História Olhos de Gelo - Próximas Temporadas - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Tags Daryl Dixon, The Walking Dead, Zumbis
Visualizações 53
Palavras 3.199
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


AD: Andrea
BT: Beth
CP: Carol Peletier
CR: Carl
DD: Daryl Dixon
GL: Glenn
HH: Hershel
MC: Michonne
MG: Maggie
ML: Merle
NT: Natasha (Personagem Original)
RG: Rick Grimes

Capítulo 22 - 3 Temporada: Capítulo 10 - Praga


CR: Uma revista em quadrinhos do super-homem, podemos ler mais tarde. - Ele sorria bastante animado. 

NT: Eu não sei ler. 

     Seja lá o que o restante do grupo estava fazendo no momento, eles pararam rapidamente para olharem para a mulata. Todos se perguntavam se haviam escutado certo, pois aquilo não era possível, era? 

     Quando o apocalipse começou Natasha tinha 15 anos e aprende-se a ler muito antes disso, certo? Então era difícil compreender a situação. 

HH: Você não sabe ler?! 

NT: Não. - Disse neutra enquanto folheava a revista em quadrinho. 

CR: Não te ensinaram isso na escola? 

NT: Nunca fui à uma. 

     Pelo visto as surpresas não acabaram. Daryl e Merle eram os mais próximos da vida que sua irmã teve e nem mesmo eles estavam compreendendo a situação. Já Natasha respondia tão tranquilamente e indiferente como se fosse algo bem normal. 

MG: Por que nunca foi a uma? - Aproximou-se da garota. 

NT: Nunca tive que ir. - Direcionou sua atenção a Maggie. 

HH:  Gostaria de aprender? - Sentou-se em uma cadeira e a caçadora o encarou. 

NT: Não... Isso não vai me ajudar em nada. 

HH: Saber ler é uma das grandes façanhas da humanidade e tenho certeza que poderá ajudá-la mesmo nesse mundo. 

NT: Ler e escrever não vai me ajudar a matar zumbis... 

RG: Também não sabe escrever? - Perguntou na sua habitual pose de policial e com uma face surpresa. 

NT: Não. 

GL: Acho que seria bom você aprender. 

CP: Saber ler pode te ajudar muito se um dia você se perder ou algo assim. 

NT: Acredito que tem coisas mais importantes para ser discutido. - A mulata não queria continuar aquela conversa, já que de seu ponto de vista aquilo era entediante e sem sentido. 

MC: Ela tem razão. - Encarou o ex-xerife. - O encontro com o governador... O que vai fazer a respeito? 

     Rick olhou para chão por uns segundos e logo depois encarou a negra. 

RG: Eu vou encontrá-lo. 

ML: Maluco. É óbvio que esse encontro é uma cilada. 

RG: Mesmo que seja... Eu vou arriscar. Talvez exista uma chance de evitar uma guerra. 

ML: Devíamos ir embora, enquanto ainda podemos. 

RG: Eu não vou abandonar um lugar que lutamos para conquistar... E se a guerra for inevitável vamos ficar e lutar. - Sua voz era forte e determinada, o que deixava claro que ele era o líder. 

GL: Quando vai ser esse encontro? 

RG: Depois de amanhã. - Olhou para o caçador que até o momento não havia dito nada. - Daryl, quero que vá comigo. - O Dixon mais novo apenas assentiu. 

     Merle e Natasha não gostaram nem um pouco disso, afinal um Dixon poderia estar indo de encontro a morte. 

ML: É claro que o idiota do meu irmão tinha que se envolver. - Falou debochado. 

DD: Fica na sua, cara. 

GL: Eu vou também. 

RG: Não... Quero que fique aqui. É possível que eles tentem atacar a prisão, você vai ficar no comando. 

NT: Não pode ir só os dois. 

HH: Eu vou. 

     Todos olharam para o ex-fazendeiro curiosos e com um leve espanto. 

BT: Papai, o senhor não pode ir. 

HH: Posso ser velho, mas tenho mais experiência que todos. 

     Rick queria dizer não, mas Hershel tinha razão. Se algo ruim acontecesse como uma briga, o ex-fazendeiro seria o mais adequado para pará-la. 

RG: Tudo bem. 

NT: Eu também vou. 

DD e ML: Você fica. 

