História Paga para Amar - Kim Taehyung - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais, V
Tags Amor, Chefe, Drama, Escondidos, Imagine V, Kim Taehyung, Ódio, Revelaçoes, Romance, Segredos, Sexo
Visualizações 106
Palavras 2.090
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aaaaaaah EU VOLTEI
:’)
Vocês acharam que eu não ia rebolar minha bunda hoje né?

Capítulo 26 - Inesperado


Fanfic / Fanfiction Paga para Amar - Kim Taehyung - Capítulo 26 - Inesperado

Com os dias que se passavam, Ingrid melhorava ainda mais e assim que teve alta, pudemos voltar para casa. Mal podia acreditar após tantas tentativas, finalmente conseguimos um filho ou até mesmo uma filha, bom, era como ela dizia: o que vier, está de bom tamanho.

Will há alguns dias atrás pediu a Fernanda em namoro e por incrível que pareça, ela aceitou, e juntos, estão morando em uma casa. Tinha medo de que esse filho pudesse ser meu, Will mesmo afirmava diversas vezes que era o sonho dele ser pai e mesmo se fosse meu, iria cuida-lo como se fosse dele e eu aprovei com todas as forças isso, acho que no momento, Fernanda estava confusa em quem dar o bote, deu nos dois e agora, olha no que deu.

Ingrid esses tempos, anda um pouco teimosa, avisei a ela para não vir ao trabalho mas mesmo assim ela veio, tudo bem que nem dá pra ver a barriguinha saliente ou algo do tipo, mas gravidez é algo sério, certo? 

 

— Tae oppa —adentrou em minha sala a última citada interrompendo totalmente meus pensamentos— por que não quer mandar trabalho?

— Não quero te ver se esforçando —sorrio ladino e vejo ela se aproximar—

— Mas eu preciso trabalhar, sim? —sentou-se em meu colo e selou nossos lábios, dando-me um selinho—

— Não quero te ver se esforçando meu amor, quero te ver bem, está tudo bem? Você quer alguma coisa? O bebê está-

— Tae —falou alterada enquanto ria— está tudo bem, você parece um louco dessa forma  

— Desculpe-me, sou novo nessa coisa de ser pai... ah e mais uma coisa —começo a balançar a perna vendo-a se mover no mesmo ritmo— estava pesquisando sobre casamento-

— Tae.... para —ela tenta se levantar mas eu impeço após segurar sua cintura— podemos muito bem apenas colocarmos anéis e dizermos a Deus e o mundo que perguntar que estamos casados, casamento é muito custo e detesto te ver gastando muito 

— A mas-

— Sem mas —ela me beija rapidamente e eu sorrio em troca—

— Eu estou economizando para isso

— Gaste com outra coisa ou, economize para quando o bebê nascer mas por favor, não gaste muito com algo que irá durar apenas horas, tudo bem?

— Aish... tudo bem, me convenceu, mas eu ainda irei colocar uma aliança nesse dedo —afirmo mordendo os lábios—

— Ok Kim Taehyung, agora pode me dar trabalho? —assim que termina de falar, eu nego sorridente e ela bufa— aish 

 

{...}

 

Ingrid On

 

Com os meses que iam se passando, Taehyung ficava mais atencioso em relação a mim, com apenas dois meses, ele pediu para que eu parasse de trabalhar, eu óbvio, sempre fui teimosa, e hoje completando quatro meses, ainda continuo vindo ao trabalho mas sempre sentada na cadeira de frente a minha mesa, que infelizmente, agora não tem mais papeladas alguma. Taehyung estava muito respondão, não ser rude, mas quando eu pedia trabalho, o mesmo reclamava, e não dava de forma alguma. Eu era sua assistente e também esposa, e sabia quando ele estava muito cansado, ele poderia sim me dar um trabalho, mas Taehyung é só um teimoso que permanece em minha vida e eu o amo demais

 

Taehyung On

 

Com a chegada do menino do Will, tudo melhorou em relação a minha vida, com desejos de casa nova e vida nova, eu pretendia passar anos com a minha mulher. A mesma não quis casamento, e por isso, nem tentei, pois não queria irritá-la e causar mal-estar para o bebê.

Até hoje lembro a ligação do Will aos prantos, dizendo que o teste havia chegado e ele era pai do Matt, bom, ótimo pra ele, pelo menos foi pai cedo, mas eu, parece que os dias demoram a passar. Ingrid parecia estar com raiva de mim ultimamente, poxa, eu queria o bem dela, mas ela era teimosa demais e não ia pra casa descansar, passava horas e horas sentada naquela cadeira, esperando com certeza um trabalho, mas que eu não daria nem tão cedo.

