História Our Songs - Imagine J-Hope - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jungkook, Personagens Originais, Suga
Visualizações 34
Palavras 2.183
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Segundoooooo!!!!
Uuuuuuuuhhhhhh!

Foi difícil escolher uma música pra esse viu, bicho! Mas saiu, amém.
O link da música vai tá nas notas finais pra vcs.
Bjs, boa leitura!

Capítulo 3 - Angel


Fanfic / Fanfiction Our Songs - Imagine J-Hope - Capítulo 3 - Angel

Quem disse que eu era um anjo? Quem disse que eu era um anjo? Oh, sim 

 Nós fomos apenas uma coisa de momento, nada sério.

Nunca me importei realmente.

Deixe o passado e preste atenção, estou deixando tudo pra lá, ah

Você não devia não ter mantido sua palavra, porque se tivesse, eu teria um motivo para manter a minha.

Você era inconsistente demais Estou deixando tudo pra lá, ah

— Fifth Harmony, Angel  

Domingo, 10:00.

Estava eu dormindo feliz da vida, quando um ser humano abençoado lança uma almofada na minha cabeça. 

— Vamo logo, mocinha! Pode ir acordando. – ótimo, já acordo com gente gritando. Logo reconheço a voz. Abro meus olhos lentamente, sentindo a luz quase me cegar. Vejo Kleidy e Lelê sentadas na beirada da minha cama e confiro a hora no relógio. 

— Mano... São dez da manhã. Oque merda vocês duas estão fazendo aqui? – pergunto um pouco brava. Odeio que me acordem, ainda mais cedo desse jeito. 

— Ué, viemos saber como você está. Quase deu um susto na gente. Sumiu do nada ontem – a mais velha falou e eu voltei a me esparramar na cama. 

— Eu só peguei um táxi e vim embora. Não podia não? – indago. 

— Custava avisar? Você sumiu! Chegamos a pensar que tinham te dopado e feito algo ruim contigo – Kleidy falou.

— Não posso fazer nada se as senhoras estavam enfiadas em algum canto pegando os namorados de vocês e esqueceram de mim – reclamei. 

— Mas você não tava com o Hoseok? Nem pra ele você avisou – disse Kleidy. 

— Eu acho que ele também deveria estar um pouco ocupado! – respondo com ironia. — Tá, mas agora vocês já viram que eu tô bem, tô viva. Eu preciso tomar um banho porque a noite de ontem foi agitada pra mim e até beijo rolou – falei me levantando da cama e quando olho para as duas, ambas estavam de boca aberta. 

— Beijo?! – disse Lelê, olhando para Kleidy. — HOSEOK???! – falaram juntas e acenei imediatamente, negando. 

— Claro que não! Ficaram loucas? – falei, me despindo na frente delas mesmo. 

— Quem foi então? – Kleidy perguntou, me olhando com um sorriso malicioso. 

— Não sei – respondi como se fosse a coisa mais normal do mundo. 

— Não sabe? Como assim não sabe? Quando foi isso? – Lelê perguntou e eu comecei a tentar me lembrar das cenas da noite anterior. Eu nem bebi tanto assim mas também não me lembrava de muita coisa. 

— Bem, eu e Hoseok estávamos na quadra dançando. Só que uma puta aí que ele tá pegando chegou e levou ele pra longe. Eu continuei dançando sozinha e daí esse desconhecido chegou e pediu para dançar comigo. Eu aceitei e ficamos dançando. Mas ai, eu algum momento, eu já estava beijando ele – respondi simplista e elas me olhavam meio pasmas. 

— E você não sabe mesmo quem é? – Kleidy indagou e eu neguei com a cabeça. 

— Deixa que eu descubro! – Lelê sorriu, piscando pra mim. 

— Não! Quer dizer... Ah, a verdade é que depois do beijo eu saí correndo e fiquei fugindo dele durante a festa toda. Por isso vim embora sem avisar – expliquei. 

— Você correu do garoto?! – Lelê praticamente gritou e eu revirei os olhos, pegando minha toalha e indo para o banheiro. 

— Sim – respondi do banheiro. 

— Por que? S/N, esse menino pode ser o amor da minha vida! – disse Kleidy. 

— Ah, que exagero, né?! Foi só um beijo e nós nem sabemos quem é esse indivíduo – respondi, tirando minhas roupas intimas e entrando no chuveiro. 

— Não sabemos ainda! Mas eu vou encontrar esse garoto e vocês vão se casar, ser felizes e me dar vários sobrinhos – disse Lelê, certamente para me irritar. 

— Vou fingir que não ouvi esse absurdo – respondi e ouvi as duas rindo. 

— Mas agora, termina seu banho ai, porque nós duas vamos descer. Sua mãe tá fazendo um café-da-manhã maravilhoso e eu estou morta de fome – Kleidy falou e apenas ri alto. 

Terminei meu banho, me vesti e desci pra tomar café com minha mãe e as meninas. Ambas estavam sentadas a mesa rindo. Pareciam conversar sobre algo interessante. 