     A resposta dos dois Dixons foi tão rápida e direta que deixou todos espantados, eles olhavam para a mulata com olhos ameaçadores, enquanto o restante do grupo apenas observava. Natasha podia sustentar o olhar de Daryl ou de Meler, mas não dos dois juntos, então logo desviou e desistiu da ideia. 

"NT: Desgraçados." 

CP: Também acho que é melhor você ficar, querida. Pode ser muito perigoso. - Natasha não disse nada, apenas encarou a grisalha e assentiu. 

     Aos poucos todos começaram a se dispersar, a mulata foi para o pátio e sentou-se em uma das mesas de pedra tentando clarear seus pensamentos. 

DD: No que está pensando? - Perguntou ao chegar ao lado de sua irmã. 

NT: Não sei exatamente... É muita coisa. 

DD: Não pensa muito, seja lá que merda for acontecer só precisamos estar prontos. 

NT: Acha que o governador vai tentar atacar nesse encontro? 

DD: Tenho quase certeza. 

NT: Então devia convencer Rick a não ir. 

DD: Tenho certeza que ele já pensou nisso... Se ele ainda insisti em ir deve ter algum motivo. 

     Medo. Natasha estava com medo de perder seu irmão, mesmo não demonstrando. Uma grande angústia estava em seu coração, mas isso não a fazia fraquejar, muito pelo contrário, toda essa insegurança e instabilidade da vida só fazia fortalecê-la. Essas situações davam forças para não desistir e continuar lutando. 

NT: Você tem que voltar. - Olharam-se. - Entendeu? 

DD: Sim, senhora. - Riu de lado e logo depois deu um longo suspiro. - Você devia aprender a ler. 

NT: Isso não vai me ajudar em nada. - Disse entediada. 

DD: Pode ser... Mas precisamos de todo tipo de arma... Saber esse tipo de coisa pode um dia ser sua única arma. 

NT: Como assim? 

DD: Sei lá... Um dia a gente pode estar procurando comida e você pode encontrar um enlatado que seja veneno e pensar que é comida... Se não souber ler o nome "veneno" vai acabar morrendo. 

     Era um exemplo aleatório e totalmente improvisado, mas que fazia todo sentido mundo. 

NT: Tem razão. - Olhou para frente pensativa. - Você foi à escola? 

DD: Fui... 

NT: Como ela é? 

DD: Chata. Acredite não perdeu nada. - Respirou pesadamente. - Por que nunca foi a uma? 

NT: Eu já disse, ninguém nunca me levou a uma. 

DD: Por que seus pais nunca te colocaram numa?... É crime. 

NT: Talvez... Não quisessem gastar dinheiro. 

DD: Pelo o que eu me lembro as escolas eram públicas. - Acendeu um cigarro. - Então devia deixar Hershel te ensinar... Tenho certeza que ele não vai cobrar nada por isso. - Disse divertido. 

NT: Certo, mas com uma condição. 

DD: Se for para ir ao encontro com o governador, você vai ficar sem saber ler o resto da vida. 

NT: Não era isso. - Sua voz saiu emburrada e desviou o olhar para o lado contrário do caçador. 

DD: Então fala aí. 

NT: Não quero mais falar. - Para Daryl, ela parecia zangada. 

DD: Ei... - Chamou sua irmã, mas ela não o olhou. - Foi mal, Pocahontas. - Virou a garota para si, segurando-a pelos ombros. 

     Ela estava com a cabeça baixa, mas Daryl a levantou pelo queixo o mais delicado possível. Ambos se perderam no olhar e nos detalhes da face de cada um. 

     Natasha analisava aquilo que já estava gravado em seus pensamentos. O caçador tinha olhos estreitos e determinados, sua expressão era selvagem que representava a idade que possuía. O Dixon mais novo estava sujo, mas isso não escondia seus traços de um homem maduro e atraente, só os ressaltavam mais ainda. 

      Já Daryl analisava aquela pele escura em contraste com os olhos azuis enigmáticos, o nariz pequeno, a expressão forte e os lábios grossos que se assemelhavam a chocolate. Por um único momento, Daryl pensou se aqueles lábios teriam gosto de chocolate e se sentiu tentado a prová-los. 

DD: Qual condição? - Sua voz saiu mais grossa que o normal e todos seus pensamentos errados foram espantados. 

      Pela primeira vez essa voz a atingiu de forma diferente, essa voz pela primeira vez a arrepiou e fez sua mente ficar em branco. 

     Daryl esperava a resposta, mas a mulata não conseguiu escutar a pergunta já que estava totalmente perdida naquela voz e no homem que a encarava. 

