História Os astros não mentem, Jongin! - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Otpeotp

Postado
Categorias EXO
Personagens Kai, Sehun
Tags Astrologia, Astronomia, Clichê, Fluffy, Jongin, Mitiscismo, Otpéotp, Sehun, Sekai, Sekaiéotp
Visualizações 93
Palavras 2.914
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Fluffy, Misticismo, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, como vão?

Bom, eu vou bem confusa pra falar verdade kgkdkcdkckdk

Essa é a minha primeira vez participando os projeto então me perdoem se eu cometer algum erro...

Ela é dividida praticamente pro flashbacks on e off então me perdoa se eu te confundir rs

Muuuito obrigada a pessoa que fez o plot, e me perdoe se estiver ruim :((

(Essa não era a intenção k)

Eu juro que vou melhorar szsz


ah e mais uma coisa.

PRA VOCE QUE GOSTA DE UM CLICHEZINHO ESSA FANFIC É PERFEITA!

JFLSLCSLCLSL

só isso mesmo...

Boa leitura!!

Senha:
Lordhunnie

Capítulo 1 - Capítulo único.



Flashback off

O ônibus estava prestes a partir. A fumaça que vinha de trás do automóvel se espalhava por todo o terminal, onde o  motorista, apressado, iria levar seus passageiros até um terminal e aeroporto internacional em Incheon, mais precisamente. Entre os passageiros estava: Kai, ainda no ponto se despedindo de Sehun.

— Eu volto daqui a uma semana, não se preocupe, Oh. Essa é só mais uma das vezes que tenho que viajar a trabalho, não precisa disso… -  O moreno falou, dando um sorriso fraco a ele, com suas mãos depositadas sobre o ombro de seu parceiro.

— Promete? Promete, que vai voltar bem? -  Indagou o de lábios finos, preocupado, já com algumas lágrimas depositadas em seu rosto.

— Prometo. Mas não precisa chorar por conta disso, pelo o que eu vi o meu mapa astral está ao meu favor nesse tempo que vou passar fora. - Sorriu, e com alguns de seus dedos limpou as pequenas lágrimas que escorriam do rosto do outro.

— Te amo. - Sehun sussurrou, e lhe deu um abraço apertado que foi rapidamente correspondido, mas logo o contato se desfez, e o seu parceiro, dando um breve sorriso em seu rosto adentrou no automóvel.

E Kai, quando sentou começou a vaguear seus olhos pelo ambiente e nas pessoas ao seu redor. O lugar onde estava era limpo, e trazia um ar de agitação das pessoas, provavelmente animadas por conta de suas viagens. Delicadamente puxou do bolso de dentro de seu casaco um pequeno papel, dobrado, que logo o abriu deixando um breve sorriso abrir em seus lábios.

Era o telefone da cigana que os havia atendido no parque e a que transformou a amizade dos dois em algo a mais, a que deixou o amor dos dois florescerem. E atrás um pequeno recado da mesma

O outro apenas leu de relance aquelas palavras e voltou a observar a paisagem em sua volta, respirando profundamente, ainda sorrindo.


----


Flashback on


— Me dá sua mão, Jongin! - Pedia Sehun, apontando para a mão esquerda do mesmo, com uma careta em seu rosto.

— Pra quê, Sehun? - Perguntou o outro, que folheava uma pequena revista sobre Plutão e suas curiosidades.

— Não é pra "adivinhar" o meu futuro de novo, não? - Curioso, ele fecha a revista, e volta a se concentrar em sua mão que a leva até a do outro, começando a tocá-la com seus dedos, e a apoiar-se na mão que não se ocupava, desenhando e marcando algumas linhas da mão do moreno.

— Você sabe que isso não é real, né? - Novamente, Kai interrompe o mais novo, tentando se concentrar na palma de sua mão, que apertou e cerrou suas sobrancelhas.

— Quantas vezes, eu vou ter que falar que é real, e para isso eu preciso me concentrar e isso não está acontecendo com você tagarelando cheio dos pipipi popopo, parecendo a sua “namorada”.

