História Only You - Park Chanyeol - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun, Byun Baekhyun, Chanyeol, Chen, Do Kyungsoo, Exo, Hunhan, Kai, Kim Jongdae, Kim Jongin, Kim Junmyeon, Kim Minseok, Lay, Oh Sehun, Park Chanyeol, Sehun, Suho, Sulay, Xiuchen, Xiumin, Zhang Yixing
Visualizações 18
Palavras 2.704
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Obs. Desculpem-me qualquer erro, não tive tempo de revisar o capítulo ainda.

Boa Leitura!!

Capítulo 3 - 02. Um bêbado e algumas decisões


Fanfic / Fanfiction Only You - Park Chanyeol - Capítulo 3 - 02. Um bêbado e algumas decisões

Soltei um longo suspiro quando li o mesmo e-mail pela trigésima vez naquela mesmo dia.

— O que houve? — Hannie perguntou franzindo o cenho.

— Kim Junmyeon, o antigo líder da minha classe do ensino médio, hoje mais cedo ele me mandou um e-mail marcando um "reencontro" com a nossa antiga turma — eu respondi e revirei os olhos.

— Um encontro que você irá — sentenciou ela, recebendo um olhar apavorado de minha parte.

— Você bateu com a cabeça, foi Hannie? — eu bufei — Eu nem mesmo tenho o por quê de ir lá, são todos seres idiotas dos quais eu era obrigada a conviver — suspirei — Quer dizer, o Junmyeon era legal comigo, eu até que gostava dele, mas o resto são todos um bando de estúpidos que provavelmente com os anos ficaram ainda mais fúteis e irão comparecer apenas para aparecer na frente dos outros, exibir seus casamentos estúpidos, empregos estúpidos, carros estúpidos...

— Okay, eu já entendi, chega — disse ela me interrompendo — Eu só pensei que iria querer ir, que iria querer mostrar a todos eles e principalmente ao carinha babaca que te enchia o saco, o mesmo do qual você se recusa até mesmo a dizer o nome para mim, o mulherão que você se transformou.

— Primeiro: eu não preciso mostrar nada à eles, nunca pricisei, e se eles quiserem me ver ou saber algo de mim, é só colocar meu nome no Google que aparecerá milhares de coisas e fotos sobre mim — eu rebati — Segundo: eu jurei à mim mesma nunca mais tocar no nome dele, e eu sou uma mulher de palavra.

— Certo, se assim você diz — ela suspira e vem até mim me abraçando desajeitadamente por eu estar sentada na cadeira e ela em pé — Confio em você Hye, sei que quando se sentir pronta me contará.

— Ontem eu vi ele — eu despejo em cima dela, que logo se afasta de mim e olha com os olhos arregalados.

— COMO É QUE É!? — ela berra em choque — Hye, meu Deus, como você está? Está tudo bem, não? Aquele idiota te falou algo?

Isso era uma das coisas que eu mais amava em Haneul, ela era minha melhor amiga, me conhecia como ninguém, mas sabia respeitar meu espaço, sabia que eu não lhe dizia certas coisas não por não confiar nela, mas sim por não estar pronta para remexer naquilo novamente.

E para ser sincera, nove anos podem ter se passado, mas eu ainda não superei a humilhação que foi ver meu maior segredo ser exposto para todos no colégio, e muito menos o inferno que se seguiu aos dias seguintes, sendo apontada, humilhada e motivo de chacota.

— Está tudo bem Hannie — eu lhe garanti — Ele está diferente, eu não sei, algo nele parece diferente — balanço a cabeça, me lembrando do quão diferente daquele adolescente patético de antigamente Park Chanyeol parecia — Ele também tem uma filha, uma garotinha adorável por sinal.

— Meu Deus, só você mesmo — ela ri — Só Lee Hyejung e sua paixão por crianças, para gostar até mesmo da filha de seu há anos declarado aqui-inimigo.

— Hey, não é bem assim, ela é só uma garotinha que não tem culpa de ser filha de um babaca — reviro os olhos — E também, eu admito que sou apaixonada por crianças, mas aquela menina, ela tinha algo nela — eu suspiro — Ela tinha e expressão facial de uma criança que cresceu sem mãe Hannie, exatamente como eu.

— Você acha que... ?

— Eu não sei — admito e dou de ombros — Mas acho que sim, eu reconheceria aquela expressão em qualquer pessoa Hannie, eu cresci com ela.

