História Novo Horizonte. - Capítulo 17


Escrita por: ~ e ~cpf

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags Amor, Intriga, Superação
Visualizações 77
Palavras 1.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E ai galera, mais uma pequena demora pq a vida tá corrida e essa semana não parei em casa - só deus sabe os corre q fiz jadjnkajknda
Esperamos que gostem, beijão ♥

Capítulo 17 - Organizar.


Fanfic / Fanfiction Novo Horizonte. - Capítulo 17 - Organizar.

A semana que eu não esperava chegar, chegou. Luke começou a organizar as coisas para o casamento e mal fica em casa. Quando fica, não fala comigo, só se for para pedir um favor, para eu ir arrumar alguma coisa sobre o casamento. Eu faço, porque quero estar bem com ele, mas isso me incomoda muito.

Ele nem vai me convidar que eu sei. Okay, que já me chamou e eu disse que não ia e, de fato, eu não vou, porque não irei me sentir bem. Mas sei lá, se ele me convidasse de novo... Não, eu não iria.

Ashton está animado para ir e se ele realmente quiser, eu vou. Estou confusa, só isso. Mas tudo vai ficar bem no final. O que tiver que ser, será.

Anotei um recado para Luke que era sobre a degustação das comidas e vi Calum entrando na sala. Avisei para ele sobre o telefonema e o mesmo disse que falaria para Luke.

Fiz um joinha com a mão e perguntei de Ashton. Ele contou que Ash estava assistindo TV no quarto.

– “Assistindo”. – Fiz aspas com as mãos. – Estou louca pra ver logo esse resultado do exame.

– Isso. – Sorriu. – Estão pra chegar.

– Você vai sair?

– Logo mais, por que?

– Nada não.

– Me diga. – Cruzou os braços.

– Não é nada, sério.

– Certeza?

– Não, Cal, eu não estou bem. – Suspirei.

– Por causa do casamento? – Ele sentou ao meu lado.

– Exatamente. Eu estou mal. – Balancei a cabeça. – Eu quero a felicidade dele, mas não vai ser com aquela mulher.

– E se for?

– Será e eu ficarei satisfeita.

– Então, deixe as coisas fluírem, boba. – Apertou minha bochecha.

– Tudo bem, farei isso. – Forcei um sorriso. – De verdade.

– Fará mesmo?

– Claro, eu só quero ele feliz.

– Ele será e você também.

– Eu já sou, Calum, muito mesmo. – Consegui sorrir de verdade.

– É disso que eu gosto.

– Só falta você me deixar. – O abracei. – Mas acho que vou te deixar primeiro.

– Não vamos nos abandonar, por favor. – Riu.

– Eu e Ashton vamos nos mudar.

– Pra onde?

– Pra praia. – Esfreguei as mãos com a felicidade que me tomou.

– Que lindos. Posso visitar?

– Sempre que quiser. – Beijei sua bochecha.

– Ótimo! Eu preciso de férias.

– Mas vai sozinho, não quero a bruxa dois atrás.

– Fica quieta. – Revirou os olhos.

– Ela não é chata, só quando está com a bruxa um.

– Então, vamos só nós.

– Quando nos estabelecermos legal lá, vocês podem ir.

– Tudo bem. – Sorriu.

– Serão sempre bem-vindos na nossa nada humilde casa na praia.

– Gosto do “nada”.

– Ashton falou que quer uma casa grande, ainda mais se voltar a ver, e ele merece.

– Merece mesmo. Parabéns por ajudá-lo.

– Agora, eu vou te pedir algo. – O olhei. – Pode cuidar do café pra mim?

– Me parte o coração te ver falando isso.

– Por que? – Franzi o cenho.

– Porque é seu estabelecimento, ué.

– É por isso que eu estou te dando ele. Papai e mamãe sempre te consideraram filho deles, iriam amar te ver cuidando dos negócios da família.

– Mas eu sou médico.

– E daí? – Balancei os ombros.

– Tudo bem, eu assumo isso.

– Obrigada, isso me faria mais feliz.

– Você terá quanto do lucro?

– Quanto quiser me dar.

– Depois verei isso.

– Não é uma das minhas prioridades.

– Nem minha. – Rimos.

– Mas também não podemos largar o café, ele é algo importante pra mim.

– Eu vou cuidar bem dele. – Calum alisou minha mão.

– Eu sei que vai, você já faz isso muito bem.

– Bom, está na minha hora. – Bateu os olhos no relógio e suspirou.

– Vai com Deus, baby.

– Fique com Ele você também.

Calum me encheu de beijo na bochecha e se foi. Levantei e fui atrás de Ashton. Entrei em seu quarto e o vi “assistindo” tv. Ele estava de olhos fechado, como se estivesse dormindo, mas na realidade não.

