História Penumbra - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys (bts), Incesto, Jungkook, Suga, Twitx, Yoongi, Yoonhi
Visualizações 310
Palavras 1.799
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heyhey amores, tudo bom? Espero que sim ❤

(Vou tentar fazer um banner melhor) ed: já fiz ahuahau

Perdoem os erros!

Boa leitura e ATÉ AS NOTAS FINAIS 🌼

Capítulo 17 - 16 - Quando melhorar


Fanfic / Fanfiction Penumbra - Capítulo 17 - 16 - Quando melhorar

A fogueira queimava a sua frente, fazendo com que, além do som da pequena cascata de água, pudesse ser ouvido o crepitar das madeiras. Yoongi estava sentado em um tronco de madeira e fazia uma espécie de lança com sua faca pequena. Não que fosse utilizar a arma, mas se alguém atacasse, pelo menos Choi teria alguma coisa para se defender.

Min estava cansado, tanto fisicamente como psicologicamente. Como ele mesmo diria, estava todo ferrado. A poucas horas atrás, graças ao seu disfarce e ida para a cidade, descobriu que Jungkook havia tomado a decisão de ir procurá-lo no meio da floresta. Com sorte, Yoongi conseguiu calcular seu tempo e montar uma caminho para seguirem.

As lascas de madeira caiam e se juntavam a um amontoado no chão. Ele havia terminado um lado, mas para garantir que Mirella se mantivesse segura, optou por fazer dos dois lados, aumentando as chances dela não cometer tantos erros.

Min havia pensado em deixá-la na casa para ser encontrada pelo seu marido, mas o que poderiam fazer com ele se o achassem? Yoongi tinha a plena certeza de que Jungkook iria atrás dele até o inferno, e que não ouviria o que Choi tinha para dizer. Então, pensou em levá-la consigo para ficar ao menos um tempo até se recuperar.

Bem no meio de uma depressão de montanhas, havia um pequeno vilarejo, muito pouco conhecido, mas aquilo era o suficiente para que pudessem ficar até a recuperação da garota. Era um bom lugar pois se localizava em um dos territórios inimigos dos Jeon, o que dava para eles segurança.

Parando seus movimentos e vendo que já estava pronta, a colocou de lado e guardou a faca pequena em um protetor. Ele estava a algumas horas sentado naquele tronco de madeira, enquanto Mirella dormia em cima de um tecido e estava coberta por um grosso lençol.

Por conta do curto tempo que tinham, Yoongi só havia conseguido pegar uma quantia grande de dinheiro, os remédios e o que Choi estava usando para dormir. Ele nem mesmo justificou o motivo de estarem saindo da casa, mas Min sabia que uma parte da jovem entendia.

Daqui a algumas horas iria amanhecer, e teriam que partir antes disso acontecer. Com sorte, Yoongi conseguiu comprar mais um cavalo para levar as coisas, levando Mirella consigo. Haviam cavalgado por três horas — se os cálculos do jovem estivessem certos — e chegaram até a nascente de um rio. Não estavam longe o suficiente, porém não se encontravam no território do Jeon. E como sairiam antes do amanhecer, conseguiriam chegar até a vila antes do anoitecer do outro dia, estando longe o bastante para que Jungkook pudesse pegá-los.

Yoongi não estava sentindo tanta dor, mesmo que estivesse com quase todo corpo marcado e enfaixado. Era como se ele tivesse se acostumado a apanhar, e por isso não conseguiu ver tanta diferença das surras que levava quando começou com seus roubos.

Foram bons e maus momentos. Mas conseguia arrancar uma pequena curva nos lábios do rapaz.

Era uma pessoa esquelética e sem força alguma, algo parecido com um fio fraco e fino. Mas como era algo que precisava fazer, então não se importava em apanhar. Mas preferia sair ileso.

