História Our sexy angel - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Sope, Taeseok, Taeyoonseok, Vhope, Yoonseok
Visualizações 44
Palavras 2.431
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oiii

T
U
D
O

B
O
M
?

Espero que estejam bem ^^
Não postei semana passada por culpa do ENEM, fiquei muito ansiosa e um pouco depressiva para a primeira prova. (Mesmo já tendo feito ano passado kkkk)
Porém, aqui esta um capítulo novinho em folha <3

Boa leitura!

Capítulo 5 - Ele tem o universo nos olhos.


Fanfic / Fanfiction Our sexy angel - Capítulo 5 - Ele tem o universo nos olhos.

"Você odeia o que torna a humanidade mais encantadora... as imperfeições."

(...)

Busan 18:39 PM

Hoseok, com o corpo relaxado sobre a cama do quarto, se mostra extremamente concentrado em seu livro de “Física experimental”, sua faculdade exigia muito de seus conhecimentos de cálculo e, por sorte, o ruivo havia nascido com o dom de compreender facilmente a área de exatas. Completamente diferente de Yoongi, que veste seu uniforme de trabalho com lentidão, observando o outro deitado sobre cama e se perguntando como o mesmo conseguia ler aquele tipo de coisa, de fato, o mais velho sempre preferiu a área de humanas.

– Não se torture tanto. – Yoongi fala risonho e se senta na cama para calçar seus sapatos.

– Eu preciso revisar os conteúdos para próxima aula. – Hobi explica sem tirar os olhos das páginas cheia de cálculos.

E era verdade, dês do dia que o casal havia atropelado Taehyung, o ruivo não pode comparecer as aulas e ao seu estágio na área de pesquisa da Universidade. Obviamente, avisou ao seu supervisor o ocorrido. O mesmo aconteceu com o Min, que faltou no trabalho noturno.

Todavia, a vida precisava ser seguida em frente, a esperança do casal se resumia na expectativa de que o novo hospede, se recordasse quem era, e onde morava, o mais rápido possível. Claro que estavam apostando todas as fixas nas consultas que o garoto teria futuramente com um psiquiatra, indicado pelo médico Park Myung Dae. Não queriam nem cogitar mentalmente a ideia de que as consequências do acidente pudessem ser irreversíveis.

O loiro se levanta e pega sua carteira sobre a cômoda ao lado da cama, antes que qualquer outra ação fosse feita, um grito aterrorizado é escutado pelo casal que se olha em completo espanto.

– Taehyung! – Os dois ditam ao mesmo tempo e largam tudo para trás, correndo até a sala, onde haviam deixado o garoto.

E lá estava ele, encolhido ao chão, rente a parede, com as mãos cobrindo sua face e o notável desespero e fragilidade que se encontrava naquele momento. Parecia ter visto a um fantasma horrendo.

– Vá embora... Me deixe em paz! – O mais novo continuava a gritar, o som de sua voz saí abafado por culpa das suas mãos.

O casal de namorados não pensa muito, os dois apenas correm e se abaixam na frente do garoto, também estavam assustados com aquela cena. O que ele tinha, afinal?

– Calma, Taehyung. – Yoongi se pronuncia, tocando no ombro alheio, o vendo se mexer bruscamente, como se um demônio houvesse o tocado e precisasse se defender, mas, ao notar de quem se tratava relaxou seu corpo minimamente. – O que houve? Porque está gritando?

– Vocês não o viram? – O acastanhado pergunta, olhando freneticamente para os lados, com sua voz sussurrada deixando seu medo evidente. – E-ele é mal, me mostrou coisas ruins...

– Ele quem? – Yoongi continua seus questionamentos, mas, Taehyung o surpreende dando lhe um abraço alvoroçado, sem responder sua pergunta.

– Não deixem ele chegar perto de mim... p-por favor... – A voz embriagada pelo choro fez Suga engolir em seco, e seu corpo foi ainda mais apertado, o Kim quase subia em seu colo. 

– Calma... – Sem ter muito o que fazer, o loiro retribui o abraço, acariciando as costas do garoto. – Ninguém vai te machucar.

