História Ressentimento - Capítulo 102


Escrita por: ~

Postado
Categorias Henrique & Juliano
Personagens Henrique
Tags Henrique, Juliano
Visualizações 255
Palavras 1.835
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Talvez se vocês colaborarem, eu volto 😂❤
Fui!!!!
Queria só dizer que o próximo capítulo é o show da Veveta 😍

Capítulo 102 - E o nosso filho, como está?


Fanfic / Fanfiction Ressentimento - Capítulo 102 - E o nosso filho, como está?

(…)

Voltando para Goiânia, meu coração se encheu de felicidades, hora de rever a mulher da minha vida, minha menina. Pedi para me deixarem direto no apartamento dela, sim, estava de madrugada, mas queria fazer uma surpresa, além do mais ela não iria trabalhar no dia seguinte, teria apenas o curso... Subi até seu andar e bati na porta... Obtive um silêncio como resposta, tentei novamente, já estava desistindo quando ouvi a porta ser aberta.

—Henrique?- sua voz demonstrava confusão, a olhei dos pés á cabeça vendo seu corpo tampado apenas por uma camisola rosa.

—Oi meu amor!- falo sorrindo ao ver ela bocejar. —Me perdoe pela hora, mas eu realmente queria te ver!

—Não se preocupe, entra!- falou virando de costa, pude ver seu enorme traseiro balançando, o pano cobria apenas a metade dele me dando um perfeita visão.

—Não ganho beijo?- pergunto revirando os olhos e ela me olha.

—Você atrapalhou meu sono de beleza!- disse ela coçando os olhos.

—Desculpa, senhorita perfeição. Vou embora, então!- faço drama e ela gargalha, se aproximou de mim e me deu um selinho. —Só isso?- ela se aproximou e me beijou. —Hum, agora sim.

—Vem, vamos dormir porque daqui a pouco eu tenho curso!- assenti e ela pegou minha mão me guiando até seu quarto. Tirei minha roupa e fiquei apenas de cueca, deitamos na cama e dormimos de conchinha.

Quando acordei não tinha nem sinal dela pela casa, dormi demais. Tomei um banho e vesti uma cueca que trouxe na mochila, não me importei de ficar assim. Abri a geladeira e peguei o presunto e a mussarela, abri os armários á procura do pão de forma, assim que encontrei peguei a misteira e montei um misto. Voltei até a geladeira e peguei um suco de caixinha que havia por ali, mas desisti quando vi que tinha café, eu amava o gosto do café da Milena, bom, teoricamente eu amo tudo que vem dela então isso não seria novidade.

Assim que pronto, peguei o misto e o café e fui comer na sala, liguei a televisão e procurei algo que pudesse me distrair. As horas pareciam não passar, queria ver Milena, até pensei em ir buscá-la no curso porém estava sem carro e seu eu fosse em casa provavelmente eu iria desanimar, então, eu iria esperar ali mesmo. Depois de três horas com o pé para cima, mexendo no celular, decidi que era hora de fazer um almoço, tudo bem que eu não sei cozinhar, mas, acho que posso fazer isso..

—Ok, vamos ver o que temos aqui!- olhei no armário e meus olhos bateram no macarrão. —Não deve ser tão difícil...

Como fazer macarrão? ... Pesquisar.

Seguindo as instruções da receita coloquei a água para ferver, enquanto isso comecei a cortar o bacon em pedacinhos, peguei a panela e comecei a fritar, conforme eu ia mexendo a gordura ia soltando. Assim que a água começou a borbulhar coloquei o macarrão e deixei ele cozinhar enquanto fazia o molho. Procurei por amido de milho e não encontrei, droga... Achei os cremes de leite, Milena não importaria se eu usasse alguns...Será? Não me importando se ela usaria ou não abri duas caixinhas, em seguida li as instruções da receita novamente.

