História Porcelain Doll - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Criminal, Obsessão, Romance
Visualizações 171
Palavras 2.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olaaa, anjos!!!💗💗💗
Muito obrigada, pelos comentários, demonstrando o interesse de vocês em continuar lendo a fic. 😘
BOA LEITURA!

Capítulo 2 - Betrayals


Fanfic / Fanfiction Porcelain Doll - Capítulo 2 - Betrayals

"Nada é tão mortal como um ferimento causado pela traição de alguém que amamos!"

 

                     Toronto, Ontário, Canadá.

Dias atuais...

Point of View Jéssica Collins Bieber

Estava sentada na cama, observando meu marido se arrumando pra sair com outras mulheres. Mulheres que ele tanto me proíbe de eu ser igual.

Ele nunca me permitiu usar roupas coladas, decotadas e curtas como elas usam. A última vez que usei um batom vermelho, ele me deu um forte tapa na cara e disse que batom vermelho era coisa de puta e que ele não aceitaria que a mulher dele fosse assim. Mas é atrás de mulheres assim que ele vai. É com elas que ele me trai. Eu sinceramente não entendo meu marido. Se ele gosta desse tipo de mulher, deixa eu ser assim, não é necessário procurar por outra.

-O que foi? Você não para de me olhar um segundo.- disse Justin passando perto de mim me permitindo senti o cheiro de seu perfume, como era bom.

-Não é nada.- Na verdade era tudo.

-Quando eu chegar em casa quero encontrar você dormindo okay?!- ordenou Justin.

-Tudo bem.- abaixei a cabeça.

Ele colocou um de seus relógios de ouro no pulso e deu a última ageitada no cabelo antes de sair do quarto sem me dizer nada, nem um "tchau".

Justin, nunca assumiu que me traiu, não em sã consciência. Mas eu sabia disso. Era óbvio as marcas de batom no colarinho da sua camisa, fios de cabelos loiros, ruivos, pretos. O bolso da sua calça vivia com bilhetes com anotações de números de telefone e o nome da mulher. E sem contar que uma das coisas que ele mais faz quando está bêbado e jogar na minha cara que me trai porque eu não sou boa o suficiente pra ele.

Sequei algumas lágrimas que insistiam em cair e me deitei. Fiquei alguns minutos pensando nos meus momentos em Londres, junto com minha mãe e meu pai. Sinto tanta falta deles. Justin me deixa falar com eles a cada seis meses e apenas 15 minutos conometrados. Mas em fim, essa é só uma das manias do meu marido em relação a mim.

Suspirei profundamente e acabei adormecendo.

[...]

Acordei sentindo alguém se deitar ao meu lado, era Justin obviamente. Ele parecia ter desmaiado, pois se jogou na cama de qualquer jeito e dormiu. Mas isso não me assusta mais. O máximo que poderia acontecer é ele vomitar na cama e eu ter que leva-lo pra ir tomar banho e trocar a roupa de cama como eu fiz várias vezes. Mas graças a bom Deus , se passou meia hora e isso não aconteceu, suspirei alivíada.

Olhei as horas e era 5:45am. Então resolvi dormir mais um pouco.

[...]

Acordei a 7:00am, fiz minhas higienes, me troquei e desci para preparar nosso café da manhã.

Pra mim eu fiz só uma vitamina de morango e tomei. O de Justin resolvi esperar ele acordar.

Era 9:27am quando entrei no quarto e vi Justin sentado na cama com as mãos na cabeça.

-Droga.- se levantou e foi correndo pro banheiro vomitar.

Eu já estava com um remédio que eu costumo dar à ele para curar a ressaca e um copo de água em mãos.

Depois de vomitar até não ter mais o que botar pra fora, Justin tomou um banho e fez sua higiene matinal.

Quando ele voltou pro quarto já estava vestido com uma bermuda e uma camiseta branca deixando à mostra suas tatuagens do braço. Justin, realmente é um homem muito bonito e atraente.

-Toma esse remédio. Vai te ajudar a melhorar.- falei me aproximando dele.

-Eu não quero essa porcaria!- disse Justin.

-Jay!

-Nossa, como você é chata, Jéssica.- disse tomando o remédio.

-Eu me preocupo com você .

-Me poupe da sua preocupação.- se deitou na cama de barriga pra cima e pegou seu celular.- Agora sai daqui.

-Você não vai tomar café da manhã?

-Olha pra minha cara de quem quer comer algo.- disse irônico.

-Justin, você não pode ficar sem comer nada. Vai acabar passando mal.

-Cuida da sua vida.

-Você faz parte dela.

-O que deu em você hoje?- bufou .- Tirou o dia pra me encher o saco.

-Tudo bem, Jay!- suspirei flustada.- Eu não vou mais te encher o saco. Desculpa.- saí do quarto.

Fui até o quarto ao lado onde ficava meus livros da faculdade e aproveitei para terminar de fazer uma resenha de um deles para entregar amanhã na faculdade.