Yoongi, ao passar do tempo, passou a ser conhecido como aquele que é silencioso. Como havia adquirido habilidades e prática, quem era roubado só descobria quando acordava. Ele nem ao menos fazia um barulho se quer quando adentrava as casas para roubar, e as vezes tinha que prender a respiração. Ele era e ainda continua sendo muito cauteloso nesse assunto.

— Não irá dormir? — A voz um pouco alta e rouca se fez presente, fazendo com que Min olhasse para trás.

— Estou bem. — Respondeu ao ver o esforço inútil da garota para se levantar — Quanto mais se mexer, mais tempo irá demorar para que melhore.

— Até quando ficarei assim? — Dava para notar que ela não estava gostando de não poder se mover.

— Tenho certeza de que se ficar quieta, você vai estar andando daqui dois dias. — Min notou que ela ia reclamar, mas pareceu pensar melhor e se calou — Está com fome? — Balançou a cabeça negativamente — Precisa de algo?

— Que você me responda duas perguntas. — Ele analisou a situação é foi para perto dela, sentando ao seu lado — Por que estamos fugindo?

— Você sabe o motivo, mas se quer que eu diga, não estou afim de ter uma corda no meu pescoço ou minha cabeça decepada. — Mirella o olhou pelo canto dos olhos e suspirou.

— Jungkook não iria fazer isso com você. — Uma curta risada saiu dos lábios de Min.

— Ele está com raiva, não dará ouvidos a você e muito menos levará sua opinião em conta.

— Eu não iria deixá-lo te machucar. — Ela murmurou e ele comprimiu os lábios — Jeon pode estar com raiva, mas ele iria me ouvir.

— A questão não é essa, Mirella. Ouvindo ou não, ele fará o que deve ser feito com pessoas que fogem com a rainha de um reino. — Apertou suas mãos uma na outra e respirou fundo — Eu sei que você tentaria convencer o rei de que não fui eu quem te machuquei. Sei disso. Mas no mundo em que vivemos, eu serei o culpado. — Foram breves minutos em silêncio.

— Segunda pergunta. — Ele a olhou e esperou — Quando pretende me dizer o que realmente aconteceu naquela floresta?

— Quando eu sentir que estou bem o suficiente para te contar. — Foi a última coisa que Min disse antes de se levantar e voltar a se sentar no tronco de madeira.

Não havia necessidade da jovem saber o que houve, não para Yoongi pelo menos. O que importava é que logo partiriam para a cidade e que ele poderia dormir por um longo tempo sem se preocupar com o rei invadindo o lugar e o mandando para a forca.

— Eu quero ir para casa, Yoongi. — O jovem se virou e encarou a menina — Meu pai deve estar preocupado comigo.

— Não posso te deixar ir até que melhore.

— Então me deixe aqui para ser encontrada. Eu tenho certeza de que eles irão procurar por esse lado.

— Não vão. Estamos fora de seu território, portanto seu rei não poderá vir te buscar. — Uma pequena lágrima escorreu pelo rosto da jovem, mas era a única — Eu irei te deixar ir quando melhorar. Então por hora, apenas descanse. — Ele tentava não demonstrar qualquer tipo de sentimento ruim, já que conseguia fazer isso sem mesmo querer — Eu prometo. — Disse por fim, fazendo Choi respirar fundo.

— Quando eu melhorar, com ou sem você eu irei voltar para casa. — O sorriso que Yoongi deu estava mais para torto do que para infeliz — Mas antes de ir, você terá que me contar o que aconteceu naquele dia.

Ela realmente estava querendo ir embora por que não sabia o que havia acontecido? Min estava se sentindo ruim por ter deixado um clima nada agradável entre os dois, mas ele sabia que contar agora só iria piorar as coisas, então ela deveria agradecer por ainda não saber.

— Está bem.