Me aproximei do mesmo e beijei sua bochecha, ele abriu os olhos e sorriu. Ash me puxou e deitei em cima de seu corpo. Perguntei como ele estava se sentindo hoje, virou rotina perguntar isso e ele contou que Calum havia lhe dado um remédio e seu estômago revirava um pouco.

Pedi que ele ficasse à vontade para passar mal, pois eu estava ali para o que der e vier. Ash gargalhou e me chamou de “prestativa”. Mordi sua bochecha e falei que para ele eu era.

Ficamos rindo e paramos quando o beijei. Eu me viciei em seus lábios e sempre estou lhe beijando. Tem um gostinho muito bom, são docinhos de verdade. Acho que é a pasta de dente. Ashton me afastou um pouco e respirou fundo duas vezes.

Perguntei se ele iria vomitar e o mesmo ficou quieto.  Alisei suas costas para dar uma forcinha e ele vomitou no chão, o que me fez rir baixinho. Eu até já me acostumei com isso, faz parte do tratamento.

O ajudei a deitar e fui pegar as coisas para limpar. Assim fiz e voltei a deitar com ele. Ashton ficou fazendo caretas o tempo todo. Ele mesmo passando mal, continua sorrindo. É disso que eu mais gosto nele, mesmo com toda a merda, ele está bem. Ele mudou tanto. Quando ficava triste, continuava assim e agora não.

Sua autoestima está ótima. E ficou mais ainda quando foi falar com a mãe no sábado retrasado. Ele a perdoou e fingiu que nada havia acontecido. Ela ainda não vai muito com a minha cara, mas eu nem me importo. Eles só precisam estar bem, são mãe e filho.

Perguntei para Ash se ele sentiria falta de alguém quando fôssemos embora. O mesmo negou e falou que estava pronto para ser livre, mas eu disse que sentiria saudade de Michael. Ele riu e falou que Michael seria nosso convidado nas datas comemorativas.

– Sem dúvida. Já quero que ele seja nosso padrinho de casamento.

– Seria bem legal.

– Ele que juntou nós dois. – Lembrei.

– Ele deveria ser padre.

– Eu me casaria com ele.

– Era pra ele nos casar. – Sua cara se fechou e gargalhei.

– Quem sabe, podemos falar com ele sobre isso.

– Mas ele não é padre.

– Mas ele pode nos casar se fizer um curso.

– Mas ele é casado.

– Então, ele só é padrinho mesmo. – Nos conformamos.

– Seremos felizes de qualquer jeito.

– Já somos. – Entrelacei nossos dedos. – Como está seu coraçãozinho? Logo sabermos se poderá fazer a cirurgia.

– Batendo e o seu?

– Você é tão bobinho. – Ri baixinho.

– Mas não sou mentiroso.

– Eu sei, Ash, e é isso que mais gosto de você.

– O fato de eu não ser mentiroso?

– Sim, sua sinceridade me alegra.

– É bom pra sociedade? – Franziu o cenho.

– Claro que sim, mas qual é da pergunta?

– Eu não sei como é a sociedade.

– Não se preocupe com ela.

– Por que?

– Logo mais, vamos fugir dela para viver no nosso paraíso.

– Viveremos lá para sempre.

– Se depender de nós, vamos mesmo.

– Nunca pensei que faria isso. – Um sorriso surgiu em sua face.

– Imagina eu.

– Mas eu nunca saí de casa. Era limitado.

– Não terá mais isso.

– Ao seu lado, eu vou até o infinito.

– Nós vamos. – Sorri e nos beijamos.

– Até as estrelas. – Ele cantarolou.

– Ou além delas. – Suspirei calmamente.

– Para outra galáxia.

– Eu te amo, Ash. – Baguncei seu cabelo. – E estou muito orgulhosa do homem que é.

– Eu te amo e quero que sempre tenha orgulho de mim.

– Se você já é assim cego, imagina se conseguir ver.

– Vou te explodir de orgulho?

– Com toda certeza. – Rimos e ele me abraçou com força.

Só Ashton mesmo para distrair minha cabeça. Ele me leva além e nem deve perceber. Com essas coisas sobre o casamento, eu fico irritada e insegura. Penso que, daqui dois dias, Luke vai me esquecer. Imagina se eles tiverem um filho? Vai ser assim mesmo que ele me esquecerá para sempre e depois diz que somos irmãos. Não somos nada, ele é um desgraçado.

Suspirei e limpei meu rosto molhado. Ashton perguntou se estava tudo bem e respondi um pequeno “sim”, em seguida, me desculpei. Senti um beijo na testa e ele pediu para eu dormir. O agradeci por tudo que Ash é e me encaixei em seu corpo. Ashton colocou sua mão em minha bunda e deu uma leve apertada, me fazendo sorrir e beijar seu peito. Fechei os olhos e cochilei.


Notas Finais


Você me deixou muito emocionada por ter chegado até aqui embaixo, então faça um comentário se for possível, isso é muito importante para nós :)
Tha&Nany


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...