História Same Old Love - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Adam Lambert, Selena Gomez, Tokio Hotel
Personagens Adam Lambert, Bill Kaulitz, Georg Listing, Gustav Schäfer, Selena Gomez, Tom Kaulitz
Tags Adam Lambert, Bill Kaulitz, Selena Gomez, Tokio Hotel
Visualizações 9
Palavras 2.793
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!!

Hoje eu trouxe um capítulo, mas UM CAPÍTULO que vou te contar! Tudo que vocês queriam está aqui!
Já peguem uma água e é de vocês!!!!

Capítulo 9 - Raiva x Desejo


Pov Bill

 

Eu ainda não estou acreditando que eu estou trancado dentro dessa merda com um irritante do meu lado. Fico pensando se tudo isso é carma, alguma punição ou alguma coisa nesse gênero. Peguei o meu celular pra ligar pra alguém me tirar dali, porém foi em vão já que estava sem sinal. Ótimo, pelo visto não tenho saída mesmo.

 

— Argh, que ódio! — Falei esmurrando a porta com toda a minha força.

 

Liguei a lanterna do meu celular e comecei a procurar pelos cantos alguma saída, alguma janela, qualquer coisa que desse pra sair dali mas também não tinha. O lugar não era muito grande, tinha vários suportes metálicos lotados com roupas. Além disso tinha um banco, alguns espelhos e uma mesa de madeira. Do outro lado tinha várias prateleiras de madeira onde ficava todos os sapatos.

 

— Ficar andando de um lado pro outro não vai adiantar nada. — Adam falou.

 

Olhei pra ele e o vi sentado no chão encostado na porta, o mundo desabando aqui dentro sobre nossas cabeças e ele lá como se nada tivesse acontecido?!

 

— Isso tudo é culpa sua! Eu te odeio, Adam Lambert, eu te odeio! — Fui até ele e comecei a distribuir tapas por todos os lados.

 

Adam então se levantou do chão, me pegou pelo braço onde apertava com força, tanta que já começava a doer.

 

— CALA.ESSA.BOCA! —  Ele falou pausadamente — Eu já estou farto desses seus chiliques, reclamações, ataques! - Adam me jogou na parede, ele ainda apertava meu braço — Você é apenas um arrogantezinho que se acha o dono do mundo, que se acha bom o bastante pra mandar e pisar em todo mundo! — Ele apertou ainda mais seu corpo contra o meu me prendendo ali, com a outra mão segurava firme no meu pescoço me deixando imóvel — Vamos, você não é o rei do mundo? Então, quero ver você se livrar de mim agora!

 

Eu já estava ficando com medo, aquela voz rouca e intimidadora dele estava me dando medo mas era um medo que eu estava gostando.

 

— Você está me machucando. — Falei com dificuldade.

 

— Eu estou, é? Que pena! — Ele riu irônico — Olha só pra minha cara de dó. — Adam começou a pressionar uma de suas pernas contra a minha virilha — Ainda estou esperando você sair daqui, vamos!

 

Ele só podia ter enlouquecido! O que é isso? Eu não estou entendendo mais nada. Eu estava tentando de todas as formas sair dali mas não adianta, ele me imobilizou de todas as formas e eu estou refém dele. Além disso Adam está me provocando, estou tentando ao máximo controlar um gemido devido os movimentos dele lá embaixo.

 

— Sabe qual é o seu problema, Kaulitz? — Adam falou chegando mais perto — Mesmo sendo um babaca, egocêntrico, mesquinho, frio e vazio, você ainda me deseja! — Ele riu, seus lábios estavam tão próximos que eu podia sentir o seu hálito quente.

 

— Isso não é verdade! — Me forcei a responder, eu já estava quase entregue.

 

— Ah, não é? Bom, não é o que seu corpo me diz. — Ele riu mais uma vez e então me olhou fixamente, eu via uma chama imensa dentro daquele mar azul.

 

Ele não hesitou, tomou a minha boca de uma só vez em um beijo insano. Adam me devorava literalmente, sua língua quente invadiu a minha boca e explorava cada canto com pressa. Eu já estava tão entregue e hipnotizado por tudo aquilo que já nem fazia mais forças pra sair dali.

 

O ar começou a faltar pra nós dois e ele encerrou aquele beijo mordendo meu lábio inferior, eu senti um leve gosto de sangue mas ignorei.

 

— Fala de novo que é mentira, eu quero ouvir! — Adam falou confiante.

 

Eu sei que tudo isso é errado, sei que sou casado e que tudo que tínhamos ficou no passado, mas eu simplesmente não consigo. Tudo que eu quero e mais desejo agora é ele por inteiro, e não iria recusar à isso.