ML: EI! SEUS DOIS ARROMBADOS. 

     O grito de Merle fez os dois olharam para o Dixon mais velho, quebrando o contado visual, trazendo Natasha de volta para a realidade e o caçador tirou a mão do queixo da garota. 

DD: O houve? 

ML: O que houve? - Aproximou-se dos dois. - HOUVE QUE VOCÊ ESTÁ INDO DIRETO PRA MORTE. 

DD: Não vamos discutir isso. - Começou a sair dali e Merle não o seguiu. 

ML: Você vai deixar ele ir? - Perguntou a Natasha. 

     Natasha não escutou Merle, apenas ficou olhando o Dixon mais velho se afastar, enquanto tentava entender o que se passava em seu interior. 

ML: EI, GAROTA. 

NT: O que? 

ML: Vai deixar aquele idiota ir em direção a cova? 

NT: O que quer que eu faça? 

ML: Tente convencer aquela cabeça de pedra que está indo direto para uma armadilha. 

NT: Se quiser mudar a cabeça de alguém aconselho que mude a de Rick, caso contrário nada vai mudar. - Levantou-se e começou a andar para dentro da prisão. 

     No dia seguinte... 

     Natasha estava deitada em sua cama junto com Maya, ainda era muito cedo e a maioria do grupo ainda estava dormindo. As sensações que teve ao estar com o caçador no dia anterior já haviam passado. 

DD: Está acordada? - Daryl estava parado em frente a cela da garota. 

NT: Acordei faz um tempo. - Ele entrou e ficou perto da cama. 

DD: Não está com fome? 

NT: Vou esperar os outros acordarem... E você, o que vai fazer a essa hora? 

DD: Vou falar com Rick e olhar os arredores... 

NT: Sabe se Carl já acordou? 

DD: Ele ainda está dormindo... - Iria sair, mas continuou parado. - Por que ele dormiu aqui? - Daryl não ficava incomodado em Carl dormi junto com sua irmã, só queria saber o motivo. 

NT: Desde que Lori morreu, ele tem alguns pesadelos. Então ele vem dormir comigo. 

DD: Às vezes esqueço que ele é só uma criança. - Riu de lado. 

RG: Daryl? Está aí em cima? - Perguntou com uma voz alta, mas não gritou, pois não queria acordar os outros. 

DD: Vou falar com Rick, não esqueça de comer. 

NT: Sim, senhor. - O Dixon mais novo se retirou. 

     Não demorou muito para que todos acordassem, Carl chamou a mulata e todos se dirigiram a sala das mesas para comer. Natasha já havia terminado, então ficou no "quarto de Merle" fazendo algumas flechas. Como o quarto do Dixon mais velho ficava perto da sala onde comiam dava para escutar a reunião. 

ML: Não acredito que ele vai mesmo. - Resmungou deitado em "sua cama". 

NT: O que pretende fazer? Amarrá-lo numa cadeira? 

ML: Não é má ideia. Depois daria uns bons socos pra vê se ele volta a criar juí... AI! 

     A mulata jogou a bolinha de Maya que estava ao seu lado na cabeça de Merle Dixon. Este levantou-se rapidamente e a encarou totalmente desacreditado.  

ML: Você... Você jogou isso em mim? - Pegou a bolinha que caiu no chão perto da cama. 

NT: Não é pra bater no Daryl. - Sua voz era firme, mas seu olhar não era ameaçador, pois considerava o homem a sua frente como se fosse realmente seu irmão. 

ML: Era o que faltava pra completar o circo. Virou segurança do meu irmão idiota? - Jogou a bola nela que desviou agilmente. 

NT: Não. - Pegou a bola que caiu perto de uma das flechas. - Virei irmã. - Jogou no Dixon mais velho que acertou em seu estômago. 

     O acerto da bola não doía, mas Merle Dixon não podia perde para uma adolescente. 

ML: Você vai vê garota. 

     O grisalho aproximou-se rapidamente da garota que não sentiu medo, pois sabia que o caçador mais velho não a machucaria. E ela estava certa, Merle apenas a acertou com o travesseiro e quando ia repetir o ato, ela conseguiu desviar. E por alguns minutos eles ficaram nessa brincadeira, o Dixon tentava acertá-la com o travesseiro e a mulata tentava desviar. 