Fiquei focada em fazer a resenha até 11:00am e depois desci para fazer o almoço.

[...]

12:23am.

O almoço já estava praticamente pronto, quando Justin entrou na cozinha e me abraçou por trás me dando um beijo no pescoço.

-Você vai almoçar, mor?- perguntei e rezei pra que ele não me desse outra "patada" como deu de manhã.

-Não sei.- disse fazendo eu me virar de frente pra ele.- Eu estou péssimo, hoje.- me abraçou.

-Você não deveria beber tanto.

-Eu nem percebi que estava bebendo muito.

Acariciei sua nunca ainda abraçada a ele.

Foi então que vi a marca de um chupão no pescoço dele.

-Eu sabia.- disse para mim mesma, mas ele ouviu.

-Sabia o que?- arqueou uma das sombrancelhas.

-Nada.- preferi não tocar no assunto, não naquele momento. Justin fica muito bravo quando eu o acuso de traição e eu tenho medo.-Vamos almoçar.

Ele me olhou desconfiado mas não disse nada.

[...]

Depois de almoçarmos , Justin foi para o escritório dele e eu fui terminar de fazer minha resenha.

Quando terminei já era umas 17:00pm. Foi então que tive a brilhante ideia de ir pedir algo para Justin.

Bati na porta do escritório e ele disse um "entra".

-O que você quer, Jessie?- disse ainda olhando os papéis em sua mão.

-Eu posso ligar pra minha mãe?- pedi e nesse mesmo momento Justin parou de olhar os papéis e me encarou.

-Nós já conversamos sobre isso.

-Eu sei. Mas é que já vai fazer quatro meses que não falo com ela e eu estou com saudades dela.

-Você pode muito bem aguentar dois meses.

-Você diz isso porque fala com a sua mãe toda semana.- disse para mim mesma mas ele ouviu.

-O que você disse?- se levantou da sua cadeira giratória de couro e eu estremeci ao vê-lo se aproximar.

-Nada.

-Repete o que você falou.- ficou de frente pra mim.

-Eu não disse nada, Justin.- abaixei a cabeça.

-Olha pra mim, Jéssica!- ordenou e eu levantei a cabeça o olhando.- Repete o que você disse.

-Eu não disse nada.

Justin riu sarcástico e com ódio de mim.

-Agora pra você aprender, vai ficar mais seis meses sem falar com sua mamãezinha.

-Justin...

-E cala a boca. Eu não te dei autorização pra falar nada.

Eu abaixei a cabeça me segurando pra não chorar.

-Agora, me beija .- ordenou Justin.

Eu não me movi dali.

-Faz o que eu estou mandando. - disse com tom de autoridade.

Eu não o obedeci mais uma vez. Eu queria fazer aquilo para evitar problemas com meu marido, mas meu coração estava cheio de mágoa, tristeza e rancor e eu não conseguia nem se quer olhar para a cara dele.

Justin apertou meu rosto em sua mão com brutalidade e me fez olhar pra ele.

-Você anda muito desobediente ultimamente e eu não estou gostando nada disso.- me beijou a força e finalizou mordendo meu lábio inferior com força o cortando, me fazendo gemer de dor.

-Você me machucou.- coloquei a mão nos meus lábios que estavam sangrando.

-Sai daqui antes que eu faça pior.- disse Justin e eu rapidamente saí do escritório dele.

Fui direto para o meu quarto tomar um banho, onde aproveitei pra chorar até não aguentar mais e depois de sair e me trocar passei uma pomada nos meus lábios para ver ser não inchava muito.

Depois me deitei na cama e fiquei lendo .

[...]

Quatro horas depois...

Eu nem percebi quando foi que dormi, e só acordei com Justin quase me gritando e me sacodindo.

-JÉSSICA! JÉSSICA!- ele realmente estava quase gritando e me fez acordar assustada.

-O que foi, Justin?- perguntei assustada.

-Mas que merda, você só sabe dormir.- disse.- Da pra você levanta daí e ir fazer alguma coisa pra eu comer, eu estou morrendo de fome.

-Sobrou comida do almoço, era só você ter colocado no microondas.

-Não quero aquela porcaria que você fez no almoço.- disse.

-Ok, Justin, eu faço outra coisa pra você.- me levantei.

-Esquece. Não quero comer da sua comida, me dá ânsia.

-Como você pode falar assim de comida, enquanto tem tanta gente passando fome?

Ele riu.

-Nem mendingo iria querer comer da gororoba que você chama de comida.- cuspiu as palavras.- Eu vou pedir comida mexicana que ganho mais.

-Então porque você me acordou?

-Porque eu quis.

Justin saiu do quarto e mais uma vez a idiota se jogou na cama e começou a chorar.

Isso explica o porquê de eu dormir tanto. Pelo menos dormindo eu não sofro o tanto que sofro acordada. Seria meio que evitar dor e tristeza.