Hobi não interfere, simplesmente, olha envolta e se levanta para conferir se a porta do apartamento estava trancada, e depois conferiu as janelas, enquanto Yoongi tentava acalmar o rapaz, por sorte o loiro estava de bom humor e agia de forma paciente.

– Está tudo trancando... – Hoseok explica e caminha até os outros dois. – Você deve ter tido um pesadelo, não tem como ninguém entrar aqui, fique tranquilo, Taehyung.

Por mais que as palavras houvessem sido acolhedoras, o jovem ainda deixava algumas lagrimas silenciosas rolarem por sua bochecha, já apoiada no ombro de Yoongi. Qualquer um poderia falar o que fosse, ele sabia que tudo estava muito próximo de sua realidade, mesmo que não pudesse ser explicado de forma sensata o que havia ocorrido minutos antes de gritar.

– É melhor se levantar do chão... – Yoongi aconselha com sua voz tranquila e ajuda Taehyung a se pôr de pé, caminhando com ele, em seguida para o sofá.

O Kim se aconchega entre as almofadas, seu corpo anda muito tremulo e o ardor nas costas incomodando de forma menos intensa que da última vez. O casal de namorados fica parado, um pouco distantes do desconhecido, a frente do móvel, vendo o quanto o mesmo estava apavorado.

– Você tem certeza que não quer que eu falte no trabalho, por mais um dia? – Yoongi questiona baixo e Hoseok apruma seus óculos no nariz, se mostrando pensativo.

– Tenho, você já faltou por duas noites. – O ruivo respira fundo e continua a falar em seu tom sussurrado. – Vou fazer um chá para Taehyung, acho que ele está assustado por se encontrar em um lugar desconhecido, com pessoas estranhas.

– Ele que é o estranho... O que foi? É a verdade – Yoongi fala ao ver a feição desgostosa do namorado. 

– Ele não tem culpa se você é um péssimo motorista! ­– Hobi alfineta, subindo um pouco mais seu tom.

– Na verdade, ele não tem culpa de você ser irresponsável o suficiente para gritar com alguém dirigindo no meio de uma tempestade! – O loiro devolve na mesma moeda e vê seu parceiro respirar fundo, negando com a cabeça.

– Escute aqui, Yoongi...

– Vocês estão brigando? – A voz curiosa de Taehyung, fez os dois pararem a discussão e encara-lo. O garoto estava enxugando o próprio rosto molhado pelas lagrimas, com a palma das mãos.

– Não! – Hoseok discorda na mesma hora e sorri para o Kim não ficar preocupado.

– Sim! – Yoongi afirma na mesma hora, com sua carranca formada no rosto.

Taehyung franze o cenho em completa confusão, e bagunça os próprios fios de cabelo, tentando pensar em quem acreditar. Seus olhos um pouco avermelhados pelo choro recente, fazia seu olhar angelical se mostrar, ainda mais, tristonho. Yoongi respira fundo e encara ao ruivo.

– Não vamos mais brigar, ok? – O loiro diz, pegando uma das mãos do namorado entre as suas e deixando um beijo demorado ali. Não queria ir para o trabalho chateado ou com Hobi ficando para trás. 

– Ok! – Hobi abaixa sua guarda e ao ter a mão livre, abraça o loiro, deixando um beijo casto em sua bochecha.

Não podiam ser muito íntimos na frente do hospede, não queriam o deixar desconfortável. Então, em meio a despedidas singelas, Yoongi pegou a chave do carro que o casal divide e seguiu para seu trabalho no bar. 

Enfim, Hoseok e Taehyung estavam a sós.

– Que tal tomarmos um chá? – O ruivo questiona com um sorriso aberto para o Kim. – Algo quente e doce sempre é bom para acalmar os nervosos.

Taehyung não questionou absolutamente nada, apenas seguiu o outro até a cozinha, se sentando em uma cadeira na frente da pequena mesa, observando atentamente cada passo do ruivo na preparação do chá.

– Você é diferente... – A voz baixa do acastanhado desperta Hobi de seus pensamentos, enquanto olhava para o fogão, esperando a chaleira apitar.

– Diferente? ­– O estudante de astrofísica questiona, se sentando em uma cadeira próxima do garoto.

– Sim, o outro humano é menos... – Taehyung morde o lábio pensativo por alguns segundos, tentando lembrar a palavra correta. – Delicado.

