História Se Nanatsu no Taizai fosse Brasileiro - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Visualizações 98
Palavras 1.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Acabei de fazer uso dos meus cogumelos mágicos para consegui escrever essa história
Boa leitura a todos!
Mensagem aleatória de boa saúde:
Se for dirigir não beba
Se for beber me chame

Capítulo 6 - Vamos arrombar a prisão


 Espera, nós vamos mesmo matar o único médico daqui? - perguntei

Ele tentou matar Meliodas! - respondeu o porco

Cara, Meliodas tava mais fudido que o cu de um mendingo! - respondi

Tem razão, mas é melhor não arriscar – respondeu Meliodas

Espera, espera! Minha filha foi raptada, e levada para prisão! - responde o médico

Foda-se! - falou Meliodas - Espera um pouco, onde fica essa prisão?

Bangu moço – respondeu o médico

Fudeu! - respondeu Meliodas

O que aconteceu? - perguntei

Um dos pecados brasileiros está preso lá – respondeu Meliodas

E quem seria esse? - perguntou o porco

O pecado da pedofilia Ban – respondeu Meliodas

A gente vai tipo, arrombrar o presídio? - perguntei

Não, eu tive uma ideia – respondeu Meliodas

Enquanto a mim? - perguntou o médico

 

Meliodas tentou matar o médico, mas sua faquinha de cortar pão não conseguiu chegar no coração do homem

 

Ah mano, é sério que você queria matar ele com essa porra de faca? - perguntei

Mas que porra, não chegou no coração, o que eu faço? - perguntou Meliodas

Alguém me ajude, por favor! - gritou o médico

Eu acho que ele vai sangrar até a morte – respondeu o porco

O que?? - gritou o médico arregalando os olhos

Ele disse que você vai morrer pela hemorragia – falei

Vai se fuder vocês dois! Tomara que o porco vire bacon – falou o médico

Quem você tá chamando de porco? - falou o porco – Tem que me chamar de senhor porcoooo!

Eita o porra, o porco ficou pistola! - falei

 

Gritou o porco dando uma cabeçada no médico, o que ajudou terminar de matar o infeliz

 

Poxa na história original ele ficava vivo! - respondi

Aqui é Brasil querida, não tem dinheiro nem pra professor, quem dirá pra figurante de fanfic! - respondeu Meliodas

Então, a gente vai pra bangu? - perguntou Diane

Nossa Diane, você emagreceu! - respondeu Meliodas

É, eu só precisava tirar a gordura do meu sangue, e aqueles insetos fizeram isso – respondeu Diane – A principio capitão, essa arrombada não tá dando pra você não né?

Ainda não! - respondeu Meliodas

 

(…)

 

Finalmente chegamos, Bangu – falou Diane

Certo, aqui vai o plano! - falou Meliodas

 

Ele começou a caminhar em direção aos cavaleiros da boca que guardavam seu amigo

Sim isso mesmo, a boca invadiu geral, quase nem existe mais policiais

 

Olá, meu nome é Meliodas e eu estou aqui como representante de direitos humanos, essas são minhas secretárias Diane e Elizabeth

E o porco? - perguntou um dos guardas

Ele não é porco, ele lutou muito pelo direito de se tornar um humano. Você por acaso é contra isso? Seu porcofóbico – falou Meliodas

Não, que isso moço, #SomosTodosPorcos, viva o direito dos porcos de se tornarem seres humanos! - falou o guarda

Eu vim aqui para soltar Ban – falou Meliodas

Pois Ban está sobre os meus cuidados, e não vai para lugar nenhum, prazer sou Jerichó

Ban não tem motivos para ficar aqui, ele é uma vítima das circunstâncias, obrigado a trabalhar muito cedo, Ban não sabe a diferença entre o certo e o errado – respondeu Meliodas

Ele transou com a porra de uma criança – respondeu Jericho

O amor não tem idades! - falou Meliodas

Mas a pedofilia sim! - respondeu Jerichó

Essa porra deve ser eleitora do Bolsonaro! - resmunguei

Você está me dizendo então que uma criança não tem a liberdade para fazer sexo? - perguntou Meliodas

É exatamente isso que estou dizendo! - respondeu Jericho

Era uma garota, a jovem Elaine, que disse possuir mais de 700 anos – falou Meliodas

Ah, pois bem, então era uma criança que estava sobre efeitos de drogas – respondeu Jerichó

Por acaso você está dizendo que ela não tinha direito de escolher a própria idade? - perguntou Meliodas

Sim – respondeu Jerichó

Essa filha da puta é dura na queda! - resmungou Meliodas

O que a gente faz? - perguntou Meliodas

Olha lá um estuprador em potencial – gritou Meliodas

Onde? - olhou Jerichó enquanto Meliodas, eu, Diane, e o porco aproveitamos para entrar correndo na prisão

Não acredito que realmente invadimos a prisão! - falei

Ali, olha Ban ali! - respondeu Diane

Não me admira ele está preso, o maluco tem maior cara de pedófilo – falei

Quem essa piranha tá chamando de pedófilo? - perguntou Ban

Quem você tá chamando de piranha, meu nome é Elizabeth, e eu sou a princesinha da boca de Liones – respondi

E eu deveria saber quem é você? – falou Ban

Ele passou muito tempo preso – respondeu Meliodas

Os guardas tão vindo o que a gente faz? - perguntou Diane

Filho da puta, vai mostrar os peitos da tua mãe, aquela vaca! - respondi

Deu certo não deu? A gente conseguiu correr! - falou Meliodas

Ah capitão, seja honesto, tu que tava doido pra ver os peitos da mina, por isso levantou a blusa dela – falou Ban

Dá próxima vez você abaixa suas calças, e mostra essa minhoca que tu chama de peru, porra! - falei

Caralho mina, tu tá muito estressada, deve ser falta de pica! - falou Meliodas

Eu não vou deixar vocês passarem! - gritou Jerichó ficando no meio da porta

O que a gente faz agora? - perguntou Diane

Bom, vou ter que por em uso meu antigo apelido, antes de ser conhecido como Ban o pecado da pedofilia – falou Ban abaixando as calças – eu era conhecido como Ban, o estuprador de calcinhas – ele começou a correr em direção a Jerichó

Que porra é essa? - perguntei

Ele tá de tanguinha rosa? - perguntou Diane

Pior, de quem foi que ele roupou essa calcinha? - perguntou o porco

Certo, vamos correr atrás dele – gritou Meliodas

 

Corríamos atrás de Ban, enquanto ele corria atrás de Jerichó

Socorro! Ele quer roubar minha calcinha! - gritava a garota enquanto corria

Ban, nós já saímos da prisão, por que você ainda tá atrás dela? - gritou Meliodas

Calcinha, calcinha, calcinha, calcinha – gritou Ban ainda correndo atrás de Jerichó

Essa porra deve tá virado nos alucinógenos – falei

O que a gente faz? - perguntou Diane

Uma hora ele volta, deixa ele – respondeu Meliodas

 

E assim, esperamos a tarde inteira por Ban, enquanto ele corria atrás da pobre Jerichó


Notas Finais


A essa hora a Elaine deve ta se revirando no caixão! huehuehue
Avisa a uma mocinha aí que a tang teve aqui em casa pra me matar, mas saíram tudo doidão com a fumaça que eu tava levantando aqui huehuehue
Que Merlin tenha misericórdia de vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...