? _ Tomei um pouco do chá e ela se sentou ao meu lado.

- Que conversa é essa, Sasuke? Tem bebido demais, não acha? _ Como a mulher tem coragem de falar assim comigo, ela não me conhece para se referir a mim dessa forma.

- Acho que a senhora está me confundindo. _ Disse, não queria ser rude com alguém que estava me recebendo tão bem em sua casa.

- Não me confundiria com o marido da minha filha e pai dos meus netos. _ Como assim eu era casado?! Senti meus olhos tomando proporções gigantes.

- Com assim? _ Perguntei com a voz um pouco baixa demais.

- Eu sei que para você ainda é muito difícil tocar neste assunto, mas você não pode fugir para sempre. Uma ora ou outra eles vão te perguntar da mãe.  _ Ela falou e bebeu um pouco do chá enquanto eu estava paralisado olhando para a xícara em minha frente.

- Será que a senhora poderia ser mais clara comigo? _ Minha voz sai com um toque de desespero. A dor que há muito não sentia em meu peito veio com tudo e me fez dar uma leve curvada sobre a mesa.

A senhora ao meu lado ajudou-me a levantar e deitar no sofá macio de sua casa.

Por um momento ela me deixou sozinho e foi para um outro comodo da casa, e eu fiquei olhando o teto da sala com as mãos em cima do coração, como uma forma de aplacar a dor, mas ela não me deixava por nada.

A mulher retornou com um imenso álbum de fotos na mão, e pediu para que me sentasse ao seu lado e eu o fiz.

Na primeira página meu coração retumbou forte em minha caixa torácica e minha respiração pesou.

Na foto de abertura estava eu e Sakura vestidos com roupas formais de casamento. Eu estava segurando sua cintura e olhava para ela com o brilho nos olhos, como muitas vezes o dobe olhava para Hinata. Enquanto a rosada olhava para a câmera a nossa frente com o sorriso mais lindo do mundo.

- Foi o dia do casamento de vocês. Eu nunca tinha visto minha filha tão feliz quanto naquele dia. Quando ela nos contou que tinha sido pedida em casamento por você, a nossa primeira reação foi negar, mas quando eu vi sinceridade em seus olhos eu e meu marido concedemos a benção a vocês. _ Minha cabeça dava voltas. Os pais da Sakura morreram no ataque do Pain. Aquilo não podia ser realidade, com certeza era um sonho.

A página passou e a foto seguinte era todos os nossos amigos no dia do meu casamento e durante vinte páginas foram fotos contando sobre aquele dia que eu não me lembrava, mas que parecia ter sido o mais importante de nossas vidas.

- Eu amo esta foto. _ A mulher apontou para a imagem e eu senti meus olhos queimando e uma gota quente escorrer pelo meu rosto, alisei a foto em que a minha pequena flor estava sentada em um local rodeado de rosas, com um top e uma saia rodada mostrando sua saliente barriga de grávida.

A lágrima enfim caiu na foto e a mulher ao meu lado olhou para mim com um olhar terno, que me fez lembrar da minha mãe. Ela me abraçou e afagou minhas costas fazendo com que mais lágrimas descessem de meus olhos.

- Deseja continuar? _ Ela perguntou depois de finalizar o abraço. Eu acenei brevemente e ela passou as demais páginas com as imagens de Sakura grávida.

- Neste dia descobrimos o quanto Sasuke Uchiha é incontrolável. _ Ela soltou um sorriso anasalado ao falar isso, e eu a a olhei em busca de uma explicação.

- Esta foto foi tirada por Naruto antes de você invadir a sala de parto de minha filha. Ninguém conseguiu te impedir de vê-la e estar com ela no nascimento do primeiro filho de vocês. _ Ela seguiu para a página seguinte em que mostrava eu segurando um menino com os cabelos lisos escorridos e a pele tão branca quanta minha. A forma com que eu o olhava era como se fosse uma joia preciosa e não tenho duvida alguma de que ele o é.

- Vocês foram muito felizes. _ A afirmação da mulher foi seguida por um suspiro pesaroso. Não entendi porque ele conjugou o verbo no passado, mas ela não me olhava para que eu a pudesse perguntar algo.

Então, achei melhor deixar quieto por enquanto.

As fotos seguintes mostravam a minha família com Sakura, nosso menino tão lindo com meus cabelos e os olhos mais lindos do mundo, nossos amigos, os pais da Sakura.

- Minha menina sempre teve um certo receio em ser mãe, mas depois que vocês se casaram o que mais ela queria era que o seu clã fosse prospero outra vez e que você tivesse o amor de uma família que tanto lhe faltou durante seu crescimento, então, ela fez de tudo para que a família de vocês prosperasse. _ Sorrimos um para o outro. E então mais uma foto de Sakura grávida se seguiu.

- Ela estava grávida das gêmeas, duas lindas meninas, nossas princesas. No dia que você soube que seriam duas meninas quase enlouqueceu, pois sabia o quanto seus amigos sofriam com filhas mulheres, mas ao mesmo tempo faltou soltar um rojão de felicidade, finalmente, teria suas flores para cuidar. _ Ela falou analisando a foto da minha linda esposa.

