História Obscure Pleasures - Imagine : Jungkook - Capítulo 54


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, V
Tags Bts, Jimin, Jin, Jungkook, Submissão
Visualizações 1.646
Palavras 2.978
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 54 - Slave


Fanfic / Fanfiction Obscure Pleasures - Imagine : Jungkook - Capítulo 54 - Slave

 

O dia amanhece e pela milésima vez me olho no espelho. Depois da noite de ontem decido que o melhor é ficar o mais longe possível daqui. Já sofri demais e temo pelos meus filhos, eles não podem encontrar um mundo tão desprezível como esse que estou vivendo.

Olho pro relógio só para ter certeza que agora não tem volta. Minha mala está pronta e desço lentamente as escadas deixando a carta que fiz na mesinha próxima ao sofá. Meus olhos ardem e rezo pedindo ajuda para fazer a coisa certa, não posso ficar aqui.

Entro no avião e logo o piloto se apresenta e diz que vamos decolar. Pego na bolsa uma foto que revelei com Jeon da nossa viagem para Philippines e choro em silencio pedindo para que ele fique bem e não venha atrás de mim. Quero viver minha vida e ser feliz, ser completa para os meus filhos e dar todo o amor que merecem.

Jungkook (on)

Acordo com a cabeça explodindo, mais uma vez fui enganado... mais um vez fui traído.

Levanto lembrando da cena de ontem, do tapa que dei em sua cara e dos dois que recebi. Tinha jurado que nunca mais iria toca-la dessa forma, mas não deu. Depois da ligação da minha sogra e da prova que tive... (S/N) estava com a caixinha da minha mãe escondida em seu guarda-roupa. Não entendi muito bem para o que queria, mas estava lá... Sua mãe, em troca de dinheiro, disse que (S/N) estava juntando provas para me desestabilizar... e foi isso que aconteceu.

Dia Anterior

-Parabéns (S/N)!. - falo batendo palma depois de ter destruído quase metade de seu quarto - Parabéns por ter me feito acreditar em você.

-Jeon... - ela fala ao chão não escondendo o acúmulo de lágrimas em seus olhos - Deixa eu te explicar....

-Não.. - passo por ela e deixo cair uma lágrima em meus olhos - Você iria tentar me ferir do jeito mais baixo. - ela iria me atingir.

-Não é verdade, deixa eu te explicar...

-Já basta. A mulher que olho não é a mesma pela qual me apaixonei, está mais para uma vigarista que só pensa no dinheiro... no meu dinheiro.

Dias Atuais.

Levanto da cama e sigo em direção ao banheiro, preciso tomar um banho bem gelado para aguentar o restante do dia. Não quero vê-la, vou direto para o trabalho e esquecer que um dia já gostei de (S/N) vou ser o pai ideal dos meus filhos, mas dela,apenas distância.

Depois de tomar banho e me arrumar saio do quarto em direção a cozinha e encontro Julie assustada e branca.

-Está passando mal? - pergunto me aproximando.

Ela nega com a cabeça e apenas me entrega um papel que está em suas mãos. Pego sentindo meu coração acelerar e antes de abrir pergunto:

-(S/N)?

Ela concorda com a cabeça e começa a chorar. O papel que está em minhas mãos parece queimar a pele da minha mão, ando devagar até o escritório tentando demorar o máximo para abri-lo, meu coração já sabe do que se trata e meus olhos escurecem ao pensar que fui abandonado... de novo.

Sento em minha cadeira e abro o único botão do paletó respirando profundamente, pego a carta e assim que abro não consigo segurar o choro, lágrimas escorrem por minha face.

"Jeon

Tentei aguentar até onde consegui. Não podemos ficar juntos, são muitas intrigas e desavenças para fazer existir algo mais forte entre nós. Quero dizer que não me arrependo de ter de conhecido, de ter passado por tudo que passei, você me deu a coisa mais preciosa na minha vida: meus filhos. Vou ser eternamente grata e não me procure, não vou deixa-lo longe deles, mas por hora... por favor, respeite minha decisão."

Só isso, só isso e nada mais. Eu estava esperando uma carta de declaração de amor mas que no fim a pessoa diz que vai embora? Pois é, não teve... Leio e releio várias vezes para ter certeza que ela só quis dizer aquilo, não teve nada mais? Um eu te amo, estou apaixonada... nada?

Amasso o bilhete com raiva e saio às pressas do escritório, não vou ser abandonado de novo... não vou. Ligo pra Jimin pedindo para que procure em todos as companhias aéreas e rodoviárias para saber onde ela foi... preciso encontrá-la.

