História Sasuke e Sakura - A História Nunca Contada (SasuSaku) - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno
Tags Casamento, Naruto E Hinata, Sakura, Sasuke, Sasusaku, Uchiha
Visualizações 334
Palavras 2.666
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Hentai, Luta, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então gente, esse capítulo foi bastante difícil de ser feito. Espero que gostem pois me deu um trabalhão.
Beijos 💕

Capítulo 13 - Dizendo Adeus


Fanfic / Fanfiction Sasuke e Sakura - A História Nunca Contada (SasuSaku) - Capítulo 13 - Dizendo Adeus

*SAKURA

Acordo sem saber onde estou.
Sento rapidamente e minha cabeça gira, fecho os olhos e espero que o mundo pare de rodar até abri-los novamente. Minha boca está com o aspecto de pergaminho seco, olho ao redor procurando um copo com água.
Agora que estou situada, sei que estou na casa de Sasuke, mas não no meu quarto.
Sei disso porque meu quarto é bem mais desarrumado. Já esse... Bom, é impecável.
Livros estão empilhados na estante por gênero, os poucos objetos de decoração estão limpos e lustrados.
Uma espada longa e uma kunai estão penduradas na parede atrás de mim.
Não consigo distinguir muita coisa pois a janela está quase fechada, deixando o ambiente em meia luz.
Em cima da cômoda vejo um copo com água. Até o copo com água estava com um porta-copos em baixo.

- Esse definitivamente não é o meu quarto. - murmuro baixinho para mim mesma antes de pegar o copo com água.

- Realmente, não é mesmo. - diz uma nova voz vinda da escuridão.

Levo um susto e deixo o copo com água cair. O copo cai derramando água em todo tapete perto da cama.
Fico olhando de boca aberta enquanto Sasuke entra em meu campo de visão, lindo e belo. Poxa, será que aquele cara nunca fica feio? Ele também não facilita.
Sasuke vem em minha direção e eu fico imóvel, acompanhando seu processo com olhos arregalados. Ele para ao lado da cama, pega outro copo, enche de água e o entrega a mim. Com um pouco mais de lerdeza que o necessário, pego o copo.
Ele se vira e senta na cabeceira do lado oposto da cama, como se quisesse ficar o mais longe possível de mim. Isso me entristece um pouco.
Bebo um gole de água, mas de repente ela não parece ter o gosto tão bom.
Ficamos nesse silêncio angustiado por uns três minutos antes de ele falar.

- Do que você se lembra? - Ele pergunta.

Ergo os olhos do copo com água e olho para ele, mas não o vendo completamente.
Casa de Shita, Sasuke chegando, uma discussão, uma notícia, um porco com uma maçã na boca, e então...

- Papai... - meu lábio inferior treme e meus olhos enchem de lágrimas. Como pude me esquecer disso? Pelos Deuses, como pude esquecer que meu papai...
Solto um soluço nada feminino, e cubro minha boca com as mãos.

- Sakura, eu... Eu, sinto muito. - Sasuke diz com a voz contida. Parece ter muita dificuldade em dizer essas palavras.

- Por favor, me deixe sozinha. - eu digo entre soluços e fungadas. - Por favor, eu...

Sasuke se levanta, mas em vês de sair, ele senta ao meu lado. Não muito longe, mas também não muito perto. Ele estende o braço e pega na minha mão. Ao primeiro contato a única coisa que percebo é que suas mãos são geladas. A segunda coisa que percebo é que não tem nada de romântico no seu gesto. É um gesto amigável. Fraterno até.
Não sei porque, mas gostei disso.
Ele fica lá, calado, apenas segurando minha mão enquanto eu me acabo de chorar.
Não me pergunte o porque, mas isso faz eu me sentir melhor.


