História O Par(k) Perfeito - Capítulo 22


Escrita por: ~ e ~aegyossi

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Abo Universe, Jikook, Jikookwriters, Jimin Ômega, Jungkook Alfa, Universo A/b/o
Visualizações 1.578
Palavras 3.044
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltaaaaaaamos!
Aqui quem fala é a JaeJae, a mais linda desse spirit MENTIRA, N TENHO ESSA AUTO ESTIMA!
OBRG AOS 2,2K... MDSSSSSSSS EU TÔ SURTANDO COM TODAS AS MINHAS FORÇAS!!!!

PESSOAS, O TRAILER DE OPP SAIU PRA QUEM NÃO VIU, EU VOU DEIXAR NAS NOTAS FINAIS!
BOA LEITURA ❤

Capítulo 22 - Uma Única Alma


Acordei cedo, disposto a sair para a casa de Taehyung, pois eu não o via pessoalmente havia um bom tempo e já estava com saudades daquele maluco. O Kim já era meu amigo há um longo período, tanto que se porventura, eu ficasse longe do mesmo durante muito tempo, eu me sentia desconfortável, visto que é com Taehyung que também desabafo as dificuldades e felicidades. Depois de Jungkook, com certeza, Taehyung sempre foi meu confidente e cúmplice.

Naquele dia, eu estava à caminho de sua casa para assistirmos um filme de comédia romântica que o Kim enlouqueceu quando soube que havia lançado, ele me dissera que o filme era parecido com Crepúsculo com menores doses broxantes de drama, eu havia ficado feliz com o fato, já que eu não sou apreciador das curvas do Jacob ou do rosto simétrico do Edward. Acho tudo muito artificial.

Enquanto eu estava disperso em meu pensamentos, senti meu celular vibrar eu meu bolso e vi que era Taehyung ligando, mas eu já estava praticamente na frente de sua casa.

— Que foi, Taehyung? — perguntei com um sorriso no rosto, mesmo sabendo que o Kim não veria.

— Onde você está? “Amor selvagem” não vai esperar você chegar. — o mais novo falou num tom indignado.

— Amor selvagem? É esse o nome do filme? — questionei-o, enquanto me concentrava em atravessar a rua para logo chegar à sua casa.

— Sim, algum problema? — ele me perguntou e eu ri soprado com sua voz enraivecida.

— Não. Abre a porta, já estou aqui na frente! — disse e desliguei o telefone antes de ouvir qualquer manifesto do mais novo.

Não demorou nem um pouco para que Taehyung já estivesse abrindo a porta, enquanto começava a me dizer diversos sermões sobre como eu havia chegado atrasado. Nós dois sabíamos que era papo furado, visto que eu cheguei no horário previsto, Taehyung só estava matando as saudades.

Eu e meu amigo ficamos conversando durante um bom tempo até começarmos a assistir o filme de fato. Direcionei-me até a cozinha, pois Taehyung havia me dito para fazer uma pipoca e levar refrigerante para nós, foi uma disputa e tanto para saber quem iria se levantar do sofá para fazer estas coisas, se não me engano foram no mínimo oito partidas de Jokenpô. Claro que o mão sortuda aqui teve a proeza de perder o joguinho.

Pus a pipoca no microondas e abri a geladeira para pegar o refrigerante.

— E como está Jungkook? — Taehyung havia gritado da sala.

— Muito bem! — respondi.

O que não era nenhuma mentira, Jungkook ficou tão radiante quando soube sobre a entrevista que sua alegria era visivelmente transparente para qualquer um. Isso era um fator que realmente me atraía ao alfa, sua visão alegre diante das coisas sempre me deixava, consequentemente, feliz também. Seu lado carinhoso sempre era bem vindo por mim, os cafunés que o Jeon dava em meu couro cabeludo eram os melhores que existem, seus selinhos necessitados também não perdem em nada. Eu me sentia o ômega mais sortudo do mundo por tê-lo.

