História Playing with the Children - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Army, Bts, Colegial, Jhope, Jimin, Jin, Lemon, Namjin, Rap Monster, Romance, Suga, Yaoi
Visualizações 18
Palavras 1.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


YOYOYOYOYOLOYOLO, OPS
YO PESSOAL!
Muitos de vocês esperaram muito para o fim dessa fanfic né?
Sinto muito informar que este é um dos ultimos que eu vou escrever.
Não, não decidi acabar com essa fanfic agora. Já era para eu ter finalizado-a faz um bom tempo, mas sabe, como eu sou aquelas autoras que desaparecem do nada e voltam do mesmo jeito que foram, é isso.
Obrigad apor terem me acompanhado até aqui!
Boa leitura!

Capítulo 13 - Um dia todos nós vamos virar uma borboleta, todos vamos voar


Fanfic / Fanfiction Playing with the Children - Capítulo 13 - Um dia todos nós vamos virar uma borboleta, todos vamos voar

Jin e eu quase não conversávamos direito depois daquela tarde. Ele me evitava, mas às vezes flagrava seus olhos me encarando, um olhar perdido, e confuso.

Eu não sabia o que fazer para isso mudar.

Meu celular vibrou, me mostrando uma nota.

Hoje é o dia que as plantas mostram sua beleza que tanto esconderam minuciosamente durante o inverno. O dia que as flores se abrem e espalham o aroma delicioso e único que elas têm, mil vezes melhor do que um desodorante ou perfume.

Mas, também é o dia que Jin perdeu seu pai.

Não vou contar detalhadamente, mas isso o afetou emocionalmente.

Geralmente, todos nós vamos junto com Jin para o cemitério em Gwacheon, mas desta vez estávamos sozinhos na casa.

Os outros tiveram uma viagem fora da cidade, onde suas turmas acampam e aprendem a trabalhar em grupo.

Quando eu e Seokjin íamos nessas viagens, costumávamos chamar de sobrevivência. Os professores sempre comiam fora, enquanto um supervisor ficava no acampamento, mandando tarefas para os grupos. O grupo da cozinha era sempre o mais ruim, pois geralmente ninguém sabia cozinhar e acabávamos comendo comida enlatada.

Desci para a sala, e encontrei Jin sentado do lado de fora da casa, com seus longos braços apoiados sobre o joelho e a cabeça firmemente olhando para frente.

Hesitante, caminhei lentamente até o mesmo, e logo que abri a porta corrida ele se virou.

Seus olhos negros se encontraram com os meus, com uma expressão calma.

Acho que hoje não teremos uma discussão.

Dei um breve sorriso e me sentei ao seu lado, em uma distância respeitosa.

— É hoje - ele disse primeiro

— Sim. Como você está?

— Péssimo, para falar a verdade - disse, sorrindo. Foi a primeira vez que vi seu sorriso depois de tantos dias que ele fechava a cara para mim

Sorri de volta, o tocando nos ombros,. O mesmo, se assustou, e recuou

— Desculpa. Não pensei direito.

Retirei a mão de seu ombro, e a pus sobre minha perna

— Então... Você vai visitar seu pai hoje?

Ele solta o ar, assentido com a cabeça

— Tudo bem se eu ir com você?

Sabia o quanto Jin precisava de apoio nesse momento, e mesmo que eu goste dele, não podia esquecer que ele era primeiramente meu amigo, e agora ele precisava de um amigo.

— Como amigos, é claro. Como antes.

Ele concorda relutante, e disse que iria se arrumar. Eu assenti, e vou preparar o carro.

No caminho quase não trocamos uma palavra. Decidi respeita-lo e não fazer brincadeiras hoje.

O cemitério estava vazio. Uns e outros visitando, mas anda tão perturbador.

Subimos alguns degraus de madeira, aparentemente já velhos, e chegamos ao túmulo do pai de Jin.

Abaixei a cabeça, em forma de respeito à sua morte, e apertei minhas mãos atrás das costas.