— Bom dia, mãe – falei dando um beijo nela e me sentando. 

— Bom dia, amor. Estava conversando com a Lelê e a Kleidy, parece que a festa ontem foi boa, não é? Quem é o namoradinho? – minha mãe falou com um sorriso um tanto quanto sapeca e eu encarei minhas amiga. As duas sorriram cinicamente pra mim e eu respirei fundo. 

— Não acredito que contaram pra ela! – exclamei. 

— Ah! Nós não aguentamos! – Lelê justificou. 

— E olha, ela tá super animada em saber – disse Kleidy apontando para minha mãe que sorria de orelha a orelha. 

— Claro que estou! Finalmente minha filha vai me dar um genro. Mas vamos lá, qual o nome dele? Quanto irei conhecê-lo? – começou a fazer perguntas e eu bati com a mão na testa. 

— Gente! – olhei para as duas que sorriam felizes. 

— Vamos, S/N. Me conte tudo logo – minha mãe insistiu e eu concordei. Aí, eu mato essas najas que chamo de amigas! 


Hoseok on

Acordei numa ressaca terrível. Quase que nem levantei da cama. Tomei um banho e tomei um remédio para dor depois que comi. 

Era domingo, então resolvi ir até a casa da S/N. Queria muito vê-la mas ainda estou bravo por tê-la visto beijando aquele desconhecido ontem, na festa. Mesmo que ela não saiba sobre meus sentimentos, S/N é minha garota. Somente minha. Estava atravessando a pracinha quando sinto alguém puxar meu braço. Quase cai no chão pelo susto. Olho para ver quem era, já me preparando para xingar, quando vi que era Sami. 

— Ficou maluca de sair me puxando assim no meio da rua? Oque você quer comigo a essa hora da manhã? – perguntei irritado. 

— Falar sobre ontem. Quando é que você vai assumir nosso namoro? É melhor que seja rápido, pois não quero mais te ver de intimidade com aquela sua amiguinha renegada – ela disse e eu a olhei confuso mas logo ri. 

— Que papo é esse de namoro, garota? Oque está dizendo? – indaguei. 

— O nosso namoro! Hoseok, você me beijou ontem. Lembra? – disse ela e eu ri novamente. 

— Ai ai. Sami, querida, foi só um beijo ok? Eu não quero nada sério com você, não. – falei e ela se espantou. 

— Como assim não quer nada sério?! Mas... E ontem? E... – se alterou e eu a segurei pelos ombros, fazendo-a parar de falar. 

— Foi só um beijo. Mais nada. Eu não sou esse anjo que vocês pensam. Acho que na verdade, eu só deveria ter continuado a beber com você. Estava ótimo assim. Mas rolou um beijo, foi legal, mas foi só um momento. Nada mais. Esquece – falei sincero e ela me olhava chorando mas ao mesmo tempo brava. 

— Eu te odeio, Jung Hoseok! Nunca mais olha na minha cara, cretino – xingou, dando socos e tapas em mim. Logo depois a mesma foi embora pisando duro. Ótimo, uma a menos para me irritar. Sei que, de qualquer forma, é errada essa minha vida de pegador. Não me orgulho de sair por aí beijando e dormindo com várias meninas, enquanto a única que amo está sofrendo e não sabe dos meus sentimentos. S/N começou a sofrer muito de uns tempos pra cá. Sua auto-estima caiu ainda mais que antes e me dói muito vê-la assim. Eu e os outros fazemos de tudo para ajuda-la mas é complicado pois somente ela sabe oque sente. Tenho medo de lhe confessar meus sentimentos e ela simplesmente não acreditar ou sei lá oque mais de ruim possa acontecer. 

Finalmente cheguei na porta de sua casa e já ia me preparando para bater na porta, quando esta foi aberta pela mãe da mesma. 

— Oh, Hoseok? Você por aqui. Bom dia, querido – cumprimentou ela me abraçando. 

— Bom dia. Pois é, vim ver a S/N. Ela está? – pergunto e logo a garota que bagunça a minha vida aparece junto de Kleidy e Lelê. 

— Hobi? – ela diz surpresa por me ver e eu abro um sorriso. 

— Hoseok, você aqui a essa hora? Caiu da cama, foi? – Lelê brinca e eu faço cara de tédio. 

— Deixem ele em paz, ok? Ele só veio me ver – S/N disse, vindo me abraçar. 

— Ótimo, pelo menos você não fica sozinha porque nossos boys estão esperando a gente. Beijo, tchauzinho! – Kleidy diz e elas se despedem, logo indo embora. Olho para S/N, sorrindo feito bobo e ela fica corada. Sua mãe, que até então ainda estava ali, suspira e saí nos deixando sozinhos. 

— Que surpresa você aqui – falou, com aquele sorriso lindo. 

— É... Quero passar a tarde com você. Posso? – perguntei e ela ficou surpresa mas bastante animada. 

— Claro! Vou adorar – respondeu dando pulinhos. 