— Não mete ela nisso, Oh! Depois dessa não quero mais você metendo Exu pra cima de mim.

— Grosso. - Acusou á Jongin. -

— Sou, e se for sair traz um hambúrguer pra mim, estou morrendo de fome

— Ah, vai cagar! - Xingou o outro mentalmente. -


— Toda hora quando falo com você. - Rebateu á Sehun


Depois disso só se ouviu uma batida de porta, brusca e alguns sussurros inaudíveis vindos de Sehun.

...


No mesmo dia, a namorada de Kai, que ele dizia a todos ser sua “prometida” terminou com o mesmo.


Ele estava devastado.


Triste, voltou ao seu dormitório e como sempre encontrando os materiais de Sehun espalhados pelo local.


— Oh Sehun!- O moreno gritou, ao entrar no lugar e ver que estava coberto por cartas de tarô.

— Ih que foi agora, mãe?- O outro, debochou e voltou a ouvir seu discman, que foi retirado pelas as mãos de um Kim  furioso.

— Arruma essas cartas, agora! - Mandou enquanto pegava os papéis e logo os jogou em cima da cama de Oh.


— Mas você nem fica aqui, pra que eu vou querer arrumar isso?- Disse ríspido apontando para as cartas.


— Ata, Sehun, ata. Aqui tá’ parecendo a casa da mãe Joana! - Reclamou agoniada pela bagunça. -


— Pelo menos eu fico aqui, diferente de você que vive na casa da sua namoradinha, antes a gente sempre saia, íamos para os mais diversos lugares, mas quando você começou a namorar raramente vamos a algum lugar.- Falou Sehun, chateado.


O moreno ao ouvir aquilo sua feição de fúria passou para uma de melancolia, o cabelo sempre coberto de spray e gel, estava despenteado, como suas roupas, amassadas. Sem dizer nada, sentou-se em sua cama e com algumas lágrimas em seus olhos retrucou o loiro.

— Então iremos voltar ao que era antes.

Sehun, ao ouvir aquilo de Kai, e observar seu estado, logo conectou os pontos.


— Jongin…- Ele sentou-se ao lado do mesmo que lhe deu um abraço fazendo um pequeno cafuné em seus cabelos despenteados. - Vai ficar tudo bem... - Ele não sabia o que dizer, então, simplesmente lhe deu um sorriso acolhedor e se levantou arrumando a pequena bagunça no local. - Tome um banho e deite-se é melhor você descansar.


O outro assentiu com sua cabeça, e tristonho foi até o banheiro que mesmo ao trancar a porta o seu colega ainda conseguiu ouvir as fungadas e o seu choro, que era supostamente para ser silencioso.



Por longos minutos o Kim se manteve naquele ambiente, mas logo saiu deixando uma pequena fumaça de ar quente adentrar no local, respirou fundo e novamente se sentou,  tedioso, olhando o local em sua volta, sentiu o colchão se mexer e ao virar ao lado viu seu amigo tentando o acalmar com um filme antigo e cafunés juntamente com um pacote de cheetos apimentados.


Já na manhã seguinte, com os dois jogados no chão e  uma horrível dor de barriga por conta da enorme quantidade de porcarias que comeram na noite passada, com dificuldade de se levantaram. Foram até as suas aulas, onde apenas se encontraram no fim da tarde e saíram para um bar qualquer para comemorar a nota alta que Oh Sehun tinha conseguido.



— Por você ter ido bem! - Disse Jongin contente erguendo seu copo de bebida.


— Por nós! - O outro ergueu seu copo também, mesmo com a feição estranha do moreno e brindaram, tomando um gole daquela bebida.


O moreno dava goleadas rápidas nas bebidas acabando as duas que não demoravam ao menos um minuto, o mais novo vendo a cena tentou acalmá-lo na bebida mas não conseguia por conta de o outro já estar bêbado e consequentemente inconsequente de suas ações.


— Calma, Jongin.- Sehun, com os olhos arregalados retirava as bebidas das mãos do outro.


