História Playing With Fire - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Pink
Personagens Jennie, Lisa
Tags Blackpink, Jenlisa, Jennie, Lisa, Orange, Pwp, Sexo, Yuri
Visualizações 292
Palavras 1.264
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Orange, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii, eu estava morrendo de vontade de postar uma Yuri com Orange kkkkk e eu amo Jenlisa (me julguem) kkkkkk espero que gostem dessa!

@GBGABI MUITO OBRIGADA MINHA GOSTOSA POR FAZER CAPAS DIVAS EM CIMA DA HORA PRA MIM, TE AMO!

Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Jennie tinha os pensamentos distantes, um tanto peculiares para uma menina, é o que seus pais diriam. Para eles Jennie ainda era um bebê, não deveria nem de longe estar alimentando tais desejos como aquele.

Enquanto suas amigas se preocupavam com futilidades como roupas, festas e  namorados, ela só queria ter mais tempo para se concentrar em desenhar o corpo da amada, a professora de artes visuais da faculdade ao lado.

Aquele corpo que não era perfeito, mas que para si, era como se feito por anjos, até mesmo o cabelo loiro tingido, combinando com a pele branca e os, lábios carnudos e rosados, extremamente fofos em sua opinião.

Lisa, esse era o nome da mulher que amava, um amor quase impossível, uma mulher de 25 anos que conheceu verdadeiramente ficando um tempo depois de sua aula e espionando a faculdade que havia ali.

Aquela música do Radiohead tocando em seus ouvidos conspirava para as lembranças dos beijos no banheiro, do momento em que ficaram sem as roupas para sentir a quentura do corpo alheio.

E como naquele momento aquela música entendia seus pensamentos "você é tão especial. Queria ser especial".

Mas tudo não passava de um amor adolescente, não é? Quando uma mulher como aquele iria querer tê-la de novo? Sentir seu corpo ansiar por seus toques como ela ansiava.

Jennie terminou seu desenho e fechou o caderno. Caderno esse que deveria estar cheio de equações, mas que estava cheio de seus pensamentos do corpo curvilíneo sobre o seu. Pensamentos do prazer compartilhado e de um amor não correspondido, nem por uma mensagem na manhã seguinte.

{•••}

Jennie saiu da sala de aula quase sentindo as lágrimas escorrerem por seus olhos, aquela música fodidamente melancólica tocando repetidas vezes em seu fone de ouvido, trazia uma dor conhecida e reconfortante, pois seria fácil apenas trocar a faixa, mas se martirizar parecia o melhor a se fazer.

O  rosto da menina  empalideceu ao fitar aquela pessoa escorada a um carro preto.

Uma calça justa e de lavagem escura, uma regata branca e um casaco social, meia manga, verde. Os cabelos loiros e compridos presos, deixando seu rosto livre das madeixas e seu sorriso branco bem visível. Uma verdadeira mulher, contrastando totalmente com seu uniforme de colegial.

— Lisa... O-o que faz aqui?

— Vim te buscar, meu bebê. Estou com saudade.

— Vo-você nem me ligou no dia seguinte. – disse com um bico nos lábios.

— Não me deu teu número, bebê. Se eu o tivesse teria ligado na mesma noite, mas estou aqui, me arriscando.

— Teria?

— Teria. Eu gostei de você, bebê.

JENNIE POV

Lisa me puxou para um beijo e colou nossos lábios de uma forma delicada e cheia de desejo.

Não resisti me agarrar a sua nuca e lhe beijar com toda a vontade que guardava dentro de mim, apesar de grande parte do meu corpo gritar o quanto estava errado fazer aquilo naquele local. Eu só queria sentir seus beijos, seu cheiro, seu corpo... Só queria tê-la mais uma vez.

— Pode ir na minha casa agora?

— F-fazer o quê?

— Eu quero muito brincar. – sorriu maliciosamente.

— Tudo bem. Mas eu não posso demorar.

— Não garanto nada. - ela sorriu e abriu a porta do carro para que eu entrasse.

{•••}

Não demorou muito e nós estávamos em se apartamento.

Ela deixou que matasse minha curiosidade e mexesse em algumas coisas, mas assim que achou suficiente me puxou para si, segurando minha cintura com firmeza e me fazendo olhar no fundo dos seus olhos, desta vez tomando a minha boca com fervor, sem a delicadeza de outrora, mostrando seu desejo desesperador por me ter, assim como eu tinha consigo.

Senti suas mãos entre minhas pernas, passando a saia e afastando minha calcinha, me fazendo ofegar.