[...]

Já são seis horas da tarde e vejo a cara do idiota do meu irmão na minha frente, ele está calado segurando seu copo de uísque sem conseguir completar nenhuma frase coerente. Me levanto ansioso e me aproximo segurando com força sua camisa.

-Se não me contar agora o que passa... - respiro alguns segundo tentando me segurar, não posso bater no meu irmão - Nem sei o que será de você.

-Calma ai esquentadinho... - levanta se afastando e ajeita a camisa - É complicado o que eu tenho que falar.

-Complicado? Só quero saber para onde foi...

-Já que quer tanto saber... Daegu. - fala e senta, novamente, na poltrona.

Daegu? (S/N) foi para Daegu? Com que dinheiro? Como? Ela conhece alguém lá?

Jimin (on)

-JIMIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIN!!!! – minha mãe grita me fazendo tapar os ouvidos.

-A senhora sabe que estou do seu lado? - pergunto me afastando.

-Cale a boca seu imprestável! - senta na mesa e faço o mesmo na cadeira a sua frente - (S/N) está em Daegu.

-O que? Jeon viajou?

-Você é surdo? Eu disse Jeon ou (S/N)?

-Mas..

-Cale a boca! - passa os dedos pelo rosto - Esse casamento de fachada já está me dando nos nervos... - começa - Tentei não me envolver, mas como posso se a cada dia recebo fotos de paparazzi dos dois metidos em encrenca?

-Mamãe?

-Não venha me dizer que acreditou naqueles dois...

-Eu...

-Fabriccio acabou de me ligar dizendo que ela está indo viajar para Daegu.

-Quem é Fabriccio? - estou sem palavras.

-Um segurança italiano que botei na cola dela. Não a conheço para saber se não vai sumir com meus netos sem me dar a oportunidade de conhece-los - dá de ombro - Ele está me comendo!

-O QUE? - me levanto - Ele o que?

-Cale a boca e vá avisar a Jeon.

-Fabriccio está fazendo o que com a senhora?

-Diga que foi Yoongi que me avisou. - fala e não responde a minha pergunta.

-Yoongi?

-Interceptei o telefone dela também... Parece que está indo se encontrar com ele.

-Mas...

-Só sabe falar isso. VÁ LOGO!! - grita e saio correndo com medo que arremesse algo em mim.

Jungkook (on)

-Se está se perguntando porque ela foi para lá... eu sei. - Jimin fala e fico esperando para que continue - Yoongi.

TUDO PAROU A MINHA VOLTA.

Ela foi procurar por Yoongi? Ela estava ficando doida? Meus olhos ficam negros e sinto vontade de cortar o pescoço daquele 'amigo' traíra, não acredito que ela me trocou por ele... não acredito.

-Você está bem? - Jimin pergunta um pouco temeroso. Se eu estou bem? ESTOU BEM É UMA PORRA.

-Claro - respondo saindo do escritório e caminhando em direção ao meu quarto - Julie - grito - Prepare uma mala com algumas mudas de roupa.

-Vai viajar? – Jimin pergunta rindo de lado.

-Vou buscar o que é meu - fecho a porta em sua cara e começo a planejar como irei fazer.

[...]

Estou há dois dias hospedado em Daegu, tive que esperar um tempo para descobrir onde ela está e estudar seus passos. Paro meu carro alugado em frente a uma mansão que constatei que é dele, o sangue ferve em meu corpo e sinto vontade de estrangula-lo até seus olhos saltarem para fora de seu corpo. Além de beijar minha mulher pretendia toma-la de mim? Muita coragem para um covarde que fugiu na primeira oportunidade que teve para cá.

Saio do carro normalmente e peço para ser avisado na portaria como Jimin. Não demora muito e a porta abre mostrando a imagem de um homem baixo e careca pedindo para que eu entre. A casa é realmente muito bonita, mas nada comparada a minha.

Yoongi agradece ao seu empregado e para quando nota que sou eu. Deixo a pequena mala que trouxe em cima da mesa mais próxima e sigo em sua direção lhe dando um murro. Ele não mostra nenhuma resistência e dou outro e outro.

-Onde ela está? - pergunto segurando com força sua camisa - Onde.ela.está?

-Jun...- ele tenta falar, mas acaba tossindo sangue - Está fazendo compras.

-O que deu em você? Trouxe minha mulher para cá e agora fica bancando tudo pra ela?

-Ela que quis... - responde e o afasto fazendo com que caia no chão - Eu propus e ela aceitou. Não forcei ninguém...

-Cala a boca seu desgraçado. A gente era amigo...