— Calma - Ele deu um pequeno soluço apontando para o copo na mão do outro e completou.- N-nada, me dá iss..- Antes de terminar sua frase e pegar o copo, deu um pequeno bocejo e caiu de sono juntamente com alguns copos que caíram no chão assim que ele bateu sua cabeça na mesa e começar a roncar.

— Puta merda.- Desesperado, pediu a conta juntamente com um táxi e ao chegar o automóvel, com cuidado o próprio Oh colocou o Kim dentro do veículo, tentando não acordá-lo e logo ele fechando a porta e pedindo para o motorista ir até a faculdade dos dois, que ao chegar lá Sehun o pôs na cama e foi dormir.


----


Flashback off


O ônibus havia parado no seu último ponto, que consequentemente era frente ao aeroporto e logo o moreno saiu, pegando suas malas e indo até o local de check-in enquanto ria sozinho ao se lembrar dos momentos com seu companheiro.


----

Flashback on

Os dois estavam assistindo um filme genérico enquanto dividiam a pipoca amanteigada, e sem sal por conta do esquecimento do mais novo de pegar os saquinhos antes de entrar na sala de cinema.


— Ei, Sehun, vai colocar sal nessa pipoca pra mim? - Pediu. -  Está tão ruim quanto o filme.-  O mais velho sussurrou entregando a pipoca a ele.


— Eu não, vai você. Estou assistindo ao filme caso não saiba.- logo ao falar, ouviu alguns silêncios vindo em sua direção.


-Aish. - Bravo, se levantou atrapalhando as pessoas que assistiam ao filme indo até o famoso, balcão, enquanto xingava Sehun mentalmente, pegando alguns sais. E que logo ficou maravilhado ao ver um churros que acabava de ter saído, sendo entregue a uma criança qualquer.


Seus olhos lambiam os churros e seus pensamentos foram completamente ocupados por aquele alimento, suculento enquanto ele salivava por aquilo. Mexeu em seus bolsos encontrando alguns centavos e umas notas, que felizmente, deram para comprar aquele pequeno pedaço de céu. Entrando novamente a sala de cinema, maravilhado com aquela comida.


Voltou ao seu lugar, e desesperadamente, mordeu seu churros e sentiu olhares invejosos sobre si, vulgo, os de Oh Sehun.


— Me dá. - Com um tom autoritário, como de uma criança mimada sussurrou ao ouvido do moreno, que, novamente, parecendo uma pequena criança, deu uma leve risada e em seguida disse um não seco a ele.


— Não aceito, não, como resposta.- Parecendo alguém mais velho, estava louco para dar uma bela mordida naquele churros de chocolate.


— Agora tem que aceitar.- Para deixar o outro ainda mais, nervoso, deu uma mordida em sua frente saboreando até a última gota de chocolate.


O outro, tristonho, se virou de frente a tela e voltou a comer sua pipoca, sem sal, com um bico em seus lábios. Jongin, ao ver o rostinho, sem resistir dividiu seu gracioso churros e entregou uma pedaço ao outro, onde feliz degustou até a última migalha daquilo.


— De nada.- E logo voltou a assistir o filme.


Ao terminar o filme, os dois, eufórico, reclamavam de quão ruim era e sem reparar estavam de mãos dadas dando sorrisos e olhares felizes, como se fossem um casal. E que ao repararem constrangidos, retiraram as mãos e voltaram a conversar.


----


Flashback off


Jongin, após fazer o check in esperava seu voo embarcar, sentado em uma cafeteria esperando o seu pequeno café ser entregue, enquanto mexia em seu celular, jogando algo aleatório. E ao ver que a bateria estava em seus cinquenta por cento, desligou e começou a tomar o seu café, já entregue novamente em seus devaneios.


----

Os dois caminhavam em um parque, a caminho da universidade. Era noite, portanto estava um pouco frio, conforme caminhavam, escurecia, e a única luz era de uma pequena barraca, iluminada por algumas velas e aromatizantes.

— Jongin. - Oh, parou ao ver o pequeno local, se virando para o mesmo.