* * *


O enterro não foi muito grande.
Muitas pessoas foram até lá para ver o que tinha acontecido, e não pelo meu pai. Isso me deixou irritada, mas não podia começar uma cena. Não com minha mãe do jeito que estava. Meu pai era o mundo da minha mãe. Um completava o outro. Nunca os vi sequer brigando. Faziam piada de tudo, um completando as frases do outro e no final, riam como dois bobos.
Não sei se minha mãe voltaria a sorrir um dia.
Ela estava com sua roupa fúnebre recebendo educadamente os convidados em nossa casa, mas simplesmente não parecia certo ela estar ali, sozinha.
Meu pai deveria estar ali, ele deveria estar ao seu lado.
Conversas vem e conversas vão, pessoas choram, outras me abraçam forte, e até pessoas que mesmo não conheceram meu pai estão ali, para nos dar força nesse momento tão difícil.
Por fim, ficam somente os íntimos.
Naruto está em um canto conversando com Sasuke, Choji e Shikamaru estão na mesa de aperitivos. Hinata, Tenten, Temari e Ino estão perto da janela conversando baixinho. Imagino que estejam falando sobre a nova vida de casada.
Lee, Shino, Kiba e Sai estão em missões e Gai e Kurenai já passaram por aqui. Kakashi-Sama infelizmente ficou preso no trabalho com burocracias e não pôde vir, mas mandou uma cesta de frutas e um cartão se desculpando e dizendo que mais tarde apareceria por aqui. E só os Deuses sabem onde Tsunade- Sama e Shizune estão.
Fico um pouco sem saber pra onde ir, mas nesse momento, minha mãe chega perto de mim e me chama pra conversar. Rapidamente vamos até meu quarto e minha mãe fecha a porta. Suas mãos tremem levemente e tem mexas grisalhas no seu belo cabelo cor de caramelo que, com certeza não havia antes. Seus olhos estão vermelhos e um pouco inchados, além das olheiras, como se ela não conseguisse dormir. Talvez porque passou a noite toda chorando. Compreensível. Eu também não aguentaria se o amor da minha vida morresse de um soluço.
Minha expressão deve ter mostrado a minha preocupação, porque ela olha para mim e dá um pequeno sorriso.

- Não faça essa cara, estou bem. Não se preocupe comigo.

Ela se senta na cama ao meu lado.

- Sakura, eu... Eu tenho algo para te contar.

Ela não olha em meus olhos e fica repuxando as mãos em um gesto nervoso. Da pra perceber que o que ela quer me contar deve ser algo importante.
Pego suas mãos, que ainda tremem e as aperto forte.

- Mamãe, tudo bem. Pode me contar o que for. Eu sou forte, lembra? - dou um sorriso e aponto para minha testa onde está meu selo byakugou.

Minha mãe sorri, mas seu sorriso não chega aos olhos. Ela pega uma caixinha do bolso e abre a tampa. Então pega três anéis de ouro, e me entrega. Pego o anéis e o examino um. Dentro tem uma inscrição forjada no ouro.

Haruno°

Pego os outros dois anéis e os examino também. Tem a mesma inscrição dentro. Pego o mais largo e desgastado dos anéis entre o dedão e o indicador.

- Esse era o anel de casamento do seu pai.

Quase deixo o anel cair. Meu coração começa a bater mais rápido e eu me pergunto se não era isso que eu estava procurando nos anéis. Uma lembrança.
Ouço uma fungada e olho pra cima a tempo de ver uma lágrima escorrer livre pela bochecha da minha mãe. Gentilmente a limpo.
Minha mãe sorri, e seca os olhos com um paninho.

- Então, Sakura. Tem uma história bastante antiga por trás desses anéis, mas não podemos demorar muito. Esses anéis represetam laços. Quando você tem laços muito fortes com alguém, você o usa. Seu pai decidiu usar o dele como aliança. - Assim que ela falou em meu pai seus olhos ficaram distantes, e eu esperei ela voltar à terra novamente. Ela pigarreia para afastar as lágrimas e continua. - Enfim, cada Haruno ganha um anel desses quando completa 23 anos, estou lhe dando antes... Bem, porque já provou seu valor.

Olho novamente os anéis. Algo tão simples, tão leve, tão bonito simboliza a força dos Haruno. Por um momento isso me encheu de orgulho, mas depois fui preenchida por dúvidas.

- Mas... Mas se cada Haruno recebe um, porque tem um anel faltando?

Pelos Deuses, eu imploro que ela não diga que seja pro meu filho que ainda virá ao mundo.
Minha mãe da um sorriso nervoso, alheia aos meus pensamentos.