Olheiras eram visíveis em meu rosto, mas eu não me importava, minha esposa estava bem fazendo absolutamente nada, e iria continuar assim até nosso filho nascer

 

— Eu já cansei disso tudo Kim Taehyung —a última citada apareceu em minha sala interrompendo meus pensamentos—

— O que houve dessa vez, meu bem?

— Não me vem com essa de meu bem, me dá um trabalho ou eu me demito —falou nervosa, Ingrid soava e o suor escorria por sua bochecha destra—

— Já disse que não, pode pedir o quanto quiser lalalalalala —respondo-a brincando e a mesma vem até a mim e senta em meu colo—

— Taehyungie, me dá um trabalho por favor —ditou choramingando enquanto dava certos pulinhos em lugares inapropriados naquele momento—

— Para, ou eu vou fazer você quicar sem roupa 

— Taetae é um maluco por sexo, sim? —desabrochava minha gravata enquanto fala manhosa— Tae, eu quero um trabalho 

— Meu deus, me tire pensamentos impuros com minha esposa que está grávida —olho pro teto e mordo os lábios após falar—

— Tae, por favor 

— Não, não, e, não Ingrid, mas se quiser, você pode ficar aqui

— Aigoo, você é um chato, não quero ficar com você —ela cruza os braços e eu gargalho da sua face que deveria aparentar estar com raiva mas estava ainda mais fofa— 

— Quando saberemos se é menino ou menina? —pergunto acariciando sua barriga visivelmente grande—

— Quando eu voltar a trabalhar —ela ri e eu reviro os olhos— logo logo baby, mas acho que está muito grande para quatro meses não acha não? 

— Não sei, não sei o tamanho certo que uma barriga de quatro meses deve ficar —dou de ombros—

— Você é um chato, sabia? 

— Sabia sim 

 

O que deveria ser uma tarde de puro trabalho, acabou sendo uma das melhores tardes para mim. Ingrid, tomou todo meu tempo e por ter agora um sofá em minha sala, nós deitamos ali. Ela encima de mim, de barriga pra cima, enquanto eu apenas acariciava seu cabelo, até o momento em que senti seu corpo amolecer, e logo deduzi que a mesmo havia dormido. Ingrid por mais que não fizesse nada, aparentava estar cansada, e de forma alguma julgaria, até porquê, deve ser um grande trabalho, carregar uma barriga grande que pra falar a verdade ela tem razão sobre estar grande demais, seja lá quem for, eu amarei super e darei muito mimo.

Como pedido dela, deixei o dinheiro para o que deveria ser para o nosso casamento em uma igreja, para algo útil, e o quarto do nosso filho era agora como uma meta para mim. Até agora tudo era apenas branco, assim que soubéssemos se é menina ou menino, os enfeites chegaram, e de braços abertos o quarto estará à espera, prontinho e arrumadinho. 

 

{...}

 

Após uma semana, Ingrid disse que não iria trabalhar, mas porque iria ao medico e por motivos de negócios, eu tive que ir obrigatoriamente para o emprego. Chegando lá, ao adentar minha sala, um dos empresários bem mais sucedidos de Seul adentrou logo depois, me assustando de certa forma, eu nunca o imaginária aqui, e pra mim era uma honra tê-lo em minha empresa. 

 

— Kim Taehyung, certo? —levantei de minha cadeira e apertei sua mão levemente— como vai? Bom, deve saber que sou Chul moo, dono de uma das empresas bem mais sucedidas de Seul, assim como você, e vim em busca de parceria, pois mesmo tendo minha empresa no ranking de uma das maiores, sinto que estou caindo e queria fazer negócios com você, o que acha, um ajudando ao outro?

— Hum... seria uma ótima ideia —estralo a língua no céu da boca— adoraria fazer algo com você e seria uma honra

— Honra dirá eu, vim pessoalmente para pedir para que fizéssemos parceria o quanto antes, depressa e com muito esforço, acredito em você e sei que tem personalidade boa, assim diz as pessoas quem o conhece 

 

Ótimo! Agora tinha duas coisas para ter ansiedade. Chul confirmou parceria, e não esquecendo de que a Ingrid está no médico vendo se era menino ou menina, eu realmente estou muito nervoso. Conversei bastante com o Chul, e assim que a conversa encerrou, eu tentei ligar para a Ingrid, mas caía sempre na caixa postal, bom, eu acho que é normal, ela deve ter colocado o celular no mudo, e deve está indo pra casa, ou não, ou será que algo de ruim aconteceu com ela. Não, para Kim Taehyung.

