História O rapaz da festa - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Amigos, Amorplatônico, Baeksoo, Baekyeol, Bebado, Chanbaek, Crush, Exo, Festa, Jardinagem, Kaisoo, Kpop, Kyungchen, Kyunghoo, Misterioso, Obsessão, Sekai, Suchen, Sulay, Traição, Tristeza, Yaoi
Visualizações 9
Palavras 2.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Amigos, unidos e sofridos


Fanfic / Fanfiction O rapaz da festa - Capítulo 7 - Amigos, unidos e sofridos

Suho já havia resolvido o problema de Lay relacionado a jardinagem, agora estava apenas conversando por curiosidade e interesse naquele rapaz que parecia ter tanto para contar. Os dois tinham origens diferentes, tanto economicamente quanto geograficamente, mas isso só os tornava mais interessantes, suas diferentes visões do mundo e opiniões.

 - Eu acho que o dinheiro não é o melhor caminho para ser feliz, - disse sentando-se e retirando as luvas de plástico, o sol estava agradável. - porque ele só atrai ambição e ganância.

- Nessa parte eu concordo, mas discordo também. - sentou-se de frente para ele. - Afinal o dinheiro compra aquilo que mais deseja.

 - Ele compra o amor de alguém? - foi uma pergunta retórica e provocativa, deixou o menor envergonhado e extremamente vermelho, mas o maior apenas sorriu com a reação. 

- Tente ver as coisas além do material e verá como tudo é realmente. 

- Então me diga, como me vê. - o loiro ficou pensativo e o analisou por longos segundos antes de responder.

 - Você é uma pessoa gentil e carente, é carinhosa porque anseia por carinho e acredita que dando é que se recebe. - o menor ficou surpreso. - Mas ainda sim tem um coração meio duro, não ama ninguém além de amizade por simplesmente não conseguir sentir isso... - preferiu não continuar, notou que algo havia mudado no menor e não quis contar. - Isso tudo é apenas minha opinião.

 - E acertou. - sorriu. - Não sei como o amor funciona.

 - Ninguém sabe, mas vendem histórias baratas para justificar e isso vende. - deu de ombros.

 - Já amou alguém?

 - Apesar de ser como sou, não, só conheci pessoas superficiais.... Maldosas, mentirosas, e as poucas que conheci que não eram assim não me despertaram algo a mais. 

- Parece saber tanto sobre amor e nem sequer amou de verdade, chega a ser engraçado. 

Continuaram conversando até que começou a chover, mas sem que soubessem explicar não quiseram sair dali e muito menos se separar, resolveram então dançar na chuva como duas crianças. 

Baekhyun olhava para a janela pensativo, aquelas gotas que caíam lá fora lembravam o ex namorado e isso o deixava levemente alterado, por essa razão acomodou-se mais ao corpo adormecido de Chanyeol. Chen estava pensativo também, sentiu-se ameaçado pela presença do chinês, nem ao menos conseguia disfarçar isso e nem queria. Kyungsoo por sua vez estava imerso em um livro de ficção, tentando ao máximo mergulhar naquele livro para esquecer o ex namorado que ainda amava com todas as forças. O único que estava tranquilo ou em parte naquela sala, era Chanyeol que estava com a cabeça jogada para trás e os olhos fechados. 

Suho só voltou na hora do jantar, completamente ensopado e mal trocou palavras com os amigos, foi direto para o quarto trocar de roupa. 

Na mesa de jantar Chen tamborilava o garfo e nem sequer tocava na comida, queria pedir satisfação ao menor mas sabia que não tinha o mínimo direito e por isso estava ali calado e nervoso. Baekhyun estava calado, mas ia além de insegurança e disfarçou isso com um pequeno sorriso forçado. Kyungsoo e Chanyeol eram os únicos que conversavam a mesa entretidos, Suho estava perdido demais em suas lembranças na chuva para prestar atenção e participar da conversa sobre sapatos. 

- Como foi com o Lay? - perguntou Yeol de repente e o menor o olhou completamente perdido e com um sorriso bobo nos lábios, sentia-se como um adolescente.

 - Divertido, pela primeira vez na minha vida tomei um banho de chuva que realmente foi divertido. - Yeol e D.O sorriram com a resposta, Baek e Chen trocaram olhares coincidentemente e era nitida a raiva em ambos. 

- Deveria conhecê-lo Soo, um amor de pessoa. - disse Yeol com um sorriso largo.

 - Sim, ele é uma pessoa simples mas com uma visão do mundo bem rica. 

- De Humanas. - disse Soo rindo baixo.

 - Completamente. - disse Suho sorrindo mais ao lembrar da conversa que teve com o chinês. 

- Se me dão licença. - disse Baek levantando-se da mesa. 

- Se me dão licença também. - era Chen, acompanhou o amigo para fora e o trio se entreolhou. 

- Aconteceu algo? - perguntou Suho.

 - Não. - respondeu Soo, sabia muito bem o motivo dos dois estarem daquele jeito, Suho sabia do Baek e Chanyeol sabia do Chen. - Pelo menos não que seja algo importante, logo estarão de bom humor novamente. 