— Calma lá né, Eunji sempre foi uma ótima mãe — diz ela.

— Eu sei, eu a amo e tenho mais carinho e consideração por ela do que pela minha mãe biológica — eu digo — Mas ainda assim, ela não é minha mãe Haneul-ah, até por que minha mãe é uma estúpida atriz que me odeia, ela sempre me odiou, sempre preferiu Hyemin do que eu.

— Certo, vamos parar de falar disso, huh? — diz ela — Com que roupa você vai à reunião com sua antiga turma?

Soltei um longo suspiro cansada, Kim Haneul era um daqueles seres irritantemente insistentes que não desistem tão fácil assim das coisas, e eu por conhecê-la bem até demais, sabia que ela não desistiria tão fácil assim.

— A porta do meu closet está aberta, Haneul-ah — eu suspirei e ela soltou um gritinho vitorioso.

*****

Eu literalmente já estava me arrependendo de dar ouvidos à Haneul, me arrependendo de ter vindo, de ter vestido aquela droga de vestido vermelho e calçado aqueles saltos extremamente altos que com certeza fariam meus pés doer mais tarde. Tudo aquilo parecia loucura, principalmente para mim que passei anos a fio tentando não obter os olhares justo daquelas pessoas em mim, mas que agora, graças aos conselhos de Kim Haneul, estavam todos com os olhos em mim.

Fiz minha melhor cara de paisagem para meu ex-colegas do ensino médio, enquanto caminhava em direção a mesa onde praticamente todos eles estavam.

— Lee Hyejung — disse Junmyeon me cumprimentando — Vejam pessoal, a estrela de nossa turma acaba de chegar.

— Annyonghaseyo  — eu disse e me curvei, todos olhavam para mim, inclusive Kang Micha, que parecia continuar a mesma cobra venenosa que sempre fora — Desculpem o atraso, tenho uma coletiva de imprensa amanhã cedo e estava resolvendo alguns detalhes.

— Garota prodígio — aquela maldita voz disse, me fazendo fechar os olhos e suspirar, quando abri novamente os olhos seu olhar se encontrou com o meu — Achei que estaria ocupada demais para vir em uma mera reunião com seus antigos colegas.

Calma, respira Lee Hyejung, respire e ignore Park Chanyeol.

Pelo visto, meu encontro com ele no supermercado onde eu achei que ele havia se tornado um adulto melhor e diferente do adolescente babaca de outrora estava completamente equivocado, Chanyeol continuava o mesmo, o mesmo babaca patético de sempre.

— Cuidado, você sabe que ela morde — disse Baekhyun e em seguida riu.

— Agora eu estou em um patamar tão alto, Byun — disse eu a ele — Que as provocações do Park simplesmente não surtem mais efeito algum em mim — sorri e o encarei — E se eu fosse você, tomaria cuidado, eu ainda não me esqueci do diário.

— É sério isso? — Micha disse e revirou os olhos — Onde está Jaechan, Hyejung-ssi? — perguntou-me ela erguendo uma sobrancelha.

— Por que logo ela, saberia daquele idiota? — Chanyeol perguntou debochado.

— Por que talvez ele seja meu noivo? — eu disse a ele, que não se quer teve o senso de disfarçar o choque que minhas palavras lhe causaram.

— Não segundo as revistas — rebateu Micha — Pois segundo elas, ele está livre, leve e solto — sorriu para mim, eu praticamente podia enxergar o veneno escorrendo pelo canto de sua boca.

— Se eu fosse você, não acreditaria em tudo o que as revistas de fofoca dizem por aí, senhorita Kang — eu retruquei — Aliás, como anda sua vida, querida? Pelo que percebo anda com muito tempo livre para acompanhar a minha vida através dessas revistas idiotas.

— De uma coisa eu tenho certeza — disse Baekhyun — Lee Hyejung só está gostosa e famosa, mas de resto, continua a mesma — logo todos explodiram em gargalhadas enquanto eu via Micha revirar seus olhos e bufar.

O restante do jantar se seguiu até melhor do que eu esperava, eu havia mudado muito em nove anos, conversei com pessoas das quais eu não havia trocado mais do que dez palavras durante três anos da minha vida, tudo parecia bem e calmo, mesmo que Micha não conseguisse disfarçar seus olhares invejosos em minha direção e Chanyeol também não, que continuava a me lançar olhares pra lá de intensos que, para falar a verdade, estavam começando a incomodar.