 

— Me fode, por favor. — Falei por fim.

 

— Eu sabia que você ia fazer a escolha certa! — Adam então me soltou.

 

Assim que ele me soltou eu pulei no seu colo, ele me segurou e foi a minha vez de tomar a boca dele, eu puxava seus cabelos sem piedade alguma. Eu não sabia direito o que estava fazendo, estava apenas seguindo o meu instinto de desejo que neste momento já transbordava.

 

Devolvi a mordida e ele sorriu, em seguida tomei aquele pescoço que continha o cheiro que ainda me marca até hoje. Chupei e mordi sem pudor algum, ele que se vire pra esconder as marcas amanhã. Adam por sua vez apertava a minha bunda com vontade e gemia entre meus beijos e mordidas no seu pescoço.

 

Ele então me desceu no chão e tirou a minha blusa, depois a minha calça, fez o mesmo com as roupas dele também.

 

Pov Adam

 

Tudo que eu mais queria agora era fazer Bill gemer meu nome até não aguentar mais. Meu corpo está sendo guiado pelo fogo que está me consumindo nesse momento, diante dele nada mais importa, tudo que eu quero é o corpo dele por inteiro.

 

Coloquei Bill sentado na mesa que tinha ali e então tomei seu pescoço, aquele cheiro ainda é um dos meus favoritos no mundo. A luz ali era pouca, tinha apenas a lanterna do celular dele ligada, no demais era apenas os nossos instintos falando por si só. Enquanto eu descia os beijos pelo seu tronco, Bill arranhava as minhas costas com toda sua força deixando um caminho dolorido.

 

Cheguei próximo ao seu mamilo e mordisquei de leve, fiz o mesmo com o outro e ele gemeu rouco. Resolvi não torturá-lo muito, tirei logo a última peça que faltava e vi sua excitação que já era evidente. Olhei pra ele de imediato e sua pupila estava dilatada, o desejo também estava estampando em seu olhar assim como estava estampado no meu provavelmente.

 

— Anda, eu quero ouvir você pedir sua vadia. — Falei olhando-o ajoelhado.

 

— Eu quero que você me chupe agora. — Ele falou rindo maliciosamente.

 

Passei o meu nariz de leve pela sua coxa, sentindo aquela pele macia, quando cheguei mais próximo da sua virilha deixei uma mordida ali e o vi jogando a cabeça pra trás. Peguei seu membro e comecei a apertá-lo enquanto desligava a mão sobre ele fazendo alguns movimentos.

 

— A imagem de você totalmente entregue é uma das coisas mais excitantes que eu já vi na vida. — Falei enquanto mastubava-o.

 

Parei com os movimentos e comecei a fazer o que ele havia pedido. Inicialmente lambi desde o início e Bill arfou pra trás, em seguida passei a língua por toda extensão bem devagar, eu queria aproveitar cada contato.

 

Depois tomei-o por inteiro, aumentei a velocidade intercalando com alguns movimentos com a mão.

 

— PORRA, ADAM! — Bill gritou alto entre um gemido.

 

Nessa hora o olhar dele se encontrou com o meu, aquilo tudo era tão selvagem e ao mesmo tempo me induzia a ir cada vez mais rápido. Cravei as minhas unhas nas suas coxas e a cada movimento eu sentia seu membro pulsar na minha boca, a respiração de Bill já estava descompassada, seus gemidos cada vez mais altos, ele apertava forte a minha cabeça contra seu corpo.

 

— A-dam, e-u...eu não vou — Sua fala foi interrompida pelo orgasmo que explodiu dentro dele.

 

Suas pernas tremiam, suas unhas já estavam cravadas no meu braço, a essa hora eu já sentia seu líquido na minha boca. Fiz mais alguns movimentos e então levantei. Segurei firme o seu queixo para que ele pudesse me olhar melhor.

 

— É tão gostoso ouvir você gemendo o meu nome como uma vadiazinha, mais gostoso ainda é o seu gosto. — Falei e então beijei-o sem pudor algum.

 

Bill logo se recobrou e me surpreendeu ao me empurrar, ele me deu um tapa na cara do qual eu gostei bastante, em seguida me encostou na mesma mesa e se ajoelhou.

 

— É a minha vez agora! — Ele por fim falou. — Eu sei que ainda mexo com você, sei também que ninguém nunca te fez gemer como eu um dia já fiz, Lambert. Vou te relembrar agora! — Bill sorriu e lambeu os lábios.

 

Ele não enrolou, primeiro começou a me masturbar enquanto arranhava minha barriga. Eu me apoiei melhor na mesa em busca de equilíbrio, juntei seus cabelos nas minhas mãos e empurrei sua cabeça em direção a minha virilha. Eu queria sentir sua boca de novo contra a minha pele.