— Que bom. Achei que estivesse brava comigo por ontem. A Sami estragou nossa dança – sorri fraco. 

— Sim. Mas esquece isso. Estou feliz que você esteja aqui. – ela disse e logo me puxou para dentro. 


S/N on

Nem acredito que Hobi veio passar o dia comigo! Saudade dos tempos em que ele era menos mulherengo e me dava mais atenção. Mas oque importa é que estamos juntos aqui. Pensei mesmo que passaria esse domingo sozinha como sempre porque aquelas duas só passam o fim de semana com os boys agora. 

Eu e Hoseok subimos pro meu quarto e minha mãe avisou que faria um almoço caprichado pra gente. Nos oferecemos pra ajuda-la mas a mesma não quis e disse para ficarmos tranquilos. 

— Você deu um susto na gente ontem. Por que sumiu da festa sem avisar? – Hoseok perguntou, se jogando na minha cama. 

— Eu... Eu tava meio cansada por causa do colégio e só queria dormir. Eu nem ia aparecer lá mas Lelê e Kleidy insistiram tanto, só por isso eu fui – respondi me deitando junto dele e encostando minhas costas em seu peito. Não queria falar pra ele sobre o beijo. Hoseok passou seu braço pelo meu pescoço, nos deixando ainda mais próximo. Confesso que se alguém entrasse ali e visse aquela cena, com certeza estranharia. 

— Você está bem, né? – perguntou ele. 

— Sim. Só ando muito cansada por conta do colégio e tudo mais. Tirando isso estou bem – respondi e ele sorriu pra mim. 

— A gente deveria passar mais tempo junto, sabia? – ele entrelaçou nossos dedos e eu observava atenta cada um de seus atos. 

— Eu quem digo isso pra você – brinquei e ele riu. 

— Te amo... – Hoseok falou baixinho e eu fiquei um pouco surpresa, não porque ele nunca tenha dito, e sim porque dessa vez foi de um jeito diferente. 

— Me ama? – perguntei lhe encarando e este me olhou também. 

— Sim... – respondeu, mantendo seu olhar fixo no meu. — S/N, quer dançar comigo? – perguntou e eu sorri confirmando. 

Subimos pro terceiro andar, onde eu tinha minha tão sonhada sala de dança. 

— Oque quer dançar? – Hoseok perguntou se posicionando perto do computador para selecionar a música. 

— Você escolhe – pisquei pra ele que riu e voltou sua atenção para o computador. Uns segundos depois e uma melodia calma preencheu o ambiente. Reconheci aquela canção na mesma era. Era It Will Rainha, do Bruno Mars. Lembro-me que eu e Hobi passamos um tempo assistindo a um casal dançando essa música. 

— Não é meio lenta demais pra você? – perguntei impressionada e ele negou, caminhando até mim. 

— Se lembra da coreografia, não é? – perguntou, parando atrás de mim. 

— Um pouco. Mas você vai me guiando – respondi. 

Começamos então a dançar. Aos poucos eu ia me lembrando dos pasos, mas Hobi sabia absolutamente tudo. Ele me guiava tão bem e nós dois tínhamos uma conexão tão perfeita. Os olhares, os toques. Tudo perfeitamente sincronizado. Seus braços me erguiam com facilidade, e por alguns momentos eu me sentia nas nuvens. Hobi parou atrás de mim, segurando minha cintura, e inclinando-me para o lado. Seu rosto aproximou-se do meu e eu me perdi na imensidão dos seus olhos pela primeira vez. Eu estava estática, sentindo apenas a firmeza de suas mãos a me segurar. Seu olhar se revezava entre minha boca e meus olhos, tudo isso enquanto a música ainda tocava. 

— Sempre sonhei em dançar essa música com você – cortou o silêncio e colocou-me ereta novamente. 

— Nós... Mandamos muito bem – falei, ainda um pouco perdida. Ficamos num clima estranho até minha mãe nos chamar para almoçar. Descemos para a cozinha e nos sentamos para comer, enquanto ele e minha conversavam animadamente juntos. Eu até tentava me entrosar no assunto vez ou outra, mas meu pensamento ainda estava na dança que tivemos. Algo em mim diz que foi bem mais que isso... Mas agora oque é, não faço ideia.


Nunca deveria ter cruzado essa linha com você

Estava tudo bem em só beber com você.

Eu sou novo demais pra me prender a alguém.

Não estava tentando passar minha vida ao seu lado.

Devo ser sincero com você, meu eu verdadeiro não foderia com você.

 E eu estava começando a foder com você...

— Fifth Harmony, Angel


Notas Finais


Sei. Vocês devem tá estranhando pq a música da dança foi outra. Mas eu precisei fzr isso e ao longo da fic, vocês iram entender pq eu fiz isso.

Enfim, esse foi o segundo. Tá, uma merda? Tá. Mas eu preciso de algo pra me tirar do tédio então...

Até o próximo capítulo e bjs beberes.
~Lah 🍌❤

2 Song - Fifth Harmony, Angel:
https://youtu.be/Bt626CEUCMQ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...