Iria fazer molho branco, e eu precisava muito de amido de milho, mas eu não podia comprar, novamente eu olhei cada canto daquele armário e agradeci quando vi a caixinha amarela, sorri aliviado e peguei. Como mandava, dissolvi o amido no leite e deixei reservado para terminar o molho, peguei uma panela, coloquei a manteiga e deixei ela derreter, em seguida virei o tempero, um pouquinho de pimenta e as cebolas, que eu já havia picado logo após colocar o bacon para fritar. Em seguida, deixei a cebolas ficar no ponto como dizia a receita e virei o creme de leite, deixei ferver e virei o líquido do copo, misturei até engrossar um pouco e quando finalmente chegou no ponto certo, corri até a geladeira e peguei o requeijão, e o queijo.

Desliguei a panela, se ficasse mais um tempinho iria queimar, tirei o macarrão que estava no ponto, despejei a água na pia e dei uma lavada, em seguida coloquei para escorrer, corri pegando o bacon que eu quase queimei, e também retirei da panela colocando no molho. O cheiro estava maravilhoso e eu me sentia orgulhoso de mim por ter conseguido fazer. Enquanto o macarrão escorria, peguei o ralador e ralei um pouco de queijo, ok, uma quantidade a mais porque queijo nunca é demais!

—O cheiro está maravilhoso!- ouvi uma voz atrás de mim e me virei vendo Milena escorada no balcão. —O cozinheiro está maravilhoso também, humm, só de cueca, amor? Assim não dá!- disse ela dando uma risadinha e eu me aproximei dela.

—O que eu não faço por você?- perguntei selando nossos lábios. —Ainda não está pronto, te proibo abrir as panelas.

—Tudo bem!- assentiu derrotada. —Olha o que eu trouxe para você...- levantou um fardo de Stella.

—Eu já falei que te amo hoje?- pergunto e ela gargalha. —Vai me deixar beber, é?- pergunto brincalhão.

—Tudo não, mas, vou colocar algumas na geladeira.

—Humm!- peguei o fardo que estava na sacola ao seu lado e coloquei na mesa. —Agora vem cá, me beija!- falei e ela assentiu me beijando.

—Amor, vou tomar um banho rápido e já venho!- assenti.

—Enquanto isso eu finalizo aqui!

Ela foi tomar seu banho enquanto eu voltei a atenção para o molho, liguei novamente a panela e peguei uma colher cheia de requeijão jogando-o em seguida, assim que ele dissolveu eu peguei o queijo e joguei, em minutos ele já estava todo derretido, o cheiro estava maravilhoso. Peguei o macarrão já escorrido e coloquei numa travessa de vidro, em seguida peguei uma concha e com cuidado coloquei o molho em cima do macarrão, assim que consegui virar tudo, coloquei a panela na pia e enchi de água, em seguida coloquei algumas garrafas na geladeira, iria beber mais tarde. Arrumei a mesa, peguei os pratos e os talheres e coloquei alinhado, ou pelo menos tentei.

—Que homem prendado, gente!- sorriu se aproximando, não pude deixar de reparar em seu short curto, ela estava me provocando ou eu que a desejo o tempo todo? —Vai ser assim quando a gente casar?

—Então quer dizer que você pensa em se casar comigo?- pergunto e vejo suas bochechas corarem, ela abaixou a cabeça envergonhada, me aproximo dela e levanto seu queixo. —Pois saiba que eu penso em casar com você... Imagina, eu chegar do show e ver você com nossos bebês e...- falo olhando para sua barriga. —Por falar nisso, e o nosso filho, como está?

—Já vem você com essa história de novo!- ela disse negando com a cabeça. —Eu não estou grávida, eu não quero brigar com você.

—Tudo bem, tá vendo aí né filho?-Brinco e ela me fuzila com os olhos. —Eu só estava brincando, amorzinho!- falei a abraçando. —Vem, vamos comer, nos sentamos á mesa e nos servimos.

—E então?- perguntei aflito antes mesmo de dizer comer.

—Bom...- ela disse.

—Bom?- perguntei indignado. —Eu nunca cozinhei para ninguém, não que eu me lembre, e você diz que está, “bom”?