– Me acha delicado? ­– Hoseok questiona, dando um sorriso, de fato achando interessante a fala do outro, mas a nomeação “Humano” lhe foi estranha. – Porque o chamou de humano?

– Vocês são humanos... – Ele responde simplista, como se falasse algo sem muita importância.

– Mas você também é. – Hoseok sorri com o olhar confuso do outro.

– Sou?

A chaleira enfim apita, fazendo o ruivo se levantar e terminar de preparar o chá, Taehyung fica imóvel, refletindo, tentando puxar em sua mente algo que não se encaixava por completo. Humano? sim ele era humano, certo? Mas, se realmente era, por qual motivo chamava os outros daquela forma? O Kim não conseguia responder seus próprios questionamentos internos.

– O chá está bem quente, tome cuidado. – Hobi explica ao servi a xícara para Taehyung, voltando a se sentar e se servir também. – Terei que estudar um pouco antes de dormir, pode assistir televisão se quiser.

– Tele... o que?

– Esqueceu o que é isso também? – O ruivo beberica seu chá e ri levemente. – Depois te mostro.

(...)

 Já haviam cerca de cinco livros espalhados pela cama e Hoseok tinha em suas mãos um caderno e uma caneta, para as anotações que fazia sobre as páginas do livro de “Ondas gravitacionais”. A Astrofísica é o ramo da Astronomia responsável por estudar o universo por meio da aplicação de leis e conceitos da Física. E o ruivo simplesmente é apaixonado por estudar planetas, buracos negros, asteroides, galáxias, todos os tipos de estrelas, matéria escura, nebulosas, entre outras coisas que sua faculdade permitia.

Infelizmente as lunetas, telescópios, telescópios espaciais, radiotelescópios e fotômetros mais desenvolvidos, ele só podia utilizar na faculdade, em casa só havia um simples telescópio que Yoongi havia lhe presenteado. Mas, já era o suficiente para matar sua cede por ver as estrelas de perto.

– A televisão é estranha... – A voz suave de Taehyung, retira Hobi de sua escrita. – E também, não quero mais ficar sozinho.

O ruivo havia o deixando na sala, assistindo TV, enquanto estudava em seu quarto. Obviamente, o Kim se mostrava assustado pelo “pesadelo" que havia tido e não desejava ficar sozinho. O semblante do garoto estava demostrando seu sono e Hoseok teve uma ideia repentina perante aquela situação.

– Pode se deitar aqui do meu lado, se quiser é claro.

Sem pensar duas vezes, o Kim caminha devagar e sobe na cama de maneira um pouco desajeitada, deitando seu corpo ao lado do outro que permanece sentado. Hobi tenta voltar a escrever em seu caderno, porém, o olhar do outro queimando em si o fez perder todo seu foco.

– Não consegui dormir, Tae? – O ruivo questiona, deixando o caderno sobre seu colo.

– Tae? – O Kim indaga risonho e Hoseok percebe que havia o chamado de forma mais informal sem perceber.

– Desculpe, eu...

– Gostei! ­– Taehyung sorri aberto e se aproxima um pouco mais do outro, se aconchegando ao seu lado.

O Jung fica imóvel, não sabia ao certo como agir com aquele garoto tão diferente perto de si, Tae tinha um jeito inocente e simples de ser. Mesmo sem conhecer ao casal que o abriga, confiava nos mesmo e aquilo assustava um pouco o ruivo, de fato, Yoongi e ele haviam se tornado os responsáveis por aquela vida.

– Gosto de observar você e o Yoongi. – Taehyung comenta fechando os olhos. – Vocês são bonitos...

Aquelas falas não expressavam malicia, e Hobi sabia disso, todavia, engoliu em seco, olhando aquela face serena do rapaz ao lado. Taehuyng sem dúvidas se mostrava lindo, com seus fios de cabelo em desordem e lábios levemente corados devido ao clima que esfriava cada vez mais.

– Você também é bonito. – Hoseok retribui o elogio, e larga de vez o caderno, se deitando na cama, ficando de frente para o Kim. De sua parte não houve nenhum pensamento lascivo ou improprio.