-Eu me apaixonei - se levanta - Não tive culpa... eu juro, tentei evitar.

-Tentou evitar? - agora estou realmente puto com suas palavras - VOCE VIVIA GRUDADO NELA NA EMPRESA.

-VOCE NÃO DEU ASSISTENCIA. ELA CHEGAVA MAGOADA E EU, EU -apontou para si - ESTAVA LÁ PARA AJUDA-LA. TUDO É CULPA SUA, SEU MERDA.

Parto para cima dele e recebo um murro em troca. Acabamos no chão nos batendo e sinto mãos me segurando, 3 seguranças estão separando nossa briga e escuto uma voz ao longe que me faz parar.

-Jungkook? - direciono meu corpo para a voz e percebo o quanto está linda. Seu vestido floral na altura do joelho e uma tiara de pedras na cabeça está a deixando mais nova do que parece. Um sorriso brota em meu rosto, mas percebo que não sou correspondido.

-O que faz aqui? - ela pergunta indo ajudar Yoongi.

Fecho meus olhos e me solto dos dois homens que me seguram, passo as mãos no cabelo e a vejo sussurrar algo no ouvido daquele maldito.

-Podemos conversar? - pergunto me segurando para não arrasta-la daqui pelos cabelos.

-Não. - responde sem me olhar e passa caminhando junto com Yoongi. -Vá embora e não volte.

-(S/n), por favor.

-Não, Jeon. Eu pedi para não vir atrás de mim, na hora certa irei voltar... agora vá - para na minha frente e cruza os braços em protesto.

-Se não conversar comigo - fecho meus olhos me amaldiçoando pelas palavras que estão por vir - Eu juro que não passará um segundo com meus filhos.

-Seus filhos? - ela ri - Está louco.

-(S/n), vamos conversar... cinco minutos e depois vou embora- ela olha pra Yoongi e ele concorda com a cabeça, pelo menos uma coisa esse filho da puta fez direito. Todos saem do local e ficamos só. – (S/n)...

-Espero que você tenha algo bom para me falar - dou um sorrisinho de lado e penso que não pensei em nada para lhe dizer.

-Esta é a parte final da história que em que eu preciso falar algo realmente bom?

-Não, essa é a parte em que você fala algo que preste para não receber um vaso na cabeça - ela sorri de lado e me tranquilizo um pouco.

-Ok, então - ando de um lado para outro e pensando no que vou dizer - Volte para casa.

(S/n) levanta a sobrancelha e começa a rir. O som parece música para meus ouvidos e acabo querendo escuta-lo pelo resto da minha vida. Ela começa a andar pra fora da sala, mas a impeço.

-Por favor, (S/n). - respiro fundo e pego em suas mãos - Eu ainda estou puto com você, não tinha nada que ter mexido nas coisas da minha mãe - ela tenta falar, mas não deixo - Eu acredito em qualquer coisa que disser para mim, eu juro. Se me contar que pegou a caixinha porque queria compra uma igual eu acredito, se disser é que porque seu guarda-roupa estava solitário precisando de uma companhia... eu também acredito - ela sorri - Eu acredito em tudo.

-Jeon.. - ela chora - Eu queria, mas não posso. Já deu pra mim... juro.

-Por favor - me ajoelho na sua frente - Estou pedindo uma última chance. Ninguém vai ficar entre nós, nem seus pais, nem outros homens - faço uma careta - nem outras mulheres. Sempre que acontecer alguma coisa iremos nos ouvir e acreditar um no outro...

-Não... - ela chora mais alto e respiro fundo para continuar.

-Vamos voltar pra casa? Eu, você e nossos filhos?

-Desculpa... mas não posso, estou muito magoada.

-Uma semana - peço - Me dá uma semana que vou mostrar o quanto eu te amo - ela arregala os olhos e eu faço o mesmo, não tinha planejado falar nada disso, não queria mostrar estar tão vulnerável, mas, simplesmente, saiu...

-Repete - ela diz e sorrio ao lembrar que sempre peço isso - Repete - se ajoelha ficando da minha altura segurando meu rosto - Por favor...

-Negativo - balanço a cabeça de um lado para o outro e ela rir - Não vou repetir, já falei...

-Jeon- me repreende - Repita!

Minha cabeça está a mil, minhas emoções estão na flor da pele, não consigo repetir o que disse e vejo que espera que eu faça. Quero gritar para todos que ela é minha, só minha... quero explodir de tanta felicidade, mas hoje não... não por agora.

-Não vou repetir - me levanto estendendo a mão - Não espere outra declaração.

