História O barulho atrás da porta - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ao no Exorcist
Personagens Rin Okumura, Ryuji "Bon" Suguro
Tags Ao No Exorcist, Blue Exorcist, Bonrin, Lemon, Okumura, Rin Okumura, Ryuji Suguro, Ryuji X Rin, Shonen-ai, Suguro, Yaoi
Visualizações 47
Palavras 2.277
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Lírica, Misticismo, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pessoal espero que gostem!!!
Dedico a minha Lua! Meu Dudu! minha mama! Minha Alice!! Todos meus amigos!!❤❤

Bon x Rin Lemon espero que gostem!

Capítulo 1 - Capítulo Único.


Fanfic / Fanfiction O barulho atrás da porta - Capítulo 1 - Capítulo Único.

Hoje era o dia da expedição de Yukio Okumura,onde parece que o conselho havia chamado o todo dia nesse mesmo horário,chegando a ser monótono ele sair para essa conversa particular.

Já Rin Okumura,ninguém sabe.
eu estou aí para esse idiota? Nem que me pague.
Ele é um dos mais irritantes,mesmo que agora já sabemos o segredo a respeito dele e ele não é mais um estranho mentiroso,agora ele apenas se torna estranho.

Filho de satãn mesmo que tudo isso seja verdade,eu admiro os ideias do Rin de como não querer se tornar como seu pai,por isso não o odeio e sim odeio o maldito demônio,ele deveria me agradecer por elogiar ele,aquele cabeça oca.

Estava saindo em direção ao prédio do Rin Okumura, como era separado do nosso.
Chegando lá a pedido do pessoal para avisar que teria uma venda de sorvete,era um motivo bobo para ir chama-lo,mas era a verdade e afinal eu havia perdido o pedra,papel e tesoura para ver quem iria,ao chegar perto da porta de madeira do seu quarto daquele prédio mal cuidado,naquele instante em que eu iria bater na porta,de dentro havia um gemido sôfrego.

Minha mente vagou e eu iria abrir aquela porta achando que alguém naquele quarto estava em perigo,será que Rin estava maltratando alguém,aquele demônio.

O som saiu em um timbre mais alto e naquele instante notei que não era um gemido de alguém sendo machucado,mas um gemido de prazer,me aproximei da porta para ouvir melhor e de dentro daquele quarto as arfadas eram contidas através de um travesseiro,mas algumas não eram contidas o suficiente saindo de um modo doce e sexy.

-Merda,Okumura!

Sussurrei perto da porta e era vergonhoso estar ouvindo aquilo ainda mais humilhante estar escorado naquela porta apenas para ouvir o doce gemido,imaginei quem Rin estaria fazendo suas brincadeiras,qual das garotas tinha uma voz tão sexy ao gemer ?
Eu nunca confessaria isso em voz alta,mas aquelas arfadas me afetaram e fizeram meu corpo inteiro ficar quente e febril,tratei de me afastar e sair daquele local depressa sentindo meu coração disparar com aquela adrenalina e então me coloquei a pensar como Okumura era um burro por fazer isso no quarto em que tinha o seu irmão e se seu irmão aparecesse...então caiu a ficha que ele era bem esperto por fazer aquelas sacanagens,enquanto seu irmão estava na expedição...porém quem estava no quarto com ele?

-Bon! Chamou Shima acenando para me aproximar e naquele instante Shima deu uma sorriso entusiasmado.

-Chamou o Rin?

Naquele instante disse que Rin não estava no quarto e os mesmo pareciam acreditar e observei as garotas conosco e notei que Shimi estava,então ela sairia da lista,talvez Izumo estivesse com o Rin...? Porque eu me importa com isso,que estressante.