Realmente, Jungkook é alguém que deve ser apreciado mais que qualquer arte, seus dentinhos brancos chamativos e os olhos grandes eram irresistíveis e inevitáveis ao olhar de qualquer pessoa. Sim, eu era o mais sortudo, definitivamente. Quem diria que em algum dia eu me veria com alguém tão cuidadoso, atencioso e carinhoso como Jungkook, este que eu não queria dar muita atenção quando estávamos no comecinho da criação do site, que agora tomou essa proporção nunca imaginada por nós dois.

A notícia da entrevista veio de uma forma tão inusitada que eu mal podia acreditar quando Jungkook havia me mostrado. Como um simples site para um trabalho viraria algo tão grande assim? Eu nunca imaginaria que uma coisa dessas tomaria um rumo tão grande como estava tomando. A pergunta que não quer calar é: O que viria após a entrevista?

Provavelmente o site cresceria em maior escala, pois a entrevista não seria coisa pequena. Imaginar isso me dava calafrios na barriga, nunca havia passado por tal coisa antes e não tinha a mínima ideia de como agir diante do entrevistador e eu mal sabia se Jungkook além de animado, também estava nervoso ou até mais que eu.

Imaginar que o nosso site poderia ser visitado por uma grande escala de pessoas me fazia respirar em falho, talvez meio milhão? Ou que tal um milhão de pessoas? Estaria exagerando demais? Talvez, mas eu não tinha culpa alguma se estava morrendo por antecipação.

— Jimin, cadê você?! — Taehyung esganiçou da sala, enquanto eu terminava de encher os copos de refrigerantes.

— Já estou indo. — respondi-o e peguei tudo com dificuldade, enquanto ia caminhando em passos cegos até a sala. Quando me aproximei de Taehyung, o mesmo me ajudou com as coisas em minha mãos e me vi livre para sentar-me ao seu lado.

— Meu Deus, há quanto tempo não fazemos isso? — Taehyung questionou enquanto enchia a mão com pipoca. — Fazem meses, não é? — pendeu a cabeça para o lado e me fitou. Afirmei com a cabeça e sorri largo, vendo que, finalmente, pude ter a companhia de meu melhor amigo depois de algum tempo.

Taehyung parecia tão animado em assistir aquele filme que balançava sua perna em sinal de pressa para que os comerciais do mesmo passassem o quanto antes, murmurando um "Por que comerciais de filme existem?" e dando alguns muxoxos quando via que o comercial que acabara de passar não seria o último.

Ficamos no mínimo cinco minutos esperando que o filme finalmente começasse, mas Taehyung fez parecer com que fosse uma eternidade. Bebi um gole de refrigerante enquanto prestava atenção no filme que havia começado de uma forma que me fazia me interessar pelo mesmo.

Para resumir, o filme era quase uma adaptação de crepúsculo, porém mil vezes melhor, na minha opinião. Desculpem aos fãs da saga, mas realmente, Amor Selvagem era melhor. Os personagens eram bem construídos e um deles me lembrou o jeito do Jungkook, o que me fazia dar gritinhos toda vez que este aparecia.

— Essa menina é um embuste, ela não entende que o Jonhyu não foi feito 'pra ela e sim para o Jimiye? — Taehyung disse indignado e eu concordei em um "não é?" baixo.

 

                              [...]

 

— Taehyung! Que tipo de final é esse? — fiquei de frente para o mais novo, com um semblante revoltado. — Cadê a parte dois? Eu quero agora, vamos! — bati palmas apressado indicando que ele deveria arranjar a segunda parte do filme, nem que fosse do outro lado do mundo, mas o mais rápido possível.

— Acaba assim mesmo. — disse simplista, com um sorriso no rosto.

— Aca-acaba assim me-mes... — gaguejei. — Taehyung, você tem o e-mail dessa produtora de filmes? Eu vou denunciá-la. — disse, enquanto batia meu pé esquerdo no chão, irritado.