— Oi? - Ele disse, com um sorriso fraco, e um pouco curioso.

— Vou provar que tudo aquilo que eu digo sobre astrologia é real. - Convencido, apertou a mão do outro sobre a dele e rapidamente o levou até o local encontrando-se com uma bela cigana, brincando com suas cartas.

— Aí, que isso, Sehun?- estranhando o local, calmamente se sentou esperando a resposta do novo.

— Shhhhh. - O outro, com seu dedo indicador fez um sinal de silêncio o prensando sobre os lábios de Jongin. - É real, quer ver?- Terminando sua frase conversou com a pequena cigana, de olhos escuros e cabelos tingidos de loiro, pedindo tarô e perguntando o preço da consulta, onde após um tempo a mesma pegou as cartas e começou a "brincar", no ponto de vista de Jongin, com elas.

— Por Vader! O que você vai fazer? -  perguntou nervoso e exigindo uma resposta, porém, foi interrompido pela fala da pequena mulher.

— [..] Pelo o que eu vi Jongin terá um futuro brilhante, cheio de viagens e riquezas acumuladas nesses anos, enquanto Sehun, Também vai ter um futuro promissor e realizará seu maior sonho daqui alguns anos.

— Como ela sabe nosso nom... - Jongin iria terminar a frase se não fosse interrompido por outro shiu de Sehun.

— Continuando… - A moça, novamente virou uma das cartas, surpresa, sorriu para os dois. - E pelo que eu vi, nas cartas presentes vocês estão apaixonados um pelo outro e… - o moreno se levantou, indignado puxando a mão do outro.

— EU NÃO VIM AQUI PRA OUVIR VOCÊ FALAR QUE EU  ESTOU APAIXONADO PELO MEU AMIGO. - Gritou para a pequena cartomante e deixou algumas notas em sua mesa, enquanto sussurrava certos palavrões puxando o outro consigo, para fora dali.

Sehun gaguejava, com as bochechas coradas, pensando em algo para rebater com Jongin sobre sua ação, completamente, infantil, digamos de passagem, que após longos passos parou, vendo o moreno se virar, e com suas sobrancelhas cerradas é o rosto fechado, ríspido perguntou;

— Precisava de tanta grosseria, Kim Jongin?- Soltou-se das mãos do Kim, pois as suas já estavam sendo puxadas.

— Mas, é que você viu? Ela falando que nós estávamos apaixonados e blablabla...-

— Pelo jeito, parece que você está, para sair correndo de lá é porque sente algo e não quer aceitar.

— Você está parecendo a minha mãe agora, Oh.

— E você uma pimenta.

Sem reação, apenas olhou para o chão, constrangido, enquanto ouvia passos vindo em sua direção. Era Oh, levantando a cabeça do mesmo, e enrolando seu cachecol em volta do pescoço de Kai, enquanto dava uma leve risada.

— Calma, eu tô brincando. Melhor voltarmos, está esfriando.

— Ok.

E o resto do caminho os dois ficavam quietos, especialmente Kim que ouvia as risadas do mais novo.


--
Flashback off

Ao lembrar disso, ainda no aeroporto com um copo de café, pela metade em sua mão, deu uma risada calma, porém sentiu algo quente em sua blusa eram respingos do café que estava tomando e se distraiu fazendo o cair.

— Merda. - Sussurrou, pegando alguns papéis e limpando sua blusa, que antes limpa agora estava com uma mancha, visível de café.


Olhou em seu relógio vendo que faltava apenas alguns minutos para o embarque, brevemente se levantou, jogando o café no lixo e indo, com sua mala de mão até o local de onde seu avião iria sair.

Que ao chegar lá, obviamente, já com uma fila enorme voltou a ficar envolto em seus próprios pensamentos enquanto esperava sua vez.

--


Flashback on

Kai, novamente, se entretia lendo o pequeno almanaque sobre, como sempre, algo relacionado a astronomia. Enquanto lia, o outro tirava uma pequena soneca no beliche de cima.