Logo os dias passaram e não sabia nada sobre a tal garota misteriosa e nem cheguei a contar a ninguém sobre o que houve enquanto Yukio estava na expedição, havia ate perguntando para Shiemi que eu sabia bem que era amiga do Rin,foi dificil tentar explicar para ela sobre a possível namorada do Rin,o dia da reunião havia chegado como todos os outros e estava eu ali na frente da porta do Okumura e ouvindo novamente aquelas arfadas e gemidos,de novo... então as idas ao o conselho não eram a única coisa que aconteciam todo dia,no mesmo horário,toquei levemente na porta curioso para saber quem era e sem pensar , me escorar a maldita não estava fechada.

Entrei no quarto apenas apoiando na porta e lá estava Rin,em sua cama sem nenhuma garota em volta e sim o Okumura com a bunda empinada para cima com uma blusa branca que escorregava pela suas costas enquanto seu rabo demôniaco estava tremendo,seus dedos invadiam seu ânus e do mesmo escorria um lubrificante transparente,moviam em vai e vêm e Rin excitado gemia,enquanto podia ver agora suas coxas bem bonitas e redondinhas e dela escorrendo o lubrificante e em choque,eu dei passos para trás e o mesmo notou um barulho estranho além de seus gemidos naquele quarto,aquilo era tão bizarro o pior de tudo,era muito excitante.

-Okumura!

Exclamei e ele levantou com tudo da choque e escondendo seu corpo com a longa blusa branca e seu cabelo negro caia em seus olhos azulados,podia ver seu rosto corado e como ele arfava e seus lábios vermelhos entre abertos soltando o ar,os olhos azulados dele estavam marejados e ele os fechou parando para se recuperar,Sexy...

No que estou pensando?
MERDA
MERDA
MERDA
Okumura de merda!

-Bon? O que está fazendo aqui?

Falou com rosto corado e gaguejou um tanto sem graça por eu estar ali o olhando daquela forma tão íntima,a blusa branca dele ficava molhada pelo seu membro ereto que ele não podia esconder e dei um sorriso sacana querendo provocar.

-Não sabia que gosta de pênis,Okumura!

Rin corou mais ficando até mesmo suas bem feitas orelhas pontudas vermelhas,levantando bruscamente indo em direção a mim rápido e ágil com intensão de agarrar meu pescoço o mesmo parou no meio caminho e sua cabeça foi virada em direção para baixo e olhava meu abdômen e então naquele instante eu franzi minha testa e abaixei o olhar para minha cintura e notei que minha calça havia um volume da minha própria ereção estava me sentindo quente,mas eu cheguei a ficar ereto por causa daquele ser?
Ele caiu de joelhos e fiquei surpreso quando ele tocava em meu membro ereto ainda cobrido pela minha calça,ele fazia um carinho com seus dedos arfando com o rosto corado perto da minha ereção.

-O sujo falando do mal lavado.

Sussurrou Rin com a voz rouca e foi delicioso de ouvir. eu ia afastar ele,porém ele já abria o zíper da minha calça e a mesma escorregou para baixo,deixando visível como ele estava me afetando,ele abaixou a box e meu membro saltou para fora e mordi os lábios ao ver como Okumura estava próximo dele,o garoto colocou a mão em volta e gemendo baixinho apenas em segurar.

-Bon...Isso é bem...

Ele não tinha palavras para descrever o tamanho do meu pênis e isso me deixou levemente orgulhoso,mesmo que não fosse hora para pensar nessa bobagem.

Ele movimentou sua mão em fricção,colocou logo sua boca e passou a língua por toda glande a deixando molhada e suspirei nunca imaginaria que aquele idiota faria algo assim,ele logo abocanhou sem usar seus dentes pontudos e apenas sugou meu íntimo pela sua boca veludosa e quente,quando o mesmo não cabia ele usava suas mãos para movimentar e estava com rosto avermelhado,enquanto eu observo o erótico Rin fazendo isso tão bem.