Logo depois que a sobremesa foi servida, Junmyeon veio conversar comigo sobre Always.

— Sério mesmo que gostou? — sorri para ele.

— Claro que sim Hyejung-ssi, quem em sã consciência não gostaria de um livro daqueles? — ele sorriu — Aliás, mal vejo a hora do último livro estar nas livrarias para que eu possa comprá-lo.

— Logo, logo — eu ri — Eu tive alguns contratempos que me fizeram atrasar um pouco, mas tudo segue muito bem agora e em breve teremos o final — sorri. Nossa, eu era realmente uma descarada mentindo daquela forma, a verdade era que eu nem fazia ideia mais sobre qual desfecho dar à trilogia de Always.

— A trilogia virará filme, como Crush 2.0? — perguntou ele curioso.

— Olha, eu não sei bem — ri — Crush 2.0 foi um projeto desenvolvido por anos e anos com Haneul, contando um pouco de nossas fatídicas aventuras misturadas a ficção — dei de ombros — Então, para falar a verdade, eu não sei.

— E o filme de Boyfriend 2.0? Quando saí?

— Fique atentos às notícias nos próximos dias e saberá — pisquei.

Junmyeon sempre foi um cara legal, bastante inteligente e que não me excluía como o restante de nossa turma, sempre gostei dele, e vamos ser sinceras, o tempo havia feito muito bem à ele, que havia se transformado num homem muito bonito mesmo.

Ele abriu a boca para perguntar algo, mas um barulho de vidro se quebrando o fez parar e nós dois olhamos na direção de onde vinha o barulho.

— Maravilha — disse ele olhando para um Chanyeol bêbado discutindo com um garçom — Aguentar Park Chanyeol bêbado é tudo o que eu menos preciso — ele revira os olhos.

— Como assim? — perguntei a ele, completamente confusa.

— Eu e ele meio que nos tornamos amigos — ele sorri amarelo para mim — Cadê o Byun quando se precisa dele?

— Não é por nada, mas eu vi ele saindo de fininho com uma daquelas amigas da Micha.

— Maravilha — ele bufa se levantando e indo até Chanyeol.

Olho para os lados e vejo que enquanto eu e Junmyeon conversavamos, todos ali já foram embora, sobrando apenas nós dois e um Park Chanyeol bêbado. Chamo um garçom e pago minha conta, em seguida peço uma garrafa d'agua e sigo para fora do restaurante, encontrando Junmyeon segurando o mesmo enquanto ele vomita.

— Que droga Chanyeol! — Junmyeon diz e faz uma careta de nojo.

— Olha, dê isso aqui a ele — digo me aproximando e estendendo a garrafa d'agua para ele.

— Obrigada — ele murmura e sorri.

— Ele costuma agir sempre assim? — pergunto a Junmyeon — Por que cá entre nós, se ele agir sempre assim, como o serviço social ainda não tirou Minah dele?

— Oh, então você conhece Minah — diz ele completamente surpreso, enquanto tenta arrastar Chanyeol até seu carro, quando o manobrista o trás — Ele é irresponsável sim, às vezes, mas normalmente costuma ser um bom pai — ele suspira — Mas cá entre nós, Chan foi pai muito cedo, teve de literalmente parar sua vida para cuidar de Minah, então as vezes eu dou algum desconto à ele.

— Eu ainda tô aqui — diz Chanyeol com a voz toda embolada, em seguida ele põe seus olhos em mim — Hye... — ele sorri feito um bobo — É você Hye? Nossa, você está ainda mais bonita...

— Toma isso logo Park — digo pegando a garrafa de Junmyeon e enfiando na boca de Chanyeol, sinto minhas bochechas ardendo e o olhar de Junmyeon sobre mim e o maldito Park.

— É, as coisas andam bem loucas ultimamente, loucas até demais — Junmyeon diz, mas eu não retruco, apenas me limito a suspirar profundamente e não me permitir de voltar ao passado.

O passado é apenas isso Lee Hyejung; passado, não vale a pena ficar voltando à velhas memórias amareladas em sua cabeça estúpida.

— Bem... — eu murmuro — Acho melhor eu pedir um táxi e ir embora, está tarde afinal.

— Você está de táxi? — Junmyeon pergunta.

— Sabe, mesmo autoras renomadas sabem que não devem dirigir quando bebem — pisco para ele — E por saber o saco que, tirando você, as pessoas de nossa turma do último ano do colegial  sempre foram, eu sabia que não aguentaria esse jantar sem pelo menos um pouco de álcool.

