História Pillowtalk - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Claire Holt, Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Clarie Hot, Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez
Visualizações 81
Palavras 1.381
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Capítulo 6 - Eu estive mentindo para todos eles


Fanfic / Fanfiction Pillowtalk - Capítulo 6 - Eu estive mentindo para todos eles

A ruiva caminhava apressadamente para fora de sua residência, sendo observada cuidadosamente pelo pequeno corpo da morena atrás dos vidros esbranquiçados e empoeirados.

Era difícil para ruiva estar se colocando contra sua melhor amiga, mas ela sabia como era errado a atitude de Clarie, em relação á ter retirado o orfanato do mapa, além de seu tratamento grotesco com as crianças.

Os alimentos envenenados foram a gota da água, aquilo havia sido desumana, e por mais que Barbara amasse incondicionalmente Clarie, não poderia deixar com que tudo aquilo continuasse.

Enquanto caminhava até o táxi, se lembrava da conversa que teve com a loira antes de sua viagem, e toda a sua confissão em relação ao seu plano á Justin e Selena.  

 

_ Isso é desumano! - Barbara gritou enfurecida, olhando a amiga guardar suas peças de roupa dentro de sua mala.

_ Não! Eles nem ao menos existem para sociedade, não fará diferença se continuarem vivos ou não. - A loiro disse calma, o que fez com que o rosto de sua amiga , ficasse da coloração de suas longas madeixas, era algo que nunca esperava ouvir da boca de sua amada.

_ Você é tão baixa, Clarie. - Exclamou, acariciando as têmporas em  nervosismo. -  Eu não acredito que sou amiga de uma pessoa, tão sem escrúpulos. - Exclamou alto, e em milésimos de segundos sentiu o peso da mão da loira,  se chocar contra sua pele pálida.

Em um ato assunto a jovem ainda com o resto inclinado, entreabriu seus lábios surpresa com o ato da “amiga”. - Um tapa não vai mudar o ser humano terrível que você se tornou, sua mãe teria vergonha de você. - Diz por fim, retirando os resíduos de sangue com a manga da blusa, deixando a loira sozinha no quarto em seguida.

Amargurada a jovem desceu do táxi, retirou um nota de cem dólares da bolsa e entregou ao homem de meia idade, que logo lhe retribuiu o troco, e logo arrancou o carro dali, voltando ao seu antigo posto, em busca de um novo passageiro.

A jovem respirou fundo três vezes consecutivamente, antes de mover seus passos em direção ao antigo orfanato, antes de adentrar ao prédio, seu olhar se prendeu no jardim, um pouco distante de seu atual lugar de fixação, e brevemente se lembrou do enterro da pequena criança, e , seguidamente da causa de sua brutal morte.

O ódio voltou a reinar em suas células, mais brevemente pensou nos dois adolescentes em sua antiga residência, e respirou fundo mais uma vez, encarnando a antiga Barbara Palvin, abriu um breve sorriso, e empurrou as grandes portas do orfanato, adentrando ao mesmo, e mesmo se odiando amargamente, um sorriso verdadeiro se formou em seus lábios vermelhos, assim que viu Clarie parada logo após os enormes sofás rústicos, da sala.

Ela teria que camuflar seus sentimentos, e pensar somente na missão que agora tinha em mãos.

_ Hey Clar. - saudou a amiga, como sempre fez. A loira viro seu pescoço, focando sua visão da amiga, sorriu minimamente, e com um leve aceno pediu que a ruiva sentasse em sua frente, na antiga poltrona. - Já faz muito tempo, que está de volta?

_ Não. - respondeu bruscamente, o que fez com que a ruiva se encolhesse seu corpo ao fofo estofado. - Quantos morreram? - Barbara ficou assustada com a pergunta, mais fingiu não ter tido tal reação.

_ Três. - sussurrou. - Uma das trigêmeas, e dois dos mais velhos. Justin e Selena. -  Clarie abriu um enorme sorriso ao ouvir os últimos nomes citados, era realmente bom ouvir que não teria mais que lidar com aqueles dois empecilhos, como os nomeavam.

_ O que fez com os corpos?

_ Eu os enterrei no jardim dos fundos.

Na verdade, era apenas dois montes de terra, que Barbara esperava convencer a loira que ali, estava o corpo dos dois jovens citados como mortos.  Aflita observou cada movimento da amiga, olhando as ceputuras improvisadas, pedindo á Deus que funcionasse.

Havia sido um maravilhoso plano,antes de levar Justin e Selena até sua casa, o loiro fez as covas em pedido da ruiva, algo que deu certo, pois Clarie se virou sorridente, após longos minutos encarado a terra vermelha húmida.