Não demorou muito para Okumura aumentar os movimentos com sua boca e agora meus dedos puxavam seu cabelo negro e macio,quando senti que meu limite estava chegando,puxei com pouco de força seu cabelo para trás e seus lábios soltaram ouvi o excitante estralou ao ele parar de chupar e meu orgasmo sujou seu rosto e o mesmo abriu os labios carnudos, proximou limpando meu íntimo sujo e se dando o prazer de experimentar o meu gozo.

Naquele instante eu ainda não havia ficado normal,mesmo que garoto havia me feito gozar,logo me recuperei apenas ao olhar para seu rosto todo sujo e corado,aproximei segurando seu cabelo entre meus dedos e toquei meus lábios nós dele,sem pensar em nenhuma conseqüência,de como o irmão dele podia entrar naquele instante ou de que a porta não estava trancada,apenas juntei nossos lábios em selinho de um modo singelo,Rin passou seus finos braços em volta do meu pescoço e logo me puxou mais e fiquei entre suas pernas e nossos membros entraram em contato e soltamos um gemido entre aquele beijo que se aprofundara em sincronia e luxúria.

Levantava sua blusa não me importando que estavamos deitados no chão,tirei ela prendendo os braços de Rin acima da cabeça,observando seu corpo pálido e seus lindos mamilos rosa que contrastava em sua pele alva,logo minha língua quente entrou em contato e foi tirado um gemido pelo qual ele não pode esconder e por mais gemidos,eu maltratei seu mamilo com meus dentes,logo baixinho ele chamou pelo meu nome...Desgraçado,ao ouvir sua voz doce chamando daquela forma prazerosa fez com que ficasse com vontade de foder ele.

Controle
Controle,Bon!

Rin soltou seu braço de sua blusa e com um dos seus braços esticou segurando nossos membros juntos e movendo em uma masturbação senti o meu toque ao íntimo dele e segurei um gemido,mordendo com força meus lábios.

Não me aguentando,segurei suas pernas em baixo de seu joelho e coloquei para cima tendo a visão surpresa de sua entrada seu rabo balançava se enrolando na perna dele e eu toquei a cauda massageando e o mesmo soltou um gemido em tom mais alto .

Aquele lugar era sensível? Não esperava menos.

Continuei massageando e vieram gemidos em resposta e o mesmo estava com seus olhos em lágrimas de tanta excitação,tão frágil daquela forma,ele levou os dedos a sua entrada apertada e abriu sussurrando lentamente para mim.

-Bon,por favor, coloque seu membro aqui dentro...

E aquilo parecia sem lógica alguma,mesmo que já tenha visto porno gay,nunca fiz algo na prática e ainda mais fazer com o Okumura...

Bon,segue a lógica
O que é um peido para quem está cagado.
Falei para mim mesmo me convencendo,afinal eu queria aquele corpo,eu desejava ter Okumura em meus braços para cuidar,não era algo que se definia apenas sexo e sim além.

Olhei seu corpo enquanto ele abria sua entrada com seus dedos,seu corpo pálido e seus mamilos rosas durinhos todo mordido,marcas roxas pela sua pele alva,seus lábios avermelhados e seus olhos azuis entre abertos,marejados.

Ele era um anjo,mas do que tinha de característica física de anjo,de resto era um demônio cheio de luxúria.

Eu prometi acabar com os demônios e eu iria ...iria foder esse demônio,esses pensamentos pervertidos vagavam em mim mente,o Rin ainda abria sua entrada e naquele instante segurei meu membro roçando naquele local apertado e disse de um modo sacana

- Onde você me quer Okumura?
peça de novo!

Rin olhou para mim com reação estressada e então apertei meu membro entrando apenas a cabeça e o mesmo gemeu ao notar que parei e seus lábios estavam abertos escorrendo sua saliva e pediu

-Bon...Dentro de mim,por favor.