- Bom, Sakura. Essa é a parte que eu quero chegar. - ela respira fundo e então solta o ar devagar. - Sakura, antes de casar comigo, seu pai já tinha se casado antes. Mas, calma, não entre em pânico. Eles se divorciaram e seu pai se casou comigo, então você nasceu. Mas, no seu antigo casamento, seu pai também teve uma filha, mas ele não sabia, pois sua ex-mulher não contou para ele, e ele descobriu isso recentemente. Ela é mais velha que você somente um ano, e agora que seu pai morreu, bem... Entenda que a ex-mulher de seu pai morreu faz muito tempo, e quem sustentava ela era seu pai, e agora que ele morreu... Bom, agora ela terá que morar com a gente.

Seria muito melhor se minha mãe tivesse dito que eu sou um alienígena.
Eu não conseguia raciocinar direito, o que era novidade para mim. Mas de uma coisa eu tinha certeza.
Tinha uma irmã.
Tinha uma irmã?
Fico ainda mais confusa. Não sabia o que perguntar primeiro. Mamãe olhava para mim nervosamente, esperando alguma reação.
Bem, o que você queria?
Queria perguntar quem era a sua irmã, se já conheceu ela, quando isso aconteceu, como aconteceu, quem era a ex mulher do seu pai, por que se separaram, mas o que saiu da sua boca foi:

- Você foi uma amante?

Pergunto sem nenhum pingo de julgamento na voz, só a simples e pura curiosidade e descrença. Porque, sinceramente a imagem de sua mãe e do pai traindo alguém não se encaixava nesse quebra-cabeça.

Mamãe corou e arregalou os olhos.

- Deuses, não! Nós ficamos juntos depois que seu pai se separou dela... E-eu e seu pai nos amávamos!

Minha cabeça começou a juntar as peças.

- Quer dizer que no momento que ele terminou com ela, vocês se apaixonaram, assim do nada?! Simplesmente assim! Puf! É matemática simples mãe.

Se fosse ainda possível mamãe ficou mais corada ainda, ela estava prestes a dar uma explicação brilhante, mas uma batida na porta a interrompeu.
Naruto colocou a cabeça para dentro, e vendo que estava tudo bem, abriu mais a porta, deixando aparecer Sasuke, que estava atrás dele.
Naruto entra e começa a falar com minha mãe agradecendo tudo e dizendo que sente muito por nossa perda, e suas palavras são tão reais que minha mãe começa a chorar e Naruto chega mais perto e se agacha para falar com ela.
Sasuke fica na porta olhando ao redor. Antes ficaria envergonhada se Sasuke entrasse no meu quarto, mas agora realmente não me importo. É só um quarto.
O papel de parede são listras verticais rosas e brancos, uma mesinha de chá no centro do quarto, um guarda-roupa também branco, uma cama box de solteiro, uma penteadeira dourada, uma estante abarrotada de livros e pergaminhos medicinais e por fim, uma escrivaninha pequena com vários papéis amontoados em cima; cálculos de doses de remédios, anotações sobre futuras invenções e até uma receita de bolo de cenoura.
Quando ele olha na parede oposta ao meu guarda-roupa, aí sim eu sinto minhas bochechas esquentarem. Vários pôsteres de bandas fracassadas que eu gostava, especialmente rock doidão e rap. Quem diria, a imaculada Sakura gostar de rock. Pra piorar ainda mais, eu tinha pego uma foto do Sasuke e colado na parede, pra então treinar minha mira de kunais.
O olho esquerdo e a orelha esquerda tinham sido personalizados com minhas kunais.
Tento não olhar para ele, completamente envergonhada.
Naruto termina de falar com minha mãe e fala que já está indo embora porque precisa ir para uma missão com Shikamaru e Temari.
Naruto da um soquinho em Sasuke e vai embora.
Sasuke olha para mim.

- Estou indo embora. - ele fala.

Minha mãe se levanta, rápida como uma onça e diz.

- Sakura, querida. Você deve ir com o Sasuke.

Ela fala com uma esperança tão descarada na voz que fica difícil não ver as intenções dela.

- Mas mãe, eu... - protesto.

Ela me corta.

- Nada de mas. Já vai anoitecer, não quero você andando sozinha por aí a noite.

Olho desesperada para Sasuke, ele somente olha inexpressivo para mim. Pode estar irritado ou se divertindo. Nunca sei dizer o que esse garoto está pensando. Sabendo muito bem que minha mãe não vai me deixar ficar, dez minutos depois estou na porta da frente me despedindo e pegando meu casaco.
Por mais que minha mãe tivesse me contado aquela história maluca eu estava realmente preocupada com ela. Não queria que ela ficasse sozinha, não depois de ter perdido meu pai, mas ela não deixaria sua filha abandonar a missão. Acho que ela levava a vida de um Shinobi mais a sério do que eu imaginava.

