História Redescobrindo a felicidade - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino
Tags Adrien, Adriennete, Chat Noir, Hawk Moth, Ladybug, Ladynoir, Marinette
Visualizações 101
Palavras 1.763
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas, tudo certo com vocês? Cheguei bem adiantada hoje, porque creio que não teria tempo de postar nesse final de semana, então o capítulo tá saindo essa hora. De certa, já é sábado, né? kkk Enfim, queria falar umas coisas meio tensas sobre a fic. Eu tenho percebido que não só os comentários, como as visualizações tem caído muito. Agradeço a todo mundo que tira um tempinho pra comentar, agradeço do fundo do coração. Acredite, são os comentários que estimulam a continuar a fanfic, porque encontramos neles o nosso feedback. Enfim, o que eu queria realmente falar a você é o seguinte: eu acho que alguma coisa no capítulo anterior, ou em algum outro, não agradou, então se vocês não gostaram, me falem, seja por comentário, seja por uma mensagem privada. Vou adorar receber sugestões de vocês. Acho que é isso, fiquem com o capítulo agora. Boa leitura :3

Capítulo 6 - Capítulo 6 - Festa


Sexta finalmente havia chegado, com a semana se passando tranquila, sem nenhum akumatizado. Marinette havia apresentado o seu projeto e havia se saído bem, assim como Adrien. Marinette e Alya estavam se aprontando juntas na casa de Marinette, e a ruiva iria dormir lá naquela noite. Marinette optou por deixar os cabelos soltos para a ocasião, com um vestido preto e justo, com um salto não tão alto (porque ela não sabia andar direito) nude. Alya foi mais ousada, colocando um vestido vermelho e um salto extremamente alto preto. Seu vestido, além de ser mais curto, era mais decotado que o de Marinette, mas segundo a própria Alya, essa noite ela queria que entrasse para a história.

Às 22:00, quando desceram, tanto o pai quanto a mãe de Marinette elogiaram ambas as meninas, dizendo que os respectivos namorados tomassem cuidado com elas. Todos riram, mas logo uma buzina ecoou e elas desceram, se despedindo do casal Dupain-Cheng.

Adrien havia ido pegar elas, Nino já estava na boate, pois precisava chegar mais cedo. A primeira que ele viu foi Alya, a quem elogiou dizendo estar muito bonita. Mas assim que ele viu Marinette, seus olhos congelaram. Ela era a própria deusa Afrodite, numa versão moderna, que exalava amor e beleza por onde passasse. Ele raramente via Marinette de cabelos soltos, e aquela visão o extasiou.

-Acho que vou ter que passar a noite colado em você, literalmente. – Ele rapidamente capturou os lábios da mestiça, que havia sentado no banco do passageiro do lado dele.

-Eu sempre apoiei vocês e coisa e tal. Mas não quer dizer que eu quero ver vocês se pegarem dentro do carro, tá certo? Vamos logo, senão vamos perder o começo do show.

-Você fala como se isso não fosse uma coisa normal. – Marinette falou com um sorriso no rosto e Adrien deu a partida e ficou calado, pois estava corado.

-Claro que é normal, quando estão sozinhos. Pelo jeito que vocês se beijaram, parece que o carro ia conseguir pegar fogo sozinho. – Ela falou, se divertindo do constrangimento dos amigos, que ela sabia que eram muito tímidos. Ambos ficaram muito vermelhos e ficaram em silêncio o resto do percurso.

---~---

Eles adentraram a boate, procurando a bancada do DJ. Ela ainda não estava sendo usada, porque Nino só entraria meia noite. No momento, uma banda desconhecida tocava num pequeno palco, do outro lado da boate.

-Gente, eu vou ficar com o Nino. Qualquer coisa vocês me ligam, tá certo? –Alya falou quase gritando, devido ao barulho do lugar.

-Ok. – Marinete falou no mesmo tom que ela.

-Acho que vamos ser só nós dois agora. Eu nunca estive numa boate antes, então não sei como agir.

-Eu já fui algumas vezes com a Alya, não é nada demais. – Mais gente entrava conforme os minutos iam passando, assim cada vez mais eles precisavam gritar.

Uma música agitada começou, então ela puxou Adrien para dançar mais no meio das pessoas, porque ele estava completamente perdido ali e ela sentia que precisava ser o guia dele naquela noite.