— Não quer uma carona? Afinal de contas, é realmente bem tarde já.

— E aguentar mais um pouco de Park Chanyeol respirando o mesmo ar que eu? — eu brinco e sorrio — Não, obrigada, não quero incomodar.

— Vamos lá, a casa do Chan não é muito longe daqui — Junmyeon sorri, e cara, que puta sorriso era aquele? — Posso te levar até sua casa.

Eu sabia que não havia nada de duplo sentido ali, ele apenas estava me oferecendo uma carona até em casa, afinal, que mal teria ser levada até em casa por um cara bonito como ele? Talvez até fosse bom, talvez com um pouco Hannie teria até mesmo saído com Kyungsoo, me veria com Junmyeon e pararia com aquele historinha ridícula de que eu preciso de um namorado.

Não, obrigada, eu realmente não preciso de um namorado logo após um mês de ter terminado um noivado de três anos.

— Tudo bem — eu suspiro e me dou por vencida.

Junmyeon sorri e abre a porta para mim, como um perfeito cavalheiro e eu sorriso com seu gesto. O caminho para a casa do Park não é feito em um silencio constrangedor como eu achei que seria, com Chanyeol desmaiado no banco de trás, e felizmente impossibilitado de abrir sua maldita boca para falar mais coisas irritantes, Junmyeon e eu conversamos sobre diversas coisas, desde trabalho até nossas vidas amorosas fracassadas. Por algum motivo eu confiava nele, sabia que ele não sairia correndo vender essa informação à revista de fofoca que lhe pagasse mais pela bomba, então abri o jogo com ele sobre Jaechan, ele nada surpreso diz o que todo mundo sempre repete para mim: esteve sempre na cara que eu e Jaechan não acabariamos juntos no final.

Quando paramos em frente ao prédio do Park, Junmyeon sozinho não consegue carregá-lo até o elevador, afinal mesmo Junmyeon sendo alto, Park Chanyeol é um poste, ai acrescenta ai que a criatura estava sendo literalmente arrastada dormindo.

Eu — mesmo odiando minha decisão — ajudo Junmyeon com o Dumbo, e enquanto arrastamos ele até a porta de seu apartamento depois de sairmos do elevador, posso ouvir um fraco choro de um criança quando nos aproximamos da porta. Junmyeon me diz a senha — não me perguntem como ele sabia, sério, esse negócio de os dois terem se tornados amigos me assusta de verdade — e a porta se abre, procuro por um interruptor de luz assim que adentro no local e quando o acho, para minha supresa, a luz não se acende de jeito nenhum.

— Eu acho que cortaram a luz — digo em um sussurro para Junmyeon.

— Eu não acredito que ele deixou isso acontecer de novo — ele bufa enquanto joga o Park de qualquer jeito no sofá.

— Eu vou procurar Minah — digo cerrando os punhos, em seguida acendo a lanterna do celular — Eu juro que quando ele estiver sóbrio, vou eu mesma espancar Park Chanyeol, quem em sã consciência deixa uma criança em casa sozinha e saí para beber?

— Como eu disse, ele sabe muito bem ser um babaca irresponsável quando quer — diz Junmyeon.

Respiro fundo e sigo o corredor, indo na direção do choro infantil, logo acho a porta de onde vêm o choro e a abro, dando de cara com uma Minah de pijama, agarrado no mesmo urso de pelúcia que a vi ontem enquanto chora.

Sério, se dois dias atrás alguém me dissesse que cá estaria eu, Lee Hyejung na casa de Park Chanyeol, consolando sua filha enquanto o mesmo bêbado irresponsável dorme na sala tranquilamente, eu riria da pessoal e a mandaria procurar ajuda psiquiátrica imediatamente. Mas cá estou eu, com Park Minah em meu colo enquanto a mesma se agarra a mim como se eu fosse sua única salvação, enquanto eu tomo uma decisão que eu sei que é a coisa certa a se fazer.

Eu vou levar Park Minah para a minha casa ainda esta noite, eu não a deixarei aqui com um Chanyeol bêbado nem sob pena de morte.


Notas Finais


Ps. Desculpem pela Hyejung e seus pensamentos nada puros sobre o Suho, mas é que foi mais forte que eu, não consegui segurar isso apenas dentro de mim, afinal, KIM JUNMYEON É UM HOMÃO DA PORRA NÉ NON? rsrs

Bom, era isso, até a próxima att sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...