Sentaram-se na cama do quarto de Chen e ficaram em silêncio, queriam compartilhar suas frustrações mas não sabiam por onde começar. O maior então resolveu o fazer, não aguentaria aquilo entalado na garganta por muito tempo.

 - Eu me sinto péssimo por não gostar do Lay, principalmente porque ele é uma pessoa realmente muito boa. - olhou para o ruivo e ele pareceu concordar silenciosamente com suas palavras somente com o olhar. - Mas eu notei como o Suho ficou com a presença dele, nunca o vi assim antes.

 - E eu o flagrei conversando com o Chanyeol... - disse pegando nas mãos do moreno. - Pareciam se conhecer a anos tamanha a proximidade.

 - Mas você ao menos pode reclamar, ele gosta de você. - o ruivo riu não acreditando, uma risada carregada de tristeza. 

- Ele sente somente pena pela minha situação, nada mais. - suspirou. - Quanto ao Suho, você não sabe se ele gosta ou não de você, nem ao menos conversou com ele sobre pelo que consegui perceber.

 - Ele não gosta, bem que eu queria mas não gosta... O conheço desde a adolescência, gosto dele desde então e sei que não gosta de mim... Mas quando o vi na mesa falando daquele chinês, vi que tinha algo diferente porque ele nunca agiu assim ao falar de alguém.

 - O que pretende fazer então?

 - Eu não sei.

 Suho foi até o quarto do Lay mas não o encontrou, no caminho de volta se deparou com Yeol. 

- Procurando algo... Ou alguém? - sorriu ao dizer a última frase e o menor coçou a nuca desviando o olhar envergonhado.

 - O Lay, queria conversar com ele de novo. - ficou pensativo. 

- Deve estar no lago, sei que tem um mas nunca fui até la. 

- Vou procura-lo então, viu o Chen ou o Baek? - negou com a cabeça. - Melhor eu conversar com ele para saber se quer tomar banho antes de ver o Lay. 

- Já sei, você vai com o Baek e eu vou ver se o Lay está mesmo no lago. - assentiu e seguiram seu caminhos. 

Suho bateu na porta e logo foi atendido, Chen saiu e nem ao menos olhou para o menor parado na porta. 

- Vim saber se vai tomar banho agora. 

- Vou sim. 

O banho foi morno e o Baek se sentiu uma criança sendo banhada pela mãe, o mais velho tinha toques delicados e precisos, causando uma sensação nostálgica no mais novo. 

- Queria tirar uma dúvida. - disse Baekhyun de costas para o amigo que lavava agora o seu cabelo. 

- E qual seria ela? 

- Gosta do Chen? - o mais velho sorriu com a pergunta, nunca havia sido perguntado sobre. 

- Nunca o vi como algo além de um amigo, por que a pergunta?

 - Curiosidade. - sorriu fraco, estava triste pelo amigo.

 - E você, gosta do Chanyeol? - assustou-se com a pergunta. 

- Eu não sei. - mentiu e o mais velho sorriu. - Por que?

 - Queria entender sobre vocês dois, quem os vê acredita que são um casal. - o mais novo ficou completamente vermelho e o mais velho riu recebendo um tapa de água no rosto, iniciando ali uma guerra.

 Lay estava cantarolando uma canção que ouviu no rádio quando criança, até que Yeol sentou-se ao lado dele e cantou o restante o surpreendendo. 

- Desde quando sabe a minha língua? 

- Eu não sei, mas conheço a música. - sorriram.  - Esse lugar é tão lindo. - a lua estava escondida por entre as árvores e iluminava francamente o lago.

 - Demais, acredito que consegui o emprego dos sonhos. - olhou-o com um largo sorriso. - Qual seu emprego dos sonhos?

 - Tatuador. 

Continuaram conversando pelo que pareceu horas, mas não passaram de minutos, Suho apareceu acompanhado de Baekhyun. O quarteto ficou sentado a beira do lago apreciando a vista e o vento que balancava seus cabelos silenciosamente. 

- O Chen está melhor? - perguntou Lay.

 - Está sim. - respondeu Baek educadamente abraçando o braço do Yeol, o maior apenas sorriu com o contato. 

Kyungsoo estava na sala lendo o livro, até que Chen entrou e sentou afastado do amigo, a cabeça cheia e o coração triste.

 - Qual o problema da vez? - sequer tirou o olhar do livro quando fez a pergunta e o maior o olhou não sabendo exatamente o que dizer.

 - Kyung... - foi apenas o que saiu de sua boca antes de voltar a se calar, o olhar distante encarando o nada.

 - Jardineiro. - estalou a língua negando com a cabeça e colocando o livro de canto. - Converse com ele. 

- Não é tão fácil assim. - o olhou nitidamente triste, o menor sorriu de canto como se tentasse consola-lo apenas pela sua presença. 

- Então converse com o Suho.

 - Me falta coragem.

 - Arranje ela nem que seja uma que dure somente dez segundos. - disse com determinação na voz.

 - Tentarei. 