     Mesmo Natasha estando com a mesma expressão neutra de sempre e o caçador com uma face raivosa, eles estavam se divertindo e curtindo os poucos minutos de sossego sem pensar em mais nada a não ser sua parte na brincadeira. 

     Tudo fluía bem até a mulata tentar acertá-lo novamente com a bola que não acertou o caçador mais velho, mas acertou uma pessoa que estava passando em frente ao "quarto de Merle" e essa pessoa era ninguém menos, ninguém mais que o líder do grupo, Rick Grimes. 

     Os dois caçadores paralisaram no mesmo momento ao receberem o olhar enigmático e estranhamento calmo do ex-xerife. A primeira reação dos culpados do delito foi apontar o dedo um para o outro como se dissesse "Foi ele(a)". 

     Rick deu um sorriso de lado e voltou a andar. Natasha e Merle voltaram a respirar assim que se viram livre da presença do líder. 

ML: Você que jogou a bola. - Disse com uma voz grossa. 

NT: Você é o mais velho...  

DD: Ei... - Apareceu na frente do "quarto do Merle". - Aconteceu alguma coisa? - Estranhou o clima do local. 

ML: Nada, irmãozinho tolo. 

NT: Está na hora? 

     O clima descontraído pesou com a pergunta. Daryl apenas assentiu. 

NT: Tome cuidado. 

ML:  Não acredito nisso. - Falou baixo e jogou-se na cama, mas os dois escutaram. 

     O caçador chamou sua irmã com a cabeça e está a seguiu para o pátio. Rick já estava arrumando o carro e se despedindo de seu filho. 

NT: O que foi? - Sentou-se na beirada de uma das mesas de pedra. 

DD: Os homens do governador podem atacar a prisão enquanto estivermos fora. - Disse olhando para as altas cercas. 

NT: Eu sei. 

DD: Tente não fazer nada arriscado... 

NT: Agora tem o mais um Dixon pra me controlar. - Sua voz não era nem um pouco amigável e isso fez Daryl olhá-la 

DD: Você queria um irmão e ganhou dois... Agora vai ter que aguentar. - Sua voz era divertida. 

NT: Não gosto quando tentam controlar minhas ações. 

DD: É isso que os irmãos mais velhos fazem. 

     Natasha apenas ficou encarando o caçador e olhá-lo ali bem na sua frente fazia seu coração apertar, pois estava com medo de perdê-lo. 

NT: Volte logo. - Desceu da mesa e andou para dentro dos dormitórios. 

     Ela fugiu? Fugiu. A garota não sabia o que fazer, não sabia se tinha que abraçá-lo ou se devia falar alguma coisa e em meio as suas incertezas resolveu sair dali. 

     Daryl não se sentiu ofendido ou destratado pela saída repentina da caçadora, apenas pegou sua mochila e partiu com Rick e Hershel. 

     A mulata passou por Carol e Beth que cozinhavam alguma coisa, Maggie e Glenn estavam fazendo uma patrulha rápida e Carl e Maya estavam com Judith. Ela deitou-se em sua cama e ficou olhando para o fundo da beliche de cima. 

"NT: Se você morrer... Eu te mato." 

CR: Pensando no Daryl? - Entrou com Maya e Judith. 

NT: Não tenho muito no que pensar. - Sentou-se e o garoto acomodou-se ao seu lado, mas colocou sua irmã deitada e cadela ficou ao lado da garotinha. 

CR: Não quer mesmo aprender a ler? 

NT: O Daryl conseguiu me convencer... Vou pedir ao Hershel pra mim ensinar. 

CR: Eu posso te ajudar se quiser. 

NT: Isso seria ótimo. Aliás... Você viu o Merle? 

CR: Não... A última vez que o vi foi ontem. 

NT: Hm... Como ela tá? - Referiu-se a Judith. 

CR: Muito bem. O Hershel disse que não corre risco de vida. 

NT: Ela é muito bonita... Está crescendo rápido. 

CR: Quer pegá-la? 

NT: Melhor não. 

CR: Por que? 

NT: Nunca segurei um bebê... Não sei como é. 

CR: Eu também não sabia, mas aprendi... Até que é fácil. 

     O mini-xerife levantou-se e pegou sua irmã no colo para oferecê-la a caçadora. 

NT: É melhor não, Carl... Eu posso derrubá-la. 

CR: Não é difícil. 

     Carl colocou a pequena nos braços de Natasha que mesmo receosa segurou a garota. Era tão pequena e inocente que a adolescente fixou seu olhar no pequeno ser em seus braços. 

