História O meu melhor caminho - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Molly Weasley, Ronald Weasley
Tags Romione
Visualizações 52
Palavras 1.270
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente geralmente mulheres que sofrem ou quase sofrem estupro não querem ter contato com outros homens
Mas aqui está claro que não hipótese alguma de Rony tentar se aproveitar da situação e da fragilidade da Mione

Capítulo 10 - 10- Um banho de sentimentos


Hermione olhou para a mão do primo e encarou o chão por alguns segundos
Não estava entendendo nada, como num momento tinha ódio dele, mas agora ao mesmo tempo estava completamente entregue ? Será que o ódio era um sentimento que não existia? Que apenas  confundiamos com rancor, mágoa e decepção? 

Não,  não! Definitivamente não sentiu só decepção por aquele crápula do Jean,  ela sentiu ódio, muito ódio, tinha certeza sim que aquele sentimento existia agora. Mais por que diabos não estava o sentindo por Rony naquele momento?  Ela não o odiava? Não o abominava ?

Deus!!! Como explicar tudo isso!

Ela levantou delicadamente o braço e pegou na mão dele, entrelaçaram os dedos e ficaram se olhando,  levantou todo o corpo da cama e pós os pés no chão.

Ela o abraçou....sim! Dessa vez foi ela. Abraçou o rapaz fortemente apenas sentindo a sua barba rala arranhar seu pescoço quando encostou o rosto naquela parte do corpo.

Ele fechou os olhos e sentiu o cheiro dos cabelos dela, o cheiro era doce e envolvente. Não sabiam por que mais era tão bom se abraçarem,  sentiam uma paz tão grande, um sentimento tão forte que nenhum dos dois sabia explicar.

Ela apertou de leve o braço dele quando tirou a mão de seu pescoço,  foi se afastado tão preguiçosamente que parecia que iria parar, ele a olhou dinovo.

Por céus!! eles não se cansavam de fazer isso.

Ela notou que a camisa dele estava praticamente  toda aberta e sentiu um calafrio quando notou que ao abraça-lo havia encostado a parte do seio que estava quase a mostra por causa do rasgado na camisola em seu peitoral

Corou violentamente com aquilo.

- Acho que você precisa fazer isso logo -Ele disse dando um meio sorriso.

- Tá, tá bem!- Ela responde praticamente sem voz.

Ele apenas assentiu e a seguiu para o banheiro

Ao entrarem no cômodo nada disseram, Hermione apenas se virou para o primo com receio

 -Ei..tudo bem! Vamos fingir que somos irmãos, já somos primos não fica tão difícil- Ele piscou o olho para a ela

Rony não sabia porque estava  sendo tão doce, apenas agia por extinto, sua mente o repreendia minuto a minuto, mais seu corpo  e seu coração dizia o contrário , era dois contra um afinal.

Ele chegou até mais perto da menina e passou  abrindo o box e o chuveiro , a temperatura estava muito quente o que o fez imaginar como alguém conseguiria tomar banho naquela água. Demorou poucos segundos e o banheiro já estava completamente nublado pelo vapor quente.

Ele voltou para Hermione que o observava atentamente e sem pedir permissão,  levou as mãos até o seu ombro deslizando sobre eles os dedos levemente. Num movimento lento... abaixou as alças da camisola o que fez Hermione olhar um pouco assustada para ele. Não sabia o por que, mais confiava plenamente nele.

Quando os dois olharam juntos para o chão, lá estava a peça caída, rasgada e suja, totalmente sem utilidades.

Ele levantou o olhar primeiro, mais não foi tão rápido, não mesmo! Ele foi aos  poucos, o olhar percorria atentamente cada parte do corpo dela, sentiu seu corpo quente feito brasa, parecia que havia um fogaréu dentro de si , como alguém poderia tentar maltratar aquele monumento? Como fazer tal crueldade? Pensou ele!

Ela levantou o olhar e o encarou levemente corada

Deuss!! estava nua na frente do primo, do seu primo que não suportava. O que estava acontecendo com ela?
Ele chegou mais perto aos poucos e lhe deu um beijo estalado na bochecha.

- Hermione preciso ir .. er. ... fique bem -  passando as mãos pelos cabelos ele disse com um pouco de receio
Ronald tinha que fugir daquela situação estava sentindo seu corpo reagir a todo aquilo e precisa sair dali antes que algo que se arrependerá amargamente acontecesse.