Não conseguindo se concentrar, por conta do episódio passado, fechou sua pequena revista e cutucou o mais novo, que com a voz sonolenta, juntamente com murmúrios foi acordado.


— O que foi, princesa Leia?


—Sobre você sabe quando, a gente não tá apaixonado, né?


—Por que a pergunta, Sr hetero?


—Nada não.


— Fala logo


—Não - negou-se. -


— Ah então me deixa dormir. - O outro, virou para o lado tentando voltar a dormir e que novamente foi impedido


O outro, bufou, voltando a se sentar sobre sua cama, olhando para o nada enquanto ouvia os roncos do novo.


Sem ter o que fazer, se levantou, novamente, e começou a perambular pelo dormitório, procurando algo para ler.


— Achei! - Sussurrou, vitorioso, ao ver um livro completamente novo, sem ao menos sido marcado por alguém que leu, anteriormente.


Entretido, folheava as páginas, mas novamente, como uma criança, o tédio bateu, então começou a ouvir algumas músicas em seu Discman.


E, novamente, os pensamentos voltaram em sua cabeça, sobre estar apaixonado por Sehun.


— Eu não posso estar apaixonado por ele? Posso? Ele nem é bonito….- Com calma, olhou novamente o novo, dormindo, tranquilo observando cada traço do mesmo, os olhos fechados, o nariz fino como sua boca e o formato do rosto bem marcante.


Praticamente, Jongin babava olhando para ele, sorrindo bobo, como uma adolescente apaixonada. E quando o tocou corou ao ver o quão gamado estava no mesmo, pensando.


— Ah, mas, não deve ser tudo isso, e se eu “beijar” ele talvez eu me engane e volte ao que era antes? -- Confuso com seus sentimentos, com calma levou seus lábios mais carnudos ao os finos, prensando-o com o dos mesmos, mal sabia que seria retribuído já que Sehun só estava fingindo dormir, e que sem aviso prévio pediu passagem para sua língua na cavidade bucal de Kai, que aceitou, e logo estalos ecoaram pelo local e mais tarde respirações bruscas e apressadas acompanhadas de gemidos arrastados.


….


Na manhã seguinte, ainda chocados e confusos com o que havia ocorrido, Kai vagava seus olhos pelo teto do dormitório, ainda corado e cansado. E logo se virou ao rosto de Sehun, já completamente acordado.


— Talvez a cartomante não estivesse tão “errada” assim. - Sehun falou com um sorriso malicioso em seus lábios.


—É… talvez…- Retribuiu o sorriso, e logo prensoou seus lábios ao de oh, começando um round 2, digamos de passagem.



--


Flashback off

Sorrindo sozinho, estava indo em direção ao avião, com sua pequena mala de rodinhas desbloqueou seu celular no meio do caminho ao receber uma notificação, uma mensagem, basicamente, de ninguém menos que, Sehun.


“Astros não mentem, Jongin! Vai ficar tudo bem, acredite! Te amo”


Leu a mensagem e novamente deu uma pequena risada, respondendo-a. E voltando a se concentrar no caminho até o avião, e que ao chegar lá cumprimentou o piloto e aeromoças sentando se em seu lugar marcado.


Já preparado para voar, olhou a pequena Seul à noite, brilhante e escura, por conta dos milhares de  prédios que há na cidade grande e entre um deles, estava Oh, provavelmente assistindo a um desenho animado. Novamente, sorriu e bocejou, deitando se em sua cadeira e indo dormir.



Ao chegar em seu destino, se retirou do avião, planejando contar a Sehun algo que ele provavelmente iria levar um chute na boca é um beijinho de melhoras, depois.


Mais precisamente, a pequena mensagem da cigana de que educadamente, disse ao outro que se precisasse de algo poderia chamá-la. E esse algo não era mais nada que, a passagem de os dois se tornarem mais que amigos, um belo casal.


Notas Finais


Obrigada Lali por ter betado essa fic por tua causa a escrita ficou tão boa szsz

E obrigada capista eu amei a capa szsz


E obrigada cara(o) leitor(a) por ter chegado até aqui

Tenha um bom dia!!

Kissu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...