Na foto do nascimento das minhas princesas eu não consegui conter o sorriso e mais uma lágrima escorrer de emoção.

Quem diria que o grande Sasuke Uchiha, tão temido, viraria um chorão.

As meninas eram lindas loirinhas com os olhos negros. Olhei para a mulher ao meu lado e descobri o porque da cor dos cabelos das minhas filhas.

- São lindas, não?! _ Não conseguia falar nada apenas balancei a cabeça concordando.

O que mais me chamou atenção é que nas fotos seguintes a minha esposa não se encontrava em nenhuma delas. Enruguei a testa estranhando o fato olhei para a senhora, mas ela não me correspondeu, puxei-lhe o braço para que ela me olhasse e me explicasse que merda tinha acontecido.

No entanto, quando ela se virou para mim os olhos dela brilhavam o vermelho escarlate do sharingan e eu fui engolido por uma onda vermelha e negra.

Quando abri os olhos eu estava novamente em minha casa e estranhei. Mais uma vez levantei-me do chão e segui para a porta de fora da sala precisa tirar essa história a limpo, mas quando cheguei à porta estava trancada por mais que eu tentasse nada a fazia abrir.

Ouvi um barulho que vinha da parte de cima da casa e resolvi ir atrás.

Primeiramente, fui até a cozinha atrás de algo que pudesse me proteger do suposto invasor.

Peguei uma faca e alguns espetos de ferro que estavam na parte superior do armário.

Subi as escadas tentando fazer o mínimo barulho possível.

O primeiro cômodo era um quarto com duas camas e com a decoração feminina fofa, lembrei-me de minha sogra falando que eu tinha duas lindas princesas, então, aqui era o quarto delas.

Suspirei e senti um cheirinho de petonias, o aroma das minhas meninas.

O cômodo seguinte era o banheiro e o próximo era o quarto do meu primogênito, tão organizado quanto eu, seu quarto era impecavelmente limpo.

O cheiro amadeirado com um toque cítrico mostrava que o rapaz estava na sua faixa de transição.

O cômodo a frente era um escritório e pelos livros e detalhes era de Sakura.

Quando me deparo com a última porta do quarto meu coração se apertou e algo dentro de mim dizia que eu não devia abrir aquela porta, eu deveria ter a ouvido.

A cena com a qual eu me deparei era horrenda. O quarto cheirava a sangue fresco e quando olhei para o chão ele estava banhado de vermelho.

Como todo aquele sangue tinha ido para ali? E o mais importante de quem era aquele sangue?

Quando eu andava pelo ambiente, o barulho de algo grudento na sola do meu sapato se fazia presente.

Como o quarto estava em uma penumbra total, eu não conseguia enxergar muita coisa, então fui em direção à janela e abri a cortina.

Virei-me para continuar a busca pelo quarto, mas meu corpo retesou assim que vi o corpo miúdo e sem vida estirado na cama.

Não conseguia mais respira, nem piscar e muito menos mexer.

Aquilo não podia estar acontecendo.

Não podia ser minha Sakura ali.

Ela não tinha inimigos, era o ser mais bondoso que eu já conheci, não teria porque matar um anjo como ela.

Forcei minhas pernas a andarem em direção a cama e encontrei um pedaço de papel junto ao corpo da minha linda.

                Já que não lhe encontrei resolvi deixar essa mensagem para você.

              Muito prestativa e bondosa sua esposa.

            Espero que a dor que esteja sentindo seja tão grande que sinta vontade de arrancar seu coração só para ver o dela voltar a bater.

          Mesmo assim não será o suficiente para que minha vingança seja completa.

        Cuide bem de seu podre material genético. 

Amassei o papel com toda raiva do mundo.

Claro que ela não teria inimigos, mas eu tenho vários e condenei minha família a carregar esse fardo por mim.

Eu não consegui resistir aquela bela mulher de sorriso fácil e olhar encantador, de fala mansa e carinhos doces, de beijos inocentes e carícia voluptuosas e o meu pecado fez com que os demônios do meu passado perseguissem um ser tão puro.

Me desculpe, amor, por condenar-te a uma vida no inferno!

Acordei em um pulo, meu coração estava batendo forte e minha respiração descompassada.

Foi tudo um sonho.

Passo a mão pelos meus cabelos e depois no meu rosto e percebo que mesmo que tenha sido virtual aquilo doeu de verdade em mim.

E se eu estiver condenando Sakura a viver uma vida que ela não merece, apenas, para meu deleite.

Não posso fazer isso com ela.

O melhor para nos dois é nos mantermos afastados.

Que Kami-sama me de forças para isso, pois irei precisar. 


Notas Finais


A foto da Sakura grávida:
http://imagens1.ne10.uol.com.br/blogsne10/social1/uploads//2017/02/dribresciani-037.jpg
Obrigada a todos que acompanham a história e aos novos leitores sejam todos bem-vindos.
Obrigada aos quase quarenta favoritos!
Um grande beijo e abraço!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...