Digamos que eu não surtei, e acabei ligando vinte vezes para ela, e todas caíram na caixa postal, tudo bem, acho que agora eu devo entrar em pânico, não podia sair antes da hora, pois tinha também os outros que trabalhavam aqui, e para aparentar ser um bom chefe eu tinha que ficar. Mas assim, que deu exatamente cinco em ponto, eu sai da sala as pressas, passando por tudo e todos, todo desengonçado, desci com a ajuda do elevador, e fui até o estacionamento e logo senti meu celular tocar, peguei-o rapidamente e assim que vi que era a Ingrid eu atendi depressa 

 

— Onde você está? —silêncio— Ingrid, onde você está?

— Em... em casa —sua voz estava semblante chorosa e minha preocupação só aumentou—

— Aconteceu algo com você, o bebê? por favor me fala alguma coisa 

— Não aconteceu nada Tae, mas por favor vem pra casa com calma e aqui conversamos, sim? —fungou o nariz e senti meu corpo amolecer no mesmo momento—

— Tudo-Tudo bem

 

Ela encerrou a ligação, e precisei respirar fundo três vezes para poder ligar o carro. Eu tentava estar calmo, mas eu não conseguia, estava nervoso ao ponto de sequer esperar o sinal abrir direito, enquanto dirigia rápido em direção à nossa casa. Eu não sabia se estava com medo do que veria, ou do que ela falaria, será que ela perdeu o bebê, caiu ou sei lá? Deus, por que os meus pensamentos estão contra mim?.

Assim que cheguei em casa, nem coloquei o carro na garagem, apenas peguei minha maleta e travei o carro, adentrando com tudo a casa em seguida. A mesma estava silenciosa, tanto, que até assustava um pouco, passei pela cozinha, área de serviço, tudo. Até chegar no quarto, onde a vejo encima da cama, enquanto chorava olhando seus pezinhos que na altura do campeonato, já estavam inchadinhos, assim como sua bochecha por conta da gravidez 

 

— Ei meu amor —joguei a maleta longe e fui até a mesma— o que aconteceu? 

— Taehyung, talvez você não goste —soluçou e eu a abracei—

— Diga-me que não perdeu o bebê, sim? 

— Não, é pior do que isso —ela afastou seu rosto e eu observei seus olhinhos inchados— lembra quando eu disse que estava grande demais para apenas quatro meses?

— Mas mesmo assim, você continua linda, meu amor-

— Não é nada disso Taehyung —me interrompeu— eu acho que será muito gasto, teremos que refazer tudo e-

— Espera, calma, respira fundo-

— Não tem isso, Taehyung, você não vai me querer mais, não vai nos querer mais-

— Para com isso, Ingrid, é lógico que eu quero, vocês agora são tudo pra mim, mas por favor, me diga o motivo para isso tudo

— O motivo é que é menino

— Não brinca, tá falando sério? —tentei controlar o sorriso mas era inevitável— é meu sonho ter um menino, Ingrid, meu deus por que acharia que eu me separaria de você?

— Por que são meninos —o sorriso que estava em meu rosto, estava ainda maior, fazendo minhas bochechas automaticamente doerem— São gêmeos 

— Perguntando novamente, por que eu pediria separação?

— É muito custo Taehyung, se não quiser estar comigo eu compreendo e-

 

Era tanta alegria que eu não sabia explicar, era um sonho realizado em dose dupla e por isso eu simplesmente a beijei. Com ternura porém lentamente, deslizava minha língua por toda a sua boca enquanto ela fazia o mesmo, mas assim que o ar se fez presente nós separamos os ósculos. Eu estava definitivamente apaixonado por ela, e poderia dizer que sem ela, seria meio difícil de viver 

 

— Retire isso da cabeça ok, eu estarei com você até o fim. Meu sonho é ter um menino, e ter dois, é um sonho em dose dupla, eu adorei a notícia e não importa quanto nós teremos, eu continuarei te amando, sim?

— Mas é gêmeos e é muito gasto-

— Que se dane, eu darei e farei de tudo por eles, assim como farei de tudo por você, então vamos lá, levanta dai e vamos comer algo que você quer, hoje é dia de comemoração, e eu também tenho algo muito bom pra te contar, mas só conto se ver você sorrindo novamente


Notas Finais


A produção vai pagar BAUAUA
;-;
Perfil: @_hmmjjk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...