História Second mother - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Ryan Newman
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais, Ryan Newman
Tags Justin Bieber, Ryan Newman
Visualizações 472
Palavras 1.491
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem voltou . kkkk quem é vivo sempre aparece ❤ bom amores espero que o capítulo seja esclarecedor .

Vou deixar o link de algumas fic's novas minha okay? Bom boa leitura .

Chega de papo e bora lê .

Capítulo 25 - Enlightening


Fanfic / Fanfiction Second mother - Capítulo 25 - Enlightening



Pov's danny.

Todos estavam na sala . Até mesmo Mônica . Quando eu vi ela passar pela porta a duas horas atrás quase surtei, Mônica e eu sempre fomos melhores amigas, desde sempre . Nossa amizade era diferente éramos como irmãs uma sempre pensando no bem dá outra.

Eu entendia a curiosidade dos meninos, mas isso já estava começando a me irritar. Eu não sou perigosa ou traidora, não entendo o motivo de tal desconfiança . Pensei que eles fossem meus amigos e que comfiacem em mim .

— Pode começar _ Chaz diz impaciente .

— O que querem saber ? _ pergunto 

— ham, tudo amiga _ Ryan diz óbvio.

— Defina, 'tudo' _ pesso .

— Como você e Judith se conheceram ? _ Justin pergunta .

— Eu já disse, conheci ela a uns 6 anos, especificamente na Austrália na gangue do Derick Wilson. — Já deve ter ouvido falar dele.— Danny era namorada dele . _ Judith toma minha frente nas palavras .

— Já ouvi falar dele, mas ele .. não morreu ? _ Justin pergunta confuso.

— morreu sim, Danny matou ele _ ela diz e todos arregalam os olhos .

— Não, foi..bem...assim _ Mônica balbucia pela primeira vez .

— Claro, que não foi assim. O que vocês acham que eu sou?. Eu conheci Derick na escola. Ele era amigo do meu irmão, nós namoramos por dois anos . Ele vivia ocupado sempre viajando, certo dia eu o segui; ele estáva em um galpão. Nunca pensei que eu viria o que eu vi, ele pegou drogas de uma caminhão — Cargas— depois matou o fornecedor, claro que eu gritei ele me achou nós brigamos . Eu ia contar a polícia eu queria ajudá-lo mas meu irmão fazia parte da sua gangue também, minha única alternativa foi apoia-los, nunca matei ninguém; tudo que eu sei é atirar . Mas meus dias como Namorada de um traficante estavam contados, um dia eu e ele brigamos ele transou com a vadia da Judith eu dei uma surra nela e : incêndio .

— Incêndio? _ eles perguntam confusos.

— Ouve ou incêndio no galpão, danny e eu estávamos lá para levar Harry embora. Queriamos que ele fosse com agente, queríamos que ele tivesse outra chance de recomeçar como uma pessoa boa e diferente que nós sabíamos que ele era . Não deu tempo de falar com Harry eu  e Danny saímos de lá , Derick e Harry ficaram e bom..eles morreram _ Mônica diz .

— Os boatos correram . Uns disseram que foi a Danny que incendiou o galpão pra se vingar do par de galhas outros dizem que ela morreu junto com eles . Bom ela está aqui não está ? Mas provavel que a primeira opção seja a verdadeira .

— primeiro não tem opções, segundo eu fugi com a Mônica fomos pra minha cidade natal e finalmente vivemos uma vida normal até agora _ digo.

— Então é isso ? É só isso por que se for ufa eu estou aliviado _ Justin diz .

— Só _ respondemos as três em.coro .

— então gente o passado tá lá atrás, vamos viver o futuro e boa. Quem quer ir pra balada? _ Ryan pergunta .

— Euuu _ todos gritam menos eu .

— Passo, podem ir eu tô bem aqui . 

— Deixa, a morena descansar . Foi um dia cheio pra ela . Rose estava agitada hoje, vamos só nós mesmo . _ Ryan me abraça de lado.

— Obrigada, Ray - beijo seu rosto - aproveitem, Mônica cuidado eles são malucos. Nunca desafie o chaz para beber e nunca chame o Ryan pra dançar outro havisinho básico fique bem longe do Cris e do Nolan eles tem..um .. estômago fraco podem acabar vomitando em cima de você . 

— Pode, deixar eu vou manter muita distância deles .

— Cuidaremos bem da sua amiga. Charllenge. Agora descancem ou "malhem" - Ryan faz movimentos de vai e vem com a cintura fazendo todos ali gargalharem - até mais casal.

Eu e Justin ficamos sozinhos na sala. O silêncio entre nós era constrangedor, eu não ia ser a primeira a falar, ele sabe que tem que me pedir desculpas.— Não sei bem pelo que— mas enfim ele vai me pedir desculpas. Eu me levanto do sofá e vou pra cozinha eu preciso de um copo de água gelado e uma cama bem boa .