– Você é o Yoongi são tão diferentes, mas, ao mesmo tempo são tão...

– Apaixonados? – Hoseok o interrompe e acaba por sorri ao ver os olhos castanhos o encararem. Aquele maldito olhar angelical estava presente nos orbes alheios.

Não era essa a palavra que o Kim usaria, na verdade o garoto não sabia o que ao certo falaria, mas, “apaixonados” pareceu lhe cair bem.

­­– Porque vocês são... apaixonados?

Hoseok pensa um pouco e se lembra da primeira vez que pôs seus olhos no loiro. Ele nunca esqueceria daquele dia, foi em uma biblioteca próxima do apartamento que hoje residiam. Entre as prateleiras de livros de física, o Jung procurava por um livro especifico e ao puxar um exemplar enorme de “Fundamentos da física”, teve seu olhar preso ao garoto que no mesmo instante, havia puxado um livro de “História da música”, do outro lado da prateleira.

– Os olhos de Yoongi, me lembram as estrelas... – Hoseok começa a falar depois dos breves segundos em silencio. – Quando vejo aqueles olhos, imagino constelações enormes, ele tem um brilho especial que me fez recordar o que mais amava na minha vida e quando percebi o que mais amava nesse universo era ele.

– Yoongi tem estrelas nos olhos? – Taehyung fica pasmo e Hobi ri soprado com a pergunta inusitada. 

– Sim Tae, ele tem o universo nos olhos. – O ruivo retira seus óculos de grau, os pondo sobre a mesinha ao lado.

Tae fica em silencio, pensando naquilo e de tanto refletir, o sono o apanhou de vez, o fazendo fechar os olhos cansados e dormir. Hoseok tinha seus pensamentos no loiro e acaba por sorrir, enquanto se vira para fitar o teto. Yoongi podia ser grosso as vezes, mal-humorado quase sempre e ter palavras ofensivas na ponta da língua, contudo, era dono dos olhos mais brilhantes e cheios de vida que Hobi havia visto.

(...)

Horas antes, 18: 20 PM.

E em um piscar de olhos, o garoto sumiu, como se nunca houvesse existido, deixando Taehyung confuso. Teria ele imaginado o garoto? O que estava acontecendo? Onde estava aquele rapaz adorável? 

– Finalmente achei você! – Taehyung escuta uma voz atrás de si e sente alguém tocar em seu ombro. 

De forma abrupta, o Kim gira os calcanhares vendo o dono daquela voz, seu coração acelerado pelo susto e sua boca seca devido ao medo, suas costas voltando a incomoda-lo com aquele ardor estranho.

O garoto de sobretudo bege e olhar doce estava a sua frente. Como isso era possível? Ele não sabia, só tinha a certeza de que gostava mais do garoto quando ele estava lá embaixo, longe de si. 

– Q-quem é você? ­­– Taehyung questiona, confuso demais para poder raciocinar como o garoto havia aparecido ali de forma tão repentina.

– Não se recorda? ­– O de sobretudo o encara de maneira sombria, como se aquilo significasse a própria morte. ­– Céus, você não podia ter perdido as memórias!

– O que quer dizer? Sabe quem eu sou? – O acastanhado pergunta alvoroçado, enfim alguém sabia de seu passado.

– Vou tentar trazer suas memorias de volta, nem que para isso tenha que destruir seu corpo humano. – Jimin diz e sem esperar nem um segundo, põe suas duas mãos na cabeça de Taehyung, ao mesmo momento que seus olhos assumem uma cor branca e luminosa, aquilo era assustador. 

Naquele momento, o Kim pode ver em sua mente coisas terríveis. Fogo, sangue, gritos e a morte... a morte de humanos. Taehyung despenca ao chão e cobre seu rosto com as mãos, ainda vendo aquelas imagens torturantes em seus pensamentos. 

– Vá embora... Me deixe em paz!

 

 

 

  

 

 

 

 
 

 


Notas Finais


Pensaram que não iriam saber o motivo do Tae estar gritando, né? kkkkk
Era o Jimin mesmo pessoal, Park versão malvado? Será?
Hoseok falando dos olhos do Yoongi... que fofo.
Então, o que acharam desse capítulo? Me contem nos comentários.
*-*

Até logoooooo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...