— Que? Não! O jeito vai ser esperar mesmo. Pra' quem estava zoando com o nome do filme, você está bem animado para uma continuação, não é? — Taehyung sorriu malicioso.

— Cla-ra-men-te. Você viu como o Jonhyu ama o Jimiye? Eles são muito lindos juntos! — esclareci para o mais novo enquanto me sentava ao seu lado novamente.

— Eles me lembram você e o Jungkook, por isso quis que assistisse. — o Kim bagunçou meu couro cabeludo e sorriu quadrado. Senti minhas bochechas queimarem ao ouvir tal coisa, pois o casal do filme era realmente unido e superava qualquer dificuldade que pudesse atrapalhar a relação dos dois.

— Você acha mesmo? — perguntei sorrindo sem mostrar os dentes, recebendo uma afirmação de Taehyung. Sorri largo e abracei meu melhor amigo, me confortando em seus braços e quis que Jungkook também estivesse ali, para que eu pudesse abraçá-lo também. Era inevitável querer isso, afinal, havia acabado de assistir um filme de romance, eu estava sedento por algum carinho do Jeon. — Obrigado, Tae. — sorri fazendo com que meus olhos ficassem em dois riscos e desfiz o abraço confortável em que estávamos.

Depois de um tempo jogando conversa fora, eu recebi uma mensagem de meu namorado, dizendo que estava indo até a casa de Taehyung me buscar, pois havia decidido um programa de última hora e minha omma disse que estava com meu amigo. Jungkook devia ter passado em minha casa, antes de saber da minha real localização, e eu me sentia tão acolhido por sua presença que mesmo distante eu queria abraçá-lo.

O meu peito aqueceu-se, minha boca secou e meus olhos vidrados na porta esperaram por longos minutos, enquanto minha atenção era negada à Taehyung que falava sobre o filme, até que o cheiro do alfa fez-se presente.

Corri os olhos pela sala, meu amigo também já havia percebido a presença do outro e logo riu baixo quando me viu levantar de maneira ligeira e abrir a porta, antes de pular no colo do alfa e depositar um selar demorado em seus lábios.

— Jungkookie! — eu disse animado, enquanto apertava o seu pescoço e entrelaçava sua cintura com minhas pernas. Poderiam confundir-me com um coala — Eu estava com saudade.

— Eu também, Jiminnie. Eu não consigo ficar tanto tempo longe de você. — um sorriso bonito cresceu em seu rosto, o que me fez ter uma vontade imensa de beijá-lo, mas não o fiz, pois o alfa continuou falando. — Vim te buscar para um passeio, lembra que disse que compraria uma moto? Pois bem, eu comprei e queria estrear com o amor da minha vida. Que tal?

Olhei por cima de seu ombro coberto por uma jaqueta jeans e notei a tal moto ali parada: uma Kawasaki Ninja toda preta, era uma moto grande, parecia pesada e muito linda. Meus olhinhos brilharam e eu ri. Era uma risada gostosa, a sonoridade agradável, uma risada de felicidade.

Jungkook vivia falando sobre comprar uma moto, eu só não sabia que aquilo estava tão perto de acontecer. Taehyung também apareceu na porta e olhou a moto com os olhos arregalados, antes de correr até ela e observá-la mais de perto.

— Ela é incrível! — o meu amigo disse, antes de olhar Jungkook e afastar-se lentamente da moto, até que pudesse correr para dentro de sua casa e trancar a porta.

— Ele ainda tem medo de alfas? — meu namorado perguntou, enquanto acariciava meu cabelo.

— Sim, só do Hoseok que não muito, fora ele, Taehyung morre de medo. — afirmei, abraçando seu pescoço e depositando um leve selar em seu ombro, o que visivelmente o deixou arrepiado.

Fui colocado sobre a moto e recebi um capacete em minhas mãos, o que fora levado à minha cabeça para me proteger de quedas e traumas. Jungkook também colocou o seu e sentou-se à minha frente, o que me permitiu envolver sua cintura com meus braços e encostar a cabeça em suas costas, um abraço gostoso, que me deixava inebriado com seu cheiro forte, com sua presença única.