     Judith deu um pequeno e animado sorriso para a caçadora que ficou emocionada apesar de não demonstrar. 

CR: Ela gostou de você. 

NT: Você acha? - O menino apenas assentiu. 

BT: CARL... - Gritou no andar de baixo. 

CR: Eu já volto. 

     Carl saiu e deixou as duas sozinhas no quarto. 

NT: Você é muito bonita. - Sussurrou. - Tem sorte de ter um pai e um irmão como Rick e Carl, mas é uma pena que não vai conhecer a Lori... Você iria gostar dela... Ela era uma ótima mãe. - Olhou para Maya que dormia profundamente em cima da cama. - Tenho inveja do Carl que teve uma mãe como a Lori. 

     Enquanto olhava para Judith a mulata foi atormenta por péssimas lembranças, na verdade foi apenas uma conversa. 

~ Lembrança ON ~ 

???: O que vai fazer com ela? - Uma mulher conversava com outra, ambas sentadas à mesa de um estabelecimento velho. 

???: Largamos essa praga em algum canto e ela que se vire. - Bebeu seu copo de vodka enquanto arrumava seus cabelos desgrenhados. 

???: É apenas uma criança. - Tragou seu cigarro. 

???: Uma criança horrível. Essa praga dá trabalho a todo mundo aqui desde que nasceu. 

???: Podemos colocá-la num orfanato. 

???: Não vou gastar meu tempo procurando essa porcaria. 

???: Então vai simplesmente jogá-la na rua. 

???: Por mim a jogava no lixo. - A mulher levantou-se e caminhou até a porta, ao abri-la deparou-se com uma criança de cabeça baixa. - Sai da frente merda. - A garota apenas cedeu passagem para a mulher que andou a passos largos enquanto seus saltos faziam barulho. 

~ Lembrança OFF ~ 

NT: Você é muito sortuda garota. - Sussurrou. 

CR: Glenn deu armas para todos, trouxe uma pra você. - Colocou uma escopeta encostada na cama. 

NT: O que está havendo? 

CR: Ele está organizando o pessoal para defender a prisão de um ataque. 

NT: Vou entregar ela a Beth. 

CR: Certo. 

     Eles desceram e Judith ficou com a loira. 

ML: Devíamos pegar todo esse armamento colocar numa picaque e irmos até o governador. Sabemos onde ele está. 

GL: Tá sugerindo irmos lá e matá-lo assim? 

ML: Sim, estou. 

MC: Dissemos pro Rick e pro Daryl que ficaríamos aqui. 

ML: Eu mudei de ideia, querida. Ficar aqui enquanto meu irmão está lá, não está legal pra mim. 

CR: Meu pai vai cuidar de tudo. 

ML: Sinto muito, filho. Mas a cabeça do seu pai vai estar numa estaca logo, logo. 

     Natasha olhou friamente para Merle que acabou sentindo-se um pouco mal pelo o que disse. 

Algumas horas depois... 

     Natasha passou o tempo todo ao lado de Carl vigiando a prisão, eles conversavam sobre qualquer coisa até que um barulho de moto os fizera correr até a entrada do presídio. 

     Carl abraçou seu pai e Natasha aproximou-se de Daryl. 

NT: Você parece bem.  

DD: Você também. - Desceu da moto. 

RG: Vamos entrar. - Mandou o líder. 

     Uma reunião aconteceu e Rick contou que o governador queria a prisão e suas vidas, assim anunciou que iriam para a guerra. 

     A mulata aproximou de Hershel quando todos haviam se espalhado. 

NT: Quando isso acabar... Pode me ensinar a ler e a escrever? 

     O grisalho ficou contente com a decisão da garota. 

HH: Mais é claro, querida... Que palavra gostaria de aprender primeiro? 

NT: Veneno. 


Notas Finais


VVVVVVOOOOOOLLLLLLLLTTTTTTTEEEEEEEEEIIIIIIIIIII!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Vocês devem me odiar, né?

Bom, primeiramente me desculpe pela grande demora, mas meu comprou um notebook para mim faz umas 3 semanas (pra quem não sabe meu computador me deu tchau e benção) e como o ENEM estava chegando, além das minhas provas finais eu tive que deixar qualquer tipo de entretenimento de lado.

Espero que ainda sobre alguém para ler.

Beijos meu amores e até o próximo que possivelmente sai amanhã.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...