-Você é ridículo - ela levanta e bate no meu ombro - Pelo menos foi o primeiro a dizer...

-Sente o mesmo por mim? -pergunto me aproximando e a vejo se afastar.

-Não vou dizer... - passa as mãos nos cabelos - Você não vai repetir, eu não vou dizer - fico próximo de sua boca e passo meu polegar por seus lábios, minhas pernas estão tremendo e percebo que nunca senti algo parecido. (S/n) fecha os olhos e abre um pouco a boca me dando liberdade para fazer o que eu bem entender, seguro sua cintura com força e junto nossos corpos esfregando minha ereção em sua barriga, ela ri com o que eu faço e rapidamente invado sua boca com minha língua. É tanta saudade que esqueço de ser carinhoso, nosso beijo é bruto e chega a doer. Não me importa... o importa é que ela está aqui comigo. - Não dou - ela fala e se afasta de mim.

-O que? - falo ofegante - Não dá o que?

-Não vou te dar uma semana, pra mim já basta... - se afasta - Já sofri muito...

Começo a rir e ela se assusta quando faço meu olhar matador. A vejo andar para trás e encosta na parede me fazendo prende-la ali.

-Não vai me dar uma semana? - pergunto encostando meu nariz no seu.

-Não... - tenta me empurrar - Não vou, eu desisto. Já sofri muito Jeon, já foram muito pedidos de desculpas, de compreensão... Não posso, não aguento. Já deu.

-Estava pensando em te conquistar de todos os jeitos possíveis - puxo seu cabelo para o lado e beijo seu pescoço - Fazer todas as suas vontades, te fazer acreditar que agora é para valer.

-Jeon... - geme - Por favor, não...

-Mas como não aceito não, você vai vir comigo e passar a semana do meu jeito... - aperto sua cintura e a ouço gemer.

-Co... como é do seu jeito? - pergunta e mordo seu lábio inferior lentamente.

-Vou te algemar na minha cama e te comer bem forte... bem duro. Quero nua todos esses dias me satisfazendo na hora que eu quiser...

-Jeon, eu não sou uma prostituta.

-Não quero saber... eu quis ser romântico, mas você não ajuda.

-Você é louco - me empurra - Não vou com você.

-Ah doce (S/n)... - vou até a mesa tirando as algemas da minha pequena mala e rapidamente corro atrás dela quando tenta fugir - Agora vamos voltar. - falo assim que fecho as algemas.

-NÃO ESTOU ACREDITANDO - começa a se debater quando a coloco no meu ombro e saio andando pela casa - Você é um babaca, te odeio.. me solta, caralho.

-Cala a boca - bato em sua bunda.

-Eu estou grávida - tenta se soltar.

-Eu sei - sorrio - Por isso vou te dar comida nessa semana, se não iria te deixar até sem comer para aprender a não fugir de mim... escrava.

-Não me chame de escrava - se debate e começa a me xingar de todos os nomes existentes na terra - Seu filho da puta.

-Escrava - a ponho no chão e seguro seu rosto - Filho da puta serão nossos filhos...

-Jungkook!! - me empurra e vejo que começa a ficar vermelha - Não foi o pedido de desculpas que eu esperei...

-Eu me ajoelhei..

-E me algemou, quer me fazer de escrava e acabou de me chamar de puta.

-Minha putinha na cama...

-Ah - revira os olhos - desisto.

-Que bom - a coloco de novo sobre meus ombros e sorrio - Minha escrava sexual por uma semana... e pela eternidade.

-O contrato logo acaba, babaca - ela fala e bato novamente em sua bunda.

-Me chame de Senhor e só fale quando eu mandar.

-Está brincando...

-Cala a boca. - chego no carro e a boto no banco do passageiro. Olho para trás e vejo Yoongi nos fitando, dou um breve aceno recebendo outro de volta. O caminho é silencioso até o aeroporto e o que me fala fica em minha cabeça 'o contrato logo acaba' - Você não vai embora com o término do contrato. - digo abrindo a porta do carro e caminhando em direção ao meu avião particular.

-O que? Quando vou embora então? - fica parada na escada me olhando com raiva e sinto vontade de coloca-la de quatro e fode-la bem aqui...

-Só quando eu quiser...

-Que seria?

-Nunca. - ela arregala os olhos e a puxo para entrar no avião.


Notas Finais


Amores,a pedido de uma das leitoras,vou deixar o link aqui de uma fanfic (que por sinal é muito boa)
https://spiritfanfics.com/historia/love-is-not-over-8863348
Leiam e deem muito amor! ^^
Até o prróximo!^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...