História Sacrifice - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Comedia, Drama, Romance
Visualizações 7
Palavras 1.003
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura!!!

Capítulo 19 - Passeio na floresta.


Fanfic / Fanfiction Sacrifice - Capítulo 19 - Passeio na floresta.

A noite correu tranquila, sem nenhum imprevisto. Ao amanhecer todos foram até a sala de jantar. Lá estavam os outros ospedes da pousada, a família de Vel, a mulher que vendia roupas, e mais 3 casais. O café da manhã foi servido, peixe assado. Um rumor percorria entre os casais.

Mulher: Ouvi dizer que essa mulher consegue prever coisas, não é maravilhoso?

Homem: Sim, vamos passar lá depois, pode ser interessante.

Luana: Com licença, mas sobre o que estão falando?

Mulher: Se você for até o final da praia, você vai achar uma trilha, dizem que essa trilha vai levar até uma cabana, onde mora uma mulher que pode prever coisas.

Luana: Uau, ei gente, por que não vamos lá também?

Layla: Claro!

Derick: Pode ser.

Eles terminam de comer e vão se trocar.

Layla: O que você vai perguntar Luana?

Luana: Para quem?

Layla: Para a mulher que prevê coisas.

Luana: Não sei... - Na verdade ela sabia, mas desconfiava que a amiga se sentia igual - E você?

Layla: Também não pensei nisso ainda - Só avia uma coisa que ela queria saber, e ela sabia muito bem disso.

As duas terminaram de se trocar e foram se encontrar com o garoto no andar de baixo.

Derick conversava com Vel. Até que percebeu a presença das garotas.

Derick: Certo, então até a noite - o garoto encerra a conversa antes delas chegarem até ele - Estão prontas?

Luana: Sim

Layla: Então vamos.

Eles saíram da pousada, já era cerca de 10 da manhã e a brisa era refrescante. A areia marcava o caminho por onde eles percorriam.

Layla: Derick, o que você estava conversando com o Vel?

Derick: Não era nada de mais.

Luana: Hum ... Suspeito.

Derick: É sério, eu só estava vendo se o boato era mesmo verdadeiro.

Layla: E então?

Derick: Ele disse que sim, só seguirmos a trilha que vamos encontrar a mulher.

Andaram alguns minutos até chegarem em um paredão rochoso.

Derick: A trilha deve ficar por aqui...

Layla: Bem aqui - diz a garota apontando para a sua direita.

A trilha era bem aberta e era formada por um chão de tábuas de madeira.

Andaram por mais alguns minutos até chegarem em uma casa. Eles batem a porta. Uma garota de 12 anos abre a porta. Seus olhos eram verdes, e seu cabelo ruivo chama a atenção de Derick.

Será ela que eu encontrei daquela vez? Pensou o garoto.

Garota: O que gostariam?

Pela voz Derick percebeu que não era a mesma garota da outra vez.

Layla: Viemos ver a mulher que prevê coisas.

Garota: Minha mãe saiu, ela deve voltar daqui a algumas horas.

Layla: Certo, obrigada.

Garota: Não há de que.

Luana: Bom, acho que vamos ter que voltar depois.

Derick: Sim, bom, vamos aproveitar o dia e mais tarde passamos aqui de novo.

Luana: Certo.

Eles voltaram até a praia, nadaram um pouco e foram almoçar. O prato da vez eram lagostas, peixes, siris e ostras, mas camarão não, camarão não é coisa que se deve comer, afirmava Vel.

Após o almoço e um pequeno descanso, o garoto foi chamado pelo menino que salvara no dia anterior para brincar, as garotas os acompanharam. O tempo voou até às 4 da tarde.

Derick: Acho que já deu tempo para a mãe da garota voltar, vamos lá outra vez?

Layla: Vamos.

Luana: Certo, até mais tarde Marcos.

Marcos: Até.

Caminhando pela trilha até a casa da mulher, algo chama-lhes a atenção.

????:AAAAAAAA.

Luana: Isso foi um grito?

Layla: Veio dali, vamos lá ver.

Derick: Vamos, acho que é a garota que encontramos mais cedo.

De fato, ela torcera o pé e escorregara pelo barranco que ficava do lado da trilha. O garoto vai até lá.

Derick: Você está bem!?

Garota: S-Sim

Ela tenta se levantar, mais em vão.

Derick: É melhor você não forçar, deixe-me lhe carregar até lá em cima.

Garota: Certo.

Ela a pega no colo, como se carrega-se uma princesa. Ela encara os olhos do garoto, seu rosto cora um pouco. Ao chegar novamente na trilha ele a coloca chão, e olha o seu tornozelo.

Derick: Você vai ter que ficar em repouso, é melhor não andar, eu vou te levar até em casa, já estávamos indo para lá mesmo.

Ele se abaixa e a coloca em suas costas, ela coloca as mãos em volta do pescoço dele, e ela a apoia com as mãos.

A garota encosta a cabeça no garoto, sentindo suas costas. As outras duas vinham logo atrás, só observando e pensando em como mat- ajudar a garota a andar sozinha, o mais rapidamente.

Layla vê uma planta no caminho que chama sua atenção, ela vai até lá e a pega.

Luana: Para que isso?

Layla: Logo logo você descobre.

Chegando até a casa, eles entram, não tinha ninguém, a mulher ainda não tinha voltado.

Layla: Você pode me dizer onde tem um pote e um pouco de água?

Garota: Em cima da pia, o que você vai fazer?

Layla: Vou fazer um remédio com essa planta.

Luana: Então, qual o seu nome?

Garota: Me chamo Rebeca.

Luana: É um prazer Rebeca, eu me chamo Luana, aquela lá é a Layla, e ele é o Derick.

Derick: O que você estava fazendo para cair lá em baixo?

Rebeca: Eu vim ver se minha mãe já estava vindo.

Layla: Certo, está pronto, onde tem um pedaço de pano?

Rebeca: No armário da cozinha.

Layla pega o pano e molha na solução que fizera com a planta e água, pega alguma folhas, coloca sobre o tornozelo da garota e amarra com aquele pano.

Layla: Pronto, até amanhã ele já vai estar melhor, e isso vai evitar dele inchar.

Rebeca: Obrigada.

Derick: Bom, acho que já vamos indo, espero que melhore.

Rebeca: Espera! Você vai voltar depois certo? Digo, para ver minha mãe - ela estava um pouco envergonhada.

Derick: Se tivermos algum tempo sim.

A porta subitamente abre.

Mulher: Rebeca, cheg- ora, ora, o que temos aqui?

Rebeca: Bem vinda mamãe.

Mulher: Obrigada, e quem são vocês?

Rebeca: Eles são Derick, Layla e Luana, eles me ajudaram agora mesmo quando eu caí e torçi o pé

Mulher: Ó meu Deus, obrigada, eu me chamo Aline, o que vieram fazer por esses lados da floresta?

Derick: Ouvimos falar que você consegue prever o futuro, isso é verdade?

Aline: De fato, consigo prever, mais não é algo que eu controlo, simplesmente é algo aleatório da vida da pessoa que eu vejo.

Luana: Mesmo assim gostaríamos de tentar.

Aline: Certo, então vamos lá.


Notas Finais


Obrigado por lerem, se tiverem alguma sugestão ou opinião digam aí nos comentários.
Até o próximo capítulo, fui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...