— Tão molhada, que saudade eu fiquei de você. – senti seus dedos deslizando de forma gostosa pela região, mas logo ela os tirou.

Lisa foi tirando nossas roupas até que tivéssemos chego em seu quarto apenas de calcinha e sutiã.

E logo eu estava completamente nua, exposta para seu bel prazer.

— Deita na cama e abre as pernas, amor, eu estou morrendo de saudade de você.

— Me diz, saudade do que? – perguntei mordendo os lábios e deitando com as pernas abertas para ela.

— Saudades da sua buceta amor, saudade de chupar você todinha, de sentir você gozar na minha boca.

Sorri e a puxei pra mim, beijando seus lábios e acariciando seu corpo, eu queria tocar ela, mas logo minhas mãos foram postas sobre a minha cabeça e Lisa começou a beijar meu corpo, passando por meus seios e chupando com vontade, um de cada vez.

— Ahn minha buceta tá piscando amor, eu acho que não vou conseguir ser rápida em matar o meu desejo. – seus beijos foram descendo por meu abdômen até que ela chegasse onde queria.

Lisa segurou minhas pernas com força e lambeu toda a região antes de começar chupar meu clitóris, me fazendo gemer alto.

— Isso, geme, mostra que gosta.

Ela sabia o que estava fazendo, me chupando daquele jeito, chupando minha virilha e minhas coxas enquanto suas mãos brincavam com meus mamilos, eu estava tão molhada e já não sabia mais se era suas chupadas ou o tesão e a vontade de ter mais.

— E-eu vou acabar gozando só com essas chupadas. – disse com a voz trêmula, sentindo meu ápice próximo.

— Goza na minha boca. – pediu e continuou a chupar, ora minha entrada, ora o clitóris, olhando em meu olhos até que eu gozasse, relaxando.

— Ahn... Você é muito gostosa. – a puxei para mim e beijei seus lábios, agarrando seu corpo e levando minhas mãos para o meio de suas pernas, sentindo que ela estava tão molhada quanto eu – Minha vez.

Coloquei dois dedos em seu interior, do jeito que descobri que ela gostava, e comecei a mover num ritmo nem lento demais, nem rápido demais, chupando seu pescoço e seios.

Lisa abriu mais as pernas, gemendo alto a cada investida que eu dava, me deixando feliz de sentir ela tão quente e se contraindo apenas por meus dedos.

Não parei de mexer e desci os beijos, começando a chupar sua buceta quentinha ao mesmo tempo que eu movimentava minha mão, ficando com cada vez mais tesão de ver suas reações.

— Jennie, eu tô quase, não para, não para. – aumentei a velocidade e chupei seu clitóris longamente, a sentindo gozar logo em seguida.

— Eu adoro te fazer gozar... Mas sabe mesmo do que eu gosto né? – perguntei lambendo os lábios e sentando sobre ela – Sua buceta tá tão molhadinha agora, Lisa.

Comecei a esfregar minha buceta na dela, sentindo aquela sensação tão gostosa, ainda mais pós orgasmo, com o clitóris sensível.

— Ahn isso é o mais gostoso, ah... – suas mãos rumaram as minhas coxas, me ajudando a rebolar cada vez mais rápido.

Eu não conseguia controlar a forma como eu rebolava sobre ela, era quase instintivo tocar todo o seu corpo, o barulho que nossas bucetas faziam ao se esfregar me deixava com cada vez mais tesão, me fazendo revirar os olhos ao sentir meu ápice tão próximo.

Beijei seus lábios uma última vez antes de gozar, mas não parei com as reboladas, sentindo os espasmos no meu corpo e o barulho ainda mais alto ao misturar meu gozo com seu líquido.

E com um gemido mais alto ela gozou, me puxando para um beijo e apertando minha bunda, me fazendo rebolar sobre si por mais uns instantes.

Caí exausta ao seu lado, ofegante, mas com um puta sorriso idiota no rosto.

— Prometa que nunca vai deixar eu me afastar de você outra vez, bebê.

Ela sorriu e selou nossos lábios.

Enquanto ela ia até o banheiro eu fiquei na cama, gravando cada curva de seu corpo para que eu pudesse pintar e bordar mais tarde


Notas Finais


Se vocês quiserem eu trago o ponto de vista da Lisa no dia em que elas se conheceram!

Ah, por favor, leiam minha ChanBaek: https://spiritfanfics.com/historia/mar-de-decepcoes-10925018


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...