Seu corpo possuía a dose certa de sentimentos bons para fazer-me feliz.

Podia sentir os músculos do seu abdômen e não tinha medo de grudar minhas mãos ali, gostava tanto de sentir as linhas de seu corpo. O desenho da minha felicidade fora pintado em sua pele, deixou-me perdido nos fios de seu cabelo e agora os meus sorrisos estavam todos compactados em Jeon Jungkook e resumiam-se à ele.

— Aonde vamos? — perguntei quando o pulso do meu namorado acelerou a moto, fazendo-a andar em uma velocidade média pela rua de Taehyung.

— Em um lugar que gosto de ir quando sinto-me triste. — disse, olhando-me por cima de seu ombro, desviando o olhar para frente logo em seguida. — Vou transformá-lo no lugar que vou quando quero ser feliz, quando eu quero me lembrar de quem amo, no caso você.

Suas palavras eram doces e sua voz suave, arrepiaram a minha derme e deixou-me louco por um beijo seu. Estava desejando aquilo desde que havia chegado na casa de meu amigo, mais um beijo do meu namorado, meus lábios pareciam pedir por aquilo…

— Eu sou feliz com você, Jungkook. — afirmei, recebendo uma risada gostosa como resposta.  

A cidade estava ficando para trás, sabia que ele estava nos levando ao parque, onde haviam muitas árvores e uma fauna incrível. Eu gostava de brincar com os macaquinhos que moravam ali, lembro-me perfeitamente de amar aquele lugar quando era pequeno, dava tudo para que pudesse ir ao local, levava alguns petiscos em meus bolsos para atrair os bichinhos, o que fazia minha omma rir encantada.

Assim que paramos a moto, deixamos os capacetes em seu banco, olhamos em volta e sorrimos um para o outro simultaneamente. As árvores cresciam saudáveis, incrivelmente verdes e com galhos firmes, onde pássaros repousavam e faziam da vista uma das melhores. Eu gostava de ficar longe do barulho da cidade e o parque era o mais próximo disso que eu poderia ter.

A minha mão fora agarrada pelos dedos de meu namorado e logo adentramos ainda mais o parque, até que conseguíssemos avistar uma pequena gruta ao longe, a caverna era local de divertimento para as crianças que ali brincavam, mas o parque estava completamente vazio naquele dia. Eu pude sentir o perfume das árvores, que mesclavam-se com o perfume de Jungkook.

O chão úmido era o nosso início de loucura, a perda de sanidade e ganho de mais um milhão de novidades começou quando adentrei aquela caverna com o amor da minha vida.

— O que fazemos dentro dessa caverna? — perguntei, seguindo os passos e adentrando ainda mais a escuridão, que só não consumia por conta de uma fenda acima de nossas cabeças, que permitia a entrada da luz solar.

— Estou marcando nossas vidas para sempre, meu amor. Estou fazendo o que sempre desejei… — Jungkook parou de repente, segurou as minhas mãos gélidas e olhou em meus olhos, passando a língua por seus lábios, pois os mesmos deviam estar secos.

— Jungkookie… — tentei dizer, enquanto sorria abertamente, queria explicar o quão feliz eu estava por estar ao seu lado.

— Sabe quando perdemos o ar por alguém que amamos? Você me faz perder tudo, Jimin. Até mesmo a cabeça e ganhar muito mais nos instantes seguintes. Eu sou o alfa mais feliz do mundo ao seu lado e preciso que saiba disso. — seu corpo parado na minha frente, com os músculos relaxados, demonstrava o quão confortável ele estava, o quão feliz ele sentia-se — Tivemos perdas e ganhos e o amor foi a novidade que mais aqueceu o meu coração, eu passei a viver depois que você esteve em meus braços, eu devo cada sorriso ao cara que não me negou nenhum, que se entregou de corpo e alma.