[...]

Acordei 6:00 e comecei a me arrumar para ir pra faculdade ( umas das poucos coisas que Justin me deixa fazer).

Justin também havia acordado, pois ele iria "trabalhar", se é que posso chamar o que ele faz de trabalho.

-Troca essa calça, tá muito colada.- disse assim que me viu.

Bufei e fui trocar . Não adiantaria eu contestar com ele.

-Eu odeio que você bufe pra mim, tenho vontade de te quebrar no meio.- disse Justin.- Eu ainda acho que é essa faculdade que tá te fazendo ficar tão rebelde assim. Estou quase mudando de ideia sobre deixar você continuar indo naquele lugar.

-Justin, você sabe que estudar naquela faculdade era meu sonho, não tire isso de mim agora que eu consegui.- ele havia me deixado começar a estudar lá à cinco meses.

-Jéssica, estudar naquela porcaria não vai te fazer menos burra.- disse sendo grosso.- Mas se você faz questão, foda-se.- deu de ombros.- A única coisa que digo é que se aprontar lá, eu acabo com a tua raça. E se me trai, você e o babaca morrem.

-Você já me disse isso milhares de vezes, Justin.- revirei os olhos rapidamente para que ele não vesse.

- Estou apenas refrescando a sua memória.

[...]

Na faculdade era tudo diferente. Era tudo tão maravilhoso. Meu coração se enchia de felicidade quando eu estava ali.

Eu cursava Jornalismo, o que eu sempre sonhei em fazer. Justin, sabia muito bem disso, pois eu sempre lhe dizia isso quando namorávamos.

Eu até tenho uma melhor amiga, ela se chama Beatrice, mas todos a chamam de Triz. E tem o Shawn o carinha que trabalha na lanchonete de faculdade, ele é super fofo e muito, muito legal mesmo. Ele sempre me faz ri quando eu estou triste.

-Seu marido é um babaca.- disse Triz. Ela sempre xingava meu marido e isso me deixava muito irritada.

-Não fala assim do Justin.- disse brava.

-Jessie, não tem um dia que eu não te vejo com uma marca que aquele canalha deixou.

-Triz, coloca uma coisa na sua cabeça, o Justin nunca me bateu. Ele nunca levantou a mão pra mim.- menti na cara dura. Odeio que falem mal dele. É como se estivesse falando mal de mim mesma.

-E as marcas que sempre aparecem em você? E esse corte horrível na sua boca?

-Eu te disse que aquele dia que meu braço tava roxo, foi porque eu caí na escada.

-E qual é a desculpa de hoje.

-Eu sou super estabanada e acabei caindo de boca no chão. Só isso.

-Jessie, eu sou estudante de direito e já fiz vários estágios em processos de mulheres que são agredidas pelo parceiro e eu te digo uma coisa, são sempre as mesmas desculpas. Eu não sei explicar o porquê de vocês mentirem e defenderem tanto esse agressores, mas o certo é denuncia-los. Não precisa ter medo, a polícia vai te dar toda a assistência e vai te proteger dele.

-JÁ CHEGA, BEATRICE!- me levantei quase gritando. -Eu não quero mais falar sobre isso. Eu sou muito feliz com meu marido e se você não acredita o problema é seu.- me afastei dela.

Cheguei na cantina e me sentei em uma mesa distante, um pouco irritada com a situação anterior.

-O que está acontecendo com minha tulipa preferida?- ouvi a voz de Shawn. Tulipa por causa do meu cabelo ruivo e o fato da flor ser vermelha.

-Não é nada de mais, Shawn.

-Será que um cupcake de morando resolve essa carinha triste.- colocou o cupcake sobre a mesa e eu sorri. Ele sabe que é o meu preferido.

-Você é a melhor pessoa de todas Mendes.

-Mendes? Quem é Mendes?

-Para de ser bobo, Shawn.

-Você me chamando de Mendes fica algo muito formal e eu não gosto disso não. Eu em.

Eu ri.

-Agora eu tenho que que ir, antes que a dona Bethany arranca minhas orelhas fora.- disse ele voltando ao trabalho enquanto eu ria. Dona Bethany era a chefe dele.

Me assustei quando Justin se sentou na minha frente.

-Justin?- perguntei.- O que você tá fazendo aqui?

-Então é pra isso que você vem pra faculdade. Pra ficar de papinho com outro homem.

-Não, é nada di...

-Não diga nada. Só vem comigo.- disse trincando os dentes e se levantando.- Em casa agente resolve isso.- colocou a mão sobre seu cinto.


Notas Finais


Bom, esse primeiro capítulo foi mais pra mostrar pra vocês como é a relação dos dois, como o Justin trata a Jessie e como ela lida com isso. Espero que tenham gostado.

E já aviso pra prepararem os corações que as coisas são vão piorar daqui pra frente.🔪 Hahah

Até o próximo capítulo.😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...