Ela nada disse, mas mesmo assim não escondeu seu olhar de decepção,
apenas balançou a cabeça concordando com Rony.

Ele deu uma última olhada para ela e se dirigiu a saída do banheiro quando ela praticamente sussurrou apenas para si mesma, um obrigada!

 Ronald estava atento e se virou

-Por nada! Hermione!!- Ele disse o nome Hermione saboreando cada letra parecia queera um perdição para seus pensamentos.


Saiu do banheiro e deixou a menina ali, solitária e com os pensamentos a mil, estava definitivamente perdida naquela confusão de sentimentos, entrou debaixo d'água e deixou cair sobre o corpo, apenas tentou imaginar que aquela água substituía os braços dele.

Mais não, definitivamente, não!

 Passou as mãos pelo pescoço e fechou os olhos lentamente tentando sentir o toque dele naquele local, tentando sentir...



                              .......
-Peter! Peter, o que aqueles dois estão fazendo lá? Mas que demora!!- Perguntou Marise apreensiva
 
Marise e Peter tinham voltado para a cozinha, já era tarde, mas mesmo assim resolveram esperar, estavam muito atordoados com o acontecimento.

-Marise não sei, sinceramente Ronald estava tão nervoso, mas depois ele nos pediu por favor entende isso ? Por favor Marise!

Peter ainda não tinha entendido até então o patrão que de repente havia se transformado a ponto de falar " por favor" com ele e Marise. Para ele Ronald estava tão nervoso que iria matar todos eles naquele quarto ao mesmo tempo.

Marise apenas revirou os olhos com o comentário do amigo

- Acha que ele está ajudando ela Peter? Perguntou Marise

 Peter nada respondeu, apenas  ficou a pensar em toda situação que ocorreu mais cedo, e em como  às pessoas nos surpreendem com atitudes boas mas também com aquelas monstruosas.
               .........

Ronald entrou em seu quarto praticamente correndo como se alguém o seguisse, fechou a porta se encostando nela e deslizando até o chão...tirou a camisa e a jogou em qualquer canto.

Se levantou  um pouco perturbado e se serviu com uma dose de whisky, deu uma golada bebendo o líquido tudo de uma vez. Estava sentindo um calor insuportável subir por todo o corpo.

Entrou no banheiro tirando os restos das roupas com urgência. Ligou o chuveiro e o regulou numa temperarura mais fria possivel, zero grau seria o ideal naquele momento, mas não havia essa opção.

Pousou as mãos sobre a parede do banheiro contraindo todos os músculos do corpo deixando a água cair em sua nuca.
Levou as mãos aos cabelos os penteados para trás com os dedos,
Estava confuso, estava sentindo coisas estranhas, coisas que nunca sentiu antes, parecia que havia um circo dentro de seus corpo não deixando se quer uma célula dele parada, não sabia o que era aquilo, era para apenas estar com raiva agora, muita raiva! Raiva daquele imundo! Mas parecia que o sentimento de ódio havia sido tomado por outras coisas dentro de si, que  desesperadamente não sabia o que era.

Fechou o chuveiro e se enrolou na toalha..

Queria voltar lá e amar aquela mulher  desesperadamente até o último segundo de sua vida, queria tomar o seu corpo e curar qualquer ferida que estivesse lá, feridas até mesmo causadas por ele também.

Mas como assim amor ? Como poderia pensar naquela palavra?

Estava louco, só podia! Muito louco mesmo!

-Não, não!!! Impossível - Ele se questionou

-Isso não existe!!!- Deu um soco de leve no próprio peito se reeprendendo

-Caramba!!! droga.... mil vezes droga por que estou pensando isso? 

Andava de um lado para ao outro do quarto extremamente louco em seus pensamentos que agora parecia que haviam sido domados por seu coração.

 Jogou se na cama sem nem mesmo se trocar, pensou apenas que amanhã seria um novo dia. Iria dar queixa do Francês e o faria mofar na cadeia.
Definitivamente esqueceria aquele assunto para sempre.

Notas Finais


Qualquer crítica por favor sintam se a vontade
Desculpem qualquer erro de português, não sou muito boa nisso


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...