- Não vai tentar, vai conseguir e o que precisar conta comigo. - o maior sorriu e o abraçou apertado, aquele abraço foi bom para ambos, como se todo o peso que carregavam tivesse saído de suas costas temporariamente. 

- Sinto que ainda precisa desabafar, sua reclusão prova isso. - disse assim que se soltaram e o menor assentiu. - Então libera tudo o que tem aí dentro, sou todo ouvidos. 

Do lado de fora acontecia um coral, cantavam e batiam palmas ao som de Blue do Bigbang, as músicas eram cantadas aleatoriamente, pois cantavam o que vinha a mente. Por um segundo Baekhyun esqueceu do que sentia de ruim por Lay e até brincou com ele quando pararam de cantar, estavam envoltos em uma fogueira. Não demorou muito para que Chen e D.O se juntassem a fogueira e brincassem com eles também. Pareciam um grupo de adolescentes acompanhando, mas eram adultos em maioria ricos ou classe média com cicatrizes do passado que ainda os atormentava.

 - Poderíamos brincar de verdade ou desafio, afinal estamos todos solteiros aqui. - aquela frase atingiu D.O em cheio e ele deu um sorriso forçado. 

- Não somos mais adolescentes para tal. - disse Chen cruzando os braços, sentava entre D.O e Lay. 

- Só para passar o tédio. - Suho topou, Lay também, Yeol deu de ombros e a dupla notou que perderam na votação. 

- O que usaremos para girar? - perguntou Yeol. 

- Não precisamos, farei uma mudança nas regras. - sorriu maliciosamente e todos o olharam confusos. - Vou jogar um marshmellow e quem pegar com a boca não precisa jogar nessa rodada, quem não pegar vai. - concordaram mesmo achando meio falho. 

Desafios humilhantes e verdades constrangedoras foram jogadas na roda, exceto o que realmente queriam saber, mas isso fortaleceu mais a amizade que tinham e agora incluíam Lay nisso tudo.

 - Adorei a noite, foi uma ótima distração. - disse D.O enquanto todos se levantavam para ir em seus respectivos quartos, deixando para trás Suho e Lay, Chen olhou aquela cena e teve vontade de chorar, D.O e Baek tocaram no ombro do mesmo e o conduziram para dentro. 

Lay coçou a nuca desviando o olhar pela primeira vez desde que conversou com Suho, estava levemente incomodado com a aproximação e não sabia dizer porque, mas ao mesmo tempo sentia que o queria por perto e ve-lo sorrir sempre que possível. Yeol parou e voltou perguntando ao amigo Suho aos gritos se ele iria entrar, o amigo fez sinal de 'espera aí' e o maior encostou esperando o mesmo. 

Não deu para ouvir o que conversaram, mas deu para ver que Lay aceitou com um largo sorriso e que se despediram com um abraço. 

- O que está tramando? - perguntou assim que o menor se aproximou.

 - O convidei para tomar um café. - o maior riu largamente e deu um soco no ombro do menor, mas fraco para não machuca-lo e o amigo riu envergonhado. - Não é um encontro. 

- E eu falei alguma coisa? - riram mais ainda.

 Chen estava no quarto inconsolável, Baekhyun até tentava ajudar o amigo mas não havia o que fazer, D.O suspirou não conseguindo mais manter a máscara de 'está tudo bem' e sentou na beirada da cama cabisbaixo. Era o trio da tristeza.

 - Por que logo quem é ótimo em ajudar a todos que é a causa para a sua dor? - disse o ruivo acariciando o cabelo do moreno, a cabeça deitada sobre seu colo.

 - Não está ajudando Byun. - disse o outro moreno e o ruivo revirou os olhos. - Muito menos você Do. 

- Não briguem por favor. - cobriu o rosto com as mãos se levantando.

 Suho e Yeol foram para o quarto e  o maior tomou um banho demorado. Quando saiu do quarto lembrou-se do Chen e pensou em consola-lo, felizmente o encontrou mas o mesmo estava chorando junto aos outros dois. 

- Pessoal? - chamou olhando para o trio que estava chorando abraçado e se separou assim que o viram. - Pensei que estavam animados depois do que fizemos... - aproximou-se e Chen abaixou a cabeça, D.O desviou o olhar e Baek o olhou com tristeza no olhar e culpa, por não conseguir ajudar os dois amigos. 

- Aquela cena me destruiu. - o maior engoliu em seco, tentaria ocultar o máximo possível sobre o convite do Suho e forçou um sorriso. 

- Nós quatro estamos destruídos aqui, eu por não saber quem é a pessoa que eu procuro, D.O pela traição do Kai, Baek pelo ex obsessivo e você Chen pelo Suho não corresponder seus sentimentos... - aumentou o sorriso. - Mas acima de tudo somos adultos, e por essa razão devemos lidar com a situação como tal. - puxou-os para um abraço. - Lembrem-se também que nós somos um. - Suho apareceu no quarto repentinamente e mesmo sem saber do que se tratava resolveu participar do abraço, lágrimas silenciosas do trio caíram e pela primeira vez era como se estivessem inteiros novamente, mas a culpa agora praticamente arrombava a porta da consciência do ruivo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...