—Está bom, Henrique. – falou me olhando, de repente ela gargalha. —Não faz essa cara, amor. Deixa eu te contar um segredo, ela esticou a cabeça e eu fiz o mesmo para poder ouvir. —Está maravilhoso, só não conta para o Henrique, afinal, ele vai ficar se achando!- disse ela me fazendo rir aliviado.

—Engraçadinha!- falo e ela gargalha. —Você gostou mesmo?- perguntei desconfiado.

—E quem não gostaria? Cheguei em casa após uma manhã tediosa e vejo o meu...-Ela pareceu pensar no que ia dizer. —Hum... Meu Henrique cozinhando para mim, e detalhe, só de cueca!- sorriu. —Ah, eu amei, aliás, pode fazer isso mais vezes!

—Eu te amo, sabia?- falo acariciando sua mão.

—Eu te amo, sabia?- imitou minha frase e eu sorri apaixonado. A partir daí conversamos sobre nossa semana, ela me contou sobre ter tirado nota boa nas provas e disse que está acumulando horas para tirar suas folgas, sorri.

—Meus pais mandaram um abraço para você!- comentei

—Você contou á eles?

—Sim, eles estão feliz por nós!- falei e ela sorriu terminando de comer.

—Queria que meus pais aceitassem também!- ela sussurou, mas eu ouvi bem.

—Cada coisa no seu tempo, Mili. Eu prometo que vai dar tudo certo!- sorri beijando sua mão e ela assentiu. —Agora, você já pode lavar as vasilhas!- falo num tom brincalhão e ela me olha boquiaberta.

—Nada disso! Você lava!-Neguei vendo ela assentir. —Tô brincando, vida. Vai lá assistir tv, eu ajeito as coisas aqui

—Eu estou brincando, vou te ajudar a lavar.

—Tem certeza?- assenti. —Então, eu lavo e você seca!

—Ok!- falo sorrindo e pegando o pano de prato.

Para falar a verdade, eu nunca me vi cozinhando e muito menos lavando vasilha ao lado de uma mulher, claro que isso não inclui a minha mãe, mas eu acho que talvez por eu ser desacostumado, lá em casa eu tenho Martinha, ela lava, passa, cozinha... Mil e uma utilidades, sem contar que ela é como uma segunda mãe, então geralmente eu não chego perto nem do fogão. Mas eu disse uma vez e torno a repetir, tudo com a Milena é diferente. E eu gosto de ser diferente com ela, gosto de fazer o que nunca fiz com as outras, gosto ainda mais de saber que eu sou único para ela assim como ela se tornou única para mim.

—O que tanto pensa?- perguntou ela me tirando dos pensamentos.

—No quanto eu me sinto feliz por ter você!- falo pegando o copo de sua mão.

—Eu fico feliz por te fazer feliz!- disse ela sorrindo.

Depois de lavar, secar e guardar as vasilhas, eu e ela fomos escovar os dentes e em seguida escurecemos a sala, pegamos o colchão de casal e colocamos ao chão para nós deitarmos. Procurei por um filme e por coincidência ou não, estava passando “Querido John”, não preciso dizer que Milena me obrigou a assistir, não é mesmo? Na metade do filme ela dormiu, aconcheguei ainda mais seu corpo ao meu e troquei os canais a procura de um filme de ação. Enquanto assistia eu acariciava os cabelos loiros dela, olhei para seu rosto e sorri ao notar o quão linda ela fica quando está dormindo, nunca vou me acostumar em saber que tenho Milena só para mim.

Seu corpo se arrepiou e ela se encolheu, estava sentindo frio, puxei a coberta que ela mesma havia deixado em cima do sofá e com um pouco de dificuldade consegui nos cobrir. Numa hora dessas com toda a certeza eu deveria estar bebendo num bar com o Alex, ou até mesmo num motel qualquer, mas eu estou com Milena. Estou com ela e isso não me causa arrependimento nenhum, pelo contrário, me faz perceber que eu estou completo e que o amor é um dos sentimentos mais incríveis que eu já senti.


Notas Finais


https://spiritfanfics.com/historia/dois-coracoes-um-destino-9130525

JÁ FORAM DAR UMA OLHADA NA NOVA FIC? ♥♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...