 

Bill começou a lamber desde o início, por toda extensão até o fim. Nesse momento eu não consegui evitar jogar a cabeça pra trás, eu queria ver ele trabalhando mas estava difícil. Sua língua quente, junto com seu piercing gelado mesclado com seus lábios macios era tudo que me tirava a sanidade. Ele tinha razão, nunca ninguém me fez sentir como ele faz.

 

Bill mantinha uma velocidade alternada, às vezes mais rápido outras mais devagar. Eu já sentia meu membro latejando, e ele chupava com vontade. Os gemidos já eram tão altos que se qualquer pessoa chegar aqui agora vai ouvir de longe.

O meu limite foi se aproximando e eu interrompi puxando seus cabelos, eu não queria assim, eu ainda ia foder ele do jeitinho que ele gosta.

 

— Por que interrompeu? Estava uma delícia! — Bill falou lambendo os lábios.

 

— Eu concordo, mas não é isso que você quer ainda, não é? — Puxei-o pelo braço de novo e com a outra mão segurei seu pescoço de novo. Ele começou a rir com a maior cara de safado possível.

 

— Você rindo desse jeito só está aumentando a minha vontade, Kaulitz. — Falei mordendo seu lábio, nem me importei se foi forte ou não.

 

— Eu quero ver toda essa vontade transformada em ação, Lambert. — Ele respondeu em tom de deboche.

 

Isso foi o estopim para que meu desejo aumentasse ainda mais, se é que isso fosse possível. Lembrei do tapa que ele me deu na cara e resolvi retribuir, Bill gargalhou. Em seguida virei-o de frente pra mesa e empurrei seu corpo para que ele deitasse seu peito sobre a mesma, suas mãos coloquei atrás das costas onde segurei firme. Ele estava novamente refém de mim.

 

— Vou te comer agora de um jeito que aquela vadia da sua esposa jamais fez. — Aproveitei que sua bunda estava em evidência devido a posição que ele estava e dei um tapa forte, estalou alto.

 

Não prolonguei mais aquilo, entrei com força e gememos juntos. A sensação de estar dentro dele de novo é uma das melhores sensações que eu já senti nos últimos tempos. Com a mão livre eu segurei firme na sua cintura aprofundando ainda mais o contato.

 

— Eu quero mais! — Ele falou.

 

Aumentei a velocidade dos movimentos e a força nas estocadas, se ele queria mais ele teria mais. Nossos corpos estavam tão suado que a minha mão deslizava pela sua pele, meu cabelo já estava grudando na minha testa.

 

— Oh, Bill, você me deixa tão insano. — Falei com dificuldade.

 

Eu já sentia meu limite chegando, meu membro pulsava cada vez mais mediante os movimentos dentro dele. Bill também já gemia assim como eu, entrei mais algumas vezes dentro dele e logo senti aquela corrente elétrica passando por cada músculo do meu corpo, minha pele vibrava devido à um dos melhores orgasmos da minha vida até hoje.

 

Minhas pernas tremiam, eu me apoiei melhor na mesa onde tentava recuperar o fôlego depois de tudo isso. Depois de alguns minutos tentando recuperar o ar que tínhamos perdido, Bill se levantou da mesa e foi em busca das suas roupas que agora estavam jogadas pelo chão.

 

Levamos um susto quando o celular dele começou a tocar, ele pegou correndo e me mostrou o nome que brilhava na tela, era Tom. Merda, merda, merda!

 

Corri pelos cantos em busca das minhas roupas, porém como ainda estávamos sem luz ficou difícil de achá-las.

 

— Sim, eu fiquei trancado no closet. — Bill falava com o irmão — Tá, estou te esperando aqui. — Ele então desligou.

 

— Me ajuda, liga essa lanterna preciso achar as minhas roupas. — Falei, realmente estava difícil ver qualquer coisa ali.

 

— Seja rápido, Tom já está na portaria e logo está aqui. — Bill falou vestindo suas roupas.

 

Assim que terminamos de vestir ouvimos uma batida na porta, Tom gritou perguntando por Bill que respondeu. Ele então abriu a porta e ficou surpreso quando me viu ali, eu apenas peguei as minhas coisas e saí correndo. Tudo que eu queria era sumir o mais rápido possível dali.

 

Pov Bill

 

Eu nada falei, Tom estava tão surpreso de me ver ali dentro com Adam que nada falou. Apenas peguei as minhas coisas e fomos direto pro carro, durante o caminho o silêncio se fez presente e eu agradeci aos deuses por isso. Assim que cheguei em casa dei de cara com Selena, isso era tudo que não estava nos planos.