- Tem certeza que não quer que eu fique? Não tem problema, mãe. Sasuke ficará bem. Não é mesmo, Sasuke? - prossigo sem esperar uma resposta. - Posso ficar e fazer um chá e podemos conversar a noite toda e...

Minha mãe tinha no rosto uma expressão que eu não via a muito tempo: indignação.

- Sakura Haruno, não lhe criei para você ser uma ninja que abandona a missão. Você deve estar cuidando desse rapaz 24 horas por dia, independente de tudo. Ficarei bem, pode ficar tranquila. Seu pai não gostaria que eu ficasse chorando por aí.

Isso é verdade, papai adorava rir. Não gostava de ver ninguém triste ou com raiva. Contra a gosto, aceno positivamente com a cabeça.

- Muito bem, então estou indo. Mas se precisar é só chamar. Ah, na segunda gaveta da minha escrivaninha tem um potinho que dentro tem um pó. Se você sentir dificuldade para dormir, é só misturar uma colher do pó com água morna e tomar. Em dez minutos, você dorme como uma pedra.

Mamãe olha para mim.

- Você devia ter noites muito ruins para ter desenvolvido isso. - minha mãe diz, admirada.

Tento não olhar para Sasuke.

- Bom, sim. Tive noite bastante difíceis...Mas enfim, estou indo.

Dou um abraço e um beijo em minha mãe e saio com Sasuke ao meu lado. Durante todo o trajeto, Sasuke fica calado. Não que eu esperasse outra coisa. Até foi bom, porque me deixou a vontade para pensar.
Então, quer dizer que papai já tinha sido casado... Bom, isso não é novidade. Vários homens faziam isso. Fico me perguntando se ele a deixou com o consentimento dos dois, ou se a deixou mesmo sem saber da gravidez. Será que meu pai abandonaria uma mulher que sabia que estava grávida? Será... Não. Papai jamais faria isso, era coração mole demais. Não conseguia nem matar um rato. Esse trabalho era atribuído a mamãe.
A saudade transborda do meu peito e por um momento não sei se consigo sentir outra coisa além de dor.
Paro de caminhar e tento respirar normalmente. Minha respiração forma uma fumaça branca ao redor da minha boca.
Sasuke para de caminhar já colocando a mão no cabo na espada. Ele olha ao redor e depois olha para mim.
Minha respiração acalma um pouco, mas meu coração ainda bate forte.

- Como você consegue? - pergunto a Sasuke, entre uma inspiração e outra. - Como você vive com isso?

Sasuke por um momento fica confuso, mas então a compreensão bate em seus olhos e ele desvia o olhar. Olha para o céu, onde floquinhos de neve se prendem em seus cabelos e em seus cílios. Teria ficado hipnotizada com sua beleza se não estivesse em meio a um ataque de pânico.
Desisto de uma resposta de Sasuke e minha respiração já começa a se acalmar. Então, inesperadamente Sasuke fala.

- Não se vive com a dor. Você sobrevive com ela. Seguir em frente, essa é a chave.

Eu realmente devo estar no fundo do poço pra estar pedindo concelhos para Sasuke. E olha aí o que recebo. Sasuke emana escuridão. Mas o pior é que eu me sinto atraída por ela. Ele é tão complexo, mas se você souber como entendê-lo, então tudo se torna simples. Estava prestes a agradecer por ficar comigo mas então tudo da errado. Típico
Sasuke cai no chão frio com um baque. Saio do meu estupor obrigatoriamente e me abaixo para ver a situação. A cor da sua pele está banca como leite e sua pele está super gelada. Com um terror absoluto, vejo que ele está com hipotermia. Usando um pouco de chakra, carrego facilmente Sasuke nos braços e corro para casa.


Notas Finais


Então gente, gostaram? Dêem um like e comentem! Adoro os comentários de vocês. E cedendo ao pedido de vocês, o próximo capítulo será na versão do Sasuke! Então não percam, adicionem a história aos seus favoritos e fiquem ligados!
Beijos💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...