— Anjo, está brava comigo? — Suas mãos posam na minha cintura — Eu não quis fazer aquilo _ ele faz uma trilha de beijos do meu pescoço até meu ombro.

Eu me viro . Ficando de frente pra ele, ele estáva mordendo o lábio . Quando ele faz essa cara boa coisa não vem por aí . 

— Brava não seria o termo certo _ beberico um pouco de água.

— Qual seria o termo certo, então? .

— Humm, vejamos - finjo pensar - Indesejável, você fez eu me sentir indesejável menos atraente .

— Isso você nunca seria. "indesejável"  nunca se encaixaria no seu perfil. Me desculpa ..me desculpa - ele me beija diversas vezes -  eu te amo .

— eu te amo também _ mordo seu lábio .

Levei minha mão a sua nuca e passei os dedos por seus fios castanhos sedosos e úmidos, ele subiu uma de suas mãos pela lateral do meu corpo e deixou ela na minha nuca me puxando para mais perto ainda e fazendo com que o nosso beijo se intensificasse cada vez mais, quando o ar se fez necessário. 

Justin  desceu seus beijos por  meu pescoço, deixando uma trilha de beijos e mordidas até o decote da camisola . Suas mãos que estavam passeando por meu corpo desceram até minhas coxas e eu já sabia o que ele queria, impulsionei meu corpo e ele nos guiou até bancada da cozinha na qual eu estava encostada,  me sentou ali . para logo depois voltar a beijar a minha boca de forma voraz, uma de suas mãos subiu pela lateral de meu corpo alcançando o meu sutiã por baixo da minha camisola, e as minhas passaram de sua cintura para a barra de sua camisa que eu não hesitei em levantar e passar meus dedos por seu peitoral definido, contei os gominhos que haviam ali, e passei as mão por suas costas parando na barra de sua calça jeans, onde  eu sentia o tecido da cueca passei os dedos na barra de sua  cueca em uma clara provocação e ele intensificou o aperto em minha coxa e levou sua mão por baixo da camisola apertando minha bunda com uma força exagerada e eu não contive um gemido de satisfação.


— Jay..eu 

Comecei a dizer mas ele  me calou com mais um beijo, levei minhas mãos novamente a barra de sua camisa e tirei ela de seu corpo com força atirando em qualquer canto da cozinha, Justin fez o mesmo com a minha camusola  me deixando só com  meu sutiã de renda e minha calsinha . .

— Uma rapidinha ?_ ele pergunta....

— me diz você- sussuro em seu ouvido  o provocando ..

    disse ofegante.  logo depois ele  distribuiu beijos por meu colo e dar uma demorada lambida no vale dos meus seios ainda coberto pelo sutiã, levei minhas mãos tremulas ao botão de suas calças e abri, mas antes que eu abaixasse, Justin  me fez ver estrelas quando a sua mão grande e macia apertou um de meus seios. Levei minhas mãos a barra de sua calça no mesmo instante em que Justin  subiu os beijos pelo meu ombro e levou as mãos ao feche do meu sutiã, grudando seu corpo ao meu de forma que o espaço se tornasse mínimo e fazendo com que eu sentisse o volume em suas calças. Ao sentir seu amiguinho dando sinal de vida, eu o empurro pra longe me mim. — sorrio sapeca com isso— .

— Hoje, não Jay ...

— O que ? Porra danny sua desgraçada olha como eu estou - ele aponta pra sua ereção e eu gargalho .

— isso foi por me fazer sentir um lixo . Se quiser dormir eu estarei lá no quarto - dou um selinho nele - boa noite.

— Eu vou ligar pra uma amiga me ajudar com meu pau ou melhor eu espero a Judith chegar ela é bem gostosa né ? _ ele debocha .

— Boa sorte pra você. Não devia esperar a Judith chegar pode chamar a Ashley . _ debocho .

—  Obrigada, amor . O Jerry não está mais duro graças a você .

— Me agradeça depois, agora boa noite  .

Subo as escadas correndo entro no quarto de Justin e me jogo na cama , minutos depois sinto a cama afundar me viro e vejo Justin me olhando, ele me olhava com um olhar fofo e sereno, eu não sabia como retribuir esse olhar. Com as minhas mãos eu faço cafuné nele . Nem uma palavra foi dita entre nós, logo meu olhos pesam e eu caio no sono . 


Leiam as notas finais 

Obrigada . De nada ! 




Notas Finais


Até mais ❤ antes de irem por favor olhem minhas novas histórias. Obrigada de nada !.


Leiam também :

https://spiritfanfics.com/historia/hell-9864067

And

https://spiritfanfics.com/historia/enquanto-voce-dormia-9906190


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...