Os dois dançaram como se não houvesse amanhã e ela pensava nisso não porque Adrien se jogou com tudo. Ela também fez isso, mas ela pensava que o amanhã não existia pela quantidade de suor que dominava seu corpo e o do seu namorado. Estava muito abafado e ela estava se sentindo mal já. Adrien estava bem animado, apesar de dançar de um jeito engraçado. Mas não importava, ele estava feliz assim então ela também ficaria.

-Adrien, vamos tomar alguma coisa e ficar um pouco lá fora. – Ela gritou.

-O quê? – Ele se aproximou mais para ouvir.

-Vamos tomar alguma coisa e ir lá pra fora, aqui tá muito quente.

-O quê?

-Ah, só me segue. – E saiu puxando ele pelo mar de pessoas que invadia o lugar. Foram para o bar, mas Adrien falou para ela que queria ir ao banheiro, então apenas pediu para que ela pedisse para ele o mesmo que ela.

Ela chegou no bar e sentou num banco, com as pernas doendo e os pés ainda piores, mas com a felicidade sem caber no coração. Ela valorizava muito aqueles pequenos momentos.

-Oi moço, eu vou querer duas vodcas. – Ela pediu gentilmente, mas sem dar real atenção para o homem.

-Vai beber duas de uma vez gata? – O homem era alto, forte e moreno dos olhos verdes. Por alguns segundos ela considerou que se Plagg tivesse uma forma humana, aquele com toda certeza seria ele.

-Ãn... não, tô esperando meu namorado. – Ela adorava dizer meu namorado. Ainda mais quando colocava ênfase no ‘’meu’’.

-Se você tivesse namorado ele não te deixaria aqui sozinha, não acha? – Ele colocou as bebidas na frente dela, olhando descaradamente para o decote em ‘’v’’ que tinha no busto, mas que não tinha nada de chamativo.

-Cara, sai dessa. Eu realmente tenho um namorado. – Ela bebeu um pouco do copo dela, a bebida desceu rasgando. Era a primeira vez que tomava algo alcoólico na vida, mas como Alya adorava vodca, resolveu começar por ela. Mas ela odiou. Logo empurrou o copo para longe, pedindo uma água.

-Já vai desistir? Vamos, sei que se tomar mais um pouco vai conseguir pensar melhor e vai se divertir mais, princesa.

-Cara, da próxima vez que você chamar a minha namorada de princesa, eu parto a sua cara no meio. – Adrien chegou, com um grande sorriso cínico nos lábios. Ele havia falado tão calmamente que Marinette ficou assustada, pois sabia que ele era ciumento.

-Vocês namoram? Tá certo! Como se algum namorado fosse deixar uma princesa dessas sozinho aqui. – Então ele pega na mão dela, beijando-a. Aí Adrien se enfurece.

-Escuta aqui, cara. – Adrien pega ele pela blusa. – Larga ela, porque mesmo se ela não namorasse comigo ela não ia querer nada com um idiota feito você. – Ele larga o homem, paga as bebidas e vai embora, puxando Marinette para fora da boate.

-Adrien, você não pode explodir daquele jeito. Você age como se eu não soubesse me virar.

-Não é questão de se virar ou não, é questão que eu não vou deixar qualquer outro cara se aproximar com segundas intenções de você. Não é porque você sabe cozinhar que um dia eu não possa cozinhar, não é?

-Que metáfora péssima. – Ela riu. Na verdade, ela nem entendeu direito o que ele quis dizer com aquilo de cozinhar.

-Aquele cara era um idiota folgado. Já não bastasse o Nathaniel na segunda aí hoje chega esse cara e...

Ela o beijou, não só porque o momento era propício, mas também porque ele estava falando demais. Ela sabia que era melhor evitar que ele falasse muito nisso.

Ele não perdeu tempo, logo envolveu as mãos na cintura dela, enquanto ela passou os braços pelo seu pescoço, ficando abraçada com ele durante o beijo. Como ela estava com um saltinho, isso ajudava a nivelar os rostos.

Se soltaram quando ouviram Nino ser anunciado. Correram para dentro da boate, se acotovelando com as pessoas para ficar num lugar bom. Não conseguiram achar Alya na multidão, mas não estavam preocupados. Ela provavelmente estaria num lugar exclusivo agora.

-Achei que ele ia começar mais tarde! – Marinette gritava.

-Eu também! – Adrien gritou de volta.

-E aí, como é que tá a noite de vocês? Estão prontos pra animar ainda mais? – Vários gritos histéricos eram ouvidos. Nino estava muito feliz, dava pra ver.