Ele acreditava que até esse dia, conseguiria contar. E, por mais durão que ele fosse, estava com medo da reação da garota. Dizer para alguém como Mirella — que por sinal é uma pessoa que absorve até os mínimos detalhes — seria de mais até mesmo para a rainha. Talvez fosse tachado de monstro, como muitos já fizeram, ou de escória. O jovem ladrão não queria que ela ficasse com uma imagem ruim em sua cabeça, mesmo sendo o que era.

Volta e meia um suspiro saia por seus lábios. Estava muito pensativo, e isso só o deixava mais cansado. Foi até a nascente e molhou o rosto três vezes, optando por uma distração, que no caso seria o frio em seu rosto e mãos trêmulas, fazendo seus lábios ficarem arroxeados e suas bochechas rosadas.

Andava de um lado para o outro, contando algumas pedrinhas e olhando para o próprio pé. Algumas vezes olhava Mirella que estava com uma cara fechada e dormindo, o que o fazia suspirar.

Depois de tanto se distrair fazendo coisas aleatórias, o céu começou a ficar em um tom escuro mais claro, indicando que logo o amanhecer chegaria.

Se ajoelhou perto de Choi e balançou devagar seu ombro, vendo-a abrir os olhos lentamente e desfazer sua cara emburrada, passando por uma sonolenta e amassada.

— Temos que ir. — Disse e ela concordou.

Arrumou as coisas e, depois de montar e prender Mirella no cavalo, amarrou a lança de madeira na parte traseira, tomando cuidado para não machucar o cavalo.

— Onde arrumou isso?

— Eu mesmo fiz para que possa se proteger caso algo venha a dar errado. — Montou em seu cavalo e, como os cavalos estavam presos um no outro, quando Min começou a se mover o de Choi também fez o mesmo — Mas não se preocupe, eu não acho que isso vá acontecer.

— Espero que eu não caia.

— Caso aconteça eu te seguro.

Yoongi calculou quatro horas de cavalo para chegar até a vila, isso se não fossem parar toda hora para comerem e fazerem suas necessidades, o que aumentaria o tempo de chegada. E não queria isso.

-

Havia muita neblina no começo do caminho. Seus olhos não conseguiam enxergar por onde estavam indo, e se não fosse pela atenção de Min, estariam em um caminho completamente diferente.

Chegaram na pequena vila por volta das onze. A única coisa que conseguiram foi um quartinho nos fundos de uma casa de um senhor. Mas aquilo bastava para passarem os dias.

Yoongi, no primeiro dia que chegaram, e após deixar Mirella na cama e arrumar tudo, deitou-se e apagou. Choi até mesmo achou que ele estivesse morto, já que passou um dia inteiro dormindo. Mas felizmente acordou, resmungando algumas coisas e saindo do quarto.

A jovem conseguiu se mover sem muita dificuldade após três dias cuidando das feridas e trocando as faixas. Andava devagar, mas aquilo era o suficiente para se sentir bem.

Como era de se esperar, os dois mal estavam se falando, somente o necessário, e volta e meia Mirella voltava no assunto de querer ir para casa.

— Irei deixar quando melhorar totalmente. — Ela bufou irritada e se sentou na cama — Parece como um patinho manco andando.

Ele sabia que tudo que ela precisava ouvir para ficar com seu humor normal, era a verdade. Mas ainda não dava para contar. Não enquanto ele sentisse medo da reação de Mirella.

Então, por hora, aguentaria o clima até estar pronto para conta.


Notas Finais


Então amores, eu não estou tendo tempo pra nada, e custou escrever esse capítulo. Resumindo: as atualizações vão demorar.

Eu só irei atualizar Insaciável e quando arranjar um tempo eu escreverei os capítulos das outras fanfics, inclusive de Penumbra (mas eu vou dar prioridade para ela).

Espero que não tenha desapontado vocês com esse capítulo.

×Comentem o que acharam, é muito importante ler a opinião de vocês sobre a estória!

×E, se quiserem falar comigo, me chamem no TT: @kkmhm_

Um beijo e até o próximo capítulo 🌟


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...