_ Isso melhorou cem por cento minha semana. - soltou uma longa risada, que para Barbara soou como daquelas bruxas das Disney, que não tem nada de encantado. Queria sair dali, e entrar na primeira delegacia e contar tudo que já viu acontecer nesse orfanato, mais sabia que Clarie tinha seus truques, e um deles era ir para cama com o jovem delegado Cooper, o que o fazia de cúmplice, e também, deveria juntar provas, para que sua denúncia seja levada á sério. - Iremos comemorar isso, vá e se arrume. - sorriu largo. - Passo para te pegar às oito, não atrase. - A ruiva forçou um sorriso e concordou silenciosamente, sair com Claire era uma das últimas coisas que ela poderia querer agora, ainda eram quatro e meia, então resolveu voltar até Chertsey, e conversar mais um pouco com os jovens.

Assim que chegou à sua residência, sorriu ao ver a cena fofa protagonizada pelos jovens,que se alegravam em uma pequena corrida de pique pega, onde a mais nova parecia ter perdido, já que o mais velho já a tinha em seus braços.

A ruiva caminhou calmamente até o enorme jardim da residência, e sorriu quando foi notada.

_ Olá. - comprimentou os jovens, que retribuíram seu sorriso e seu comprimento educado. - Eu conversei com a minha amiga, e ela disse que pode ajudar você quanto ao serviço. - sorriu da animação dos jovens. - Elas os colocará em teste, e se tudo correr bem, o serviço é de vocês. Não tem com o que se preocuparem, Clarie nem ao menos imagina que possuo essa casa, e também não tem assuntos por aqui, então ela não saberá que não é verdade sobre á morte de vocês.

_ Muito obrigado senhorita, eu não posso imaginar como podemos agradecê-la. - Sempre educado, JUstin á agradeceu, e sorriu doce, como sempre fez.

_ Sejam felizes, eu já disse. - sorriu.- E me ajudem a desmascarar Clarie, ela é uma bruxa, não sei como demorei tanto para ver isso. - suspirou cansada, e sorriu triste.

_  tudo bem, senhorita. -  Selena disse, docemente. - A senhorita é uma boa pessoa, e Deus sabe disso, irá nos ajudar a realizar a justiça, na hora certa.

Barbara ficou supresa, era sempre assim, os órfãos eram sempre tão doceis apesar de sofrerem tantos, todos muitos educados, e com uma fé gigante, a ruiva sabia que isso os mantinham vivos.

Naquele resto de tarde ela os explicou, tudo sobre o bairro que moravam, onde cada comércio ficava, deixou mais uma boa quantia de dinheiros com ambos, mesmo os jovens rejeitando qualquer investida da ruiva, mas no final acabaram por aceitar. Explicou que deveriam estar as oito em ponto no dia seguinte, no comércio de sua amiga, e que torceria por eles, depois seguiu até sua casa, aonde foi pega por Clarie, às sete e cinquenta,  a loira era extremamente pontual, até de mais para a ruiva, mais como já estava devidamente arrumada não ousou discutir em relação ao horário, estava acostumada com esse tipo de situação.

Naquela noite Barbara não conseguiu colocar um pingo de bebida na boca, passou a noite vendo a amiga se esfregar em inúmeros caras desconhecidos, e as uma e ponto, observou a loira subir as escadas para o segundo andar da boate de mãos dadas com duas bonitões, mas antes de chegar ao topo, virou-se em direção á mesma, encontrada sobre o balcão do bar, e sorriu chamando-a com uma das mãos, e mesmo contra vontade seguiu em direção a amiga e os novos companheiros, acompanhados até o quarto, aonde passaram o da madruga em aventuras. Barbara havia odiado cada segundo daquela madrugada, não em relação ao sexo sem compromisso, estava mais que acostumada á isso, e sim quando teve que sentir os lábios da loira sobre os seus, o nojo que ela sentia da jovem havia crescido muito mais, mas era foi capaz de aguentar, pois aquilo fazia parte, para o futuro melhor que daria á cada criança do orfanato mais tarde.



 

 

 


Notas Finais


eu sei que demorei, e ainda voltei com um capítulo merda e pequeno.
massssss eu espero que possam me dizer o que estão achando muita gente disse que eu deveria continuar e estamos aqui, mais por favor comentem, como comentaram no aviso, isso é muito importante para, e prometo não demorar mais.

༗ BL - https://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-ariana-grande-blue-lagoon-5243101
༗ SOL- https://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-barbara-palvin-same-old-love-4610609
༗ BM - https://spiritfanfics.com/historia/broken-memories-7728389


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...