Sorri colocando toda extensão dentro do mesmo e ele soltou um grito doloroso com o volume em seu ânus,sua entrada me espremia,eu movi lentamente tentando pegar espaço dentro do mesmo que logo ficou fácil o movimento e nossos corpos estavam febris,o rosto Rin expressava dor e prazer,suas bochecha toda corada,chamando pelo meu nome,suas unhas pontudas riscavam minhas costas e meus lábios marcavam seu pescoço com os meus dentes e deixava marcas roxas e avermelhadas,seria difícil de esconder,meu instinto possessivo foi maior,marcar o Rin apenas como meu.


Meus movimentos aumentaram e suas costas encostando no chão e enquanto pressionava minhas mãos em baixo de seu joelho,dando estocadas fortes. a procura do seu ponto sensível,como nos vídeos gays falavam,era maravilhoso como a sua pequena entrada me apertava e os movimentos pareciam contrair no meu íntimo.

-Princesa!

Chamou Rin provocando por mim em tom de gemido.
"Okumura Seu filho de uma puta!"
Movimentei mais rápido dentro dele não tendo dó alguma achando seu ponto G,ao ele soltar um som diferente e com violência movi contra o local e sua voz saia como música em sofrimento com o prazer e a dor,logo Rin se desmanchou em meu abdômen e estava quase,antes que eu pudesse o menor empurrou meus ombros me fazendo sair de dentro dele e me sentar,desengonçadamente ele subiu em meu colo segurando meu pênis e introduzindo dentro dele e eu estava surpreso,ele sempre me surpreendia,o menor expressou uma reação de dor e então moveu rebolando em meu íntimo e então quicou movendo até a minha base e estava mesmo excitado ao ver sua cintura rebolando e ele jogava a cabeça para atrás e seu pescoço estava exposto,logo o mordi passando minha língua e nossos corpos já suavam e se  cansavam com os movimentos,mesmo que Rin fosse todo elétrico,ele se movia enquanto meus dedos apertavam suas cintura deixando marca avermelhada.


Estava chegando ao meu clímax e movi o mais rápido fechando os olhos,quando meu orgasmo chegou ele lotou o interior de Rin que com o líquido quente arfou,mordendo seus lábios avermelhados,meu gozo agora escorria de dentro dele,quando o retirei escorrendo pelas pernas do Okumura,ele tocou em meu rosto e fez um leve carinho em minha barba em direção ao meu queixo.


-Lindo...

Sussurrou Rin e ele sorriu aproximando meus lábios,tocando sua língua por cima dos meus finos,abri lentamente e nosso beijo voltou a acontecer singelo e romântico,não selvagem e necessitado como ocorreu o primeiro,era apenas bom ...

Ao subirmos na cama dele e limparmos o local ,Rin se vestiu e me olhou no fim de terminarmos,não trocamos palavras,na hora que achei que devesse ir embora,Okumura segurou meu braço e me puxou me abraçando e suas forças ainda continuam normal,era mesmo um demônio energético.

Imaginei se meu orgasmo ainda escorria entre suas pernas,ele teria um tempo para limpar no banho,ele me olhou com um sorriso e segurou entre suas mãos minha orelha e minhas bochechas fazendo um carinho e toquei a cintura dele e sussurrei


- Prometo, voltar aqui todos os dias,nesse mesmo horário.

Ele sorriu ,supreso e ficou nas pontas dos pés para aproximar,mesmo que nós dois teriamos muitos demônios para exorcizar,mesmo com todas as complicações e aquele jeito estressante dele,eu senti que eu e o Okumura ainda daríamos certo em um futuro.


A porta foi aberta e Yukio estava falando em alto e bom som

-Rin o pessoal estava chamado e...

Notou a proximidade de Rin e Suguro e naquele instante o Yukio soltou um grito surpreso.

Certo,nem tudo deu errado?

Valeu a pena ouvir o barulho atrás daquela maldita porta.


Notas Finais


Pessoal! Se houver errose perdoe ainda nao revisei!!
Deixem sua opção! Boa ou Ruim!!❤
Ajuda muito ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...