Jungkook e suas declarações deixavam-me perdido em pensamentos e sentimentos, mas eu não tinha vontade de interromper meu namorado, sua voz era doce e meu desejo era ouvi-la sempre, sem pausas.  

Ele continuou:

— Eu sou completo agora, pois só faltava você para fechar as cicatrizes que marcavam o meu corpo, que marcavam a minha alma. Quando nossos lobos se beijam, eu temo o findar, eu temo a despedida… E eu estou perdido em sentimentos tão bons, nunca quis tanto tocar meus lábios nos de outra pessoa. Você é aquele que me faz sorrir, que me faz enlouquecer, que me tira do chão e que é meu chão. Aquele que me derruba e que amortece a queda, o medo e a solução dele, o motivo da minha fobia e a extinção do temor… A vida tornou-se fácil ao ter você, será impossível te esquecer. — seu cheiro forte de alfa não era mais sútil, eu podia senti-lo nitidamente, suas mãos foram levadas até a minha cintura, estavam quentes, assim como meus olhos que seguravam lágrimas de felicidade. — Seja meu ômega, Jimin… Deixe-me ser o seu alfa, seja um comigo e nunca mais deixe o beijo de nossos lobos chegar ao fim.

Meu pescoço que estava sendo coberto por uma parte da minha blusa, foi exposto quando puxei o tecido, dando espaço para que meu namorado pudesse ver minha pele sedenta por suas presas.

Fui abraçado imediatamente, contando com o beijo daquele que estava dentro de mim, eufórico e desesperado tanto quanto eu. Acalmei meu lobo, queria sentir todas as sensações de ser um juntamente com Jungkook.

Suas presas expostas roçaram em minha derme, trazendo-me um arrepio indescritível à espinha. Minha pele fora fincada, o sangue escorreu por alguns centímetros, enquanto algo muito maior que qualquer sentimento, acontecia dentro de mim, algo que eu marcaria em minha vida como o dia que Jungkook dividiu a mesma alma que eu; o dia em que nossos lobos se abraçaram e beijaram-se para sempre, como eternos namorados; o dia em que pensei estar morrendo e sendo trazido de volta; o dia que pisei em falso e fui segurado; o dia em que o meu coração bateu tão forte que eu pensei que fosse sair voando de meu peito.

Estava feito, num abraço para finalizar o momento, a luz que entrava pela fenda, bateu em um dos cristais, o qual direcionou como um prisma, uma chuva de cores em nossos corpos, um arco-íris foi desenhado em nós, até a natureza nos aceitou como um, até mesmo a natureza sorriu…

Jungkook é tudo para mim, Jungkook é exatamente tudo o que eu não posso ser, ele me completa e agora eu sou totalmente seu.

O barulho da minha felicidade devia ter deixado tantos seres surdos, mas não iríamos deixar de gritar, não iríamos deixar de viver aquilo que nos foi dado, aquilo que era nosso por direito. O par perfeito sou eu, assim como eu desejei, ninguém vai tirá-lo de mim, pois nunca havia visto sorriso tão sincero quanto o do rosto de Jeon. 

— Sabe, alfa? — chamei sua atenção, o que o fez erguer a sobrancelha em questionamento. — Eu te amo demais, aguarde as minhas declarações também, pois elas serão tão especiais quanto as suas, eu farei um momento bom, num lugar importante ‘pra mim, quero que seja tudo perfeito da nossa maneira.

Sinto-me perfeito ao lado dele, mesmo sendo tão imperfeito.

Nova novidade: ser marcado; ser um com seu alfa. 

 


Notas Finais


Esse cap foi escrito por mim e pela aegyossi, a co-autora! Dêem amor à ela também ❤

sobre a marca: alguns vão falar que deveria ser no cio, mas eu n achei romântico e quis botar assim... Não gostou? Me processabdjsjdjsjsjs

AMO VCS ❤

Link do trailer: https://youtu.be/6nV7W5SOA2U


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...