Então ele começou a tocar, com todos indo ao delírio já na primeira música. Todo mundo dançava, inclusive Marinette e Adrien, que estava bem mais solto que no começo.

Cerca de 4:00 da madrugada Nino acabou. O tempo todo a boate ficou cheia, com todo mundo extasiado com as músicas. Somente quando ele acabou que aos poucos as pessoas foram se dispersando, até o lugar estar completamente vazio. Marinette e Adrien foram esperar os amigos perto do camarim.

Nino saiu radiante, com Alya ao seu lado, que não poderia estar mais orgulhosa. Um homem saiu atrás deles, provavelmente alguém do ramo e foi embora.

-Parabéns Nino, você mandou muito bem! – Adrien falou, abraçando o amigo.

-Você tava incrível Nino, meus parabéns. – Marinette também o abraçou.

-Obrigado gente, por tudo. Sem vocês aqui não seria a mesma coisa. – Alya se abraçou a ele, com o rosto escondido em seu peito. – Ei amor, você não precisa chorar, eu sei que sou emocionante, mas você só deveria sorrir, certo? – Ele levanta o queixo dela e a beija de leve.

-Eu tô muito orgulhosa de você. Você sabe que eu só quero o que tem de melhor pra você, né?

Mais uma vez Adrien e Marinette se sentiram meio velas do casal, então pediram licença e falaram que iam esperar os dois na porta da boate.

-Eles são perfeitos um pro outro, não acha?

-Uhum, igual a gente. – Ele a puxou pela cintura, colando suas testas e deixando os lábios com uma distância mínima. – Hoje foi uma das noites mais felizes da minha vida. E isso só foi possível porque eu tava com você. Desculpe o ciúme, mas eu não quero nem pensar em te perder, você é especial demais pra mim Marinette.

-Você também é Adrien. É, e sempre foi muito especial. – Eles aproximaram os lábios para mais um beijo, mas não conseguiram terminar o ato por um pigarreio de Nino e Alya.

-Falando de nós? – Nino perguntou, aparecendo repentinamente na frente do casal, com uma Alya com um rosto vermelho de mãos dadas com ele, porém com um sorriso orgulhoso no rosto.

-Claro, vocês são o assunto do momento. – Adrien resolveu ser irônico, já que Nino estava com um sorriso malicioso. - Prontos para se jogarem na cama e dormirem até a hora do almoço?

-Com certeza. Vamos lá. – Nino falou, dando um beijo em Alya e falando algumas palavras em seu ouvido. Depois foi embora, acenando para todos.

No carro, Marinette estava quase dormindo, enquanto Alya mandava mensagens no celular. Adrien estava cansado da primeira vez dele numa boate, mas estava absurdamente feliz.

-Gente, o mestre Fu pediu que de tarde fossemos lá. – Alya falou quando Adrien estacionou na frente da casa dos Dupain-Cheng.

-Beleza, decidam a hora que a gente se vê lá. – As meninas iam saindo do carro, mas Adrien segurou no braço de Marinette antes dela sair do carro. – Eu não vou ganhar um beijo de despedida? – Ele falou com uma carinha totalmente ‘’inocente’’.

-Besta. – Ela o beijou levemente, logo se afastando, o fazendo reclamar. – Até amanhã, gatinho.

-Até, my lady. – Ele baixou a cabeça, como se estivesse insinuando sua reverência. Assim que elas entraram e ele novamente se despediu, ele foi embora.


Notas Finais


Esse capítulo estava maior, mas achei que a outra parte se encaixava mais no próximo, então decidi deixar até o final da festa só, acho que ficou melhor assim.
Acho que eu já devo ter falado que imagino o Adrien sendo bem ciumento? Acho que a situação da mãe desaparecido e o pai sem dar atenção pra ele também agrava isso. E apesar dele não parecer ser do tipo que corre atrás das pessoas (não que ele precise correr né. Mas como exemplo, temos a Chloé. Ele não vive correndo atrás da amizade dela.) eu acho que ele tem sim muito medo de perder quem ele gosta, justamente por já ter perdido pessoas demais.
Acho que é isso. Se gostarem, favoritem e comentem, ajuda muito na fanfic e me deixa muito feliz e motivada <3 e se não gostarem, comentem, mande uma mensagem privada com sua sugestão. Garanto que vou fazer o máximo para ajeitar o que você me apontar.
Estou à serviço de vocês. Nos vemos semana que vem, beijos :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...