 

— Olá, meu amor. — Ela veio me abraçando.

 

— Oi, Selena. — Respondi e soltei um sorriso amarelo.

 

— Você está bem? — Ela perguntou já estranhando a minha reação.

 

— Só estou cansado, é isso. Eu vou subir pra um bom banho, depois falo melhor com você. — Dei um selinho e corri pro meu quarto.

 

Chegando lá eu repassei todos os acontecimentos das últimas horas e eu não tinha uma desculpa pra tudo aquilo. Eu fui tomado por uma força tão grande que me fez jogar tudo pro alto e apenas viver aquele momento intensamente. E pior, eu não me sentia nenhum pouco culpado por ter feito tudo aquilo com Adam. Tudo que eu espero é que ninguém tenha visto ou ouvido, foi apenas um deslize do qual não irá se repetir.

 

Resolvi ir para o banho gelado pra recobrar a minha sanidade perdida.

 

Narrador

 

Adam seguiu o mais rápido possível para casa, ele não entendia o que aconteceu entre ele e Bill dentro daquele closet. Sua mente buscava de alguma forma entender como tudo aquilo foi acontecer, foi como se ele estivesse possuído pelo desejo por Bill que estava oculto por anos. Por mais que fosse um erro, Adam não continha um sorriso nos seus lábios ao lembrar de tudo que aconteceu horas atrás.

 

Ele tomou um longo banho, colocou um pijama e deitou-se para dormir. Tommy estava no estúdio trabalhando, melhor assim pensou o ruivo. Ter que encará-lo seria uma tortura já que mesmo não se arrependendo, Adam se culpa por ter traído Tommy. Por mais que ele não o amasse da mesma forma, não achava certo traí-lo sabendo que o loiro o ama incondicionalmente.

 

Ele resolveu espantar esses pensamentos de culpa, decidiu não se torturar por hoje. Sua mente voltou no outro loiro, o alemão. Toda a transa intensa dos dois hoje acabou lembrando Adam de uma situação semelhante no qual ambos transaram dentro de um banheiro em uma balada qualquer.

 

Flashback on 2012

 

Adam e Bill estavam em uma boate em Londres, onde ambos passavam férias de verão. Os dois já estavam completamente bêbados, até que o loiro viu um moreno alto se esfregando no ruivo fazendo-o ferver de raiva.

 

— O que você pensa que está fazendo? — Bill foi até o namorado, puxando-o pelo braço.

 

— Eu estou apenas dançando, me solta! — O ruivo exclamou soltando-se do loiro.

 

— Eu vi você dando corda para aquele moreno idiota, você é uma vadiazinha mesmo Lambert! — Bill falou e saiu andando, deixando o namorado parado no mesmo lugar.

 

O loiro se direcionou para o banheiro, ele estava possesso, tudo que ele queria era ir embora sem olhar para trás. Estava parado em frente ao espelho encarando o próprio reflexo quando Adam surge atrás. Ambos se entreolham pelo espelho, em seguida Bill resolve sair do local com o intuito de ir para casa, ele já tinha bebido demais e discutir nesse estado não traria bons frutos.

 

— Você não vai me deixar aqui sozinho. — Adam o interrompeu, segurando seu braço.

 

— Você não manda em mim, Lambert. Eu vou embora sim e sem você. — O loiro respondeu e se soltou, mas foi em vão.

 

Adam perdeu a paciência, pegou Bill pelo braço e tacou-o dentro de uma das cabines presentes ali. Em seguida o ruivo pressionou o loiro na parede, e o beijou com fervor. Toda aquela raiva de antes estava sendo transformada em desejo.

 

— Para, não podemos fazer isso aqui! — O loiro falou mas não obteve sucesso.

 

Adam começou a movimentar-se sobre o corpo de Bill, que já se entregava aos poucos as investidas do namorado.

 

— Nós vamos mesmo transar aqui dentro dessa cabine? — O loiro perguntou mesmo já sabendo a resposta.

 

— Cala a boca e me beija logo, eu sei que você também quer. — Adam respondeu com a voz rouca, fazendo Bill se entregar completamente às suas investidas.

 

Flashback off

 

Com essas memórias Adam acabou dormindo tendo a certeza que o ocorrido com Bill hoje no closet teria se tornando mais uma lembrança da qual guardará para sempre na memória.


Notas Finais


GENTEEEEEE, QUE QUI FOI ISSO?!?!?!?!?!?!?!?!?!
Eu tava ansiosa por vocês lerem esse capítulo, então me digam o que acharam!
Até segunda, beijinhooooos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...