Jin se aproximou, agachando junto ao túmulo, e tirou o terno que antes vestia, revelando a camiseta que eu guardava na minha cômoda.

Você... Pegou!

A camiseta era um presente do pai de Jin, e usa-la depois de sua morte parecia ser algo doloroso e difícil para Jin. Sempre tentava amenizar sua dor, mas sabia que ninguém mais além de Jin poderia acabar com essa dor e aceitar a morte do seu pai.

— Oi appa (daebujie), desculpe a demora. - ele sussurra para a pedra que fica acima do túmulo de seu pai.

Ele fica por mais uns minutos, e depois se afasta, com os olhos vermelhos.

Aperto minha mão em seu ombro direito, dizendo silenciosamente para que mantenha-se forte.

Desta vez, Jin não recua. Ele olha para baixo e funga

— Sinto muito pela forma que te tratei, Namjoon. Foi algo muito... Infantil da minha parte

— Tudo bem, eu estou suave com isso.

— Do jeito que eu te tratei depois daquilo... Do jeito que eu me expressei naquele momento... - disse, parecendo soltar tudo o que estava guardando - Eu me expressei muito mal... Eu... Estava com medo. medo de te

machucar - disse ao mesmo tempo.

— É... - sussurrou, arrependido - N-Namjoon... Eu... - seus olhos buscam segurança, se movendo rapidamente.

Aperto suas mãos, o puxando para perto do meu rosto.

Os olhos de Jin se arregalam ao se encontrar com os meus, afastando seu rosto o máximo possível

— Seokjin...! Busque seu conforto comigo. Busque sua segurança comigo - seus olhos enfim se encontraram com os meus - Comigo.

Seus olhos fixam nos meus, brilhando como uma chama acesa

— Por que você me acha tão atraente? Eu só tenho minha beleza a oferecer...  - suspira sarcástico

— Não Jin. Você tem a sua personalidade invejada por todos. - minhas mãos começam a suar, mas não solto as mãos de Jin.

— Você é gentil, mas pode parar agora tá? - pediu ele

— Solte minhas mãos se eu estou sendo um maluco exagerado e devesse parar. - aperto suas mãos

Eu encaro seus olhos, atento a cada movimento seu.

Jin começa a soltar lentamente minhas mãos, mas eu as seguro.

Não queria deixá-lo ir.

— Me deixe ir, Namjoon...! - murmura, com uma voz triste

— Não. Não quero.

Jin, derrotado, encosta sua cabeça suada em meus ombros, dessa vez apertando minhas mãos.

— Você se importa com todos... Você cuida da gente pacientemente. Você é uma pessoa que gosta de fazer o bem para os outros, mesmo que você se machuque nesse processo - comentei - Me deixe cuidar de você, Jin. Me deixe ser seu porto seguro, seu escudo, sua fonte de energia e seu conforto quando estiver cansado.

Hesitante, levo minha mão a sua cabeça, a afagando delicadamente.

Ainda encostado em meus ombros, sinto um pequeno sorriso se formar.

— Cuide... bem de mim ok?

No mesmo segundo, eu o abraço, feliz por ter meus sentimentos aceitos

— Prometo que vou cuidar de você - sussurro.

Queria gritar naquele momento

Queria fazer uma dança do Mansae. Mas, me segurei, e abro um sorriso misterioso

— Obrigado por ficar ao meu lado... - ele encosta sua cabeça em meu peito, abraçando minha cintura. Retribuo o abraço, esfregando minha mão em suas costas

Abri um sorriso sem mostrar os dentes, e inclinei meus lábios nos deles, segurando delicadamente seu rosto.

Seus lábios eram doces como eu imaginava. Eram suaves, rosados e macios.

Oh, como eu amava Seokjin.

— Eu prometo Jin. Não vou te deixar voar, mesmo que você me prometa voltar.


Notas Finais


O próximo capitulo será uma "OVA", cenas pós creditos, mas não é da Marvel.
Até lá, queridos leitores!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...